"É estranho. Mas é do nosso jeito" - 60º e último Capítulo!

|


P.O.V.'s Lua Blanco

   As pessoas foram chegando. Ambiente de festa total. Nem parecia que daqui a alguns dias nós íamos embora e que íamos deixar grandes amigos aqui. 
   Daniel chegou mandando estilo, mas assim que viu Arthur caiu numa melancolia total. Ele estava triste com a partida de Arthur, assim como eu estava por deixar Ana aqui. 
   Mais gente foi chegando. Anita acompanhada de Jhulie, que trouxe Bruno e Matheus. Depois veio Bruno com Tatiana, de seguida Diego, Maria, Eduarda e vi também Frederica e Caio entrarem. Eles vinham com rostos sérios, bem marcados. Frederica vestia, por estranho que pareça, algo comportado e sem salto alto. Caio, por sua vez, vinha sem casaco, o que eu estranhei. 

- Ele tinha mesmo de vir? – Arthur me segredou
- Relaxa. É despedida. A partir de hoje nunca mais vamos ver o Caio. Mas ele é meu amigo e tem tanto direito de vir como Frederica tem.
- Tudo bem. – apesar de não ter aceitado a ideia, Arthur deu de ombros e bebeu um pouco de cerveja. 

   Fomos fazendo os pedidos e conversando de tudo um pouco. Relembramos Samuel que foi para Londres estudar e o meu namoro de mentira com ele. Arthur cruzou os braços ao ouvir todos os meus pontos positivos sobre ele. Apesar de tudo, Arthur morria de ciúmes. 

- Não esquecendo os ataques de raiva da Lua por causa de Arthur. Sim, porque eu – Bela se levantou – Bela Freitas, era quem partilhava o quarto com essa louca daqui. Tinha de suportar os gritos dela de raiva. Eu era quem limpava a sujeira que ela fazia partindo as coisas. Eu é que dava cobertura pra ela enquanto ela decidia ir curtir o seu namorado e até fui eu quem…
- Chega! – pedi – Não vamos entrar em mais pormenores. Todos nós sabemos que você foi a minha grande amiga, ok? – mandei um beijo pra ela no ar.
- Sendo assim eu também tenho confissões a fazer. – disse Frederica se levantando – Como todos sabem, Arthur foi meu namorado durante muito tempo e…
- Com licença, os pratos chegaram. – disse o garçon muito bem educado.
- Graças a deus. Caso contrário eu ai matar ela. “ai, como vocês sabem eu era namorada do Arthur”… NÃO VAGABUNDA, ELE SÓ TE USAVA PARA TRANSAR! – gritei completamente irritada com meia dúzia de palavras da Frederica.
- Calma… - Arthur segurou a minha mão – Como você diz, a partir de hoje não vamos ver mais a Frederica.
- Você está adorando isso, não é mesmo?
- É. Um pouco. Adoro te ver com ciúmes. – Arthur confessou entre risos.

   Jantamos. Fizemos brindes e, sinceramente, perdi a quantidade de brindes que fizemos em minha memória, em memória do Arthur e de mais meia centena que estava dentro daquele restaurante. 

- Vamos para a sobremesa?
- Opa, minha parte preferida. – Daniel disse animado
- Lua, antes disso, podemos conversar?
- Agora?
- O que você quer com ela? – Arthur se meteu
- É apenas uma conversa de amigos. Será que pode ser? – Caio encarou Arthur com um rosto quase de raiva. 
- Bom, tem de ser rápido porque vamos pedir a sobremesa.
- Não tem como ser depois? – Arthur se meteu novamente
- Fazemos assim. Pede a tua sobremesa agora e a gente conversa enquanto a sobremesa chega.
- Tudo bem. Tapioca de chocolate. Se não tiver, salada de fruta mesmo. Bem fresca. – antes de ir com Caio para a rua, pedi a Arthur que se acalma-se, num sussurro, e dei um selinho sobre seus lábios.

   Na rua estava um pouco de frio. Me encostei na parede, onde não passava tanta corrente de ar, e Caio ficou à minha frente com um ou dois passos de distância. Ele estava sério, esfregava as mãos a toda a hora ou então passava uma delas pelo seu cabelo.

- Está tudo bem?
- O que eu tenho para te dizer agora é bem sério. Eu nem sei como é que te vou dizer isso. Mas talvez porque realmente eu gosto de você. E não, eu não gosto de você como simples amiga. Eu sempre gostei de você como mais que isso. Mas entendi que você está em outra e que o nosso namoro de crianças não foi nada para você.
- Não é bem assim. Você sabe que eu gostava muito de você. Mas sim, a verdade é que passou. O Arthur é tudo para mim.
- Eu fiz tanto para que você não pensasse assim. Metade das vossas discussões foram criadas por mim. Eu fui, inclusive, que denunciei ao Carlos que o Arthur estava trabalhando esses dias. Contei ainda que ele tinha desistido de estudar e que talvez fosse trabalhar para um bar noturno. Fui eu que disse a ele em que museu vocês estavam, no dia em que Arthur foi conhecer o pintor famoso Lourenço. Fui eu. Me desculpa…

   Engoli cada palavra como uma facada atrás da outra. Não podia ser ele. Não podia.

- Você… você deve estar sonhando. – encarei a realidade com lágrimas nos olhos e quis acreditar que aquilo não era verdade 
- Não. Fui eu. Eu… eu fui um monstro, eu sei. Mas eu fiz isso por amor. Amor. – Caio deu um passo até mim, segurou o rosto bem forte com as duas mãos e encostou os seus lábios nos meus.

   A minha reação foi empurrar Caio assim que senti o gosto dos seus lábios nos meus e sair dali correndo, enquanto chorava todas aquelas verdades que ele me dizia. Entrei no restaurante aos trampos. Tinha os olhos cobertos de lágrimas e com certeza que as pessoas repararam nisso. Fui até à nossa mesa, tentando parecer calma, e trouxe Arthur comigo. Bela e Daniel, que eram os mais próximos de nós na mesa, perguntaram o que se passava mas eu não conseguia explicar. Não naquele momento.
   Arthur trouxe consigo a minha bolsa e procuramos um táxi pela rua. Para piorar a situação, começou a chover. Caio já não estava no lado de fora do restaurante. Com certeza o cobarde tinha ido embora, porque caso Arthur saiba disso, é capaz de o matar.

- O que aconteceu? Me diz. Foi o Caio? O que aquele filho da mãe te fez?
- Em casa. – já dentro do táxi, levei as mãos ao pescoço de Arthur e deitei sobre o seu peito, até chegar a casa.
- Com isso nem te fiz a surpresa.
- Que surpresa? – perguntei
- Eu disse que não íamos para casa depois do jantar. Eu pensei que poderíamos ir à praia onde tudo começou.
- Onde finalmente descobrimos que éramos idiotas e nos beijamos?
- Isso. – ele sorriu e fez carinho sobre os meus cabelos. Chorei ainda mais. Aquela podia ter sido uma noite diferente e provavelmente ia acabar da pior forma.

   Como ainda nem era meia-noite, havia luz em casa. Minha mãe estava acordada e estranhou nós termos chegado tão cedo. 

- Aconteceu alguma coisa?
- Não mãe… - esforcei o sorriso – Está tudo bem. Estamos cansados e vamos dormir. 
- Tudo bem… 
- Boa noite. – deu Arthur
- Boa noite. – subimos as escadas de mãos dadas – Cada um no seu quarto.
- Eu sei mãe. – me aborreci.

   Contra as ordens da minha mãe, entramos no quarto e eu contei o que aconteceu a Arthur. Como é claro, ele ficou chateado e até me obrigou a ir dormir para o meu quarto.

(…)

   O dia tinha finalmente chegado. Mágoas deixadas para trás, amigos também. Mas eles iriam estar para sempre no meu coração. Minha mãe estava de rastos e meu coração estava bem pequeno e tão apertado por a deixar. Mas ela prometeu que me ia visitar ao menos uma vez por mês, durante um final de semana. Mesmo assim, não deixei de chorar até chegar ao aeroporto e ainda dentro do avião.
   A chegada a Roma foi tal e qual ao que eu imaginei. Meu pai me recebeu com um abraço enorme e a mulherzinha dele também. Os filhos dela devem ter uns quatro ou cinco anos e são a cara dela. Ao menos isso.
   No jantar em “família”, meu pai expressou os seus sentimentos.

- Estou muito feliz por te ter aqui. Você e Arthur. Assim poderei controlar vocês de perto, visto que o vosso apartamento é aqui do lado.
- Como é que você quer que eu cresça sendo que vamos ser vizinhos?
- Do que depender de mim, sempre será assim. Você sempre será a minha bebé.
- Por favor pai! – coloquei a mão sobre a testa ao me ver bem embaraçada em frente a Arthur que ria discretamente.  
- É bom te ter de volta a casa. Agora vamos ser todos uma família! – meu pai apertou a minha mão junto com a da sua mulher e soltei um sorriso bem falso.

   O apartamento tinha uma série de andares e eu ficava no décimo segundo. O apartamento era acolhedor, bem decorado e tinha dois quartos para dormir. Dessa vez, eu não tinha a minha mãe para me obrigar a dormir separada de Arthur. 

- A nossa casa.
- Estarei sonhando? – eu ri ao deixar as malas de lado e ao fechar a porta do nosso apartamento.
- Parece mentira.
- Passamos por tanto, mas acredito que agora tudo ficará bem.
- Agora temos vida de casados.
- Mas sem aliança – fiz bico
- Não é você que odeia essas coisas?
- Pior que é mesmo – eu ri e o abracei
- Tenho de enviar um e-mail à minha mãe dizendo que já cheguei
- Mas isso pode ficar para depois… ou não? – sorri de um jeito doce e aos poucos me apoderei dos seus lábios enquanto tirava os botões da sua camisa.

   A história até pode ter chegado ao fim, mas mesmo neste mundo à parte, o nosso casal preferido viveu muitas mais aventuras. 
   Arthur começou a trabalhar e a estudar à noite. Era duro, mas como faltavam poucos meses para terminar os estudos, ele deu conta do recado. Concluiu a escola, estagiou numa empresa importante e ao final de semana se dedicava às artes onde pretendia levar caminho.
   Lua aprendeu a governar uma casa. Tratava de comida, roupas e até do pó acumulado nas prateleiras de livros apenas usados para decoração. Mas também, quando via que Arthur estava estendido sobre o sofá sem nada a fazer, fazia de propósito e não fazia jantar e se fosse preciso fazer greve de sexo. É. Greve de sexo. Isso resultava sempre.
   Como casal, viveram a história da vida deles, com muita saudade. Saudade de casa, dos amigos, das discussões com os amigos e até do maldito colégio. “maldito colégio”, visto que foi lá onde se conheceram.

- Aqui não tem piscina… - lamentou Arthur
- É… mas eu me contento com a nossa banheira de massagens
- Mas tem lado lá fora
- Mas lá fora tem gente e confusão e aqui eu estou bem. – disse eu bem dengosa. Tínhamos acabado de fazer amor e eu vestia a blusa dele, ambos deitamos sobre o sofá da sala. 
- Se arruma, vamos sair.
- Onde? – resmunguei – Ah não, me deixa aqui quieta pow. Eu faço pipoca e assistimos um filme. Eu juro que não peço comédia romântica.
- Não. Vamos sair. – ele levantou e me puxou junto.

   E lá estávamos nós. Tarde de domingo de Setembro de 2014. Na praça, em frente ao nosso apartamento, em frente à lagoa. 

- Lembra da piscina do colégio?
- Lembro. Saudades. Nem demos um mergulho de despedida.
- Podemos matar agora.
- Você não está à espera que eu pule, não é?
- É. – ele riu muito, me pegando ao colo e pulando para o lado.

   Louco. Louco, apaixonado, amor da minha vida.
   Nós, molhados dentro daquela lagoa gelada e com uma multidão de pessoas a assistir aos nossos beijos molhados. 
   Casal estranho? Talvez! Mas esse é o nosso jeito de viver, e assim será.

E chegou o último capítulo. O que acharam?
1- não terá 2ª temporada porque eu vou começar a escola e quero focar muito
2- eles não tiveram filhos porque têm 18 anos
3- não, eu não vou deixar o blog. vou postar alguma coisa aos finais de semana ou dias em que terei menos coisas a estudar. 

Qualquer coisa, só falar aqui. 

Twitter: @Psiuteamoaguiar 

12 comentários:

  1. Nossa, que final mais lindo !.!.
    Ameeii *-*
    Parabéns, web muito bem escrita Cris !.

    ResponderExcluir
  2. Pena que foi o ultimo... Mas enquanto durou foi perfeita ameiiii!!!

    ResponderExcluir
  3. Desculpa mais vou falar o que eu achei nada pessoal mais como leitora que acompanhei desde o começo da web não é que não gostei do final só espera mais, achei vago faltou algo. a web foi intensa sempre passando a emoção que o cap queria ai você finaliza ela assim, corrida pulando as etapas parecendo que queria se livrar dela o mais rápido possível, não é do seu fetil fazer isso ao contrario acho suas web's muito bem escritas, desculpa minha sinceridade mais eu espera um final digno da web! é minha opinião não desmerecendo você nem seu trabalho!

    ResponderExcluir
  4. Amei a web mais não curti o último cap :( cade mãe dela nem um final pra ela e os amigos do Brasil, a família do Arthur nem um pedido de casamento nada ficou muito vago :( faltou muita coisa pra concluir mas mesmo assim foi bom bom o final beijs Cris Anna :)

    ResponderExcluir
  5. Amei essa web e achei muito original esse final :) parabéns pela web!

    ResponderExcluir
  6. ameeeeeeeeeeeeeeeeei

    Ana

    ResponderExcluir
  7. Ameei, essa web, vai deixar uma saudade imensa!! Aiin foi tudo tao lindo, ameei real!!
    Rafa

    ResponderExcluir
  8. mirella vasconcelos22 de setembro de 2014 18:28

    Poxa queria 2 temporada,mas ficou boa a web só nao gostei do ultimo capitulo.

    ResponderExcluir
  9. Ameiiiiiiiiiiii a web :) mais tenho que concordar o final deixou a desejar beijossss é uma pena não ter 2 temporada :( Ana

    ResponderExcluir