Uma Linda Mulher - CAP.48

|



Maratona - Uma Linda Mulher




Capítulo 48:


O corredor estava meio escuro, assim a fazendo se chocar com seu corpo deixando evidente seu desejo por ela em sua intimidade, logo a seguir aproximou seus olhos, a encostou com força na parede para então lamber seus lábios, subindo as mãos fortemente até a nuca de Lua, a trazendo ainda mais perto da boca dele, e a outra descia por suas costas nua pelo decote, até por fim chegar em sua cintura, e com outro puxão a colou ainda mais ao seu corpo, Lua tremeu, Santo Deus como tremeu fechou os olhos ao sentir a respiração dele tão próxima a sua. Subiu as mãos o pegando pelos cabelos, Arthur mordeu os lábios, para logo em seguida morder os dela, subiu uma das mãos a colocando do lado da cabeça de Lua, abriu os olhos molhados pelo desejo franziu a testa em quanto ela lutava para não gemer e lhe gritar que precisava tanto dele.
Arthur – O que você quer Lua? – Perguntou com um certa fúria contida na voz fechou os lábios esperando que ela não respondesse, mais foi mais, muito mais do que ele podia suportar.
Lua – Eu quero você! - Então puxou pelos cabeços colando seus lábios em um beijo jamais visto por alguém da espécie humana, suas línguas dançavam e se procuravam com rapidez e desespero, por fim quando se encontram o, choque de seus corpos foi ainda maior, Lua arqueou as costas mordendo os lábios de Arthur, para então recomeçarem a se beijar sem nenhum pudor ou reservas. Santo Deus aquilo era rendição, aquilo era entrega mútua para qualquer um que quisesse ver ou enxergar, e na realidade quase todos enxergavam, uns discretamente, outros maravilhados, não tinha como notar, se sentia o calor de longe, após cerca de 5 minutos Arthur, descolou seus lábios para então poderem respirar. Lua quase gritou, lhe faltava tanto a respiração, baixou as mãos até o peito de Arthur sentindo o coração dele bater rápido, até mais rápido do que o seu próprio coração batia…
Ele desceu a mão que estava até então do lado da cabeça dela para suas costas, e Lua mais uma vez arqueou as costas ao sentir toque traiçoeiro dos dedos quentes de Arthur, abriu os olhos, encontrando os olhos dele cravados no seus. Não podia falar, ela não tinha palavras…
Arthur – Há pessoas demais olhando para que eu te faça amor aqui mesmo, de pé sem nem mesmo tirar sua roupa ou a minha, Lua estou a um fio de perder qualquer controle que resta em mim…– Ela mordeu os lábios pela intensidade que as palavras a atingiram, apertou as coxas tentando reprimir o nítido calor que seu corpo sentia através de sua feminilidade, seus olhos desafiaram os deles, seus lábios o convidaram novamente, e para Arthur, teve a plena certeza, ela estava de volta mais agora havia uma diferença, quem tinha o controle não era ele mais sim ela…Lua novamente aproximou seus lábios, e antes de os grudar o olhou nos olhos, então sem que ele percebesse conseguiu sair de seus braços e novamente Arthur apoiou a mão na parede mantendo seu corpo levemente inclinado para frente, Lua se aproximou de seu ouvido e lhe sussurrou:
Lua – Tem razão, há coisas que eu preciso lhe mostrar, que nenhum outro homem jamais vai ver…– E caminhando da mesma forma que havia entrado no salão, encontrou o banheiro não tão longe no qual entrou e com rapidez trancou a porta se se encostando à mesma, respirou fundo, seu corpo ardia em chamas, seu sangue parecia borbulhar dentro de suas veias. Ar ela precisava com toda certeza de muito e frio ar…
Arthur ainda com os olhos apertados, tentava controlar ao máximo os locais que ardiam em seu corpo, na realidade tudo ardia, pensou em estar louco, seu sangue parecia borbulhar por suas veias, respirou com calma uma e duas vezes, como ela podia ter feito isso. Sorriu mordendo os lábios, se estivessem sozinhos, com toda certeza a teria feito se arrepender, sentindo por fim que seu corpo voltava ao normal se endireitou, passou os dedos pelos lábios tirando o batom vermelho dos mesmo. Na mesma hora Lua saia do banheiro, passou a língua pelos lábios dando um sorriso sensual de canto de boca, em quanto suas mãos limpavam o batom que havia restado dos lábios de Arthur. Céus ele quase havia se derretido e ela continuava lá, com toda a maquiagem e o batom como se jamais tivesse sido borrados. Como há muito tempo a pegou pela cintura indicando posse, dizendo a todos que os viram e desejavam naquela momento por um segundo a ter em seus braços, que ela era sua. Sorriu a Micael que sério abraçava Sophia e modo que ela ficasse de costas para ele, que não notava a forma como ele ainda olhava Lua. A abraçou ainda mais quando Gabriel pulando chegou perto deles contando algumas novidades, animado gesticulava e fazia com que Lua gargalhasse pelo modo que ele falava. Aos poucos as pessoas ainda maravilhadas deixaram de observar o casal. Mel sorriu olhando Marieta se aproximando de Lua e Arthur quando Gabriel novamente correu para os jardins da casa.
Mel – Senti saudades maninho…– Arthur a abraçou lhe dando um belo beijo no rosto. 
Arthur – Meu presente já está na sua casa, me liga depois dizendo o que você achou. Boa noite Robert.
Robert – Boa noite Arthur, os negócios como andam?
Arthur – Em perfeito estado, e por aqui tudo sobre controle?
Robert – Tudo, sem nenhum problema, que bom que você está de volta, não aguentava mais a Lua choramingando pelos cantos…- Lua arregalou os olhos dando um tapinha no braço de Robert.
Lua – Seu trapaceiro, era você que ficava todo tristonho quando a Mel tinha que ir para o interior duas vezes por semana, olha esse seu marido, Mel.– Os quatro na roda sorriram a gargalhadas e Lua os deixou matando a saudade. Quando avistou Sophia e Micael, aproximou-se cumprimentando a ambos. Arthur em quanto sorria pelo agradável assunto que se formava, olhou em direção a Gabriel que seguro brincava com os demais filhos dos convidados, mirou Lua que mantinha uma conversa bem animada com os amigos, mordeu os lábios voltando a prestar total atenção no que a irmã e o cunhado falavam animados. Marieta se aproximou entrando também na conversa, gargalharam mais um pouco, antes do jantar ser servido, ao som de uma música agradável. Arthur ajudou Gabriel, sentado ao seu lado a comer, dançaram e brincaram, enfim uma festa maravilhosa e digna de Mel, que se divertiu e sorriu ao lado de seu marido o tempo todo. O relógio já apontava mais de 2h da manha, Mel sorriu se despedindo do ultimo convidado, sentou se tirando as sandálias às jogando longe. Robert, sorria a abraçando, lhe deu um beijo nos lábios, para então começar a massagear os pés de Mel.
Marieta – Ta para nascer marido melhor que esse em Mel. – Sorriam, e Lua desceu as escadas com os sapatos de Gabriel, em quanto Arthur o trazia adormecido nos braços, Lua jogou a manta de Gabriel em cima do mesmo, o cobrindo por inteiro. – Pensei que ficariam por aqui. – sorriu Marieta ao beijar o neto na testa com cuidado – Já é tarde…
Arthur – Fica para uma próxima vez, estou morto de casaço.
Mel – Arthur, conta outra vai, até parece que você ou a Lua vão dormir agora. 
Marieta – Olha o respeito menina. – brincou.
Mel – Desculpa tia…– Sorriu como um menina travessa em quanto Lua se ruborizava até o último fio de cabelo. Robert lançou um olhar a Mel como dizendo a ela que também não dormiria e em poucos segundos. Se colocaram de pé, se despediram subindo para o quarto do segundo andar.
Marieta – Vão com cuidado…- Lua assentiu, se despediram com mais sorrisos e beijos, esperando até que Marieta se recolhesse. Lua olocou seu sobretudo preto, o jogou nas costas caminhando com Arthur até o carro... Chegaram em casa Lua pegou o filho no colo, colocou um pijama delicadamente, deitou Gabriel na cama e com um beijo de boa noite dos pais, o menino voltou a adormecer. Arthur voltou para quarto em quanto Lua guardava o pequeno Smoking de Gabriel, sorriu o beijando novamente, tirou as sandálias caminhando para seu quarto, seu ventre ardeu ao chegar na porta, abriu com cuidado entrando no quarto que estava escuro. O Smoking de Arthur estava pelo chão, mirou a janela e não viu nada, percorreu o olhar sobre a cama e segurou se na parede para que não caísse, suas pernas bambearam, com um sorriso sensual no canto dos lábios, os olhos dele estavam cravados em Lua, sentado na ponta da cama com o cotovelo apoiado no joelho, Arthur estava irresistível, e completamente nu… 
Arthur – Consegue respirar querida? – Perguntou ironicamente a fazendo soltar um gemido baixinho. Aquele homem a colocava completamente fora de ar. – Vem Lua… – Estendeu a mão passando a língua pelos lábios, repetindo propositalmente o que ela havia lhe falado. - Há coisas que eu preciso te mostrar, que nenhuma outra mulher pode ver... – completou – Ou sentir…– Ela mordeu os lábios, tentando recuperar os movimentos, em quanto ele fazia o mesmo, a devorando com os olhos. – Vem Lua… – Sua respiração se acelerou ainda mais se era possível, ele novamente sorriu, para logo depois sério se levantar, trancou a porta a prensando na parede.
Arthur – Senti sua falta… 
Lua – Percebi…– Sentiu a excitação de Arthur em seu ventre, arqueou as costas levantando a cabeça, ofereceu seus lábios molhados e trêmulos para que ele o devorasse sem dó e piedade nenhuma. Gemeu ao sentir sua língua pelando encontrando a língua dele que estava até mesmo pior que a sua, suas mãos criaram vida, descendo e subindo por todo o corpo de Arthur, arranhado costas e nádegas, agora foi a vez dele gemer, em quanto Lua lhe beijava o pescoço, queixo e mais uma vez os lábios. Arthur levo suas mãos até o fecho do vestido, deixando toda a parte traseira do mesmo aberta, com os lábios ainda colados nos lábios de Lua abaixou lentamente as alças, ela não usava sutiã, assim suas mão acariciaram cada seio para logo sua boca iniciar o delicioso trabalho de caricias nos mesmos, em quanto Lua arqueava na parede com os olhos firmemente fechados, controlando a vontade de gritar.
Mordeu os lábios, ao ver como a língua dele brincava com os bicos já doloridos de prazer de seus seios, torceu as pernas e o vestido junto com a calcinha desceu em um passe de mágica, ele a segurou com firmeza voltando a beijar seus lábios, colando suas intimidades e em um leve esfregar caíram na cama. Com Lua por cima do quadril de Arthur, pronta para uma conexão, mais afundo, ela se abaixou o beijando nos mamilos no abdômen, e foi descendo e descendo, em quanto Arthur, se contorcia e mordia arrancando sangue dos próprios lábios, ela lhe beijou a virilha, sorriu pela cara de desespero que ele fez, e voltou a subir os beijos até novamente se sentar em cima dele para retomar a lhe beijar os lábios, em quanto suas mãos lhe agarravam e puxavam os cabelos. Arthur subiu as pernas e levou as mãos debaixo das axilas de Lua, como se fosse pegar um bebê, a levantou para logo depois abaixa la a penetrando lentamente, bem lentamente. Lua parou de beija lo ficando estática ainda com os lábios abertos, em quanto recebia Arthur por inteiro dentro de si, seus estomago se contraiu e seu ventre ardeu pela intensidade das descargas elétricas de prazer que aquela profunda conexão jogava em sua corrente sanguínea, mordeu os próprios lábios, segurando com mais força ainda os cabelos de Arthur, que também com os olhos fechados se aprofundava dentro dela, o quanto ela pudesse aguentar…




Se leu, comente!!


12 comentários:

  1. Esses Dois❤️😂 Complicadooss❤️😂
    Mais é muito Amor envolvido ❤️✌️ Mais please❤️😍 Amo de mais ❤️

    ResponderExcluir
  2. Ahhhh posta mais to ficando louca com esses dois..

    ResponderExcluir
  3. Esses Dois em hahahahha
    Amando a Maratona *--*
    Posta Mais Por Favor

    ResponderExcluir
  4. estou adorando a maratona!!! Posta mais

    ResponderExcluir
  5. Lindos continuaaa 😍😍😍😍❤👊

    ResponderExcluir