Peça-me o que quiser ou deixe-me - 3º temp. - 65º,66º,67º e 68º Capítulo (Adaptada)

|

Capítulo 65:
O nosso jogo. Nosso jogo quente começa novamente e seu olhar e me excita. Sua boca me enlouquece e eu sei que vou gostar de receber ordens. Arthur está certo, eu gosto de obedecer e dar tudo o que ele quiser.
- Lua se excita ao nos ouvir falar e descrever enquanto a fodemos, né? - Diz Björn, com sua habitual clareza.
Arthur concorda e diz com segurança:
- Sim, amigo. Minha mocinha é quente, muito quente. Diana, que até agora tem permanecido em silêncio, intervém:
- Para mim, o que me deixa louca é isso de "Peça-me o que quiser." Essa tatuagem que você tem nesse determinado lugar me deixa excitada e com vontade de fazer você pedir muitas coisas, Lua.
- O que você está esperando? - Arthur pergunta, e com um sorriso irônico, olha para mim e sussurra:
- Nós mestres vamos jogar.
Todo mundo olha para mim. Eu não sei o que dizer. Minha respiração acelera quando Diana diz:
- Prometo ser uma ama ... carinhosa.
Eu franzo o cenho. Eu não sei se vou gostar desse joguinho de mestres, quando Arthur diz com firmeza:
- Lu, como seu mestre, eu quero você fora da banheira de hidromassagem e que deite na cama para Diana fazer o que quiser. Uma vez que ela estiver satisfeita, retorne para a jacuzzi e sente-se entre Björn e eu. Hoje à noite eu tenho planos para você e você vai obedecer.
Aahhhh... o que ele acabou de fazer no meu estômago! Sem hesitar, eu deixo a jacuzzi pronta para entrar no jogo. Quando eu pego uma toalha para me secar, Arthur diz:
- Lu, eu não mandei você se secar. Solte a tolha e se deite na cama.
Eu faço o que ele pede e segundos depois vejo que Diana também saiu da jacuzzi. Arthur e Bjorn silenciosamente nos observam. Também sem se secar, Diana se aproxima de mim, toca a tatuagem que tanto gosta, beija a tatuagem e sussurra:
- Vire-se.
Não é necessário que ela repita. Eu faço e quando estou de cabeça para baixo, ela sobe em mim e me toca. Eu sinto como seu sexo percorre meu corpo.
- Levanta.
Eu fico de quatro na cama. Diana pega em meus seios molhados e, em seguida, os aperta. Seus dedos apertam meus mamilos e eu gosto da sensação, enquanto coloca seu monte de amor em minha bunda. Me aquece.
A sala de espelhos que me faz ter uma boa visão de tudo e sorrio ao ver como o olhar de Arthur fala por si. Em seguida, Diana diz:
- Deite-se.
Quando eu faço, ela pega uma das bolsas que ela e Björn deixaram em cima da cama e puxa alguma coisa. Ele mostra para Arthur, que acena com a cabeça. Eu não sei o que é até que Diana diz:
- Me dê os seus seios.
Eu faço e eu vejo que são grampos, como os que Dexter usou em mim. Eu me acalmo. Ela os coloca nos meus mamilos e mexendo na correntinha, diz, enquanto eu resmungo:
- Sua mestra agora sou eu, seu amo te entregou a mim. Eu olho para Arthur e ele concorda.
Nesse momento, Diana agarra meu rosto com uma mão e com a outra eu recebo um tapa. Olhando-me diretamente nos olhos, sussurra:
- Não olhe para ele. Olhe só para mim.
Estou prestes a colocá-la em seu lugar, mas reconheço que a situação me deixa excitada e ollho para ela. Ela vê minha boca, se aproxima, e quando vai me beijar, ele para e diz:
- Eu vou respeitar a tua boca porque eu sei que só dele, mas o resto eu vou tomá-lo como meu, porque eu quero te possuir para o meu prazer.
Estou confusa. Sua voz é suave mas o gesto é agressivo. Mas, ainda assim excitada, não me mexo, deixo que ela fique com o comando da situação e espero o que vai acontecer.

Uma vez que ela me pega como quer, se delicia com o que vê e, e puxando meus mamilos com os grampos, murmura olhando para a minha tatuagem:

Capítulo 66:
- Eu quero te provar, me dê o que eu quero. Separo as minhas pernas e levanto o quadril em sinal de rendição. Diana sorri e desejando experimentar o que eu ofereço, solta a corrente dos grampos, pega minha bunda com as mãos e sua boca vai em meu sexo.
Ele me beija, morde até que me abre o sexo com os dedos e ataca direto no meu clitóris. O molha com a sua língua e, em seguida, chupa. Sinto um grande prazer. Ela chupa me devorando e eu fico louca, e abro mais as minhas pernas, desejando que ela continue.
Sua maneira exigente de me tocar e me chupar sempre me excita. Diana tem a delicadeza de uma mulher, mas o desejo de um homem. Explora meu corpo e eu suspiro.
- Venha, querida ... venha ... Dê-me seu suco – me ordena. A cada chupada, ela consegue o que quer e a fera que há em mim se solta. Novamente eu fico molhada. Eu solto gemidos altos e fortes enquanto ela murmura:
- Ahh assim... assim... faz assim.
Um arrepio percorre meu corpo. Diana para. Eu protesto e ela sussurra:
- Fique de joelhos e afaste as pernas. Ao me submeter assim quase fico enojada, mas me recupero rapidamente, me ajoelho na cama, como ela, e antes que eu possa virar a cabeça para olhar para Arthur, ela me segura pela cintura e puxando-me completamente, coloca dois dedos em minha vagina molhada e diz: - Então ... vamos lá ..., goza pra mim. Deixe-me saber o quanto você gosta. Seus dedos entram em mim de novo e de novo. Deus, essa mulher sabe o que faz. Respiro ofegante, enquanto sua boca a poucos centímetros ordena:
- Mexe... vem... mexe... assim, assim ... - Ela sorri depois cheira meu sexo.
- Eu quero que você goze, fique molhada, para depois eu abrir suas pernas e beber o seu doce.
Eu fico louca quando ouço o toque de meu suco em sua mão entrando o saindo. Eu quero sentir sua boca entre minhas pernas. Eu desejo a sua língua chupando meu clitóris e bebendo o meu suco. Minha respiração é como uma locomotiva e aumenta a velocidade conforme aumenta a intensidade da penetração. Eu não posso acreditar. Esta mulher me tira um orgasmo atrás do outro em um ritmo incrível. Estou encharcada. Noto que estou muito molhada e ao sentir o prazer se espalhando pelo meu corpo, grito e caio deitada.
Ao me ver deitada, Diana rapidamente abre minhas pernas e tomar de novamente de mim aquilo que a enlouquece. Chupa ... lambe e novamente me entrego. Eu me rendo a ela, desejando que isso não pare. Quando eu acho que ela está satisfeita, tira os grampos e passa a chupar meus mamilos. A suavidade de sua língua acalma meus mamilos e quando sopra eu sinto um formigamento.
Hum ... Eu amo isso.
Penso em Arthur. Em seus olhos. Em como me olha agora e imagino o quão duro e excitado deve estar, quando eu ouço sua voz dizendo:
- Diana, use cinta com pénis duplo e inflável. Ela pega na bolsa uma cinta que eu nunca vi antes. É uma espécie de cueca de couro com travas, uma bola e dois pênis. Um dentro da cueca e o outro fora. Ela me entrega e diz:
- Coloque-o em mim. Excitada e com os mamilos duros como pedra a cinta na mão, eu o olho. Eu nunca coloquei um desses e ela explica:
- Introduza em mim o pênis está do lado de dentro e depois amarre ao cinto em minha cintura para que eu possa te foder.
Sem dizer mais nada, ela ajoelha-se na cama, abre as pernas e exige, me dando um tapa:
- Faça.
Ao colocar as mãos entre suas pernas, sinto seu calor. Como regra geral, eu nunca tocaria mulheres, eu prefiro que me toquem, e apesar do desejo que eu tenho de tocar no momento, eu só faço oque ela ordena.
Abro os lábios de seu sexo, que são macios e úmidos, e lentamente introduzo o pênis em sua vagina. Eu gosto dessa sensação de controle.
Eu gostaria de ser dominante?
Uma vez que o cinto está em seu corpo, fecho o cinto em seu quadril e ela diz:
- Deite-se, afaste as pernas e quando eu tiver te penetrado abrace minha cintura com as pernas, ok?
Concordo e me deito. De joelhos e com o cinto, Diana e vê o que eu faço, e quando eu abro as pernas, ela deita sobre mim. Antes de introduzir lentamente o outro pênis no meu corpo, sussurra:

- Me abrace com suas pernas. 

Capítulo 67:
Obedeço. Com uma mão, ela aperta uma bola que está presa ao cinto e explica:
- Estou inflando o pênis que está dentro de você. Vou dilatar você.
Segundo a segundo, a minha vagina fica cada vez mais cheia. Nunca tive nada tão grosso dentro de mim, quando eu penso que vou explodir, ela para e diz:
- Me dê as mãos.
Eu faço o que ela ordena e ela as prende sobre a minha cabeça apertando-as contra o colchão, move os quadris e nós duas ficamos ofegantes.
- Você gosta...?
- Sim...
Novamente ela pressiona contra mim e ambas gememos. A sensação é única. Estou totalmente preenchida e posso sentir minha vagina se expandir para se adaptar ao pênis. Ela entra e sai de mim várias vezes e eu fico ofegante.
Nesse momento, eu ouço Arthur dizer:
- Coloque mais fundo, Diana. Lu gosta.
Ela coloca minhas pernas em seus ombros e faz o que Arthur pediu. Os meus suspiros se transformar em gritos de prazer.
Ah, sim... Eu gosto.
Enlouquecida, agarro os seios de Diana, eu a obrigo a colocá-los em minha boca, eu mordo seus mamilos e vejo que ela gosta, ela volta a me penetrar sem piedade. Eu arranho suas costas e gemo com seus mamilos em minha boca.
- Sim... sim... não pare... não pare.
Ela não para.
Me obedece.
Faz o que eu peço.
Eu sinto muito calor...
Eu queimo... queimo...
E quando o extase se estende a ambas, Diana cai sobre mim e eu grito sentindo o clímax. Exausta, suada e satisfeita, eu olho para os espelhos no teto e vejo Arthur e Bjorn.
- Olhe para mim, exige Diana.
Eu faço isso. Ela agarra meus ombros e me faz gritar novamente. Eu, a movo e mordo um mamilo. Eu a reacendo e, como uma louca, ela aperta sua pélvis contra a minha e ambas ficamos ofegantes.
Minutos depois, quando as suas estocadas acabam, minha respiração volta ao normal. Eu não me mexo. Eu não sei se Diana já estava saciada. Ela manda e eu obedeço. Esse é o jogo e eu gosto. Eu amo isso.
Quando ela sai de dentro de mim, minha vagina se desincha. Ela se deita ao meu lado, olhando para mim, explica:
- Eu continuaria com isso a noite toda, mas não vou ser egoísta. Agora cabe a eles. E, levantando a voz, diz - Arthur, acabei por enquanto.
Eu sorrio. Eu gosto de ouvir isso de “por enquanto”.
Quero repetir com Diana. Ela me deixa muito excitada.
- Lu, entre na jacuzzi - diz Arthur.
Eu me levanto. Minhas pernas tremiam, meu suco escorre entre elas, mas vou até eles. Quando eu chego na banheira de hidromassagem, lembro que Arthur disse que quando voltasse, me colocasse entre os dois. Eu vou e suspiro quando sinto a água na minha pele.
Que delícia!
Em baixo da água, eu sinto que Arthur procura minha mão. Eu dou minha mão a ele e aperto a sua. Eu sei que com este gesto está perguntando.
Durante vários minutos, ninguém falou, ninguém se moveu. Eu fecho meus olhos e aproveito o momento. Sei que estão esperando minha recuperação.
Quando eu ouço um barulho, eu abro meus olhos. Diana entra no chuveiro e Arthur diz:
- Nos masturbe.

Como ele está segurando minha mão, a coloca para pegar em seu pénis. É duro e ereto. Eu o acaricio e, sem demora, com a outra mão agarro o de Björn. Ambos estão como pedras. Prontos para mim e, embora eu gostaria de dar a eles outro uso aquela hora, mas eu tenho que obedecer. Eu os masturbo. Meus movimentos são rítmicos. Subo e desço as duas mãos ao mesmo tempo até que meus movimentos ficam descompassados neles. Eu olho para o espelho e percebo que os dois estão com os olhos fechados e estão disfrutando. Desfrutam enquanto eu continuo dando prazer a eles. 

Capítulo 68:
Em pouco tempo meus ombros começam a doer. Isso é desgastante, mas eu não paro. Não quero dececioná-los. Continuo meu movimento e meu homem diz com a voz tremula:
- Diana, me traga preservativos.
Ela pega na bolsa, e os entrega para Björn. Ficou claro pra quem são. Seu olhar se encontra com o meu, solto sua ereção e ele se levanta. Seu pénis é enorme, e me dá água na boca.
Björn é tão sexy.
- Diana, troca o CD, e coloca o azul.
A mulher obodece, e quando começa os primeiros acordes de Cry me a River de Michael Bublé, ambos sorrimos e ele diz:
- Essa música sempre me faz lembrar você.
Arthur se mexe, e seu pénis sai da água, e me esqueço do Björn. Meu marido é o que mais me deixa louca.
O desejo.
O desejo dentro de mim com urgência e uma ansiedade viva.
Com um sorriso que me mostra o quanto ele está gostando, se move para uma parte da Jacuzzi, onde quase consegue se deitar e diz: - Vamos lá, pequena, suba em mim.
Empolgado, eu vou até ele e o beijo. Sua língua se enrosca na minha e ambos sorrimos. Nós jogamos, nós tocamos e ele me agarra e entra em mim lentamente. Eu suspiro.
- Você me deixa louco, moreninha.
Eu sorrio e ele me abraça e murmura:
- Sua entrega me excita cada vez mais.
- Eu sei.
Eu mexo meus quadris procurando prazer, e sussurro em seu ouvido: - Eu gosto do que fazemos, e eu gosto de você me dando ordens. Olhando nos meus olhos, ele balança a cabeça e penetrando com força, sussurra:
- Eu sei que você gostou. Seu gemidos me contaram.
- Sim. Muito.
Com um sorriso perigoso, que me dá arrepios, Arthur acrescenta: - Agora, você vai gostar mais. - E, olhando por cima do meu ombro, diz - Björn, estamos te esperando.
Eu sinto que a água da jacuzzi está se movendo e nosso amigo fica atrás de mim.
- Esse seu cú me encanta, linda.
O meu olhar se intensifica ao saber o que vai me acontecer quando meu marido diz:
- Neste momento é tudo para você, amigo. Vamos aproveitar minha esposa e deixar ela louca. Björn beija meu pescoço e me agarrando por trás aperta os mamilos doloridos, e sussurra:
- Estou louco por isso.
Quatro mãos me tocando sob a água, enquanto Michael Bublé canta. Arthur e Björn separam minhas nádegas e conduz sua ereção em meu ânus. Não há necessidade de lubrificante, ele se dilata e, em segundos, eu tenho dois homens me possuindo na jacuzzi, enquanto Diana está assistindo e bebendo algo em seu copo.
- Assim ..., querida ... assim... Diga-me que você gosta.
- Eu gosto... sim.
Por trás Björn pergunta:
- Quanto você gosta?
- Muito ... muito ... Eu respondo.
- Eu quero que você desfrute com a gente, querida.
- ... Eu, estou querido ... eu estou - sussurro, convencida disso.
Me fazem sua sem descanso.
Enlouqueço entre os meus dois homens favoritos. Amo Arthur loucamente, e minha vida sem ele não teria sentido, e Björn e eu gosto como um amigo pessoal e de jogos. Nosso trio é sempre quente e delicioso. Nós três nos envolvemos de uma maneira incrível e sempre temos um ótimo tempo juntos.
De repente, Arthur deita um pouco mais na jacuzzi e diz olhando para Björn: - Duplo.
- Você tem certeza? - Ele pergunta.
- Sim.
Eu não sei o que isso significa. Eu sinto que Björn saiu de mim, se levanta, tira a camisinha e coloca outra. Depois agachado no jacuzzi toca a entrada da minha vagina sob a água, onde Arthur me penetra, e sussurra em meu ouvido, enquanto coloca um dos dedos em mim.

- Mmmm... Eu amo esse aperto. 

6 comentários:

  1. Hunmmmmm.... Será que vai ser agora que Lua não vai gostar!! Amo o ah Webb porta maisss!!!!

    ResponderExcluir
  2. Quando será que vai vim um baby por aí♡

    ResponderExcluir
  3. Que massa esse jogo kkk amando torcendo pra segunda-feira chegar logo kkk maisssssssssssss

    ResponderExcluir