O Clube - Cap. 67

|

O Clube – Cap. 67
Quando as pessoas se importam umas com as outras, sempre dão um jeito de fazer as coisas darem certo. -Nicholas Sparks
Eu te amo. Tanto, que dói... –Fallen

“Sete dias sem ela ir a aula, sete dias de ligações não atendidas por ela... Sete dias literalmente sem notícias dela.”

POV LUA - UMA SEMANA DEPOIS.

-Bom dia meu amor! –Arthur falou me abraçando. Eu sorri comigo mesma.
-Bom...
-Quem bom dia chocho Luh! –Ele disse triste e eu tive vontade de ri. –Quero ao menos um beijo.
-Tô com preguiça Arthur! –Eu amanheci com vontade de irrita-lo.
-Ok Luh! –Ele tinha levado a sério e logo saiu da cama.
-Amor? –Eu o chamei.
-Depois Luh... –Ele disse entrando no banheiro, vinte minutos depois saiu, vestiu a roupa e disse que me esperaria lá embaixo, eu apenas balancei a cabeça.

*

-Vocês estão estranhos. –Soph falou quando íamos pra faculdade. Íamos no mesmo carro. –Vocês brigaram? –Ela nos perguntou.
-Não. –Respondi.

*

Chegamos e eu fui logo me sentar, Arthur sentou ao meu lado, como de costume, eu abaixei minha cabeça e ele saiu da sala. Não trocamos nenhuma palavra depois da minha brilhante ideia de brincar com a paciência dele logo pela manhã. Brigar com ele nunca estava nos meus planos. Resolvi sair da sala e ir atrás dele pra pedir desculpas e foi o que eu fiz. Mal cheguei a porta e vi cena que eu não merecia vê, a cena que eu odiava vê: Arthur estava abraçado com Any, os dois riam, tinha mais duas meninas junto deles e eles pareciam felizes, eles estavam se divertindo, enquanto, que por dentro o meu coração quebrava em pedacinhos, tão minúsculos quanto grãos de areia. Ele sabia que eu não estava bem. Por que ele não quis falar comigo? Any me viu e riu cinicamente, tive vontade de quebrar a cara dela, mas ninguém precisa saber, então, eu entrei na sala novamente. A professora chegou. Ele entrou logo depois dela. Eu sentia uma imensa vontade de chorar. Ele sentou-se ao meu lado e não me disse nenhuma palavra, apenas tirou o material da mochila e voltou a olhar pra frente. Eu sentia que podia chorar a qualquer momento, então, resolvi me levantar e dei a professora a desculpa de ir ao banheiro. Pura mentira!

Senti que ele me acompanhou com o olhar, nada mais, além disso. Fui até o jardim, numa parte mais reservada e me sentei em um dos bancos disponíveis. Não tinha ninguém além de mim. Claro, não existia garota mais idiota que eu naquele lugar. Que chorava por coisas bobas e por medo de perder o namorado. Logo o silêncio se quebrou, senti a presença da Mel, ela tentou sorri. Ela sempre fazia isso para que eu sorrisse também. Dessa vez não funcionou. Ela sentou-se ao meu lado, mas nada disse. Eu a abracei e chorei, ela era minha amiga, não tinha problema nenhum eu chorar na frente dela. Ela passou as mãos em meus cabelos.

-O que você tem? –Ela me perguntou minutos depois, quando eu já estava mais calma.
-Arthur e a Any... –Foi só o que eu consegui falar. As lágrimas já se acumulavam outra vez.
-Não fica assim amiga... –Foi só o que ela disse, antes de eu voltar a chorar novamente. 45min depois, eu já estava na lanchonete e Mel me fazia ri de qualquer besteira que ela falava. Vi quando Arthur andava em nossa direção.
-Lua? –Ele falou seco.
-Beijo amiga! Tchau Arthur! –Mel disse saindo.
-Tchau! O que tá acontecendo? –Ele me perguntou.
-Pensei que você sabia. –Falei.
-Qual é Lua? Você que vem com suas frescuras e quer que eu sempre leve tudo numa boa? –Ele me disse.
-Frescuras? Eu estava só brincando, desculpa se você é sério demais ao ponto de não levar nada na brincadeira! –Disse me levantando.
-Ei, onde você vai? –Ele disse segurando o meu braço.
-Embora! Me solta, você tá me machucando... –Falei.
-Às vezes você chega a ser mais infantil que a Manuela.
-Desculpa se eu sou mais criança que a sua filha de dois anos e meio. Acho que eu não sou boa o suficiente pra você! –Falei. Odiava essas lágrimas insistentes.
Cheguei a sala e a professora já estava lá, falei que estava passando mal e que não daria conta de assisti aula, ela então me liberou. Fui até a mesa pegar minhas coisas, mas Arthur já estava sentado, eu não queria falar com ele, seria obrigada então!
-Pega as minhas coisas por favor? –Pedi.
-Pega você! –Depois a infantil sou eu.
-Ok! Lucas pega pra mim? –Pedi para o garoto que estava sentado logo atrás da minha cadeira, ele pegou minha bolsa e eu o agradeci, saindo logo em seguida.

POV ARTHUR

-Cadê a Lua? –Soph perguntou.
-Foi embora mais cedo! –Falei.
-Eu disse que vocês estavam estranhos!
-Eu sei...

DOIS DIAS DEPOIS

-Cadê a Lua? –Perguntei ao chegar a casa dela, sete dias sem ela ir à aula, sete dias de ligações não atendidas por ela... Sete dias literalmente sem notícias dela. Fazia meia hora que eu estava parado em frente aquela porta e não tinha coragem de tocar a campainha.
-Er... Eu não sei o que aconteceu Arthur, mas fazem exatamente uma semana que a minha irmã não sai do quarto. –Chay me falou. Ele parecia estar preocupado. De certa forma eu me sentia culpado por ela está assim.
-Posso entrar? –Perguntei.
-Pode... Só não te garanto que ela vá querer te vê.
-Eu não tenho essa certeza também! –Falei.
-Ela só abre aquela porta pra falar com a Mel. –Chay disse.
-Será que ela pode me ajudar?

*

-Luh? Abre a porta? Sou eu a Mel! –Senti os passos dela se aproximando e ouvi a porta ser destrancada.
-Não Luh! –Eu disse segurando a porta quando vi que ela iria fecha-la.
-Eu não quero falar com você! –A voz dela era baixa, seu rosto estava pálido, ela tinha olheiras e parecia mais magra que da última vez que a vi.
-Mas eu quero! –Falei fechando a porta. –Eu preciso falar com você.
-E eu preciso ficar sozinha! –Ela falou voltando a se deitar. Ela estava apenas de lingerie branca, o que deixava à mostra sua evidente perda de peso.
-Eu tô preocupado com você Luh! –Disse.
-Eu ainda tô viva. Pronto, já viu, agora pode ir embora! –Ela me disse, parecia está magoada. Não queria nem que eu me aproximasse dela. –Por favor!
-Luh, eu não quero ficar um dia mais sem falar com você! Eu sinto a sua falta e a Manu também! –Falei.
-A sua filha precisa de uma mãe Arthur... Eu não sou a mãe dela. Eu não consigo cuidar nem de mim mesma.
-Você tem medo que ela te chame de mãe? –Perguntei. Ela hesitou antes de falar algo.
-Nunca quis que ela me chamasse de mãe... Eu cuido dela porquê ela é super fofa, um amor, é impossível não amar a sua filha Arthur.
-Eu sei que você tem medo de ser chamada de mãe pela Manu. Mas sabe? Talvez ela nunca te chame de mãe, porquê ela sabe que a Giulia é a mãe dela e que ela não tá mais aqui. Fica tranquila, eu vou pedir pra ela não te chamar assim, ela vai entender.
-Ela é só uma criança, uma criança que não precisa de uma pessoa mais infantil que ela! –Lua disse e seus olhos começaram a lagrimar.
-Luh? Desculpa amor... Eu, eu estava nervoso... Eu não quero ficar brigando com você sempre que o assunto for a Any! –Falei e dessa vez a abracei, ela não se mexeu em momento algum.
-Ela só é uma garota... –Eu o interrompi.
-Que me odeia e já separou a gente! –Ela falou baixo, contra o meu peito.
-Você liga pro que ela fala, ela gosta de te provocar...
-Eu não gosto de ver você com ela, eu não gosto que ela te abrace. Eu não quero ela perto de você! Eu não aguento... –Lua chorava enquanto falava.
-Ei amor, calma. Eu não te dei motivos pra você ficar tão insegura assim!
-NÃO É INSEGURANÇA PORRA! –Ela gritou. –É medo de te perder outra vez! –Ela falou mais baixo.
-Não precisa ter medo, olha o seu estado? Olha o ponto que você chegou Luh? –Falei olhando-a, ela permaneceu calada. –Você tá mais magra, Chay me disse que você não sai desse quarto a uma semana. Faz sete dias que você não come nada!
-Eu estou bem...
-Está bem Lua? Está bem? Isso é está bem pra você? Me diz!
-Eu não suporto mais... Se toda vez que a gente brigar eu ficar assim, eu vou acabar ficando doente. Eu não quero viver sabendo que a minha vida depende de você.
-Isso é ruim? –Perguntei.


Continua...


Se leu, comente! Não custa nada.

6 comentários:

  1. Poxa, que briguinha boba. Mais?

    ResponderExcluir
  2. As vezes parece que ela não bate bem só acho kkk amando ansiosa por mais

    ResponderExcluir
  3. Lua ele a ama, mais ficar de papo com essa coisa adeixa ensegura ele poderia se tocar e mandar a coisinha se lascar e não ficar de papo sabendo que ela não gosta

    ResponderExcluir
  4. Huuu esses dois só a graça kkkk

    ResponderExcluir