Little Anie - Cap. 10

|

Little Anie

Três dias depois - Me desculpe.

Pov Lua

Eu tinha acabado de chegar de mais um dia de trabalho. Um dia horrível por sinal. Quase nem tive tempo para almoçar. Quer dizer, quase não tivemos tempo, tanto eu quanto os outros advogados da empresa, estávamos bem atarefados. E eu ainda não falava com Arthur. Não que eu ainda estivesse com raiva dele, ele até que se esforçava para fazer as pazes. Eu só queria que ele tentasse mais um pouco. E ele continuou insistindo. Por isso eu o amava tanto.

-Oi família. -Falei ao fechar a porta. Quando Arthur não estava ensaiando, fazendo shows, dando entrevistas, ou em reuniões com o empresário, ele passava o dia em casa.
-Oi. -Ele disse.
-Mããããããe... -Anie correu até mim. Me abaixei para carrega-la no colo.
-Oi meu amor. Tudo bem? -Lhe dei vários beijinhos e ela começou a rir tentando desviar de meus beijos.
-Tudo mamãe.
-Que bom meu amor. -Lhe dei um último beijo e a coloquei no chão novamente. -Depois a mamãe fica mais com você, ok? -Falei e ela assentiu.

Subi as escadas. Eu precisava de um bom banho para relaxar. Cheguei ao quarto e deixei a bolsa na poltrona ao lado da porta. Fui até a cama e me sentei para tirar os sapatos. Meus pés estavam doendo. Tirei o blazer preto e deixei ao meu lado na cama. Me curvei para tirar os sapatos, quando a porta foi aberta e fechada logo em seguida. Olhei na direção da mesma e encarei Arthur, que caminhava até a cama. Ele sentou-se ao meu lado, e eu coloquei as pernas sobre seu colo.

-A gente precisa conversar. -Ele disse. Balancei a cabeça concordando. A essa altura, eu já o tinha desculpado. Já tinham se passado três longos dias. -Me desculpe. Eu não queria machucar você. Só fiquei irritado. -Continuou. -Por que você não me disse?
-Eu já desculpei você. -Falei baixo. Arthur me fitava. -Não disse o que? -Perguntei logo em seguida.
-Que eu estava machucando você. -Respondeu. Tive a sensação de que não era só isso, e a pergunta exigia duas respostas.
-Eu tinha a certeza de que você sabia o que estava fazendo. -Respondi secamente. Arthur segurou com uma das mãos, os meus tornozelos. E com a outra mão, ele continuou a fazer a massagem que estava fazendo em meus pés.
-Eu estava irritado. -Falou novamente.
-E...? E você acha que isso é motivo para agir igual a um idiota? -Perguntei. Arthur continuava me fitando.
-Não. E eu já pedi desculpas... Muitas, aliás. -Ressaltou.
-Não fez mais que sua obrigação. -Retruquei. Ele abafou um riso. -E eu não disse mais o que? -Perguntei novamente. Arthur me encarou confuso. -Eu sei o que você deve está pensando. -Finalizei.
-Então não me obrigue a repetir a pergunta. -Avisou.
-Não foi em nada do que você insinuou. Isso me deixou irritada! -Falei e puxei minhas pernas que ele segurava em seu colo. Ele as puxou de volta.
-Eu ainda não terminei. -Falou e voltou a fazer a massagem. -Me diz em que era então. -Pediu.
-Aah, já passou... -Respirei fundo. -Não importa mais.
-Eu quero saber.
-Eu estou cansada, Arthur. -Falei.
-Eu percebi...
-Então, eu quero tomar um banho. Hoje quase não tive tempo de almoçar. Tínhamos muito trabalho. Não sei de onde surgiu tanta papelada. -Falei. Eu queria a todo custo mudar o rumo da conversa. Arthur apenas me olhava. Eu sabia que ele entenderia numa boa, mas mais tarde ia dar um jeito de trazer o assunto atona novamente.
-Eu já falei com você sobre isso... -Falou distraidamente, enquanto seus dedos percorriam minhas pernas, até a barra da minha saia. Meus olhos acompanhavam cada movimento dele.
-Sim. E eu também já falei. Não quero conversar sobre isso agora. -Disse e me levantei rapidamente. -Vou tomar banho. -Avisei.
-Tudo bem... -Ele disse.
-Você podia me ajudar a tirar a roupa. O que acha? -Perguntei inocentemente. Tirando a blusa lentamente. Arthur me olhou sério.
-Não. Nem pensar. -Ele falou e se jogou de costas na cama. Caminhei até lá e me inclinei sobre ele.
-Não? Por quê?
-Luh, por favor. Isso é provocação. Não quero tirar sua roupa pra você ir tomar banho. -Ele revirou os olhos ao terminar de falar. Ri baixinho ao aproximar meus lábios de seu ouvido.
-Aah... Que pena. -Sussurrei. Arthur me puxou e eu cai em cima dele.
-Sim. Realmente é uma pena. E eu estou morrendo de saudades. -Finalizou.
-Mais pena ainda... Estou indisposta. -Comentei mordendo levemente seus lábios.
-Jogo sujo. -Retrucou.
-Aah é? -Perguntei provocando-o.
-É. É. É. E deixe de fingir inocência. -Retrucou irônico. -Isso é a última coisa que você tem. -Ele segurou em minha cintura e fazendo um movimento rápido, me deitou de costas na cama e ficou sobre mim.
-Haha'ha... Nem pense! -Avisei. -Hoje, literalmente não vai acontecer nada. -Completei.
-Eu sei. -Ele forçou um riso. -Só quero um beijo. -Falou e eu ergui uma das sobrancelhas.
-Tá querendo muito. -Revirei os olhos.
-Você disse que tinha me desculpado. -Ele lembrou.
-Sim. Desculpei! Mas eu quero tomar banho, lembra? Era isso que eu ia fazer antes de você me puxar para a cama. -Dei de ombros.
-Você que veio até aqui. E lembra, que você me pediu ajuda para tirar a roupa?
-Sim. E também lembro que você recusou o pedido. -Dei um sorriso triunfante. -Agora, por gentileza, dá para sair de cima de mim? -Pedi educadamente. O melhor foi a cara de frustração que Arthur fez. Tive que segurar uma risada escandalosa.
-Que mulher frustrante! -Exclamou. E saiu de cima de mim. Levantei da cama e em sua frente, tirei a roupa e segui para o banheiro. Arthur resmungou alguma coisa que eu não ouvi.

Quando sai do banheiro, Arthur não estava mais no quarto. Melhor assim. Não sei se teria alto controle suficiente para resisti ao meu marido gostoso. Me enxuguei e vesti uma roupa. O conhecendo bem, mais tarde iriamos repetir a mesma conversar de minutos atrás. Dei um longo suspiro e sai do quarto. Arthur estava na sala com Anie em seu colo, ele tinha paciência suficiente para assistir desenhos o dia todo com a filha. Ainda não tinha reparado o quão perto Carol sempre estava. Mordi os lábios confusa e balancei a cabeça. Arthur teria me falado se tivesse acontecido algo. Teria né? Bem, acho que sim.

Me aproximei do sofá e sentei ao seu lado. Arthur me olhou desconfiado e eu sorri. Coloquei a cabeça em seu ombro, enquanto fazia carinho no rosto de Anie.

-Se arrependeu de não ter cedido? -Sussurrou com os lábios próximos dos meus.
-Não. Eu sei me manter firme em uma decisão. -Sussurrei também.
-Eu sei... Você já provou que sim. -Continuou sussurrando. Sorri discretamente.
-Que bom que lembra. -Retruquei.
-Impossível esquecer qualquer coisa, vinda de você. -Explicou.
-Fico feliz.
-Ainda não me desculpei à altura. -Ele disse dando um breve beijo em meus lábios.
-Não mesmo! -Respondi provocativa.
-Que tal mais tarde?
-Uhm... Pensarei.
-Com carinho? -Ele me perguntou. Assenti. E em seguida, me alinhei em seus braços, suas mãos estavam fazendo carinho cheio de segundas intenções por baixo de minha blusa. Me fazendo ficar arrepiada.

A campainha tocou. Carol se levantou para ver quem era.

-Sophia. -Ela cumprimentou minha irmã.
-Oi, Carol. -Conhecendo Sophia como eu conhecia. Seu "oi" soou tão falso. Ela nunca foi com a cara de Carol. Nem sei o motivo. Já que ela se dava tão bem com Carla.
-Soph! -Exclamei. E em seguida me levantei do sofá. Sophia me abraçou.
-Maninha. -Falou rindo. -Oi meu amor. -Ela se abaixou para dar um beijo em Anie, que ainda estava no colo do pai.
-Oi titia. -A garotinha sorriu.
-Tudo bem? -Soph perguntou e Anie assentiu. -Que bom! Oi Arthur.
-Oi cunhadinha.
-Luh? Preciso Falar com você em particular. Pode ser? -Pediu.
-Claro. Parece ser sério. Vamos subir. -Falei.

Subi as escadas e Sophia me seguiu. Chegamos ao quarto e eu tranquei a porta.

-O que aconteceu? -Perguntei.
-Mel.
-O que ela perguntou? -Indaguei. A essa altura eu já sabia sobre qual era o assunto.
-Sobre, Chay. No sábado ela me ligou. Perguntou se o Mika tinha ido a um ensaio. Eu não sabia. Eu disse que estava no hospital. Mas Mika estava em casa, ele tinha me ligado antes e falado, porque eu passei a madrugada toda no plantão e só sai à tarde. Ela não disse nada e se despediu e desligou o celular. -Sophia respirou fundo. -Micael não me falou nada. Ele disse que não sabe de nada. -Finalizei.
-Ela me perguntou também. Nesse dia eu e Arthur tínhamos discutido. Só que ele estava em casa, encontrei com ela na cafeteria e ela me falou sobre isso. Disse que eles tinham brigado também. Ela veio comigo e fez a mesma pergunta para o Arthur. E ele deu a mesma resposta de Micael. E ele pareceu está sendo sincero. Ela ficou chateada e disse que nem mesmo o irmão, entregaria o marido. E ainda questionou Arthur sobre a amizade. Eu não voltei a tocar no assunto, com o Arthur. -Falei. -A gente não estava se falando.
-Iih... O que aconteceu? -Minha irmã indagou.
-Nada importante. A gente fez as pazes hoje. -Sorri.
-Tudo bem. E quanto ao assunto anterior. Você vai falar com o Arthur?
-Sim. Talvez hoje mesmo. Mais tarde. Ele deve saber de algo. E bem, se fosse alguma coisa séria. Acho que Mika não iria defender Chay. Mel é sua irmã, ele devia defendê-la. -Finalizei.
-Pensei nisso. -Sophia suspirou. -Bem, eu tenho que ir. O trabalho me espera! -Ela sorriu.
-Bom trabalho. -Lhe abracei. -Se cuida. -Sussurrei.
-Você também.

Saímos do quarto e Soph foi até o sofá.

-Tchau, meu anjinho. -Ela deu um beijo na testa de Anie.
-Tchau, titia... -Anie a abraçou.
-Tchau, Arthur.
-Tchau, Soph. -Arthur lhe deu um breve abraço desajeitado, já que estava com Anie no colo.
-Carla. Carol, tchau. -Ela disse e as duas responderam em coro "Tchau, Sophia".

Continua...


Se leu, comente! Não custa nada.
Próximo cap. só, sexta-feira.
Beijos...

7 comentários:

  1. KKKK Lua muito cruel com thuzinho gente ele quer safadagem kkkkk

    ResponderExcluir
  2. Poxa 3 dias bichinho do thur kkkkk amando ansiosa por mais ;)

    ResponderExcluir
  3. O Arthur ta acobertando chay só pode kkkk Lua mulher aproveita o boy ai depois ele viaja kkk

    ResponderExcluir
  4. História estranha essa da mmel acho que chay vai pedir a mel em casamento pra eles ficare acobertando assim kkk

    ResponderExcluir
  5. Quero mais mto +++++

    ResponderExcluir