Hora da mudança! - Parte |

|




POV NARRADOR

O que fazer com aqueles seres que nasceram à base das regras? Que nasceram para ser os filhos perfeitos, os alunos perfeitos e as pessoas mais infelizes do mundo? É… porque nem tudo na vida é feito à base da inteligência e das regras. Nem tudo precisa de ser perfeito para se tornar perfeito. 

Lua e Arthur, de 17 anos, eram colegas de turma e meio que melhores amigos. Digo melhores amigos pelo facto de não terem mais ninguém para conversarem durante o dia-a-dia. Eles andavam num dos melhores colégios de França e eram os melhores alunos de lá. Todas as notas dos exames ou simples provas e trabalhos eram acima da média. Eles podiam furar a escala de qualquer matéria. 
A vida deles era casa, colégio, colégio, casa. Não passava disso. Os pais queriam assim e eles já se tinham habituado a viver assim.

Cigarro? Álcool? Saídas à noite? Namorados? Sexo? O que é isso mesmo?
Eles não sabiam nada além de números, matemática, física, química e outras tantas matérias estranhas e esquisitas que ninguém naquele colégio gostava.
De presente de natal, eles pediam uma calculadora gráfica. De presente de anos, pediam uma enciclopédia. Me digam, o que fazer com estes seres?

- Os trabalhos de física que eu pedi? – disse o aluno que sempre zoa com Arthur e ainda por cima faz ele sofrer de bulling
- Eu fiz os de matemática, química e português. Não deu tempo pra fazer os de física! – dizia com um ar intimidado, endireitando os seus óculos 

O que acontecia depois de ele trazer o que os populares lhe pediam? Simples! Ele era totalmente espancado ou humilhado na frente de todo o mundo.
O pior é que ele não poderia se queixar ou contar a alguém o que lhe acontecia, caso contrário, algo pior que aquilo acontecia.
Ele era maltratado pelos colegas mas acarinhado pelos professores que adoravam o facto de Arthur e Lua serem os grandes exemplos de alunos naquele colégio. 

- Se continuarem assim, não irão fazer o ultimo ano de escola. Passarão logo para a faculdade e vão estudar medicina. Eu acredito que estejam prontos para isso. – dizia a professora de matemática toda orgulhosa – Vocês deviam seguir os exemplos dos vossos colegas! – dizia ela para o resto da turma – Eles sim são exemplo de um grande orgulho desse colégio.

No intervalo, eram os exemplos que alunos que pagavam.

- Aii, cuidado, eu sou a menina perfeita que tira as melhores notas em todas as disciplinas. – zuava a mais burrinha da turma 
- Me deixem em paz! – pedia Lua, enquanto fazia trabalhos extras de português na biblioteca
- Não querida, nos queremos lhe ajudar. Que tal um jeito nesse cabelo? – a garota começou a puxar o cabelo de Lua que estava amarrado com dois totós – Porque não colocamos uma cor neste cabelo? O que você acha?
- ME LARGA! – Lua gritou na biblioteca e foi o suficiente para chamar a atenção da funcionaria que lá estava. Desta vez Lua se safou de sofrer nas mãos da causadora de bulling

(…)

- Mas nem na hora da refeição vocês largam essas bíblias? – dizia o garoto chegando perto de Arthur e Lua que almoçavam juntos na cantina
- A bíblia se chama livro de Matemática! Temos prova amanha – disse Arthur
- E dai? Você sabe isso de trás para a frente, de olhos fechados, dormindo ou acordado! – o cara sentou na cadeira, ao lado do Arthur e pegou o livro de matemática – Deixa eu ver isso. – ele começou a olhar para o manual minimamente interessado – Hum, me deu sede hein! – ele pegou o copo de leite da Lua e colocou ao lado do livro – Nossa, como você tá linda hoje! – disse passando a mão pelo rosto da Lua
- Acha? – Lua se iludiu com um elogio do cara mais lindo e gato da escola
- Só acho! – zuava ele. Ao tirar a mão do rosto dela, passou pelo copo de leite e deitou por cima do livro de Arthur
- OLHA O QUE VOCÊ FEZ! – Arthur gritou desesperado ao ver o seu livro cheio de leite e todo borrado
- BEM FEITA! – o cara gritou – Vai fazer o quê agora? Chorar? Se jogar de uma ponte por não conseguir estudar para matemática por mais duas ou cinco horas? Cara, se anima! Pensa bem, agora pode ir com agente curtir um pouco de vídeo game e… - Arthur ganhou coragem e deu um soco no rosto do cara

Todos prestaram mais atenção no cara que tinha levado um soco do Arthur e ficaram gritando o nome dele, dando incentivo pra ele dar uma sova no Arthur. O nerd não tinha noção do que tinha feito. Simplesmente estava cansado de ser zuado dia sim e dia claro. 

- Você não fez isso – ele riu e depois agarrou da blusa de Arthur e colocou ele contra a parede chutando a barriga dele e socando o seu rosto.

Lua gritou de desespero e tentou empurrar o cara que batia em Arthur. Mas não deu certo e acabou caindo e sendo machucada pelas garotas que se chamavam de mais. A cantina mudou para um campo de batalha em que todo o mundo batia em todo o mundo. Mas os principais alvos eram Lua e Arthur, os nerds da escola.

(…)

O fim da escola tinha chegado. Finalmente o fim de ano chegou. Como aquelas férias iriam saber bem aos nerds. Iriam poder estudar dia e noite, sem terem de ir para a escola mais cedo. 
Antes de irem para casa, teriam de passar no colégio para buscarem o seu material. Arthur foi até ao ser armário onde guarda as suas coisas e lá havia uma surpresa. Abriu o armário de lá saiu uma boneca insuflável junto com centenas de camisinhas. 

“Já que aos 17 anos ainda consegue ser virgem, espero que esta boneca te faça mudar drasticamente. Tente ‘comer’ ela de um jeito selvagem. Ahh, coitado, não sabe como? Tem um manual de instruções no plástico ao lado. Sonhos molhados meu caro e boas ferias!”

Arthur chutou o armário farto destas provocações. 

Lua também teve direito à sua despedida do colégio. Todas as suas roupas aos quadrados, riscas, bolinhas e triângulos foram queimadas. As suas camisas enormes foram destruídas e os seus sapatos com rendas foram completamente destruídos. 

“Luinha, que tal aproveitar o dinheiro dos seus pais para comprar umas roupinhas novas? Aproveite e faça uma mudança radical nesse cabelo de palha, juntamente com umas plásticas e quem sabe umas lentes de contacto para deixar de usar esses óculos terríveis da sua avó. Beijo e boas ferias! Veja se no próximo ano deixa de ser virgem, porque gente com 17 anos virgem, já não se usa”.

(…)

Na primeira semana de férias, Lua continuava dedicada aos estudos. Ela queria estudar antecipadamente as matérias do primeiro ano na faculdade de medicina. Como a professora prometeu, ela e Arthur passariam directamente para a faculdade pois eram inteligentes de mais para andarem no ultimo ano de escola. 

Lua foi para a casa do Arthur estudar, como o combinado. Mas quando chegou lá, viu que algo tinha mudado. O quarto de Arthur não estava mais arrumado do mesmo jeito. Pelo contrário. Estava totalmente bagunçado e haviam roupas e sapatos espalhados por todos os lugares. Os livros estavam de parte, num saco prontos para serem jogados no lixo ou doados a uma instituição qualquer. A música de rock incomodava Lua e o ar desarrumado de Arthur também. Ele não tinha os seus óculos no rosto, não tinha o seu cabelo bem arrumado e estava sem blusa.

- Ai Arthur, não sabia que estava se trocando. – ela fechou os olhos, colocando a mão no rosto e entrando no quarto segurando as paredes para não tropeçar em nada.
- Lua, abra os olhos.
- Já está vestido?
- Já… - ele mentiu e riu quando viu Lua abrir os olhos e gritar de novo olhando para o seu corpo
- ARTHUR! – ela gritou – Porque está assim? Não tem mais camisas aos quadrados verdes, vermelhos e brancos?
- Como conhece as minhas roupas?
- Você usa sempre as roupas e não tem como não saber… - Lua sorriu envergonhada – Porque raio os seus livros estão jogados no chão? Você nunca fez isso com eles. Vai ter livros novos? Comprou os novos livros que vamos usar na faculdade?
- Não Lua, eu não comprei nada e aqueles livros são para jogar fora
- O QUE? – Lua sentou na cama. Não podia estar a acreditar em tal coisa
- Lua, pára de drama! Ok? Chega de draminhas, chega de estudar, chega dessa vida chata!
- Você bebeu coca cola? Olha que ela sempre te dá uns sintomas estranhos e…
- Não Lua, eu não bebi nada. Para com essas coisas de nerd
- Você está me ofendendo! – dizia ela com lágrimas nos olhos – Que Arthur é você?
- O novo Arthur. Sim, porque eu vou mudar e aconselho você a fazer o mesmo. Nós vamos mudar Lua
- Vamos mudar o que? Os horários de estudo? Eu acho que logo pela manha seria bom estudar a frequência do sol e da Lua, podíamos estudar física e matemática. As línguas fica para o meio da manhã, o que você acha?
- Lua, chega! Pára com essa droga! – ele gritava – Chega de estudar, chega de livros, de física e química! Droga! Estamos de ferias!
- Eu não te estou reconhecendo! – Lua pegou a sua bolsa e se levantou indo em direcção à porta – Quando você decidir voltar a ser o Arthur de antes e parar de beber coca cola que só muda o seu comportamento, ai sim eu volto a falar com você! – Lua saiu do quarto dele e foi embora

(…)

Arthur queria mudar e sentia que isso era mais do que uma necessidade de sobrevivência. Ele começou a pesquisar nos sites de jovens coisas que o deixava “mais normal”. Começou a pesquisar abreviações, modas e estilos de vida. 
Com as economias dele, comprou um equipamento de academia completo que colocou na garagem do pai dele. Ele queria começar a malhar e melhorar radicalmente o seu corpo.
Como presente de ter passado o ano com excelentes notas, ele pediu ao pai para deixar de usar óculos e começar a usar lentes de contacto. Foi difícil dele se acostumar, ele nem sabia colocar. 
Depois quis renovar o seu guarda-roupa usando blusas diferentes, de cores coloridas e ainda bermudas do mesmo género.

Os pais dele começavam a estranhar tal mudança, mas felizmente o seu pai era bem moderno e entendia que por vezes a pessoa tem de mudar para se sentir melhor.

(…)

Passaram-se duas semanas. Arthur continuava se mudando radicalmente, malhando, usando roupas diferentes e ouvindo musicas que antes não tinham nada a ver com ele. Já se notava uma pequena diferença no seu visual.

- Arthur, a sua amiga Lua chegou. – anunciou a empregada
- Mande ela entrar por favor – pediu ele, enquanto jogava vídeo game no seu quarto e ouvia musica aos altos berros
- Oi… - disse a menina tímida, que não mudou nem um pouco. Continua com os seus óculos enormes feios no rosto, com as roupas cheias de padrões e de cores que não combinam nem um pouco. Já para não falar do seu cabelo…
- Oi Lua! – Arthur nem deu atenção para ela
- Vejo que não mudou nem um pouco. Quero dizer, mudar mudou, mas não para o bom lado
- Lua, se é para começar com esse papo, vai embora por favor
- O que? Desde quando você me trata assim?
- Desde que parei de ser o nerd. De ser o menino certinho e humilhado por todos, todos os dias. – ele levantou da cama. Estava, como de sempre, sem blusa, apenas de bermuda. Os seus braços estavam levemente mais bem formados/musculados. – Você não está cansada de ser zuada por todo o mundo? Não está cansada de ser o rato do laboratório? Não esta cansada de ser a nerd que sofre de bulling todos os dias? De ser humilhada por todo o mundo? – Lua tinha os olhos brilhando. Estava prestes a chorar de novo – Você não quer ser diferente? Não quer deixar de levar com ovos todas as semanas? Não quer deixar de fazer os trabalhos dos outros? Não quer mudar?
- Eu… eu já estou acostumada
- Lua, pensa comigo. Se você mudar, para além de ficar mais bonita, você vai ganhar mais força de vontade de enfrentar todas aquelas que te humilharam até hoje e pode até mesmo ganhar um namorado
- Um na-namorado? Eu não quero…
- Ahh Lua, por favor! – ele riu irónico – Quem não quer namorar? Quem não quer se sentir amado? Lua, eu e você nunca demos um beijo em ninguém e já temos 17 anos
- Mas ninguém com 17 anos tem a nossa inteligência
- Mas não é só a inteligência que conta
- E também não é só um namorado que conta
- Lua, por favor, vamos mudar
- Vamos? Você já mudou!
- Muda por favor, vamos ser outras pessoas. Eu não estou dizendo para você deixar de ser quem é, não te estou pedindo para deixar de estudar, só to pedindo para mudar o estilo. Acho que isso não prejudica ninguém, pelo contrário. 

Lua ficou calada. Ficou pensando em tudo o que Arthur tinha dito agora e percebeu que ele em certas partes tinha razão. Ela detestava ser agredida todos os dias na escola e depois chorar no seu quarto a noite inteira para que no dia seguinte tudo acontecesse de novo.
Ela também queria mudar, mas tinha medo. Tinha medo de ser zuada por isso de novo. Mas porque razão não devia arriscar?

(…)

Os pais de Lua tinham dinheiro, mas não gostava de gastar. Eram agarrados ao dinheiro e só mesmo em casos especiais é que gastavam uma grande quantia.

- Eu preciso de dinheiro para novos materiais e livros… para a escola.
- Mas de novo Lua? – perguntou o pai – Ainda à pouco tempo eu te comprei…
- Pai, não quer que eu tenha as melhores notas?
- Claro que quero filha. Tome lá! – ele deu a ela o cartão de credito

Lua pela primeira vez em 17 anos aprendeu a mentir. Neste caso era mesmo preciso. Ela necessitava de roupas novas e um visual novo também. Foi ao salão, onde cortou o seu cabelo comprido e passou placa, deixando-o mais liso e com um maior brilho. 
Arthur passou pra ela os sites de moda que ele usou para mudar o seu estilo e ela achou super estranho aquelas blusas e vestidos curtíssimos e mais estranho ainda eram aqueles saltos altos. 

(…)

- Filha, que roupas são essas? Desde quando eu te dei autorização para usar roupas tão decotadas e curtas? Pode ir agora trocar!
- SQN!
- O que?
- Não vou pai, esse é o meu novo estilo
- E o que tem na sua boca? – o pai dela levantou um pouco o rosto – Batom?
- É… 
- Mas… filha, o que você tem? O que fez com você?
- Pai, é simples, eu mudei um pouco apenas!
- Você não é mais a mesma… - dizia o pai vendo a sua filha mudando de dia para dia

(…)

- Acho que o próximo passo seria ir a uma balada
- E você sabe se isto existe aqui?
- Hello Lua, estamos em França! Claro que tem
- E você por acaso sabe onde fica?
- Eu vi na internet e pesquisei nos mapas. Eu sei onde fica e não fica longe daqui
- E quando vamos?
- Que tal sábado?
- Fechado!
- Mas tem outras coisas que eu queria também… - Arthur ficou nervoso
- O que? – Lua perguntou 
- É o negocio dos beijos… o Carlos, aquele cara que eu dei um soco, lembra?
- Sim…
- Ele me deu uma boneca insuflável
- E você está guardando isso até hoje?
- Eu podia precisar… 
- E você experimentou o beijo?
- Não… aquilo é complicado. Alem do mais, é difícil com um bocado de plástico. Eu queria experimentar com alguém… - ele sorriu e olhou nos olhos de Lua
- Eu não vou te beijar! – ela deu uns passos para trás colocando as mãos à frente
- Lua, por favor.
- Eu não sei beijar e eu passo bem sem dar beijos em ninguém! – ela ficou nervosa
- Lua – Arthur riu – O dia de beijarmos alguém tem de chegar. Mas não podemos fazer figura feia à frente deles. Temos de treinar com alguém
- Mas eu tenho vergonha de te beijar
- Então fazemos assim… vai à internet, procura digas de como beijar e experimenta. Amanha eu vou na tua casa e experimentamos o nosso primeiro beijo – Arthur riu – Vai dar certo, você vai ver.

Lua passou as outras seguintes em frente ao seu computador com a laranja na mão. A laranja seria supostamente os lábios que irá beijar amanhã, os de Arthur. 

- “Antes de beijar qualquer garoto você tem de ter a certeza de que tem bom hálito. Quase isso não acontecer, use sempre TIC TAC, é um bom remédio para o mau hálito”. – Lua “respirou pela boca” e sentiu o seu halito. Estava bom, como de sempre, mas pelo sim ou pelo não colocou uma caixinha de TIC TAC na bolsa. – “A suas mãos devem estar sobre os ombros do garoto e tocaram por vezes no seu cabelo”. – ela lia no site de beijos – “Se for colocar língua, coloque delicadamente e deixe ele controlar o beijo. Mas se for uma mulher decidida, comece primeiro que ele.” ECAAA, JURA QUE TENHO DE COLOCAR A LINGUA NA BOCA DO ARTHUR? – ela gritou – “Se for babar, pare o beijo e componha-se rapidamente”. Droga, e se eu me babar?

No dia seguinte, Lua e Arthur se encontraram na casa da pequena para tentarem o beijo. Lua estava tão nervosa que nem sabia que roupa vestir. Não sabia como se colocar e…

- DROGA, ONDE NOS VAMOS BEIJAR? NA CAMA? CONTRA A PAREDE? SENTADOS? – Lua andava de um lado para o outro super nervosa
- Por mim está de bom tamanho que seja na cama… - Arthur entrou no quarto dela rindo, fazendo ela se encostar na parede super nervosa – Entao, beijou muito a sua mão?
- A minha mão?
- É que li num livro que beijar a mão também dá certo
- Mas também dá numa laranja
- Ahh, tentou numa laranja foi?
- Sim… - ela disse envergonhada – E você tentou onde?
- Eu apenas li umas coisas… mas bom, passemos já ao beijo?
- Eu to com vergonha Arthur. Nunca te vi como namorado e sim amigo
- Mas e dai? Eu não quero te namorar mesmo, quero apenas o teu beijo
- Escusa de dizer as palavras assim – ela cruzou os braços toda irritada
- Desculpa… mas vai, vamos logo fazer isto?
- Vamos… - ela respirou fundo – Tome. – deu um TIC TAC a ele – É para prevenir o mau halito
- Mas eu lavo os dentes Lua…
- Mas assim fica melhor. – ela comeu o TIC TAC dela e ele o dele – Pronto, está bem agora?
- Sim… vamos lá?
- Vamos. Mas onde?
- Sentados?
- Sim, pode ser. 

Foram os dois para as cadeiras da secretaria, se sentaram um de frente para o outro e se aproximaram um pouco. As pernas de Lua ficaram entre as pernas de Arthur e ele colocou as mãos sobre os braços dela. Ela colocou os seus braços sobre o pescoço dele e ombros largos e depois aproximou o seu rosto ao dele.

- Espera, deixa eu chegar um pouco para a frente – disse Arthur
- Mas assim você fica em cima de mim
- Mas é que eu não consigo chegar perto depois
- Aff, então aqui não dá! – ambos se levantaram – Na cama?
- Sim. – os dois foram para lá. Arthur sentou primeiro e pegou a mão de Lua – Senta no meu colo.
- Jura? – perguntou Lua
- Sim Lua, vem – ela sentou no colo dele

Novamente, ela colocou as mãos sobre os ombros dele e ele colocou as mãos dele sobre a cintura dela. Aproximaram os rostos e viram que algo de novo interrompia o beijo.

- Ahh Lua, baixa o rosto, eu não chego na sua boca
- Mas não dá pra baixar, se não eu vou encostar a minha testa na sua e depois o seu nariz enorme não vai permitir que eu rode a minha cabeça no beijo
- Agora a culpa é do meu nariz?
- Eu não tenho culpa de você ter um nariz enorme
- Eu é que não tenho mesmo! – Lua se levantou irritada – Acho que não vai rolar beijo hoje! – ela cruzou os braços toda irritada

E ai, gostaram? A primeira parte está aqui, amanhã eu posto a segunda parte!
Espero que tenham gostado ;)

(Veja a parte 2)

9 comentários:

  1. Amei!! Anciosa para a segunda parte.

    ResponderExcluir
  2. Ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Posta Mais hojeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee pfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpf

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkk
    muito bom
    perfeito posta ++++++++++++++++++++++

    ResponderExcluir
  4. ri de mais na parte da coca-cola kkkkk posta maos please adorei

    ResponderExcluir
  5. Q bj mais complicado em!kkk
    O Lua eh so vc agarra esse bonitao e dxa acontece qrida!

    ResponderExcluir
  6. Coloca umas fotos do novo estilo deles
    pfvr

    ResponderExcluir