NOVA: Partners (R.B.M.O.) - 3º Capítulo

|



Lua P.o.v. Atualmente

Segunda feira

-Enfim sós. -Arthur me segurou pela cintura, me prensando contra ele. Era um final de reunião e restava apenas nós dois na sala. E, como sempre, ele se aproveitava da situação para me provocar.
-Cai fora, Aguiar. -o empurrei.
-Lu, eu juro que queria entender todo esse rancor por mim. -sorriu cínico, sentando na cadeira e me observando juntar os papéis em cima da mesa. -Já faz tanto tempo que estamos nessa briga, eu mudei e você também. -passou as mãos pelas minhas pernas.
-Se você não quer que eu arranque sua mão fora, e você sabe que eu faria isso com todo o prazer, tira ela de perto de mim agora. -rosnei em sua direção, saindo do local, deixando Aguiar com um sorriso debochado no rosto.

Terça feira

-Pode admitir Lu, você adorou que vamos ter que ser um casal. -Arthur  sussurrou ao meu ouvindo, se referindo ao fato de que teríamos que trabalhar disfarçados nesse caso, como um casal compradores de antiguidades.
-Nada poderia me deixar mais feliz. -zombei, mordendo sua orelha, quando vi que o nosso alvo estava andando em nossa direção. Acontece que, para infelicidade de Arthur, mordi um pouco demais, fazendo-o recuar.
-Que isso, querida? -ele reclamou, com um sorriso no rosto. -Você sabe que eu gosto de brutalidade, mas vamos pegar leve, estamos em público.
-Com licença. -ouvi uma voz masculina anunciar ao nosso lado, fazendo com que nossa atenção se voltasse ao homem vestido de terno. -Mr e Ms Cavanaugh? -sorri.

Quarta feira

-Pois é Lu, apesar de você não admitir nós fazemos um bom trabalho juntos, querida. -falou, a ultima palavra com um tom mais doce, zombando de mim.
-O sucesso dessa operação foi absolutamente por minha causa. O Livon não ia escapar das minhas mãos assim, estou a meses o investigando. Não pense que você teve uma parcela de vitória nesse caso, querido.

Quinta feira

-Hoje você não me escapa. -ouvi uma voz rouca atrás de mim e suspirei alto, bufando em seguida.
-O que eu fiz pra merecer você na minha vida? Ou melhor, no meu andar, na minha equipe?
-Foi uma das melhores. Assim como eu.
Aguiar se aproximou de mim, sorrindo e com um movimento brusco, me empurrou contra a prateleira do escritório, atacando meus lábios.
Por alguns segundos eu me deixei levar pelo sabor maravilhoso que seus lábios possuíam e a agressividade que eles me consumiam.
Aproveitei que ele soltou meus braços e os coloquei ao redor de seu pescoço, aproveitando para puxar, com força, sua orelha.
-Sai daqui agora. -eu disse e o empurrei para fora.

Sexta feira

Andava tranquilamente pela rua, olhando os detalhes das lojas e fachadas. Parei no Starbucks e, após enfrentar uma fila de dez minutos consegui comprar meu cappuccino. Esbarrei em uma senhora na saída, e assim que abri a porta eu o vi.
Do outro lado da rua, Arthur colocava o casaco por cima dos ombros de uma menina, a protegendo do frio. A garota era claramente Pérola, uma secretária do departamento, acredito que ela servia no décimo terceiro, um andar abaixo do nosso.
Ela sorria, enquanto ele parecia irritado. Num momento ele estava olhando para sua frente e em outro, seus olhos estavam fixados em mim. Virei o rosto e continuei andando.
Não Aguiar, você nunca muda.

Passamos três anos nessas briguinhas constantes e idiotas, onde ele tentava qualquer tipo de contato comigo, seja na agência, no apartamento ou qualquer outro lugar onde nós dois estivéssemos. Digo apartamento, porque Aguiar comprou o que fica ao lado do meu, ou seja, até mesmo nos finais de semana eu sou obrigada a olhar seu lindo, porém cínico rosto.
Enfim segunda feira novamente. Mais um dia de trabalho. Apesar de todos os ofícios que tenho que cumprir, sinto que essa foi a escolha certa. Investigação é a minha praia a cada dia que fecho um crime me sinto mais realizada.
A única parte ruim de tudo isso é a falta de tempo, minha vida ultimamente era baseada em trabalho, trabalho e mais trabalho.
Minha equipe era formada por cinco componentes. Infelizmente, Aguiar era um deles. Quando o treinamento na base de Virgínia acabou, todos os agentes que conseguiram o distintivos foram transferidos para cá.
-Lu. -ouvi a voz de Arthur me chamando e o encarei. -Reunião na sua sala, mais tarde.
Assenti.
-Melanie! –a chamei e ela o empurrou. Passou a mão na boca, limpando o batom.
-Oi amiga! -falou e eu neguei com a cabeça. Fui até a minha sala encarando Chay, que ria sem graça.
-Por que Chay está com esse sorriso babaca no rosto?
-Nós estamos nos entendendo de novo, depois daquela briga na casa dos pais dele, estávamos meio afastados.
-Entendi. Eu acho tudo isso uma palhaçada, o Suede é um cara legal e parece ser bem tranquilo com essa questão de relacionamento, não sei porquê você tem tando medo de compromisso.
-Ai Lu, eu não sei. Sinto que não estou pronta pra investir assim em alguém.
-Tudo bem, mas você sabe que ele é o cara perfeito se você decidir investir. -ela assentiu, com o queixo apoiado nas mãos. -Sobre o que vai ser a reunião hoje?
-Depois do nosso sucesso com o falsificador, o Willian achou que podíamos assumir o caso do artista.
-Que artista? -falei e sentei em minha cadeira
-Um artista plástico foi a uma festa e voltou dela com uma companhia, algumas horas depois a mulher saiu de lá com uma bolsa e o artista foi encontrado desacordado. -bateram na porta.
-O que ela levou? -procurando no sistema o programa de reconhecimento de faces.
-A princípio, o artista não percebeu nada, mas alguns momentos depois ele viu que, uma de suas obras estava com um cheiro estranho.
-Tinta fresca. -presumi. Bateram na porta.- Pode entrar.
Como chefe do grupo eu comandava e determinava o que cada um ia fazer. Depois de horas e horas de descobertas, investigações e telefonemas, enviei Micael e Chay atras do prefeito para uma visitação e perguntas diretas.
-Vamos para a boatehouse amanhã a noite? –Melanie disse, assim que todos saíram novamente, nos deixando a sós.
-O que vai ter lá?
-Uma chance de você transar, você precisa.
-Melanie você está demais, meu Deus. –rimos.
-Vai com a gente?
-Vou pensar, estou exausta, preciso de um descanso.
Ficamos conversando um tempo conversando e trocando ideias sobre as possíveis formas de pegar o prefeito em flagrante, bolando um plano e eu sentia que estava faltando alguma coisa.
-Você sabe que é melhor chamar o Arthur, ele é bom nisso. -respirei fundo, ouvindo minha melhor amiga falar. Eu sabia que ela estava certa, mas dar esse gostinho a ele seria como admitir uma derrota. -Anda logo, Lua. Para de pensar merda.
Apertei o botão do telefone e minha secretária logo respondeu.
-Sim, senhorita Blanco?
-Peça que o agente Aguiar compareça a minha sala em cinco minutos, Juliana. Por favor.
-Ok.
Em menos de três minutos o sorrisinho de Arthur chegou a minha sala.
-Pois não, agente Blanco? Precisando de minha ajuda?
-Não que eu me orgulhe disso, maseu preciso sim. Preciso achar essa mulher, conversar com ela. Seu nome é Natasha Steele e ela vai estar na exposição da coleção de inverno da Le Poush, a marca de roupas e acessórios hoje a noite. Mas não sei como vou fazer ela me levar até a obra.
-Lu, pensa comigo. Se ela substituiu a obra mas foi até então, burra o suficiente para deixar que câmeras de um corredor de hotel capturassem seu rosto, o que você acha que ela estava fazendo?
-Encobrindo alguém. -respondi. -Eu sei disso, mas por que ela faria isso? Ser presa a custa de nada?
-Procure pessoas próximas, dinheiro não é o que ela quer, então ela deve ter algum laço com a pessoa que ela está encobrindo.
-O ex namorado dela, Liam Halk, já foi preso por tentar assaltar uma joalheria mas não tem nenhuma imagem recente que possa ser o ponto de encontro deles.
-Ele respondeu em liberdade e foi solto? -assenti. -Então foi comprovado que ele não estava envolvido. Mas e se ele estava? E conseguiu que o mandato de libertação fosse emitido e garantiu para a namorada que o plano novo dele, um pouco mais arriscado agora, mas com um tempo maior de preparação, possuiria um passe livre da prisão?
-E então os dois soltos, ficariam com o dinheiro que ele tiraria da obra. -deitei no encosto da cadeira, olhando pra cima. -Faz sentido.
-É claro que faz, eu já estava pensando em tudo. -riu. -Agora, me passa o endereço da exposição hoje. Eu vou até lá com você.
Mais um caso resolvido. Este com Arthur completamente envolvido, como meu ajudante. Na manhã seguinte, quando entrei na sala de Willian com os papéis da resolução e do endereço onde a obra se encontrava, ele nos parabenizou e fez o tão esperado anúncio.
Nossa equipe estava subindo cada dia mais na tabela e hoje a noite, na festa de final de ano, seria o anúncio da equipe que estaria em primeiro plano no ano que vem, recebendo assim, em primeiro mão, todos os casos que chegassem ao departamento e podendo decidir se passaria ou resolveria.
-Olha Lu, como não podemos sair ontem pra boate por causa da exposição, vamos hoje, depois da premiação, para quem sabe comemorar alguma coisa ou somente ficar de porre mesmo.
-Mel, você vai ter que me ajudar, não tenho ideia de qual roupa vestir.
Alguns minutos depois eu já havia deixado minha roupa completamente separada. Um vestido na cor vinho com cortes nas pernas e sandálias de tiras pretas. Acessórios dourados e uma bolsa preta, não muito chamativa, uma daquelas que são como carteiras.
                                                                                      ..............

Depois de subir ao palco para agradecermos pelo reconhecimento, eu, Mel, Chay, Arthur e Micael sentamos em uma mesa, para esperarmos a janta ser servida.
-Eu já esperava que nós fossemos ganhar no nosso primeiro ano competindo. -Arthur comentou. -Vamos olhar ao redor, enquanto todo o resto demora dias para conseguir alguma coisa nós resolvemos tudo rapidamente. E vocês sabem..
-Tempo é dinheiro. -completamos todos juntos, caindo em uma risada ao lembrar de como Willian pronunciava essa frase quando nos passava alguma tarefa no nosso treinamento.
-Vocês não acham que nós ganhamos apenas pelo fato de eu ser filha de quem eu sou, certo?
-Claro que não, amiga. - Melanie respondeu.
-Olha Lu, a nossa equipe realmente mereceu, não se preocupe. -Mika falou. -Você comandou a gente muito bem, independente do seu parentesco, você nos ajudou e juntos nós ganhamos. -sorri, assentindo.
-Obrigado, de verdade. Eu sei que eu prejudico vocês, nós nunca somos reconhecidos pelo nosso próprio mérito. Sempre somos a equipe da filha do ex agente.
-Lu, esquece isso e vamos curtir. -Arthur segurou minha mão. Fiquei sem graça de tirar a minha. Eu sabia que com ele tinha que ser curta e grossa, mas naquele momento ele estava apenas me apoiando.
-Com licença. -Willian falou. -Vim apresentar a vocês meu afilhado, Pedro, ele vai trabalhar no departamento agora como um ajudante. -ele sorria, apontando o rapaz ao seu lado. Olhei para Mel com um olhar suspeito, afinal, o homem era um tremendo gato.
-Seja bem vindo, parceiro. -Chay foi o primeiro a se manifestar, oferecendo a mão.
Depois do rapaz ter se apresentado a todos e mantido contato visual comigo por algum tempo ele se retirou.
-Uau. -Mel falou. -Esse aí vai se dar bem.
-Ou, e o respeito? -Chay falou, fazendo com que todos rissem.
-Não, meu amorzinho -ela disse irônica. -ele vai se dar bem com as outras meninas, meninas solteiras como a Lu.
Todos me encararam e eu ri.
-Eu nada, senhorita -suspirei. -Ele parece ser uma boa pessoa.
Olhei para a mesa e percebi.
Minha mão não estava mais na de Arthur.

                                   ............

Na segunda feira o assunto era que eu e Arthur havíamos voltado. Após virem eu entrando em seu carro na saída da festa e depois, na saída da boate, presumiram que estava rolando alguma coisa. Acontece que o carro de Mel já estava cheio e eu tinha pego carona com ela até o local, e na volta, como ele era meu vizinho, era muito mais prático eu voltar com ele.
A noite, embora muito divertida, me deixou intrigada. Desde a hora do jantar Arthur não havia soltado uma piadinha sequer.  Fizemos os caminhos no carro em total silêncio e o mesmo parecia estar irritado com alguma coisa, pois na casa de festas ficou sentado o tempo todo, apenas com seu copo de bebida.
Eu apertava o botão do elevador, quando senti a presença de alguém ao meu lado.
-Bom dia Lua. -olhei, e enxerguei Pedro com um sorriso me encarando.
-Bom dia. Eu estava indo almoçar, gostaria de me acompanhar?
-É claro, eu estava indo fazer o mesmo. -andamos em direção ao elevador. -Já ia te perguntar pois não conheço nada aqui ainda.
-Então vou te apresentar ao Son Of a Gun, é bem aqui ao lado.
-Vamos lá então. -o elevador chegou ao térreo e nós saímos. Andamos até a recepção, sendo perseguidos pelos olhares curiosos do pessoal do prédio, logo chegando no restaurante.
-Esse restaurante é ótimo, eles atendem muito bem! -ele puxou a cadeira e eu me sentei. Dez minutos depois que pedimos a comida ela chegou e nós começamos a comer.
-Com licença, será que eu posso me sentar? -ouvi uma voz rouca atrás de mim.
-Aguiar! Bom, nós estamos..
-Obrigado. -ele me interrompeu e puxou a cadeira se sentando ao meu lado.
-Arthur, certo? -ele assentiu. Puxou meu prato em sua direção e começou a comer.
Impaciente, mas querendo evitar uma briga na frente do meu recente "amigo", levantei a mão e, quando o garçom chegou a nossa mesa, pedi outra comida para mim.
Depois de um almoço conturbado com perguntas indiscretas de Arthur a Pedro e diversas outras irritações. Eu e Pedro nos levantamos e saímos do restaurante.
-Pelo menos teve um lado bom. -ele disse, percebendo meu mau humor pelo acontecido.
-E qual foi? –perguntei.
-Você está me devendo um almoço a sós.
-Almoço? –perguntei, franzindo a testa. –Prefiro um jantar. Almoço tem chances de aquele idiota nos interromper de novo. -rimos
-Bom, eu vou indo! –me puxou para um abraço e deu um beijo no canto da minha boca. – Obrigado pela companhia, mais tarde eu te ligo! –me deu as costas e saiu.
-Beijo no canto da boca? Tenho certeza que ele é gay. –Arthur falou atrás de mim.
                                                                                    ........

O dia já estava chegando ao fim e isso significava que eu logo voltaria para casa. 19:37hrs.
Já estava na minha hora. Peguei minha pasta em cima da minha mesa de madeira branca e fui até a sala de Melanie me despedir dela.
-Posso? –perguntei abrindo uma pequena fresta na porta e enxergando Melanie com uma caneta esferográfica entre os dentes.
-Claro gata! –ela falou do outro lado da mesa.
-Hoje nem vai dar pra eu ajudar você. Acredita que o gato novo da agência me convidou pra jantar? –tagarelei sentando na cadeira a frente da mesa de Melanie em uma cadeira estofada.
-Nossa, mas você foi rápida. Qual é o nome dele? Pedro? -tentou lembrar.
-Sim. Hoje eu almocei com ele e Arthur.
-Vocês três em uma mesma mesa? Pode começar a contar. –ela falou em um tom mandão. Expliquei a Melanie o meu encontro com Pedro no corredor até o almoço que Arthur teve o prazer de estragar.
-Eu pagaria para ver a cara irritada do Aguiar. –ela falou risonha.
-Bom, agora tenho que ir Melanie, tenho que me arrumar para encontrar com ele.
-Vai lá! Fica bem gostosa pra ele, espero que você tenha um sexo bem selvagem essa noite. –ela piscou safada.
-Idiota! –falei e mostrei o dedo do meio para ela e me retirei de sua sala.
 Assim que saí do elevador que me levou até o estacionamento vazio, a porta do elevador em frente ao meu se abriu, revelando Aguiar e Pérola. Os dois quase se engoliam ali mesmo.
-Ainda existem motéis, tenham uma boa noite. –falei irônica e andei até meu carro.
-Tenha uma boa noite com o Pedro! –pude escutar Arthur gritar e ri fraco com aquilo.
-Deixe comigo, Aguiar. –gritei me divertindo com aquilo e entrei no carro, dando partida com o mesmo.
 Tomei uma ducha, pois de qualquer forma eu já estava atrasada para o encontro, demoro muito para me arrumar. Andei até o closet e procurei por algo decente para um jantar, encontrei um vestido branco com detalhes pretos que eu havia usado em uma festa de casamento, seria aquele mesmo. Vesti rapidamente o vestido, fiz uma leve maquiagem, que levou boa parte do meu tempo e calcei meu par de saltos pretos.
 Voltei para o espelho do banheiro para verificar se estava tudo bem e depois voltei para o quarto para pegar a chave do quarto. Sai de casa 10 minutos atrasada, até chegar ao restaurante, já teria aumentado.
 Meu carro voava pelas ruas de Atlanta, literalmente. Assim que cheguei na frente do restaurante, estacionei meu carro na primeiro vaga que vi e corri para dentro do local.
 Tocava uma música calma, eu tinha certeza que era no violino. Eu odiava programas assim, eram tão clichês. No horário de almoço esse lugar era extremamente agradável, mas pela noite, eu só enxergava aqueles típicos casais de filmes. Enxerguei meu acompanhante sentado em uma mesa no centro do restaurante, ele estava vestido em um terno cinza, estava lindo.
-Oi. –falei calma próxima dele, fazendo o mesmo se levantar rapidamente.
-Oi Lu, você está extremamente linda. –ele disse me admirando dos pés a cabeça. –Sente-se, por favor. –ele disse e em seguida puxou uma cadeira para eu sentar.
-Obrigada! Esse lugar é tão calmo, é agradável. –falei tentando iniciar um assunto.
-Eu concordo com você. Então, me conta por que decidiu ser uma agente do FBI? –ele perguntou iniciando um assunto mais “maduro” do que o meu.
 E assim o tempo passou, nós conversamos sobre trabalho e coisas banais. Confesso que Pedro não era o tipo de cara que me atraia, ele era muito certinho. Mas que eu sentia uma certa atração por ele isso era verídico.
 Ele insistiu para me levar em casa, mas eu dei a desculpa que não poderia deixar meu carro em um estacionamento.
-Então, nos vemos na agência Lu. Foi ótimo jantar com você, nos vemos segunda na agência. –ele se encontrava a minha frente, me encurralando entre meu carro e com seus braços em torno de mim. Eu queria beijar aqueles lábios. A que ponto eu cheguei para virar uma ninfomaníaca? Ataquei os lábios de Pedro sem permissão alguma e ele rapidamente cedeu, nós estávamos envolvidos em um beijo feroz e quente.
-Nos vemos amanhã. –falei finalizando aquilo e dando um sorriso divertido.
 Entrei em meu carro e dei partida com ele. Talvez a noite de Aguiar esteja sendo mais divertida do que a minha. Sempre Aguiar, ele insiste em invadir meus pensamentos, que merda.


Notas finais:

Espero que estejam realmente gostando!!
Posto sempre que a Eduarda me mandar os capítulos

4 comentários:

  1. Ameeeiii,Arthur com ciúmes da Lua e do Pedro hahah adoro.Estou amando que os capítulos são maiores do que antes.Posta mais������

    ResponderExcluir
  2. Posta mais louca pra ler mais dessa historia.

    ResponderExcluir