Adivinha quem sou (Adaptada)- Capítulo 66

|





Na manhã seguinte, quando acordo, meu corpo não é meu.
Penso nos chichaítos e uma náusea me faz sentar imediatamente na cama.
Tudo está girando. Olho para o chão e ele se move.
Bebi muito rum?
Toco minhas pálpebras. Querido Deus, não removi as lentes! Devo estar com os olhos enormes.
Coloco um dedo em um olho e eu quase tiro. Tento novamente e não encontro a lente. Desesperada, procuro no outro olho e nada. De repente, paro, olho para frente e percebo que não vejo com clareza. Sobre a mesa consigo distinguir a caixinha onde guardo as lentes. Pego, abro e suspiro ao ver que eles estão lá.
Arthur teve que tirá-las. Como é fofo!
Minha bexiga está estourando e tento me levantar para ir fazer xixi.
Tudo se move e murmuro:
— Estou péssim...
Olho para a porta do banheiro. Está próxima. Levanto-me, mas perco o equilíbrio e, depois de dar um tropeço, caio diretamente contra a parede. Na minha queda levo a mesinha e a lâmpada e a bagunça está feita.
Toco minha cabeça. Que dor...
Atordoada e no chão, olho em volta, quando a porta se abre e Arthur entra.
— Querida! – grita ao me ver no chão.
— Eu caí. Tive uma pequena queda.
Levantando-me com cuidado, olho para seu rosto distorcido. Juro que ele está preocupado e pergunta:
— Você se machucou?
Mas não há tempo para explicações e murmurou:
— Eu me... Eu meeeeee.
Ele me pega nos braços, me leva para o banheiro, levanta a tampa do vaso sanitário, baixa minha calcinha e me senta.
Oh, Deus. Sou anti-glamour. A que ponto chegamos!
Sem querer olhar em seus olhos, faço xixi sentada no vaso sanitário e enquanto este não pára... E quando por fim termino, pego o papel e me limpo sozinha.
Tento me levantar, mas não posso. O que acontece? Tudo ao meu redor gira. Noto as mãos de Arthur e dou um tapa enquanto grito:
— Deixe-me e vá embora.
Ele não se move e depois de alguns segundos, rosnou:
— E quando puder me levantar, vou para minha casa. Não quero me casar com você. Eu... Eu não quero que a pessoa que esteja ao meu lado seja infeliz e se você já pensa isso antes do casamento, porque você vai ser.
Começo a chorar, despenteada e com os cabelos no rosto, choro sem me importar como devo estar.
— Não chore, querida.
— Deixe-me em paz!
— Acalme-se, por favor. – insiste com carinho.
Mas não me tranquilizo. Choro como um urso e ao final Arthur me levanta, sobe minha calcinha e me leva de volta para a cama num piscar de olhos, enquanto eu protesto entre soluços. Uma vez lá, me deito e retirando o emaranhado de cabelo do rosto diz:
— Não quero ver você chorar.
Mas eu sou como a cara de um palhaço. Minhas lágrimas brotam sozinhas, sou incapaz de pará-las e ouço Arthur me dizer:
— Te amo, você me ama e vamos nos casar.
— Não, não vamos fazer isso.
Nossos olhos se encontram. Olho para ele através das lágrimas. Tem o rosto pálido e se vê agoniado. Em seguida, pegando a chave que tinha em torno de seu pescoço, murmura:
— Você é a única que tem a chave do meu coração.
Meu grito ao ouvir isso é devastador. Como você pode me dizer algo tão bonito e romântico sempre?
Quando, cinco minutos depois me tranquilizo, meu menino, com a paciência de um santo, pergunta após secar minhas lágrimas com um lenço de papel:
— Onde você machucou quando caiu?
Apontei para minha cabeça, que dói muito e ouço dizer depois de inspecioná-la:
— Saiu um pequeno galo.
Ele me beija na testa e faço um biquinho.
— Vou até a cozinha pegar gelo. – me informa — Isso reduzirá o inchaço.
Dois segundos depois, estou sozinha no quarto. Lágrimas escorrem, pelo meu rosto. Sinto-me triste. Muito triste. Minha família está longe. A resmungona se aproxima e antes que meu amor retorne, me encolho na cama, fecho os olhos e volto a cair nos braços de Morpheu.
Não sei quanto tempo passou quando acordei.
A luz que entra pela janela já não tem a mesma força. Agora é alaranjada. Mexo-me na cama e me estico até que noto que minha cabeça dói.
Sento-me como posso. Tudo gira e toco o enorme galo murmuro:
— Porra... O que é isso aqui?
— Você deu um bom golpe contra a parede, querida, e tem um grande galo. – ouço que Arthur responde, se sentando ao meu lado.
Olho-o e aperto os olhos para vê-lo melhor. Ele retira novamente o cabelo do meu rosto e me sento como se tivesse passado uma multidão de formigas vermelhas e assassinas por acima. Encontro-me melhor do que antes e pergunto:
— Tony está bem?
Arthur sorri e diz:
— Ele está acostumado aos chichaítos. Você não.
Ouvi-lo mencionar a bebida me faz levar as mãos à boca.
Que náuseas!
— Não quero ver você chorar mais, ok? – Arthur diz.
Quando vou responder a porta se abre e Tata entra com uma vasilha. Ao me ver pergunta:
— Você está bem coração? – Concordo, ela grunhi — Já disse quatro coisas a Tony. Mas como ele pode levar você para beber chichaítos.
Mais uma vez eu cubro minha boca com as mãos. Arthur sorri.
Quando passa a angústia, Tata deixa a bandeja sobre a cama e me aconselha:
— Coma alguma coisa. Fará bem e você vai se recuperar rápido.
Quando ela sai, Arthur me olha com um sorriso doce e sentando-se ao meu lado, oferece:
— Vem. Eu vou te dar a sopa.
Torço o nariz. Não posso tomar nada ou vomitarei com certeza.
— Não... Não... Não... Arthur. Não desce.
— Você tem que tomar. – E quando vou protestar novamente ele insiste
— Querida, confie em mim. Esta sopa mágica da Tata vai ajudar você a se recuperar. Pense que vivemos aqui e sabemos o que enfrentamos.
Pego o guardanapo da bandeja e coloco relutante em torno do meu pescoço. Arthur coloca uma colher de sopa na minha boca. Eu entro em agonia, mas quando vou para protestar, docemente me diz:
— Outra colherada mais, amor.
Abro a boca e ele coloca outra colherada. Eu quero morrer, como me sinto mal, mas ele insiste:
— Mais uma.
E assim continua. Quando não posso mais ameaço:
— Se me obrigar tomar mais uma colherada, eu juro que te mato.
Arthur sorri e deixando a colher e a vasilha na bandeja afirma:
— Seu corpo vai agradecer em breve. Você vai ver.
Deitando-me novamente, murmuro:
— Duvido.
A sopa gira como uma máquina de lavar em meu estômago e não sei quanto tempo vai ficar lá. Fecho meus olhos e mesmo com eles fechados sinto que Arthur me observa. Não tenho força para olhá-lo. Adormeci e quando acordei Tony está na minha frente.
— Olá, dançarina.
— Wepaa! – zombo sem forças.
Tony sorri. Eu levantando os braços, peço que me abrace. Ele faz isso com carinho.

— Obrigada por me suportar ontem. Obrigada... Obrigada...

7 comentários:

  1. ❤️❤️❤️Perfeita❤️❤️❤️ Mais

    ResponderExcluir
  2. Essa resaca da Lua foi foda kkkkkk rindo ate 2066666 kkkk

    ResponderExcluir
  3. O Arthur todo bonzinho kkk Lua beba foi memorável wep kkkkk

    ResponderExcluir
  4. Lua nunca mais quer ver chichaitos na vida rs rs amando ansiosa por mais!

    ResponderExcluir
  5. Lu meu amor beba mais kkkkkk putis que ressaca que queda deu ate pena kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. wepaaaaa! Lua beba foi divertido de mais ;) amando minha flor Anna

    ResponderExcluir