Peça-me o que quiser (Adaptada)- Capítulos 25, 26 e 27

|

Capítulo 25:

Que roupa eu coloco?

Acabo vestindo uma calça jeans e uma blusa preta do Guns’n’Roses que ganhei de presente da minha amiga Ana. Prendo o cabelo num rabo alto e às 13h o interfone toca.

Que pontual! Certa de que é ele, não atendo. Que tente de novo. Dez segundos depois, toca novamente. Sorrio. Pego o interfone e pergunto indiferente:

— Sim?

— Desce. Estou te esperando.

Uau! Nem um bom-dia, nem nada.

O Senhor Mandão está de volta!

Depois de beijar a cabeça do Trampo, saio de casa esperando que meu look com jeans não lhe agrade nem um pouco e que ele desista de sair comigo. Mas fico maravilhada quando chego à rua e o vejo de calça jeans e blusa preta ao lado de uma espetacular Ferrari vermelha que me deixa sem palavras. Ah, se meu pai visse isso!

O sorriso volta a meus lábios. Adorei!

— É sua? — pergunto, aproximando-me de Arthur.

Dá de ombros e não responde.

Então presumo que o carro é alugado e me apaixono à primeira vista por aquela máquina imponente. Passo a mão com delicadeza, enquanto sinto que Arthur olha para mim.

— Posso dirigir? — pergunto.

— Não.

— Ah, vaaaaaai — insisto. — Não seja desmancha-prazeres. Deixa, por favor! Meu pai tem uma oficina mecânica e te garanto que sei o que fazer.

Arthur olha para mim. Eu olho de volta.

Ele suspira e eu sorrio. Por fim, nega com a cabeça.

— Me mostre Madri e, se você se comportar direitinho, talvez eu deixe você dirigir. — Isso me empolga e ele continua: — Eu dirijo e você me diz aonde ir. Então, aonde vamos?

Fico pensando um minuto, mas em seguida respondo:

— O que acha de irmos à parte mais turística de Madri? Plaza Mayor, Puerta del Sol, Palacio Real, conhece?

Não responde, então dou a direção e mergulhamos no trânsito. Enquanto ele dirige, aproveito o fato de estar numa Ferrari. Surreal! Aumento o volume do rádio. Adoro essa música de Juanes. Arthur abaixa o volume. Aumento de novo. Ele abaixa mais uma vez.

— Assim não consigo ouvir a música! — protesto.

— Está surda?

— Não... não estou, mas um pouco de animação dentro de um carro não é nada mau.

— Mas também tem que cantar?

Essa pergunta me pega tão de surpresa que respondo:

— Qual é o problema? Você não canta nunca?

— Não.

— Por quê?

Contrai a expressão do rosto enquanto pensa... pensa... e pensa.

— Sinceramente, não sei — responde, enfim.

Espantada com isso, eu olho para ele e digo:

— Mas ouvir música é uma coisa maravilhosa. Minha mãe sempre dizia que quem canta seus males espanta, e algumas letras podem ser tão significativas pro ser humano que até são capazes de nos ajudar a entendermos nossos sentimentos.

— Você fala da sua mãe no passado. Por quê?

— Morreu de câncer há alguns anos.

Arthur toca minha mão.

— Sinto muito, Lu — murmura.

Faço um gesto de compreensão com a cabeça e, sem querer parar de falar sobre a minha mãe, acrescento:

— Ela adorava cantar e eu também adoro.

— E você não tem vergonha de cantar na minha frente?

— Não, por quê? — respondo, dando de ombros.

— Sei lá, Lu. Talvez por pudor.

— Que nada! Sou viciada em música e passo o dia cantarolando. Sério, eu recomendo.

Volto a aumentar o volume e, demonstrando a pouca vergonha que tenho, mexo os ombros e cantarolo:

Tengo la camisa negra, porque negra tengo el alma.

Yo por ti perdí la calma y casi pierdo hasta mi cama.

Cama cama caman baby, te digo con disimulo.

Que tengo la camisa negra y debajo tengo el difunto.

Por fim, vejo seus lábios insinuando um sorriso. Isso me dá confiança e eu continuo cantando, música após música. Ao chegarmos ao centro de Madri, paramos a Ferrari num estacionamento subterrâneo, e eu olho com tristeza para o carro enquanto nos afastamos dele. Arthur percebe e sussurra ao pé do meu ouvido:

— Lembre-se. Se você se comportar bem, vou te deixar dirigir.

Minha expressão muda, e um tremor de alegria me domina por completo quando eu o ouço rir. Finalmente! Ele sabe rir! Tem uma risada muito bonita. É algo que ele não faz muito, mas, nas poucas vezes que faz, é encantador. Após sair do estacionamento, me pega pela mão com firmeza. Isso me surpreende e, como me agrada, não a retiro.
 
Capítulo 26:
 

 
Caminhamos pela calle del Carmen e desembocamos na Puerta del Sol. Subimos pela calle Mayor e chegamos à Plaza Mayor. Vejo que ele se maravilha com tudo o que vê, enquanto continuamos nosso passeio em direção ao Palacio Real. Quando chegamos está fechado e, como a fome começa a bater, sugiro almoçarmos num restaurante italiano de uns amigos meus.
Ao chegarmos, meus amigos nos cumprimentam encantados. Logo nos acomodam numa mesinha meio afastada das outras e, depois de pedirmos os pratos, eles nos trazem algo para beber.
— É boa a comida daqui?
— A melhor que tem. Giovanni e Pepa cozinham muito bem. E posso te garantir que todos os produtos vêm diretamente de Milão.
Dez minutos depois, ele comprova o que eu disse ao degustar uma saborosa mozarela de búfala com tomate.
— Uma delícia.
Tira mais um pedaço e me oferece. Aceito.
— Não é? — digo. — Eu te falei.
Faz que sim com a cabeça. Pega outro pedaço e volta a me oferecer. E eu aceito de novo, entrando no seu jogo. Agora sou eu que tiro um pedacinho e dou a ele. Comemos da mão do outro sem nos importarmos com o que as pessoas ao nosso redor estão pensando. Terminada a mozarela, Arthur limpa a boca com o guardanapo e olha para mim.
— Quero te propor uma coisa — diz.
— Hummmmm... Vindo de quem vem, tenho certeza de que é algo indecente.
Sorri diante do meu comentário. Toca com o dedo a ponta do meu nariz e diz:
— Vou passar um tempo aqui na Espanha e depois volto à Alemanha. Imagino que você saiba que meu pai morreu há três semanas... Quero visitar todas as sucursais da empresa na Espanha. Preciso conhecer a situação de cada uma delas, já que pretendo ampliar o negócio a outros países. Antes era o meu pai quem cuidava de tudo e... bem... agora quem dirige a empresa sou eu.
— Sinto muito pelo seu pai. Me lembro de ter escutado...
— Ouça, Lu — me interrompe. Não me deixa entrar em sua vida. — Tenho várias reuniões em diferentes cidades espanholas e gostaria que você me acompanhasse. Você sabe falar e escrever perfeitamente em alemão e preciso que, após as reuniões, você envie uma série de documentos à minha sede na Alemanha. Na quinta-feira eu tenho que estar em Barcelona e...
— Não posso. Tenho muito trabalho e...
— Em relação ao trabalho, você não precisa se preocupar. O chefe sou eu.
— Está me pedindo que largue tudo e te acompanhe nas suas viagens? — pergunto boquiaberta.
— Estou.
— E por que você não pede a Miguel? Ele era o secretário do seu pai.
— Prefiro você. — E ao ver minha cara, ele acrescenta: — Você viria como secretária.
Suas férias seriam adiadas até nossa volta e depois você poderia tirá-las. E, claro, os honorários da viagem você é quem vai decidir.
— Uffff....! Não me anime com meus honorários, que eu vou abusar de você.
Apoia os cotovelos na mesa. Junta as mãos. Põe o queixo sobre elas e murmura:
— Pode abusar de mim.
Meus lábios ficam trêmulos.
Não quero entender o que ele está me propondo. Ou pelo menos não quero entender da forma como estou entendendo. Mas, como não consigo ficar quieta de jeito nenhum, pergunto:
— Você vai me pagar para estar comigo?
Assim que digo isso, ele me olha fixamente e responde:
— Vou te pagar pelo seu trabalho, Lu. Que tipo de homem você acha que sou?
Nervosa, sinto meu estômago se contrair e pergunto novamente. Desta vez num sussurro, para ninguém ouvir:
— E meu trabalho, qual será?
Imperturbável, crava em mim seus impressionantes olhos azuis e diz:
— Acabei de te explicar, pequena. Você vai ser minha secretária. A pessoa encarregada de enviar aos escritórios centrais da Alemanha tudo o que falarmos nessas reuniões.
Minha cabeça começa a girar, mas, antes que eu diga qualquer coisa, ele pega minha mão.
— Não posso negar que você me atrai. Adoro-te surpreender e, principalmente, te ouvir gemer. Mas, acredite em mim, tudo o que estou te propondo agora é totalmente decente.
Isso me deixa excitada e me faz rir. De repente me sinto como Demi Moore no filme
Proposta indecente.
— Nos hotéis, ficaremos em quartos separados, né? — pergunto.
— Claro. Cada um vai ter seu próprio espaço. Você tem até terça para pensar. Nesse dia preciso de uma resposta ou vou procurar outra secretária.
Giovanni chega com uma apetitosa pizza quatro estações e a coloca no centro da mesa. Depois vai embora. O aroma de especiarias me deixa com água na boca e eu sorrio. Arthur me imita e a partir de então não tocamos mais no assunto. Fico aliviada por isso. Preciso pensar. E agora nos limitamos a aproveitar nosso maravilhoso almoço.

Capítulo 27:
 
Após sair do restaurante, Arthur pega minha mão novamente de forma possessiva, e eu me deixo levar. Cada vez gosto mais das sensações que me provoca, apesar de eu estar meio perturbada com sua proposta.

Uma parte de mim quer recusar; mas outra quer aceitar. Gosto de Arthur. Gosto de seus beijos. Gosto do jeito como me toca e de seus joguinhos. Caminhamos em busca de sombra pelos jardins do Palacio Real, enquanto falamos sobre mil coisas, mas nada em profundidade.

— Topa ir ao meu hotel? — pergunta de repente.

— Agora?

Olha para mim. Percorre meu corpo com desejo e sussurra com voz rouca:

— Sim. Agora. Estou hospedado no hotel Villa Magna.

Sinto um aperto no estômago. Entrar num quarto com Arthur significa... sexo. Sexo, sexo e mais sexo. E, após encará-lo por alguns segundos, balanço a cabeça concordando, certa de que é isso que quero dele. Sexo. Caminhamos de mãos dadas até o estacionamento.

— Vai me deixar dirigir?

Me olha com seus inquietantes olhos azuis e aproxima sua boca do meu ouvido.

— Você se comportou bem?

— Muitíssimo bem.

— E vai cantar de novo?

— Com certeza.

Eu o ouço rir, mas ele não me responde. Depois de pagarmos o estacionamento, ele olha de novo para mim e me entrega as chaves.

— Seu desejo é uma ordem, pequena.

Emocionada, dou um salto à Rocky Balboa que o faz sorrir de novo. Fico na ponta dos pés e beijo seus lábios. Desta vez sou eu quem o segura pela mão e o puxa para procurarmos a Ferrari.

— Uhuuuuu! — grito, empolgada.

Arthur entra no carro e coloca o cinto de segurança.

— Bem, Lu — diz. — É todo seu.

Dito e feito.

Ligo o motor e depois o rádio. A música de Maroon 5 preenche o interior do veículo e, antes que Arthur mexa no volume, eu olho para ele e murmuro:

— Nem pense em abaixar.

Faz cara de contrariado, mas sorri. Está de bom humor. Saímos do estacionamento e eu me sinto como uma amazona com esse carro incrível nas minhas mãos. Sei onde fica o hotel Villa Magna, mas antes decido dar uma voltinha pela rodovia M-30. Arthur não fala nada, apenas me observa e aguenta, imperturbável, o volume do rádio e minha cantoria.

Meia hora depois, quando me dou por satisfeita, diminuo a marcha e saio da M-30 para seguir até o hotel Villa Magna.

— Feliz com o passeio?

— Muito — respondo, emocionada por ter dirigido um carro desses.

Suas mãos fazem cosquinhas nas minhas pernas e acabam se detendo no meu púbis.

Faz pequenos círculos sobre ele, e eu fico molhada no mesmo instante. Constrangida, quero fechar bem as pernas.

— Espero que dentro de meia hora você esteja ainda mais feliz — diz.

Seu comentário me faz rir, enquanto sinto suas mãos brincalhonas me tocando por cima do jeans. Isso me deixa ainda mais excitada e, quando chegamos à entrada do Villa Magna e descemos do carro, ele segura minha mão, pega de volta as chaves do carro e as entrega ao porteiro. Depois me puxa até o hall dos elevadores. Dentro de um deles, o ascensorista não precisa perguntar nada: sabe perfeitamente aonde tem que nos levar.

Quando chegamos ao último andar, as portas do elevador se abrem e eu leio: “Suíte

Presidencial.”

Ao entrar, respiro o luxo e o glamour em estado puro. Móveis cor de café, jardim japonês... Então percebo que há duas portas na suíte. Resolvo abri-las e descubro dois quartos maravilhosos com camas king size.

— Por que você se hospeda numa suíte dupla?

Arthur se aproxima de mim e se apoia na parede.

— Porque num quarto eu brinco e no outro eu durmo — murmura.

De repente, umas batidas na porta chamam minha atenção, e entra um homem de meia-idade. Arthur olha para ele e diz:

— Traga morangos, chocolate e um bom champanhe francês. Deixo à sua escolha.


O homem faz que sim e sai do quarto. Eu ainda estou em choque sentindo o prazer das coisas exclusivas. Nos afastamos da porta alguns metros e andamos pelo quarto. Vou direto pra uma varanda. Abro as portas e entro.


 Claro que vocês merecem

Dedicado a todas as minhas leitoras :)



18 comentários:

  1. Necessito de mais plmd,maravilhoso,as coisas vao esquentar,obaaaa,amanha de manha cedo tem mais?
    Ass:Gabs❤️

    ResponderExcluir
  2. Aii que coisa maravilhosa !!
    Doida pra ver o que vai acontecer nesse quarto !!
    Posta ++++++++
    Ameeii *-*

    ResponderExcluir
  3. Aguiar de bom humor que novidade

    ResponderExcluir
  4. Arthur sorrindo que issoo,lua faz milagres kkk maisss

    ResponderExcluir
  5. Lua loca elo ferrari do Aguiar

    Ana

    ResponderExcluir
  6. Lua e suas cantorias kkkk,necessitoo de maaais amanha cedo ok?!Opaaa parece que as coisas vao esquentar u.u kk

    ResponderExcluir
  7. +++++++++++++++++++++++++++++

    ResponderExcluir
  8. essa suite vai abaixo com esses dois
    amando a web

    ResponderExcluir
  9. Perfeitaaa de maissa!!!! Adorreii!

    ResponderExcluir
  10. Mais por favor ++++++

    ResponderExcluir
  11. Hunnnn quero mais kkk ta perfeita de mais ansiosa a coisa vai ser quente kkk

    ResponderExcluir
  12. Obrigada escritora mais linda dp mundooo ♥♥♥

    ResponderExcluir
  13. Tipo sua web é muito top to louca pra que o Arthur sinta ciúmes da lua e que ele seja possessivo ! Vc tá de parabéns é uma ótima escritora .

    ResponderExcluir
  14. Essa web e baseada em 50 tons de cinza?
    Me responde por favor, queria muito saber...
    Amando ela ❤❤❤💙💙💙💙

    ResponderExcluir