Exchanged For a Game: Capítulo 12

|




P.OV’s Lua Blanco
  Acordei com fortes dores de cabeça e dores nos pulsos, percebendo que os mesmo estavam pendurados em cordas grossas e firmes. Em meu corpo já não havia o bonito vestido preto, estava coberto apenas por minha lingerie cor de pêssego.  Levantei minha cabeça que parecia pesar, encontrando consequentemente o dono das orbitas castanhas escuras que agora estavam sombrias, como se pegassem fogo.
-Que bom que acordou, estava louco para começarmos á nos divertir. –Seu sorriso maníaco, fez um frio percorrer em meu coração, me fazendo sentir mais medo do que os monstros que eu jurava estarem em baixo da cama, quando pequena.
-O que você vai fazer? –Minha voz soou mais trêmula do que o esperado.
-Só irei lhe colocar no seu lugar. Você não consegue entender que é minha, Blanco? Eu paguei caro por você, para que saísse daqui como se estivesse brincando de pique-esconde . –Estranhei sua calma . –VOCÊ ACHA QUE PODE BRINCAR COMIGO, PORRA? –Exaltou-se parando em minha frente, segurando fortemente minhas cinturas ósseas com seus dedos grossos.
-Você está me machucando. –Exclamei, sentindo seus dedos fazerem minha pele formigarem.
. VOU TE MACHUCAR MUITO MAIS, SUA VADIA. –Senti sua mão pesada em encontro com meu rosto, o deixando queimar. –ISSO É PRA VOCÊ NUNCA MAIS TENTAR SAIR POR CIMA. –Um desespero tomou conta de mim, quando o vi tirar o cinto de couro de sua harem pants vermelha.
-Arthur não faz isso, por favor. –Comecei á me debater ainda pendurada naquela corda forte, buscando por alguma tentativa, mas não havia mais esperança. O jeito era me deixar levar pela dor, pelo caminho que escolhi desde que fiz a escolha mais perigosa. Desde que brinquei com veneno.
  Senti o cinto certeiro em contato com minha pele branca e involuntariamente dei impulso para cima, reprimindo um suposto grito agudo.
-Você não pensou nas consequências quando resolveu dar uma de espertinha. Isso é só o começo, Blanco. –Suas palavras sombrias como nuvens negras, me faziam querer-me considerar como morta.
  Mais duas fortes cinturadas se alastraram em minha pele quente que mais pareciam estarem com 40 graus de febre. Sentia uma queimação tanto no corpo quanto no coração, como ele fosse explodir á qualquer momento, como meu corpo aparentava querer. As cinturadas passavam por mim como correntes elétricas, correntes que queriam me rasgar por inteira.
-Desde que comecei com isso, nenhuma vadia tentou me desafiar como quis, eu poderia te matar sem pensar duas vezes, Lua mas não posso fazer isso porque eu paguei por você, porra. –Empurrou meu corpo violentamente e virou-se de costas com a mão na cabeça, como se pensassem em algo indecifrável.
-Me mata. –A primeira lágrima salgada escorreu–Dinheiro parece não ser problema pra você. –Minha voz saiu mais falha que o esperado, ela se arrastava.
-CALA A BOCA! –Virou-se e mais um tapa estalado foi dado em meu rosto, fazendo o mesmo curvar-se para a direita.
-É isso que faz com futuro de garotas que tem tudo pela frente, um futuro promissor ao contrário do seu? Que podem construir uma família, ao contrário de uma louca que seria capaz de formar uma família com um monstro como você.  Sua família deve ter vergonha de você. –Desabafei com a coragem que sinceramente, eu não sabia que onde havia tirado.
  Arthur pegou uma faca em cima de uma cama velha que havia ali e pressionei os olhos, passando-se por minha mente em borrões tudo que já presenciei, todos os meus momentos. Inesperadamente, ao contrário do que eu pensava, ele cortou a corda com brutalidade, fazendo meu corpo mole impactar fortemente com o chão.
  Com suas mãos grossas, puxou-me pelo cabelo fazendo-me ficar em sua altura, encarando suas íris que agora estavam extremamente escuras, como se ele estivesse possuído.
-QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR ISSO, CARALHO? VOCÊ NÃO PASSA DE UMA VADIA, BLANCO. –Um soco foi acertado entre meu olho direito e o exterior de meus lábios. –EU NÃO SOU UM MONSTRO, PORRA. –Empurrou-me contra a parede, fazendo minha coluna se chocar com a mesma, e uma forte dor percorrer pela mesma. 
  Ele não estava em si, eu sentia isso de alguma maneira. Era como se seu corpo estivesse ali e sua mente em outro lugar, bem distante.
  Caminhou até mim e segurou fortemente meu cabelo, fazendo-me levantar do chão e em seguida, sua mão se fechou em punho e um soco foi acertado na boca do meu estômago. Gritei.
-Você é um covarde que não consegue encarar as coisas. Você é um fracassado, Arthur Aguiar. –Minha voz saiu falha, como se meu pulmão estivesse parado de funcionar no momento que meu estômago foi acertado violentamente.
  Seus olhos estavam extremamente escuros como um velho beco negro entre prédios pichados junto de seu maxilar travado. Outro soco em meu rosto, e sua mão apertou meu pescoço, me conduzindo até a parede mais próxima. Minha respiração parecia ter parado, ela estava travada e sentia meu rosto perder sua cor, meus olhos se fecharam por um instante e logo senti meu corpo deslizar pela parede manchada, desabando no chão e seguidamente senti dois chutes se alojarem diretamente em minha barriga.
  Vi suas costas largas virarem em minha direção contrária e caminhar até uma estante de madeira escura, e tirar um saquinho com um pó branco que nem pelo cheiro conseguiria identificar, despejando o mesmo na prateleira á sua altura. O vi tirar um papel branco enrolado de seu bolso traseiro, e seguidamente aspirar todo para sua narina. Levantou sua cabeça e fechou os olhos, sentindo a droga fazer efeito.
-Você acha que é alguém pra dizer tudo isso, Lua? –Riu sarcástico puxando-me pelo cabelo e chocando seu corpo contra o meu. –Tenho pena de você, minha vontade é sacar minha arma e estourar seus miolos. Me pergunto aonde estava minha cabeça por trocar tanto dinheiro por lixo. –Beijou meu pescoço. –Mas você não é um lixo que se jogue fora, sabe Lu? É bem daquele tipo que por mais que esteja velho, você tem pena de jogar porque ainda pode usar ele de muitas formas. –Lambeu meu pescoço.
-Não faz isso. –Pedi, com voz fraca.
-Isso o que? –Senti a respiração de sua fraca risada sarcástica contra meu ombro.
  Suas mãos foram até minhas costas, soltando meu soutien e ao contrário da primeira vez que ele me tocou, eu não senti tesão, nem mesmo um arrepio. Empurrou-me até o colchão velho que estava no canto do quarto encostado na parede, sem se importar com meus quadris doloridos.
-PARA! –Gritei, debatendo-me mesmo que sem forças quando Arthur encostou sua língua em meu mamilo exposto.
-Eu sei que você gosta, Blanco. Geme pro papai. –Pediu e logo em seguida sugou fortemente meu mamilo.
-Eu não quero, Arthur. –Aquilo não me causava tesão alguma e eu sabia que ele já havia ingerido outras drogas antes de começar com sua tortura.
-CALA A BOCA, CARALHO! VOCÊ ESTÁ ME IRRITANDO! –Saiu de cima e caminhou até uma gaveta da estante, procurando por algo.
  Tinha medo de sair por aquela porta e haver algum segurança na frente da mesma, aquilo não daria certo. Levantei-me silenciosamente do colchão, e peguei a luminária que estava no pequeno móvel de cabeceira ao lado do colchão. Em passos extremamente calmos, caminhei até o moreno distraído. Suspendi meu braço em qual estava a luminária prata, pressionei os olhos e sem pensar duas vezes, direcionei o objeto na direção de sua nuca. Senti seus braços segurarem firmemente meus pulsos e sua risada sarcástica soar em todo cômodo, me fazendo tremer desde meu último fio de cabelo até meus dedos.
-Você se acha espertinha demais. Vou te mostrar quem é que manda, vadia mas vou te mostrar na cama e vai ser do meu jeito. –Pressionou-me na parede, colocando entre meus lábios, uma mordaça que havia uma bola onde a mesma estaria em minha boca. Virou-me brutalmente para a parede, fazendo seu membro roçar em meu bumbum me causando repulsa enquanto prendia a mordaça.  
  Levou-me de volta até o colchão e jogou-me no mesmo, e um desespero tomou conta de mim ao vê-lo desabotoar o único botão de sua calça, ele abusaria de mim mesmo com tudo que eu havia falado. Arthur Aguiar definitivamente era um monstro, e mesmo com todo medo que me fazia sentir, espero que um dia, ele encontre alguém que o mude completamente. Que tire a frieza do seu coração.
  Subiu em cima de mim e com brutalidade puxou minha calcinha, arrebentando os fios que a prendia em minha cintura. Abaixou sua cueca, fazendo seu pau ereto bater em minha vagina. Sem me dar tempo para raciocinar, penetrou com tudo em mim, fazendo minha espinha tremer e o grito que ecoei pelo quarto, doer minha barriga.
-TÁ MACHU-CANDO! –Rangi entre os dentes, reclamando da dor que havia me causado.
  Arthur prendeu meus pulsos fortemente no alto de minha cabeça.
  Ele saia e voltava com força, com suas entocadas certeiras e dolorosas, fazendo minhas lágrimas escorrerem enquanto ele parecia abduzir todo prazer do mundo. Minha vagina latejava, e minhas paredes pareciam querer rasgar, eu sangrava de todas as formas. Eu estava machucada de todas as formas.
  Arthur pareceu chegar ao seu ápice ao soltar um gemido arrastado e gozar dentro de mim enquanto seus cabelos pingavam de suor. Pegou um rolo de papel higiênico que estava em cima da cabeceira ao lado e limpou seu pênis sujo com meu sangue. Vestiu sua cueca junto de sua calça e sentou-se ao meu lado para calçar seu tênis, estendeu sua camiseta branca em seu ombro, enfiou sua mão em seu bolso da frente e jogou uma cartela com pílulas que eu denunciava ser anticoncepcionais sobre mim.
  Andou até a porta e com a mão ainda no batente me olhou com suas orbitas carameladas, esbanjando arrependimento e piedade. Suspirou e abriu a porta, batendo a mesma.
  Fiquei ali, com meu corpo doendo assim como meu coração. A dor no coração é a pior, parecia que nem daqui á 10 anos, ela pudesse ser cicatrizada. Aqueles dolorosos momentos pareciam estarem gravados pra sempre. Eu estava em um corpo morto, apenas minha alma vagava, vazia.
Notas finais: Oe :D Eu quero dizer que vocês não fazem a miníma noção do quanto fiquei feliz com os comentários do capítulo anterior. Eu li e reli. Na maioria deram suas opiniões do que poderia acontecer futuramente,mas acontece que não posso mudar o roteiro dessa fic pois consequentemente estaria mudando a original, e no site em que posto, existem MUITAS fanfics do Justin e muitas já possuem o roteiro que vocês opinaram, então não irei segui-los para não ser chamada de plagiadora, espero que entendam. Bom, sobre a demora, minha mãe tem marcado muitos exames pra mim, oftalmologista, dermatologista, exames para atestado médico pois esse ano a escola está pedindo e limpeza de pele pois minha cara tá um grande bosta, tenho minhas aulas de inglês e Stiletto. Essa é a explicação pra tanta demora e também tenho outras fics. Então, espero que me desculpem pela demora toda e como todas sabem, o fandom das beliebers passaram por uma fase muito difícil e eu fiquei muito pra baixo com o ocorrido, mas graças a Deus já está tudo bem. Agradeço á todas que apoiaram as beliebers, desejando forças com a tag que criaram. Obrigada do fundo do meu coração. Bom, esse é o capítulo e espero que tenham gostado <3 
@biscateofdrew

15 comentários:

  1. Ai meu pai do céu, a sua fanfic é sem igual. Estou sem palavras.
    Meus parabéns, a história é emocionante, nunca li algo assim.
    Continua menina nunca vi tanta garra e paixão.

    bis soraia

    ResponderExcluir
  2. Em primeiro lugar a sua web é sensacional.
    Só uma pergunta, se não puderes responder não há problema, mas a lua e o arthur vão ficar juntos ou não.

    Ansiosa pelo próximo capitulo.
    Kiss Sophie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso responder, sim <3 Sim, eles vão ficar juntos por mais que esses capítulos provem meio que ao contrário. Afinal, eles são os principais haha bjão

      Excluir
  3. Parabéns eu estou amando a sua web, mais ou menos em que capitulo eles vão ficar juntos?

    ResponderExcluir
  4. Pse :'( doeu ver meu bebe daquel jeito, cm roupa de presidiario, chorando e sendo julgado... Mas nos somos fortes e vamos estar cm ele sempre oo/
    Bom... Sobre o cap, eu li la no nyah, e reli agr, e posso dizer q ta perfeita... Parabens, vc é uma boa escritora, bjs.

    ResponderExcluir
  5. Oooops, no socialspirit*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim, eu iria questionar sobre essa postagem no Nyah pois eu realmente não posto lá, mas você concertou haha Sobre seu outro comentário: Não é atoa que somos as mais fortes <3

      Excluir
  6. Perfeita sua web!!!! Eles vão ficar juntos... mas vai ter muito sofrimento pela frente? ?

    ResponderExcluir
  7. Vai demorar muito pra eles ficarem juntos ????

    ResponderExcluir
  8. Aii meu core >.<
    Que Web Perfeitaaaa *O*
    estou contando as horas para o proximo capitulo >•<
    Ass: Chris

    ResponderExcluir
  9. Continue pelo amor de deus sua web ta mais que perfeitaaa contando os segundos para ler o próximo cap *-*

    ResponderExcluir
  10. cara parabéns to amando posta logo porque você é diva :)

    ResponderExcluir
  11. eu sempre visito seu blog mais essa web esta demais vc escreve muito bem

    ResponderExcluir