Mini web: O Recomeço

|



POV NARRADOR

Os Rebeldes foram uma banda criada através de uma novela da Record que além de ganhar telespectadores, ganhou fãs. Crianças dos 5, até adultos entre 40 anos, se rendiam ao ver aqueles papeis que se tornavam, de pouco a pouco, tão reais. Eles fizeram a diferença. Estavam ali para marcar a vida de muitas pessoas e com certeza que marcaram.

Além da representação atrás das telinhas, era no palco que eles mais se soltavam. Era indescritível o momento em que os seis pisavam o palco. A plateia gritava, pulava, cantava, chorava e aplaudia àqueles que caracterizam como ídolos.
Os seis, antes de entrar no palco, tinham sempre uns minutinhos para caírem na real. Uns ouviam música para relaxar, outros comiam, outros ficavam sentados de olhos fechados pensando no quanto a vida foi generosa e ainda haviam outros que davam pulinhos de tanta ansiedade.

Pisar o palco era sinónimo de paz, alegria. O show durava menos de duas horas, mas passava em menos de 5 minutos. Lá, ambos os seis, deixavam os problemas para trás se entregando por completo aos seus fãs. 


Todos os milhares de fãs, presentes nos shows, sabiam da história de cada um. Sophia, já havia namorado com Chay. Mas houve uma certa altura em que o ex-casal decidiu por um ponto final na história para serem apenas amigos. Sophia encontrou a sua felicidade ao lado do Micael, outro rebelde, mas também não teve sorte. O casal se separou também e pouco tempo depois, tanto Micael como Sophia estavam namorando com outras pessoas, fora da banda. Chay, depois do seu namoro com Sophia, manteve uma relação colorida com Mel, elemento da banda, também. Porém, ambos também, agora, têm outros namorados.

Para o final, chega o casal preferido, falando por mim. “Mulher Maravilha”; “Ele”; “É vicio”; “Suspiro”; “Folga delicia”. Tem como não delirar apenas com as legendas das fotos que eles postavam enquanto namoravam? E o CSI LuAr? Deixava as fãs completamente loucas. Até que ai surge LuAr, que juntava as iniciais do casal. Dia 26 de Setembro, surge Bernardo Falcone denunciando no Twitter aquilo que mais a gente desconfiava: “LuAr existe meu povo. Eu sou padrinho!”
Todo o dia 26, as fãs de LuAr comemoram a data em que o casal se declarou pela primeira vez.

Porém, nem tudo era um mar de rosas. O casal se desentendeu várias vezes, talvez por brigas bocas, ciúmes, coisas mal resolvidas… não sabemos. O certo é que acabou. 

Iludidas, vamos nos iludir mais um pouco. Agora sim, começa a web!

Os Rebeldes haviam acabado de dar mais um show, desta vez em São Paulo. 
As gravações haviam acabado, faz tempo, mas os shows, por enquanto, ainda decorriam. 

- Esse show de mais!! – Micael compartilhava a sua alegria
- Você viram a galera gritando o nosso nome? – Chay perguntou. O garoto estava pulando de alegria, por mais um brilhante show
- Eu não gosto é a parte dos duetos… - Mel explicava – Não que eu não goste de cantar com você, Chay – os dois se olham e riem. Chay brinca e se mostra ofendido – Mas é que eles começam a gritar ‘beija, beija, beija’ e se ralam com qualquer coisa que a gente faz
- Mas isso é normal. Estou até acostumada! – comentou Sophia – Nós até podíamos dar um selinho, mas isso só ia fazer com que eles se iludissem mais
- E vamos combinar né? – Arthur encarou todos – Os nossos fãs são muito iludidos! Mas eu adoro eles. É por eles que estamos aqui
- Eu estou também de acordo – Lua e Arthur se olharam

Foram de carrinha até ao hotel onde iam passar a noite a descansar. Enquanto isso, tiravam fotos para postar no instagram e compartilhar com os fãs, outros aproveitavam para dormir e outros para mandar mensagens às namoradas.

- E a sua namorada, como está com o bebé?
- Uma maravilha! – Micael dizia rendido – Está agora com 7 meses 
- Estou desejoso de ver esse rebelde. Como é claro, terá muito orgulho do padrinho
- Que como é claro, sou eu! – dizia Arthur, por cima de Chay, se gabando
- Nada disso! – Chay queria deixar claro – Sou eu que vou ser o padrinho dele – Chay colocou o braço por cima do braço de Arthur
- Mica, fala pra ele que sou eu – Arthur deu a volta e colocou o seu braço por cima do braço do Chay
- Gente, se acalmem. Meu filho ainda nem nasceu – Micael se rendia com a ‘guerra’ dos amigos

As meninas comentavam os acessórios que iam usar amanhã. Uma queria mais brilhantes, outra mais tachas e Mel preferia ainda as suas botas indispensáveis. 

- Mas estou mega cansada! – Lua comentava, deixando os cabelos passarem para a frente do seu rosto
- Amanhã será um belo dia, né?
- Sim, show novamente! – Lua sorriu
- E será só isso? – Sophia me encarou
- Que mais tem? Vamos viajar para o interior? Isso já sabíamos, certo?
- Lua, não se faça de desentendida! – as duas disseram quase ao mesmo tempo. Ficaram me encarando durante breves segundos e depois olharam para Arthur, que agora mexia no seu celular, bem atento
- Ele faz anos amanhã… lembra? – Lua pegou rapidamente o seu celular e se deu conta de que hoje era dia dois de Março
- Droga! Como fui esquecer isso? Eu nem comprei nada para ele
- Você poderia lhe dar outro presente, né? – Mel sorriu, toda safada
- Vocês são idiotas? Quando vão perceber que EU tenho namorado? – Lua fez questão de dizer o ‘EU’ bem alto, chamando até à atenção dos meninos, que vinham no banco de trás – E estou muito feliz!
- Me engane que eu gosto. Você até pode gostar do seu novo namorado, mas acredito que melhor do que o Arthur na cama, ele não é
- Falando assim, até parece que já foi com ele pra cama – Lua cruzou os braços, encarando a Sophia – Se já foi com o Chay e o Micael, com o Arthur não me espantava mesmo!
- Ahh Lua, me ofendeu poxa! – Sophia cruzou os braços
- Eu só não gosto que confundam as coisas… o que aconteceu entre mim e o Arthur, já acabou. Agora… só temos de seguir a nossa vida em frente. – Lua se encostou ao banco, cruzando os braços e olhando para o vidro da carrinha. Ela fazia questão sempre de ir ao lado da janela, tal como fazia quando ia com Arthur, no banco de trás. 

O reflexo fazia questão de mostrar Arthur, no banco de trás, sorrindo para o celular. ”Deve ser a namoradinha, lhe dando os parabéns” – pensou Lua.

- Bom, chegaram meninos. Descansem bem, que amanhã o dia será longo. – disse o cara que os trouxe até ao hotel

Sair da carrinha foi bem difícil, pois os fãs já sabiam em que hotel os ídolos iam passar a noite. Tiveram de parar um pouco na entrada, para receber todo aquele carinho, distribuir alguns autógrafos, tirar algumas fotos com eles e partilhar um abraço. 

- Eu ficaria ali a noite inteira – disse Arthur – Já recebi prendas que dá para o aniversário do próximo ano
- É para substituir as nossas – Chay bateu levemente com a mão nas costas do Arthur – Sabe como é… vida de artista, muitos shows, pouco tempo para shopping e prendas
- Nem precisa mesmo! – Arthur riu, colocando o braço no ombro do amigo, e assim indo os dois até ao elevador – Ter vocês por perto, está otimo
- Aii meu deus, vou chorar! – Micael brincou

Entraram os seis no elevador, com as malas. Até o 15º andar daquele hotel, levaria uns bons minutinhos. Arthur e Lua ficaram de frente a frente. Depois do show, não se falaram mais, nem mesmo depois daquela troca de olhares no dueto ou aquela mãozinha dada na ultima musica do show. 

- E amanhã temos de acordar a que horas, mesmo? – Sophia fez todos saírem daquele transe todo
- Acho que às 8horas – respondeu Mel – Mal dá para descansar
- Mas vamos poder dormir a viagem toda
- Ao menos isso meu povo.
- E ai Arthur, muitas mensagens?
- No twitter tem imensas já – ele sorriu
- Amanhã no show deve ter surpresa – Chay jogou a ideia ao alto

Falavam uns 15 minutos para a meia noite. Todos já estavam nos quartos, deitados nas camas, esperando o sono chegar. Os cinco, tirando Arthur, combinaram fazer uma surpresa para o garoto, à meia-noite, indo até ao quarto dele, pra serem os primeiros a darem os parabéns a ele. Porém, o sono falou mais alto para alguns, menos para Lua que não conseguiu nem deitar, de tanta ansiedade.
Faltam dois minutinhos para a meia noite, quando ela saiu do quarto. Devagar, foi ate ao quarto do Arthur, parando na porta um pouco e respirando fundo. Queria esperar pelos amigos, mas como viu que ninguém chegou, bateu à porta. 
Sair do quarto às escondidas fazia lembrar aqueles tempos em que eles namoravam às escondidas. Saiam do quarto, combinando um local para se encontrarem e se beijarem noite dentro.

- Lua? – ele abriu a porta quando ela menos esperava. O coração dos dois bateu tão rápido, que com certeza se ouvia. Nervosismos e ansiedade. Arthur estava conversando com alguém pelo celular, mas deu uma pausa para receber Lua – Entra. – ele deu espaço para ela passar, que toda envergonhada entrou – Obrigado anjo, muito obrigado. Pensei que já estivesse dormindo – ele dizia com uma voz doce, ao celular – Eu sei, você tem muito trabalho. Mas daqui a dois dias eu estou de volta a casa. Obrigado de novo. Beijo! – ele desligou o celular e olhou para Lua, de cima a baixo.

Enquanto Arthur falava ao celular, Lua tentava olhar para todos os lados que não fosse ele. Estava com um pouco de raiva, por ter vindo sozinha, e ainda por cima ter de ver ele trocar falas com a namorada. Não que Lua não gostasse da garota, pelo contrário, ela era simpática e parecia gostar muito dele. Mas vamos combinar… Lua Blanco ao lado de Arthur Aguiar é tudo!

- Não esperava você aqui a uma hora dessas – ele disse todo sem graça, enquanto ainda mantinha o celular nas mãos – Eu pensei que estivesse já dormindo.
- Nós tínhamos combinado vir te dar os parabéns… mas só eu levei a sério o trato. – ela sorria, toda envergonhada – Parabéns Arthur! – Lua deu um abraço ao Arthur inesperado. Ele mantinha os braços soltos à volta dela, sem saber onde encaixa-los. 

Lua, por sua vez, abraçou ele bem forte, colocando a cabeça em seu ombro, tal como nos velhos tempos. Ao sentir o cheiro dela, Arthur retribuiu o abraço, colocando as mãos à volta da cintura da garota.

- Desejo a você tudo de bom! Você merece. Tenho a certeza que será um otimo ano pra você. Paz, saúde, alegria e amor é o que não te deve faltar. Quero que seja feliz, hoje e sempre, ao lado daquele que você mais amar. 
- Obrigado Lua! – depois de se separarem, após o braço, continuaram um pouco juntos – Muito obrigado mesmo. Foi sem duvida… um dos melhores presentes.
- Que nada… - ela riu, se afastando um pouco – Desde que nos conhecemos que eu sou sempre das primeiras a te dar os parabéns. Pelos vistos, a tradição se rompeu
- Não. Ela se mantém. Você é sempre a primeira que me abraça. – ele sorriu – Você era sempre a primeira que me beijava.
- Este ano, então, temos de quebrar a tradição…
- Podia ser, sem ninguém saber. – Lua olhou pra ele – Tal como fazíamos naqueles tempos das gravações. Mesmo com o namoro terminado, a gente se pegava…
- Mas agora é diferente. Você namora, eu namoro… é complicado.
- Mas não é impossível. – Arthur se chegou perto, passando as mãos nos cabelos dela e trazendo pra perto o rosto da garota

Como explicar para as mãos, onde elas não devem ir? Como explicar para os lábios, os locais onde não devem permanecer? Como explicar ao corpo que a certa distancia seria mais seguro? São tantos sentidos e um só cérebro para os comandar.
Os braços dele seguram firme o corpo dela. Quanto mais carinhos são feitos, mais carinhos são procurados. Arthur olha para Lua. Aproxima o seu rosto do dela, roçando as faces. As mãos se acariciam e tremem com cada toque. 
Arthur a puxa para a cama, e faz a garota sentar no colo dele. Ela sente os dedos em sua cintura, apertando forte, conforme o beijo que dão.
Lua sente que aos poucos, Arthur vai deitando o corpo na cama, de leve e sente um frio na barriga. De olhos fechados, Lua permite que Arthur leve as mãos mais além, deixando-as passar por de baixo da blusa que ela trazia vestida. Pouco a pouco, cada peça é jogada no chão. 

“Não há mais racionalidade. O corpo não pode com os sentidos. Eles dopam o cérebro e o levam ao êxtase”.

Arthur passa os beijos para o pescoço, sobre para o beijo, para os lábios e morde por fim a língua de Lua. Os movimentos que fazem são delicados e bem intensos. Os dois fazem amor como nos velhos tempos. A sensação é de que os pelos do corpo começam a se erguer em um arrepio ligeiro.

- É errado Arthur… - dizia, depois do mal estar feito. Depois de fazerem amor, Arthur adorava ficar por cima dela, olhando-a olhos nos olhos, enquanto passava as mãos pelos cabelos da pequena. Logo de seguida, ela deita sobre o peito dele, brincando com os dedos nos braços fortes dele
- Não é errado. É certo. É o que a gente mais desejava
- Mas, eu estou a trair o…
- E daí? – Arthur a interrompe – Lua, está na cara que a gente ainda sente algo. Tudo bem, a gente discutiu de mais. Eu confesso que fui um idiota em ter ciúmes dos seus amigos, assim como você ficou tolinha quando disse que eu mudei. Eu não mudei. Eu cresci. Todos crescemos
- Mas confessa, você mudou… você ficou mulherengo, querendo conquistar tudo e todas. Inclusive todas. 
- Tudo bem. Eu confesso. A fama subiu um pouco à minha cabeça. Mas tudo faz parte. Eu não estava à espera que Rebelde fosse um sucesso como foi. Eu não esperava conhecer tanta gente de uma só vez. Mas o que eu sinto por você, nunca saiu daqui – Arthur colocou a mão no peito – Eu tenho a certeza que, apesar de estarmos a namorar com pessoas diferentes, você sorri ao me ver sorrir. O seu coração bate mais forte quando eu falo com você. Eu tenho a certeza que você sente ciúmes quando eu posto uma foto com a minha namorada… sente ou não sente?
- Sinto. Pra falar a verdade, eu até tento nem ver essas fotos. Me dá raiva. Me dá a sensação de que aquilo é meu. Você era meu
- Eu sou seu! – ele a corrigiu – Eu fui um idiota ao apagar todas as nossas fotos do insta. Mas eu juro que guardo todas. – Arthur pegou o celular, desbloqueando-o e mostrando todas as fotos guardadas numa pasta especial – Desde a primeira, até à ultima. 
- Você me surpreende tanto! – Lua dizia orgulhosa, ao ver que ele falava a verdade
- Vamos começar de novo? Primeiro escondido e aos poucos vamos mostrando ao mundo que ainda nos amamos. Vamos mostrar às nossas fãs que elas não são tão iludidas assim
- Você foi mal quando chamou elas de iludidas
- Eu estava de cabeça quente. – ele fez bico – Eu não queria tratar elas assim. Adoro elas!
- Eu confesso que me irritei também com algumas coisas. Mas eu entendo elas e sei que desde o inicio, elas tinham razão.
- Passa o resto da noite comigo?
- A noite, o dia, a semana, o mês, o ano, sempre! – Lua abraçou Arthur, deitada sobre o peito do garoto e deu vários selinhos seguidos nele – Tenho de pensar em algo pra terminar com o meu namorado
- E eu com a minha namorada. – os dois riram – Me sinto mal, por estar fazendo isso. Mas primeiro, está a minha felicidade.
- E sua felicidade é ao meu lado, certo? – Lua olhou nos olhos dele
- Certíssimo! – ele beijou ela de novo – Vamos comemorar?
- O quê? – ela se aprontou
- O meu aniversario, a minha felicidade e… ao nosso recomeço!
- Boa! – dizia toda animada – Mas como vamos comemorar se não temos champanhe ou vinho?
- Isso é fácil… - Arthur sussurrou algo indecente ao ouvido de Lua 
- ARTHUR! – o repreendeu, entre risos – Mas tudo bem! Eu só aceito, porque você faz aniversário e…
- Cala a boca e me beija! – dito e feito!

 Quero ter mais uma chance pra acertar
Quero te mostrar quem sou agora
Não vou mais deixar você partir
Nada vai tirar você de mim
Não vou mais deixar você partir
As vezes tudo recomeça quando chega o fim

E ai, gostaram? SURPRESA DE FINAL DE ANO KKK





13 comentários: