Não foi um erro - 51º Capitulo

|

No capitulo anterior…

POV ARTHUR

- Do que você me chamou? - ri
- Docinho – ela riu
- O papai é que chama isso a você mamãe. Você tem de arranjar outro apelido pró papai.
- Que apelido Yasmin?
- Que tal… - ela colocou o dedinho na boca e começou a pensar – Que tal bebé?
- Você que é o meu bebé – eu ri
- Não Yasmin, bebé não. Quero outro apelido… - pediu a Lua
- Que tal amor?
- Ecaaa Yasmin, é muito lamechas, quero não… - Lua riu, me fazendo rir também
- Que tal… cheiro? É porque o papai tem um cheiro muito bom… - ela levantou do seu banco e colocou o rosto sobre o pescoço do Arthur
- Cuidado amor, senta lá – eu ri – Meu perfume é bom?
- Muito. É muito bom. Por isso devia ser cheiro
- Mas não tem sentido – Lua riu
- Logico que tem – disse eu
- Eu quero outro! – Lua pediu
- Poxa mamãe, que complicada. – ela cruzou os braços – Olha, as minhas ideias esgotaram.

Chegamos em casa finalmente. Fui directo para o banheiro, Lua chegou lá pouco depois. Entrou na banheira cheia de espuma junto comigo e tomamos banho entre beijos e carinhos…

- Dorme comigo… - beijei o seu pescoço. Ela estava sentada entre as minhas pernas – Alias, dorme para sempre comigo. Vamos finalmente partilhar tudo
- Você não acha que é de mais?
- De mais o que?
- Você não vai fartar de mim?
- Fartas de você? Claro que não! – eu ri – Porque diz isso?
- Porque vamos passar agora 24horas sobre 24horas juntos
- Nem é… até porque eu vou trabalhar. So nos vamos ver de manha e à noite.
- Tá…
- O que você disse? – virei o seu rosto para o meu
- Eu disse tá… - ela riu e se encolheu envergonhada
- Docinhooooo! – meio que gritei e beijei o seu rosto completo – Vamos agora mudar tudo? Ficamos no meu quarto ou no meu? Acho melhor no meu porque eu tenho muita roupa e pra mudar de quarto vai ser uma confusão. – eu fui me levantando e passando água pra tirar a espuma do meu corpo – Seria legal mudar o quarto da Yasmin para o seu, porque assim ela se acostumava a um quarto maior…
- Arthur – ela riu e passou água pelo seu corpo também – Calma tá? Agente só vai dormir junto
- Acho que você não entende o significado de você dormir comigo… você não entende mesmo! – eu ri – Eu vou dormir coladinho a você…
- De conchinha?
- Se você quiser… - a abracei de lado – Vamos mudar tudo agora?
- Não é melhor dizer à Yasmin?
- É… vamos lá dizer.

Depois de nos vestirmos e de trocarmos mais uns beijos fomos até à cozinha onde Yasmin estava. Ela estava de roda de uma panela de cheia de brigadeiro.

- Como você fez isso?
- Não foi ela, fui eu… eu ia te avisar quando subi, mas como você tava no banho… - ela falava manhosa
- E vai partilhar comigo? – sentei no chão ao lado da Yasmin
- Claro papai. – ela me deu a sua colher pra eu comer
- Yasmin, agente tem uma coisa para te dizer
- O que? – ela nos olhou com a boca cheia de chocolate
- Eu e a sua mãe vamos dormir no mesmo quarto… ou seja, você pode mudar pró quarto que a mamãe dormia, porque é maior.
- Vocês vão dormir juntos?
- Sim…
- Mas você tem medo do escuro mamãe?
- Não… - ela riu – Porque?
- Porque você vai dormir com o papai… eu durmo sozinha porque não tenho medo do escuro e só dormia com você quando tinha.
- Mas acontece que… nós somos como um casal, entende?
- Como não… nós somos mesmo um casal! – Lua confirmou
- Isso mesmo. – concordei com ela – E ai, pronta pra mudar de quarto?
- Pronta! E o outro quarto, para quem fica?
- Ainda não sabemos…
- É para o meu maninho? – me engasguei com o que tinha na boca
- O QUE?
- Para o bebé da mamãe. Ela tem aqui – Yasmin colocou as mãos na barriga da mamãe – Ela disse que antes de eu nascer, ela comeu uma coisa e depois eu fiquei na barriga dela.
- É a historia da cobrinha… - Lua queria me dar a entender e eu comecei a gargalhar
- Ahh, já sei. A cobrinha foi com a mamãe e colocou você na barriga dela né?
- Isso mesmo. E com o meu irmãozinho vai ser o mesmo né?
- Que irmãozinho Yasmin?
- Esse aqui… - ela colocou a mão na barriga de Lua e de novo e encostou o rosto – Oi bebé, quer chocolate? – Yasmin colocou chocolate no dedo e passou na barriga da Lua
- Filha, eu não estou grávida – Lua riu
- Quem sabe um dia mais tarde… - puxei a Yasmin para o meu colo, mas ela saiu e sentou perto da panela – Olha essa barriga como ficou – ri
- Trabalho da menina Yasmin
- Ficou lindo! – a pequena disse
- Eu ajeito isso… - lambi por completo a barriga de Lua, fazendo ela se contorcer de cócegas
- Ecaaaaa! – Yasmin disse – Tava gostoso?
- Muito – ri
- Nossa, que delícinha! – Yasmin riu
- Delícinha! – Lua gritou – É assim que eu vou chamar o seu pai – ela Lua e veio para junto de mim e me abraçando por trás
- Delícinha? É lindo o nome! Mas eu vou ser como?
- Minha bebé, minha pequena, minha linda! – enchi ela de beijos

Não tinha como não se apegar a esta família. Aos poucos eu ia me sentindo cada vez mais apegado à Yasmin, assim como ela a mim.

Fizemos as trocas de quartos. Finalmente eu ia dormir agarrado à mulher da minha vida. Podíamos ficar horas e horas conversando durante a noite, podíamos nos beijar e fazer amor à vontade porque tínhamos agora a nossa própria privacidade.
Yasmin se acostumou bem ao novo quarto e adorou o facto dele ser maior.

Continuei com o meu trabalho e duas semanas depois da Yasmin fotografar, ela saiu numa revista em uma noticia comigo. Depois disse dia, recebia várias entrevistas para fazer.

- Foi pai muito cedo certo? – perguntou o jornalista
- Certo. Fui pai com 17 anos, porém, só faz pouco mais de 6 meses é que soube dessa notícia - respondi
- Pode nos dizer porquê? – voltou a perguntar
- Porque na altura eu estava focado apenas no meu trabalho e no meu sucesso. Mas isso são águas passadas, coisas que não quero voltar a relembrar.
- A sua namorada lhe aceitou de boa?
- Não são coisas que eu queria falar agora…
- Mas agora está bem com a sua namorada e a sua filha?
- Muito bem! Somos uma família completamente feliz. Vivemos muito bem
- Que bom. E a sua filha, como reagiu quando te conheceu?
- Foi um pouco estranho, mas agora ela sabe o quão importante eu sou pra ela
- E ela? Não é importante para você?
- Ela é muito importante para mim. Ser pai é especial, ninguém tem noção do quanto importante e especial é
- Foi das melhores coisas que lhe aconteceu na vida?
- Foi a melhor coisa que aconteceu na vida! – sorri, emocionado

Eu tinha entrevistas todas as semanas, assim como festas e desfiles para fazer. Eu estava muito feliz com todo esse sucesso que o Brasil tem me dado.

- Por favor amor, vem comigo naquela festa.
- Não Arthur, eu não quero. Você sabe que eu não gosto dessas festas
- Mas eu quero que você venha, esta vai ser especial
- Vais ser especial porque? Vai ter uma nova colecção de roupa? Vai desfilar com aquelas… - ela respirou fundo para não falar mal – Com aquelas modelos que se acham?
- Não ciumenta… - ri e peguei a sua mão – Eu queria apenas que você viesse comigo.
- Você é tão chato…
- O seu chato!
- O meu delícinha! – rimos entre o beijo
- Docinho! – passei a mão sobre o seu nariz – Docinho tem a ver com delícinha.
- É lindo…

Fomos à tal festa que a agência de modelos estava organizado. A festa ia ser especial pelo facto de recebermos modelos internacionais. Foi nesta festa que eu apresentei a Lua para todo o mundo, passados seis meses juntos.
Tiramos fotos, fizemos entrevistas e pousamos para pessoas importantes.

- Você me surpreende de dia para dia… - disse ofegante, com as pernas sobre a minha cintura, enquanto chegamos ao nosso quarto, por volta das 4:01h da manhã, depois da festa
- É que eu te amo muito… - fechei a porta e a levei para a cama. Deitei ela lá com cuidado e deitei sobre ela – Tira logo esse vestido que está atrapalhando de mais
- Tira você essa roupa certinha…

Nos levantamos apressados de prazer pra tirar a roupa. Bom, o vestido da Lua não ficou em grandes condições e a minha gravata desapareceu em segundos.
Depois de ficarmos apenas de roupas interiores, nos envolvemos sobre os lençóis da cama. Estava um calor danado. Não sei se foi da bebida que tomamos ou se foi mesmo do calor humano que se fazia naquele nosso quarto abençoado.

Dávamos beijos na boca, pelo pescoço, sobre a barriga. Trocamos mordidas e chupões. Sussurramos sacanagens no ouvido um do outro e eu não aguentei tal pressão, por isso prensei a minha intimidade sobre a dela.

- Não faz isso… Arthur! – ela gemia o meu nome, o que me deixava mais louco
- Quer o quê então? – tirei o seu soutien e distribuí beijos sobre aquela zona
- Quero você… - ela começou a tirar a minha cueca boxer e eu puxei a sua calcinha

Comecei com as leves investidas enquanto ela pressava as suas pernas sobre a minha cintura. Ela se embalava conforme as investidas e gemia conforme o prazer. Ver ela naquele jeito me fazia continuar sem parar.


Estou de voltaaaaaaaaaaaaaa! Vou tentar postar mais pra recompensar!

2 comentários: