Não foi um erro - 44º Capitulo

|

No capítulo anterior…

POV LUA

Quando fui ler a entrevista do Arthur, nada daquilo me impressionou. Não falou de mim ou da Yasmin, apenas disse e repetiu uma centena de vezes que está aqui para lutar pelos sonhos dele e para reconquistar a confiança de algumas pessoas. Deveria essa ser a única parte que ele falava de mim indiretamente.
Depois de ler aquela entrevista e de tomar o meu café, recebi uma mensagem dele.

“Você já saiu do trabalho? Queria falar com você.”
“Sim, já sai. Mas vou buscar a Yasmin”
“Nos encontramos na escolinha dela então.”
“Ok.”

Ele insiste em falar comigo. Mas acho que quanto mais falamos, mais discutimos.
Quando cheguei na escolinha da Yasmin, recebi uma queixa da professora dela. A professora falou que a Yasmin andou o dia inteiro sozinha, com a cabeça no ar. Tratou mal todos os seus coleguinhas e arrumou uma briga na hora do almoço.

- O que raio deu em você? Porque está assim? – dei uma bronca nela, enquanto saiamos da escola – Você nunca se comportou desse jeito, sempre adorou os seus coleguinhas.
- Acontece que eles começam sempre a dizer o que fizeram no final de semana com os pais e isso me irrita profundamente. Eu to farta de ouvir eles, farta! Eles sabem que eu nunca tenho nada que falar e ficar perguntando “e você, o que fez com os seus pais?”. Que droga! – eu nunca tinha visto a Yasmin assim

Eu não sabia mais o que falar. Por um lado a culpa era minha. Eu devia passar mais tempo com a minha filha, mas não, decidi trocar ela por um idiota.

- Oi… - o idiota chegou por detrás de nós – Então Yasmin, como foi a escola?
- Terrível! – ela disse irritada e foi andando na frente
- O que ela tem?
- Está irritada por não ter uma família normal.
- Poderíamos ser uma família normal, se você deixasse
- Agora a culpa da fama te subir à cabeça é minha?
- Jura que vamos entrar por ai? – ele me encarou
- Você é que começou!
- Olha Lua, eu sinceramente ando a ficar farto com os seus comportamentos
- Serio? Que pena! – disse irónica – Vamos embora!

Fomos no carro dele, o caminho todo calados. Quando chegamos em casa, Yasmin correu para o quarto e eu fiquei na sala, descansando no sofá. Estava cansada do dia de hoje e nem tinha feito muita coisa.

- Eu não queria que as coisas entre nos ficassem desta maneira… - disse ele, chegando perto de mim – Passamos momentos tao lindos Lua. mas depois da noite da minha apresentação, você ficou assim… tudo bem, eu podia ter te apresentado para todo o mundo, dizer que você é a minha namorada e que é a mãe da minha filha. Mas eu estava a viver um momento único e me esqueci… passou completamente ao lado.
- As coisas só me passam ao lado quando são insignificantes
- Mas você não é insignificante para mim. Nem você, nem a Yasmin.
- Não parece.
- Eu juro que vocês são especiais para mim… - eu não falei nada – Lua, por favor. Vamos ficar bem de novo. – pediu
- Eu não sei… você me machucou muito em me ter ignorado.
- Eu sei. Eu sou um completo idiota, babaca, equivocado e…
- … você é isso e muito mais! É maluco, é burro, é estupido, grosso e… - eu ri, vendo a cara dele de serio. Ele sorriu – Mas o problema é que eu gosto de você.
- Gostar de mim é um problema? – ele pegou a minha mão
- Claro que é. – eu puxei ele para mais perto de mim. Ele sentou ao meu lado e eu encostei o meu corpo ao dele
- Eu prometo que vou melhorar. Vou focar mais em vocês e deixar o trabalho um pouco… até porque ele vai muito bem.
- Você começou hoje. Como já pode dizer isso?
- Eu sinto – sorriu – Além do mais, já tenho sessões de fotos marcadas para tirar.
- Ótimo. – sorri e olhei nos seus olhos

Tudo bem. Eu não estava muito interessada no trabalho dele. Moda nunca foi uma coisa que eu adorasse muito. Pelo contrário. Adoro comer e seria incapaz de fazer dieta, mesmo estando magra como as modelos profissionais. Mas se ele está feliz, eu fico contente por ele.
Arthur se acomodou no sofá, e me arrastou para o seu colo, me abraçando por completo e beijando o meu rosto. Eu sabia que o que ele queria era um beijo. E eu também queria isso. Virei o meu rosto para ele e aproximei os nossos lábios, selando-os por completo.
As minhas mãos andavam pelo seu pescoço, de vez em quando pelos seus cabelos. Enquanto as dele percorriam o meu corpo quase todo. Iam das costas às coxas e ficavam por lá. De vez em quando havia uma mão boba aqui e ali. Entre o beijo havia sorrisos e quase gemidos. Era uma tentação ficar com ele assim.

- Lua… - ele disse entre o beijo e depois o parou com selinhos – Você não acha que falta alguma coisa?
- Tipo o quê?
- Olha pra sua mão… - ele pegou a minha mão direita – Não acha ela vazia de mais? – eu sorri, sabia perfeitamente que ele falava do anel que ele me deu, no dia em que começamos a namorar

Ele se virou um pouco, pegou a carteira que estava no seu bolso de trás das calças e depois tirou de lá o anel.

- Jura que só tira ele quando eu colocar ai um de casamento?
- Juro! – sorri e ele colocou lá o anel, no meu dedo e deu um beijo
- Não quero mais brigar. Chega de brigas e discussões bobas.
- Não são bobas! – me defendi, cruzando os braços e fazendo bico. Ele mordeu
- Boba! – riu

Ficamos distribuindo beijos um no rosto no outro, até que o celular dele tocou. Ele se levantou e foi atender na cozinha, enquanto eu continuei a ver tv. Depois chegou ele, com um sorrisão nos lábios.

- Você não vai acreditar…
- O que foi?
- Fizeram a contagem do dinheiro angariado para o seu pai…
- E…? – eu me levantei do sofá
- Conseguimos quase todo Lua. faltam acho que dois mil reais, mas isso eu posso colocar na boa!

Eu pulei no colo dele. Dois mil reais não é nada comparado ao valor que eles pedem pelo medicamento. Eu não poderia estar mais feliz. Ainda bem que o dinheiro não foi um problema muito grande e ainda bem que o meu pai vai poder ter este tratamento e assim recuperar a sua vida.
Eu pulei no colo do Arthur. Abracei ele e me emocionei.

- Obrigada amor, pela sua ideia! Você é o melhor! – beijei o rosto dele todo e ele olhou diretamente para mim e riu
- Amor?
- É… - fiquei sem graça
- Amor é bonito, mas eu prefiro docinho! – ele deu um beijo no meu pescoço
- Eu detesto esse apelido
- Mas eu gosto de te chamar. – ele riu, me fazendo rir que nem uma tolinha
- O que você acha de irmos jantar fora? – propus a ideia – É que a Yasmin anda tão triste.

Amanhã tem mais desta web ;)

10 comentários:

  1. +++++++++++++++++++++++++++++++++++

    ResponderExcluir
  2. tadinha da yasmin, ela tá tão sozinha
    ass Sophia

    ResponderExcluir
  3. faz eles darem mais atenção á yasmin e faz o arthur perceber que a familia vem em primeiro lugar. ele tem que crescer ser um homem de verdade, ele nao se pode iludir tanto com a fama se nao ele é que sai machucado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #fato!
      kkk docinho me faz lembrar dos momentos gay's do Thur rsrs

      Excluir
    2. Docinho me faz lembrar do Felix da Novela da Globo rsrsrsrsrsrs

      Excluir
  4. maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaais

    ResponderExcluir
  5. Só acho que vc,Cris, devia postar dois capitulo dessa web por dia

    ResponderExcluir
  6. Posta ++++++++++++++++++++++
    Ameeii *-*

    ResponderExcluir