How Cant’i Not Leve’it | 9º Capítulo

|

9º Capítulo

So clear to me now, can't explain what you're doing to me
Why should we fight the feeling
Let's just live in the momen

Pov Arthur

Ótimo! No meio de uma discursão, Lua resolve atender ao telefone.

Ótimo mesmo!

Saí do quarto dela completamente irritado, e fui para o meu. Precisa de um banho e talvez um banho gelado fizesse minha cabeça congelar essa droga de culpa que estava sentindo. Qual é? Lua também entende tudo errado...

Estava pondo minha bermuda quando alguém bateu na porta rapidamente, deveria ser ela com o peso da consciência. Até que ia demorar para atender a porta só para ter um gostinho de vingança, mais meu corpo parece que não me obedecia e já estava abrindo a porta, porém me decepcionei com quem eu vi. Era o guia.

– Senhor... – Ele suando bastante. Até parece que tinha corrido metros para estar aqui.
– Aah... é você.
– A Senhorita, Lua. – Ele puxava um pouco o ar, o que me fez rolar os olhos, que cara chato.
– Fale logo! – Falei um pouco mais severo.
– Ela, ela... – Respirou fundo. – Foi embora, disse que estava voltando para Berlim. – Gelei.
– É o quê? – Tirei ele rapidamente da minha frente e sai, fui em direção ao quarto que a mesma ocupava, porém já havia uma camareira ajeitando tudo para um novo hospede.

Lua não podia está falando sério, não mesmo. Não acredito que por conta de uma discursão boba ela estava voltando, não acredito que ela ia abandonar tudo assim, tínhamos o tão esperado baile para ir, e mais alguns jantares de negócios. Ótimo! A senhorita, Blanco resolveu dá uma de louca, só pode.

Corri para a recepção com o mala do guia atrás, perguntei algumas informações que foi me concedida. Óbvio que tive que dizer que era namorado dela, se não nem me diriam nada.

Olhei para o guia pedindo que ele pedisse um taxi, tinha que pegar ela ainda no aeroporto, tinha que dar tempo, não poderia deixar ela ir assim, só por uma besteira.

Só fazia uns 10 minutos que ela tinha saído, então tinha que dar tempo, eu tinha que encontrá-la. E para o inferno da minha sorte, pegamos um transito. Perguntei ao o guia quantas quadras faltava pro aeroporto e quando ele me respondeu que era apenas duas, não pensei que seria tão longe assim, porém saltei do taxi com o mesmo na minha cola, e saímos correndo, com certeza chegaríamos mais rápido de pé, do que no taxi, já que o mesmo ainda estava no engarrafamento. Ao chegar no aeroporto fui logo em um dos balcões e agradeci a Deus por ela ser bilíngue, perguntei onde ficava o embarque dos aviões particulares, ela me direcionou rapidamente para uma porta, onde tinha que sair e entrar em outro local. Corri novamente. Era loucura eu sei, só não sabia explicar o porquê. Assim que avistei ela corri mais ainda, mas fui parado por dois policiais, que não entendiam nada do que eu falava, pude ver ela conversando com o piloto, então gritei seu nome o mais alto que pude, e depois da segunda vez ela me olhou.

Droga o que essa mulher estava fazendo comigo?

– Arthur! – Gritou e veio em minha direção, os guardas me soltaram, e permitiram ir até o seu encontro. Eu estava parecendo louco. Minha respiração estava falha.
– Lua, eu... – Puxei o ar, e ela chegou mais perto. Estava linda, eu não podia negar. – Você não pode ir por conta de uma besteira Lua, pelo amor de Deus! – Baguncei um pouco meus cabelo, e pude ver ela respirar pesado.
– Arthur, por favor volte para o hotel. Depois conversamos sobre isso.
– Lua, caramba me escuta. – Segurei seu rosto com minhas mãos. – Eu não tive e nem vou ter nada com a Rochelle. Droga, Lua! Você tem que entender, eu não tive culpa que ela apareceu no bar na hora que eu estava lá, mulher! Você não pode voltar assim para Berlim por causa disso. Lua você tem 27 anos, não é 16. – Sim não dei tempo dela protestar.
– Arthur. – Me empurrou, um pouco. – Não estou indo por causa disso! Não tenho nada a ver com sua vida. Estou indo por conta de problemas pessoais. – Pude ver uma lágrima escorrer pelo seu rosto, a mesma estava de óculos. Respirei fundo, não poderia deixa-la ir. – Sophia precisa de mim. – Pronunciou um pouco mais calma. – Não posso ficar Arthur, me desculpa. – A mesma olhou para trás onde o piloto fez sinal positivo. – Você não vai entender agora, Arthur. Mas espero que um dia entenda. – Chegou mais perto de mim. – Mandarei a minha secretaria manda um email para os outros, informando que não vou poder comparecer aos jantares e nem ao baile. Mas quero ver fotos de você lá, Arthur. – Beijou minha bochecha e saiu, sem olhar para trás. Embarcou e logo depois pude ver o avião decolar.

Que dia infernal foi esse?

Voltei para o hotel e rolei um século na cama para conseguir dormir. E quando finalmente consigo...

*** Sonho ON***

– O papai chegou! – Ouvi sua voz doce.
– Papaaai...– Meu pequeno príncipe correu em minha direção, e o peguei imediatamente no colo, abraçando-o.
– Olha amor, temos surpresas... – Vinha em minha direção, com nossa pequena Malu, e quando a mesma me viu bateu palminhas. Lua botou nossa bebê no chão que sorriu sapeca e olhou para mim, abaixei um pouco ainda com Noah nos braços, e a incentivei. Ela ria, a risada mais gostosa que podíamos ouvir naquele cômodo. Abriu os bracinhos e ainda parada a incentivei.
– Vem filha, para o papai meu amor. – Sabe aqueles bebês serelepes? Bem, Malu se encaixava nessa categoria, mas no modo de andar ela ainda tinha medo, se equilibrava em pé, mas não se movia, então preferia só engatinhar.
– Vai princesinha, o papai está te chamando. – Lua incentivou, e mais uma vez ela bateu palminhas e correu ao meu encontro, me abraçando e abraçando o irmão no mesmo tempo. Sorrimos, e levantei com os dois nos braços enchendo ambos de beijo, até que Lua se encostou um pouco na parede e fez uma cara de dor.
– Está tudo bem, amor? – Perguntei, e a mesma concordou, porém não era isso que parecia, rapidamente a mesma caiu no chão. Malu começou a chorar e Noah me abraçou falando que ficaria tudo bem, mas ela estava se contorcendo de dor, e o choro da Malu aumentava cada vez mais, tentei chegar perto de Lua, mas ela estava sumindo, enquanto Noah sempre repetia:

“Vai ficar tudo bem, papai”

 O choro da bebê desapareceu assim como a mesma nos meus braços, e comecei a me desesperar, e logo meu pequeno também ia desaparecendo. Lua ainda se contorcia de dor, corri pra ajuda-la, mas a mesma também sumiu, e cá estava eu em um quarto branco apavorado. Queria apenas minha mulher e meus filhos.

Céus! Que inferno era esse?

*** Sonho OF ***

Acordei agoniado e suando frio, com o despertador tocando. Olhei para os dois lado do quarto do hotel, mais não havia ninguém ali. Respirei fundo, foi apenas um sonho, ou diria um pesadelo?

Olhei o relógio e vi que já era 07h45 da manhã, precisava me arrumar. Teria uma viagem não muito longe, porém ia com um sócio.

Enquanto tomava banho, a porcaria daquele sonho não saía da minha cabeça, e a frase de um dos possíveis meus filhos “Vai ficar tudo bem papai”, que diabo de sonho era esse, e por que Lua como minha mulher? E por que todos sumiram? Será que ela está precisando de mim? Ou apenas foi uma mera coincidência de um pesadelo de um dia terrível?

Respirei fundo fiz minha higiene matinal e logo me vestir. Saí rapidamente do quarto quando a recepcionista ligou e falou que meu sócio já se encontrava no local. O percurso até a cidade vizinha era apenas de um hora, fomos no carro do mesmo, onde conversamos sobre várias coisas.

– Filhos são um benção. – Começou um novo assunto.
– Não tenho filhos. – Falei.
– Então aproveite esse tempo que não tem Aguiar, porque quando estiver é bronca.
– Não gosta de ser pai? – Não sabia o porquê ele tinha entrado nesse assunto, mas tudo bem.
– Amo, não me vejo mais sem meus filhos, porém as coisas mudam quando sua família começa a crescer, a privacidade do casal é um pouco interrompida, mas por uma boa causa. – Sorriu.
– Quantos você tem? – Perguntei.
– Quatro. Um garotão de 5 anos, e duas gêmeas de 2 anos e meio, e o próximo que está vindo. – Sorriu, e por alguns segundos, lembrei-me do sonho “Noah e Malu”. E sorri.
– Sabe quando você está cansado do trabalho e as vezes até da vida corrida que levamos, e só queremos chegar em casa e dormir? Aí quando você chega, já escuta os gritinhos e as correrias “O papai chegou... Eeeh!” o cansaço some, a dor de cabeça vai embora e tudo fica mais feliz. – Ele realmente é apaixonados pelos filhos, dava para notar pelo sorriso, sempre que falava alguma coisa sobre as crianças. – Pois é Aguiar, pai é uma palavrinha tão pequena, mas com um significado tão importante. – Sorri e aquele maldito sonho não queria mais sair da minha cabeça, e ao lembrar que Lua que era minha esposa, céus! Só de imaginar isso, me causava arrepios.

O que aquela mulher anda fazendo comigo, hein?

Quem diria Arthur Aguiar, o homem que gosta apenas de sexo casual, se imaginando todos os dias ao lado de uma mulher só, era loucura. Mas era a loucura mais feliz da minha vida. Não sei o que ela jogou em mim, mas se for uma rede. Ela me pescou direitinho.

O dia passou rapidamente, depois da minha pequena viagem. Assim que retornei ao hotel estava tão atolado de papeis para ler, e assinar que mal me dei conta da hora. Passei praticamente o resto do dia no meu quarto do hotel lendo as cláusulas de alguns contratos, e riscando nomes de pessoas que eu tinha investido pesado. Porém não eram mais meus sócios, era apenas um empregado da empresa agora. Quando deu o horário certo me arrumei para o grande baile, e assim que cheguei ao salão todos vieram me cumprimentar. Fui para a minha mesa reservada, e sentei ali nos meio de alguns empresários que conhecia, porém ao olhar para frente, encima da mesa estava, lá seu nome. No papel de reserva:

Lua Blanco.

Que falta você me faz, querida.

Decisões são assim, ou você arrisca ou você se conforma. Pois é querida, é errado querer você, mas eu sempre tive uma queda por erros.

Continua...

Se leu, comente! Não custa nada.


N/DJoy: Eii, babys?! Estou de volta. Pois é, desculpem pela demora. Não culpem a Milly. Acabei ficando doente e como estou morando praticamente sozinha em outra cidade, tive que me virar em mil. Além de que não podia faltar com meus cursos. Pois é, finalmente encerrei um ciclo e vou pode me dedicar mais na web. E espero que vocês comentem... Beijos!

Obrigada pelos comentários do capítulo anterior.

Com mais de 7 comentários, postarei o próximo.

Beijos e até breve!

7 comentários:

  1. Graças a Deus voltou!! Adorando sempre a web.....posta mais!
    Pensei que tivesse desistido de postar ela.
    Arthur ja sonhando com a Lua e filhos adorei!

    ResponderExcluir
  2. Arthur já está caindo de amores pela Lua ♥ Sonhando com filhos e tudo!!!

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que voltou. ......estava desesperada por uma atualização!! Pena que a Lua teve que viajar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena mesmo! Mas ela foi por uma boa causa. So por um bom motivo pessoal para largar o Thur Boy.

      Excluir
  4. Posta mais amore. ......Saudades da web

    ResponderExcluir
  5. Ah queria que ele tivesse ido com ela!! Tadinho do Thur está com saudades da Lua :-( :'( □

    ResponderExcluir