Uma Linda Mulher - 2ª TEMP. | CAP.33

|


Uma Linda Mulher - 2ª Temporada





Capítulo: 33


Arthur - Sorte que a Mari está fazendo exames no hospital essa semana, se não já estaria acordada faz é tempo, tem o sono leve.
Lua – E você filha, tem um garganta poderosa. Pronto, dormindo…Ahh que sonho… – beijou a testa de Linda superficialmente, encostou se na poltrona fechou os olhos - Faz tantos anos que cuidei de um bebê… –  Arthur se levantou, observou Linda que dormia perfeitamente, a pegou do colo de Lua a colocando no bercinho a cobriu com a manta. Lua permaneceu sentada na poltrona, levou as mãos sobre os olhos bocejando.
Arthur – Vamos deixar o Gabriel dormir até mais tarde hoje, não vou trabalhar…
Lua – Era o que eu esperava, nesses dois meses trabalhou por mil anos. – Levantou se indo para cama junto com Arthur. 
Arthur – Que exagero Lua…
Lua – Exagero nada, aliás eu não sei como não ficou doente… – bocejou novamente – Desculpe Arthur…
Arthur – Desculpar pelo que?
Lua – Estive distante nesses dois últimos meses… – o olhou nos olhos. – Não fui uma boa esposa…
Arthur – Você estava sofrendo como mãe. Não diga tolices.
Lua – Olho nos seus olhos e vejo a tristeza, por mais que agora tudo está bem com Linda, sofre por Marieta e por outra coisa, eu posso sentir. Quer conversar? Sou sua melhor amiga antes de ser sua mulher… – Arthur engoliu a saliva, mirando outro lugar que não fosse os olhos dela, como dizer a mulher a sua frente que… – Vai dar tudo certo você vai ver, Mari vai seguir o tratamento e melhorar, é como esperamos e rezamos se lembra? - Ele assentiu com a cabeça, subindo as mãos até o rosto de Lua lhe alisando a franja que caia sobre os olhos. – Tudo o que eu disse á você aquele dia era a verdade, olhe para mim… – ele o fez, cerrando a maxilar – O que está acontecendo? – Ele não podia fazer isso, não agora quando podia ver o brilho cintilante nos olhos dela.
Arthur – Você está bem? – Lua suspirou, negando com a cabeça.
Lua – Não mude de assunto, sabe que estou bem. Foram longos dias, fomos testados da maneira mais dolorosa possível, eu sei disso, mais me pediu força se lembra? Disse que sem mim você não conseguiria, eu fui forte Arthur. Por mais que tenha estado distante eu fui forte. Você me prometeu que tudo ficaria bem e olhe ali… – sorriu mirando o berço onde Linda repousava tranquilamente. – O seu presente saudável e tranquila… – Arthur baixou a cabeça, como poderia mentir a olhando nos olhos com tamanha intensidade? Suas mãos tremeram, seu coração começou a bater de forma mais rápida.
Arthur – Precisamos conversar…
Lua – Oh Graças a Deus, se não te olho nos olhos assim nada funciona não é?
Arthur – Escute me… – se aproximou levanto a outra mão do outro lado do rosto de Lua. – Conversei com a sua médica hoje…
Lua – Linda está bem? – se preocupou visivelmente. 
Arthur – Sim está… – tremeu na procura de achar algum modo menos doloroso para lhe falar. – Depois que a Linda nasceu, você teve outra forte hemorragia… - Lua concordou se lembrando das dores infernais por 3 semanas seguidas. – Foi bastante complicado parar essa hemorragia para que você permanecesse viva, e esses procedimentos costumam ser bastantes evasivos… – Os olhos de Lua se escureceram, ela se afastou um tanto de modo que as mãos de Arthur caíram de seu rosto. – Estamos fazendo exames não estamos? – Ela concordou com a testa franzida com o olhar cravado no seu. – As vezes esses procedimentos geram a… – se calou engolindo o nó na garganta, afastou sua visão até sua filha. 
Lua – Você está tentando me dizer que eu não posso mais… – baixou a cabeça tentando assimilar a informação que havia lhe rasgado uma parte do coração. 
Arthur – Não temos certeza querida… – franziu a testa, desviando seu olhar uma vez mais. – Clarissa vai pedir novos exames e…  
Lua – Eu vou fazer o café… – se levantou em um pulo, passou os olhos sobre Linda deixando o quarto em velocidade máxima. Caminhou pelo corredor com o coração nas mãos, passou no quarto de Gabriel lhe dando um beijo na testa e o cobrindo uma vez mais, seja forte Lua. Seja forte. Desceu as escadas vendo o bilhete de Nelita que dizia que ia até o hospital, iria passar a manhã com Marieta. Pegou as coisas como um robô, com as mãos trêmulas deixou cair o café e antes que a água quente caísse sobre sua mão, Arthur a puxou de perto da pia, vendo o liquido fervendo se espalhar pela mesma, caindo no chão.
Arthur – Pare… – A segurou com firmeza pelos pulsos a virando de frente para si. 
Lua – Meu Deus Arthur… – mordeu os lábios se chorasse iria ser melhor, mais aquele nó no estomago e em sua garganta estava lhe fazendo mal. – Meu Deus… Eu-eu-u…
Arthur – Olhe para mim… – sua voz se fez um tanto mais alta, ela o olhou. – Não faça assim… – ela ficou sem palavras. 
Lua – Você acha que dois está bom para nós? – seu sorriso era triste e profundo. 
Arthur – É claro que é… – a abraçou com força, em quanto ela concordava o apertando com força contra seu corpo. - Sua tola é claro que é…
Lua – Eu não posso chorar…
Arthur – Nós não vamos mais chorar… – ela assentiu mais uma vez mordendo os lábios trêmulos. Gabriel apareceu na porta andando nas pontas dos pés com as sobrancelhas erguidas, mirou os pais que o miraram soltando se do abraço, Gabriel sussurrou baixinho com os olhos ainda arregalados. 
Gabriel – Mamãe já podemos acordar a Linda agora? – Arthur o olhou com ternura o pegando no colo, se abraçou a ele em quanto Lua soltava um sorriso finalmente deixando escapar algumas lágrimas.
Lua – O que acha de esperarmos mais algumas horinhas? – Gabriel pensou, pensou e no final concordou, ele e Arthur sentaram se na mesa famintos. Lua se debruçou na pia enxugando as lágrimas, fungou descongestionando o nariz.
Gabriel – Está tudo bem mãe? – Lua se virou se recompondo. 
Lua – É claro que está, uma rodada de panquecas com mel?
Gabriel – Ahh que deliciaaaa! – Arthur a observou por longos minutos em quanto preparava as panquecas, parecia distante e ao mesmo tempo lutava contra as lágrimas. 
Depois de mais de uma hora de farra ainda sentados na mesa tomando um suco de laranja natural feito a pouco por Arthur, a babá registrou aquele chorinho gostoso e agudo, Gabriel pulou de alegria sorrindo animado, Arthur subiu caminhando até Linda…
Arthur – Nossa mais que escândalo para uma pessoa tão pequena. – sorriu as ver que até lágrimas saíram e tudo isso por não ouvir a voz de ninguém no quarto. – O papai veio te salvar foi? – a pegou no colo em algum minutos conseguiu a acalmar, com Linda desperta desceu as escadas com cuidado. – Agora grita para o seu irmão… – Arthur sentou se no sofá e Gabriel logo veio ao lado dele, fazendo caretas e entretendo Linda que soltava uns sorrisos que Lua ainda não tinha visto.
Lua – Olha como ela sorri com você filho…
Gabriel – Você me ama e eu te amo né Linda? Posso pega la mamãe? –  Arthur observou Lua, estava meio insegura, sorriu a ela tentando passar segurança. 
Lua – Só um pouquinho certo? Ela ainda é toda molinha filho, faz 2 meses que nasceu mais é como se tivesse nascido ontem… - Gabriel assentiu, sentou se no sofá e com extrema responsabilidade segurou Linda nos braços com a ajuda de Lua. 
Ahh a experiência durou por pouco tempo, Linda fez uma careta abrindo o maior berreiro, Lua sorriu a pegou no colo a deitando de contra seu peito a segurando pelas costinhas e pela nuca…








Desculpe a demora para postar amores, mais aí está o capítulo.
Pra quem perguntou, as fotos da Linda e do Gabriel, estão na capa da Fic.
Boa Madrugada, beijos.
COMENTEM, AMANHÃ TEM MAIS!!!


10 comentários:

  1. Maisssss! Já to vendo que vou amar a relação do Gabriel com a Linda!

    ResponderExcluir
  2. Lindo o Gabriel com a irmã. Linda tem uns bons pulmoes. Coitada da lua derepede não pode ter mais filhos. Aquela parte que lê conta, coitada " dois chegam" by sofiaxc

    ResponderExcluir
  3. Ela deve ter o sorriso de quem tomara que a Lua possa engravidar de novo

    ResponderExcluir
  4. Q lindos posta mais guria

    ResponderExcluir