Treinando a Mamãe 2

|
Capitulo 24

O dia não estava sendo favorável para ninguém naquela casa. Arthur estava sendo rude demais? talvez não. O problema não era Lua trabalhar e sim trabalhar como tenista e agora fazendo outras coisas sob a supervisão de Jack, na qual Arthur teria bastante receio. Alegando que Lua não poderia ter tempo para cuidar dos filhos, Arthur decretou que os levaria. Lua estava arrasada, mas não brigou para te-los. E aquilo foi o que mais doeu em Arthur. Seria um começo de uma segunda separação e aquilo realmente estava sendo um fardo pesado demais para todos.
3 horas depois...................
- Pegaram tudo? hã... - Arthur agachou diante de Thammy e Théo. E com cada uma das mãos tocou o rosto deles. Thammy estava bastante desolada.
- Arthur, não faz isso comigo. - Lua estava arrasada. - Isso é desumano Arthur.
Ele levantou-se e virou para olhá-la. Já teria feito a mala, juntamente com as malas dos gêmeos. Foi uma decisão momentânea, o casamento estava prosseguindo tão bem, e do nada esse desentendimento com direito a separação e tudo. Amy ainda estava no quarto e isso fazia um bom tempo.
- Você acha melhor eles ficarem com uma babá? - Sua voz era suave com um toque de decepção.
- Você vai me deixar, assim? - Sua voz estava falha, e ele fazia de tudo para não tornar a chorar.
- Lembra que você já me deixou de uma forma bem pior?
- Está dondo o troco? - Franziu o cenho, em meio a vontade louca de chorar.
- Tua ambição destrói tudo, Te leva para um caminho errado. Esse jack é como a sua mãe. - Pausou.
- Não. - Fechou os olhos. - Não Arthur.
- Eu só não vou sair daqui deixando eles dependendo de alguma pessoa. Você concorda de que é melhor eles ficarem comigo ao invés de uma babá?
- E se todo mundo ficar junto? - Thammy disse entrando no meio dos dois.
-É papai, temos que ficar todos juntos. - Théo fez o mesmo.
Lua sorriu desolada, dando lugar a um choro silencioso. Enxugou as lágrimas com os dedos.
- Você me deixa levá-los, sem uma briga pior?- Permaneceu num tom calmo e sereno de voz.
Lua respirou fundo e colocou as mãos na cintura. Ergueu a cabeça e deu outra respirada profunda. Agachou tentando permanecer de queixo erguido.
- Vocês vão com o papai? - Abriu os braços e então os gêmeos lhe abraçaram. - É que eu tenho que resolver uns assuntos sabe? ai vou ficar um pouco sem tempo pra cuidar de vocês. - Engoliu a seco choro. - Mas logo as coisas se acertam.
- Vocês vão separar né? - Thammy perguntou, afirmando ao mesmo tempo. Olhando tanto para Lua quanto para Arthur.
Lua a ergueu o olhar para Arthur que virou o rosto e em seguida Lua passou a mão no braço dela enquanto tinha o outro braço na cintura de Théo.
- Olha só, vocês vão com o papai. Eu prometo que as coisas vão melhorar.
- Ah mamãe. - Thammy disse chorosa, envolvendo Lua com os braços em seu pescoço.
 - Não queremos. - Théo faz o mesmo.
Lua sentiu intensamente aquele abraço. Fechou os olhos sentindo o forte abraço dos filhos, tentando o máximo não chorar.
- Eu amo vocês.
- Também te amamos, mamãe. - Thammy disse, sem romper o abraço.
- É, te amamos. - Théo meio que repetiu.
Então Amy surgiu na sala. Já teria tomado banho e sua feição não era nada boa. Era como se ela tivesse chorando bastante, por horas. Arthur pestanejou os olhos pesados, após ver o semblante de Amy. Lua levantou-se, tendo os gêmeos, um em cada lado.
- Eu já deveria imaginar. - Amy disse áspera e magoada. - Nunca vamos ser uma família.
- Amy. - Arthur tentou começar um dialogo, mas ela logo contou qualquer tipo de comunicação.
- Não fala comigo, não quero papo. - Falou rude,encarando-o.
- Filha, não faz assim. - Ele insistiu. Mas quem estava sendo fitada por Amy agora, era Lua. - Olha para mim filha.
- Pensei que seria tudo diferente, mas parece que não. - Seus olhos já estavam cheios de lágrimas. - Mas dessa vez? Ah dessa vez eu to fora!
Lua tentou falar, mas Amy não lê deu oportunidade. Deu uma olhadela para os irmãos, e seu olhar baqueou por um instante. Em seguida, virou para Arthur, e trincou os dentes, mostrando em seu  olhar, a magoa e a decepção. E após isso olhou novamente para Lua com o mesmo olhar, a unica diferença era a ponta de amparo naquele olhar. Amy suspirou fundo,passou por Arthur com passos pesados e rápidos,e antes de Arthur ou Lua falarem algo, ela já tinha batido a porta.
Amy saiu sem rumo na verdade. Ela estava com raiva de Arthur, com raiva de Lua e acabou ficando com raiva de todo o resto. Ela não conhecia em a redondeza, pelo fato de não sair muito de casa, e quando sai é se carro ou com Lua, ou com Arthur. Então, sozinha na cidade do Rio de janeiro,a unica coisa que ela queria era andar o mais longe possível da sua casa, para que não fosse encontrada nem tão cedo. Amy andou e andou, pensou em ligar para Géss mas não chegou nema completar a ligação, queria mesmo era ficar sozinha. Até que perguntando e seguindo instruções, chegou a praia. Ficou sentada na areia da praia, durante 1 hora quase, eram 5 e já estava ficando um pouco frio. Entre 1 hora, Amy chorou, decepcionada consigo mesma, ela não sabia o porque da decepção consigo mesma, só sentia. Arthur e Lua já deveriam estar loucos atrás dela.    

                                                                                          Continua............................

6 comentários: