Forever Too Far - Capitulo 23

|


Lua
''Aqui está. Não é muito, mas é meu'', meu pai disse quando ele pisou em um barco com uma pequena cabana que eu tinha certeza que só tinha uma cama. Eu estava esperando que houvesse um sofá de algum tipo lá dentro também.
Eu estava tão aliviada quando pisei fora do avião no pequeno aeroporto para encontrar Billy, que já estava lá esperando por mim. Eu tinha medo de que tivesse usado a última das minhas economias em passagens de avião para ver um homem que não iria aparecer. Desta vez, ele veio através de mim.
''A boa notícia é que ele tem dois beliches e uma cama de tamanho grande. Vou ficar no beliche e você pode ficar na cama. Vai ser mais fácil para você e para o bebe. Eu fui ao mercado e comprei algumas coisas para você. Algumas coisas que eu sabia que você gostava. A geladeira é uma coisa pequena, mas eu tenho um cooler aqui também com o gelo para manter as coisas frias dentro.''
Eu estava no banco bonito e vi toques de meu pai. Seu chapéu favorito de pesca, o que minha mão havia lhe dado para o dia dos Pais, quando eu era uma garotinha, pendurado no gancho indo para indo para a cabine. A caixa de equipamento que Estrela e eu tínhamos comprado um verão, quando tínhamos ido de férias com a família para a Carolina do Norte. Eu não tinha percebido que ele ainda tinha essas coisas.
''É perfeito, pai. Obrigado por me deixar ficar aqui. Eu só precisava ficar longe'', disse, voltando-me para olhar para ele.
Seu bigode e barba precisavam ser aparados, mas eu ainda podia ver a boca virada para baixo em uma careta. ''O que há de errado, minha luinha? Você parecia tão feliz há uma semana. Como as coisas ficaram tão ruins tão rapidamente?''
Eu não queria falar sobre isso ainda.
''Eu não dormi no avião e não tive uma boa noite de sono. Tem sido bem mais de 24 horas desde que eu estive em uma cama. Posso tirar um cochilo primeiro?'', perguntei.
Papai parecia ainda mais chateado com o meu cansaço. ''Você não deveria estar cansada assim. Por que voce voou durante a noite? Não se preocupe você pode me dizer mais tarde. Basta ir lá dentro e descanse no quarto. Eu vou trazer a sua bagagem. Não há muito espaço, mas podemos a comodar.''
Eu não me importo sobre a tentativa de tomar um banho no minúsculo banheiro ou trocar minhas roupas. Eu estava cansada demais para me preocupar com qualquer coisa. ''Eu só quero dormir um pouco,'' eu assegurei a ele.
A cama encheu todo o ''quarto''. Ela tocava em todas as paredes. Arrastei-me em cima dela e chutei os meus sapatos antes de enrolar-me em uma bola e cair no sono.
Era fim de tarde quando eu acordei.
O balanço suave do barco foi acalmando. Eu estava grata que eu não sofria de enjoo. Seria ruim. Alonguei-me, sentei-me e peguei em meu bolso o meu telefone para ligá-lo. Eu estava evitando isso. Arthur já deveria saber que eu tinha ido embora, e agora ele estaria transtornado. Eu não estava preparada para lidar com ele ainda. Eu ainda precisava de algum tempo para decidir o que fazer.
Eu não verifiquei minhas mensagens de voz ou mensagens de texto depois que liguei meu telefone. Eu só guardei de volta no bolso e subi os degraus fora do pequeno cubículo para o convés principal. Meu pai não estava por perto, mas ele mencionou no aeroporto que ele tinha um emprego na marina e ele precisava ir esta tarde. Em troca, eles permitiram manter seu barco ancorado aqui gratuitamente.
O pequeno refrigerador tinha algumas garrafas d'água e eu levei uma para fora e peguei uma banana da cesta de frutas que ele tinha colocado em cima da geladeira, antes de sair para me sentar ao sol. Era alegre, mas ensolarado. Semelhante á temperatura em LA.
''Billy sabe que você está no barco? Ele não me parece o tipo de ligar-se a milhares que mal chegaram á maioridade'', uma voz profunda perguntou atrás de mim. Virei para ver um cara em seus vinte e poucos anos em pé no barco atracado ao lado do meu pai. Ela estava sem camisa e calça jeans perduradas abaixo de seus quadris. Era óbvio que ele fez o trabalho manual. Eu não podia ver seus olhos, porque ele estava usando aviadores.
''Você fala?'', ele perguntou com um sorriso e tomou um gole da garrafa de água que estava na mão.
''Sim'', respondi ainda um pouco assustada. Eu não estava esperando o papai ter vizinhos. Este era um barco pelo amor de Deus. Quantas pessoas viviam em seus barcos?
''Onde está Billy? Ou você está batendo?'' Ele era incansável em seu questionamento.
''Eu não sei. Eu acordei e ele tinha ido embora'', eu respondi.
O cara levantou uma de suas sobrancelhas.
''Então ele sabe que você está aqui?''
O que ele era, a maldita polícia?'' Billy é o meu pai. Ele está muito consciente de que estou aqui'', eu respondi um pouco mais irritada do que eu pretendia.
Um sorriso quebrou em seu rosto e ele tinha os dentes brancos e perfeitos. Não é o que eu esperaria de um cara que tinha a barba como a seu e vive em um barco.
''Você é Lua. Prazer em conhece-la. Sou o Capitão'', ele respondeu e tomou outro gole de sua garrafa de água.
''Capitão?'', perguntei antes que eu pudesse me parar.  Eu sabia que soava rude.
''Sim'', respondeu ele.
''Isso é apenas... ´´e um nome estranho'', respondi.
Ele soltou uma risada baixa. ''Não é verdade. Eu tenho neste barco desde que eu tinha dezesseis anos. Isso foi há dez anos. Pode perguntar a alguém se sou um capitão, porque eu sou.'' Ele atirou-me uma piscadela, em seguida, virou-se e voltou para dentro de sua cabine.
Deixada sozinha novamente, eu me inclinei para trás em minha cadeira e apoiei minhas pernas na minha frente em um balde feito de um galão de dez litros, de cabeça para baixo. Meu telefone começou a tocar e eu nem sequer olhei para ele. Se fosse Arthur eu ia querer responder. Talvez fosse a hora de fazer. Ele precisava saber onde me encontrar.
Olhei para baixo e, com certeza, o nome do Arthur estava na minha tela do telefone. Eu cliquei em atender e segurei no meu ouvido. Eu não sabia o que dizer a ele. Eu estava uma bagunça emocional quando fugi. Eu precisava de espaço e tempo. Agora, eu estava sentindo falta dele. Como eu poderia casar com ele se não poderia mesmo ficar ao seu lado quando ele precisasse dele? Eu iria sempre ficar chateada quando ele não estivesse por perto, quando eu precisava dele?
''Lu? Por favor, Deus me diga você atendeu este telefone,'' a voz de Arthur estava atada com panico. Eu me senti culpada.
''Sou eu'', eu respondi.
''Onde está você, baby? Por favor, me diga onde você está. Eu juto que nunca vou deixá-la novamente. Eu estou pronto para lidar com a merda da minha irmã e ser o pai que meus pais não foram. Eu só preciso de você. Por favor, onde está você? Estou em Rosemary e você não está aqui.''  Ele estava tão preocupado. Eu o preocupei. Minha garganta apertou e meus olho ardiam.
''Estou em Key West com o meu pai'', respondi.
''Foda-se. Será que ele vai te pegar no aeroporto? Você vai ficar em seu barco? Será que ele vai alimentá-la?'' Arthur deu uma pausa em suas muitas perguntas e respirou fundo. Eu poderia dizer que ele estava tentando se acalma.
''Ele foi me buscar e eu estou bem. Ele tinha comprado alguns mantimentos antes de eu chegar aqui, então eu comi''. Parei e apertei meus olhos bem fechados, a fim de conter as lágrimas. Eu não queria chorar.
Arthur ficaria completamente insano, se ele me ouvisse chorar. ''Sinto muito. Fiquei chateada e eu precisava ficar longe de tudo isso. Eu precisava de tempo para pensar.''
''Eu sei que você está chateada. Você tinha todo o fodido direito de ficar chateada. Você passou por um susto sem mim e eu me odeio por isso. Você deveria ter me deixado. Inferno, eu teria me deixado'', ele parou e respirou fundo. ''Posso te pegar? Por favor? Eu preciso de você, Lu.''
Será que vai ser sempre assim? Será que eu sempre viria em segundo lugar? Será que o nosso bebe virá em segundo lugar? Eu sabia que ele acreditava que tinha parado com ela, mas eu sabia melhor. Ele amava sua irmã e que iria matá-lo por ignorá-la quando ela precisasse dele. Acho que o que eu precisava me perguntar era se eu poderia viver sem ela?
Não. Era tão simples. Mesmo com meu coração ainda sofrendo por ele não estar lá para mim e para o bebe ontem, eu precisava dele, eu ainda não podia imaginar a vida sem ele.
''Gi teve uma overdose. Encontrei-a inconsciente em seu quarto de hotel. Eu deixei meu telefone em seu quarto, quando sai correndo com os paramédicos para levá-la ao hospital. É por isso que eu não te respondi. Sinto muito, Lu. Estou tão maldita mente fodido,  sinto muito.'' A súplica em sua voz quebrou meu coração. Eu deveria ter sabido que era algo tão grave. Arthur sempre respondeu ás minhas chamadas e mensagens de texto.
''Giovanna está bem?'', perguntei. Não porque eu me preocupasse com Giovanna, mas porque eu me preocupava com Arthur.
''Yeah. Eles bombearam seu estomago. Minha mãe vai levá-la a um centro em Montana para tentar alguma ajuda. Eu não posso continuar a tentar controlá-la. Eu tenho você e nosso bebe para me concentrar.''
Olhei para o meu pai quando ele entrou no barco. Ele estava carregando um saco de papel em uma mão e um litro de chá doce na outra. Eu não estava pronta para deixá-lo ainda. Eu tinha acabado de chegar aqui e gostei de vê-lo feliz. Ou pelo menos o conteúdo.
''Eu quero ficar e visitar meu pai por um tempo'', disse a ele sabendo que ele ia discutir. Eu estava sentindo faltar-lhe algo feroz e eu sabia que ele sentia o mesmo.
''Okay. Posso ir visitá-lo também?'', ele perguntou.
Meu pai estava me observando e um pequeno sorriso apareceu em seus lábios. Eu não tenho que lhe dizer o que o Arthur pediu. Ele já sabia. ''Diga ao menino para vir. Eu tenho espaço para mais um.''
Eu gostaria. Sinto sua falta'', respondi.
Arthur soltou um suspiro. ''Deus, baby, eu sinto sua falta também. Pra caramba. Eu estarei ai assim que eu puder pegar um voo.''
                                                                   Continua......
Coitado do Arthur, ele esta sofrendo..

16 comentários:

  1. Posta mais um hj por favorr

    ResponderExcluir
  2. Ahhh sofreu pouco isso sim. Ele sempre consegue fazer m**** :@
    Owm Lua é uma mulher q tem q ser santa, pq neh?!?!
    Adpreei ;)

    ResponderExcluir
  3. qual e a primeira temp dessa fic?

    ResponderExcluir
  4. Aí gente nessa web a lua tá uma princesa, muito fofa <3

    #kell konaliewisck

    ResponderExcluir
  5. A lua não consegue ser dura com o thur , ela sente muitaaaaa falta dele. Agora o thur vai ficar com ciúmes quando ver q tem um capitão nesse barco Xx adaline

    ResponderExcluir
  6. O CAPITAO É IRMAO DA LUA

    ResponderExcluir
  7. Posta mais, so acho que a lua cedeu muito rapido. Ele vai acabar deixando ela de lado denovo

    ResponderExcluir
  8. Ai e tem como não se derreter com esse filho da puta do Arthur gente kkkkk toda raiva até passou kkk deu até dó dele mais Manu :)

    ResponderExcluir
  9. Sabia que Lua não ia aguentar ficar longe do Thur kkkk e ele triste assim fodeu tudo ;) mais ele mereceu ficar desesperado assim talvez agora ele aprenda!

    ResponderExcluir
  10. Eita só bastou ele choraminga que Lua cedeu messa porra kkkk mulher apaixonada é foda esquece tudo >:( eu deixava ele la chorando e se arrependendo até do dia que ele nasceu pra aprender ia ficar chorando até eu voltar kkk sou mal mesmo quem mandou ficar com aquela filhote do cruz credo da irmã dele mais Lua é muito boazinha já deixou ele vim agora aproveita né quero sacanagem na reconciliação kkkkkkk beijosss Manu ;)

    ResponderExcluir
  11. Sofrendo nada tem que chorar mesmo rum deixar esses homens fazerem o que querem agente vira bife nas mãos deles bota moral Lua kkkk mais?

    ResponderExcluir
  12. Haaaaaaaaaaaaaaaaa que fofo esses dois no telefone ou gente ele tava dividido super normal é irmã dele que ele criou como uma filha não gosto Gi mas ele não tem culpa DA lu passar na mesma hora OU O MEU LUAR VOLTOU O MEU LUAR VOLTOU kkk

    ResponderExcluir
  13. a lua exagerou indo embora nao é só ela que é prioridade na vida do arthur, a giovana tambem precisa dele ela nao tem ninguem.

    ResponderExcluir