A Promessa - Capitulo 31

|

 Capitulo 31 
         Quando me volto para contemplar a minha vida, nunca fui tão feliz Quanto em Capri, e os       dias passaram rápido demais. Infelizmente, a felicidade surgiu com data de validade.
                                                                                                               Diário de Lua Maria Blanco
 
Arthur encontrou um casarão para nós em Anacapri. A casa ampla e espaçosa já estava mobiliada e tinha paredes brancas de estuques, cobertas de quadros de artistas Locais e cerâmicas vibrantes. Atrás da casa, um grande terraço ladrilhado de terracota abria-se para o mar. As paredes externas também eram caiadas, embora estivessem cobertas em sua maior parte por buganvílias púrpuras, uma planta repleta de flores, que escalava as paredes como uma trepadeira.   A área para Além do nosso casarão era povoada de ciprestes, arbustos amarelos e limoeiros que produziam frutos maiores que laranjas.
  Outubro chegou. Houve uma noite em particular que jamais esquecerei. Passamos o dia em um pequeno barco a motor, explorando as enseadas em torno da ilha até ficarmos exaustos e em seguida fomos para casa, onde Arthur pós Luana para dormir e eu fui até o terraço, e úmido, e carregado do aroma doce dos limoeiros de Capri.
Estava sentada, simplesmente feliz por não ter nada a fazer, os pensamentos tão vagos e errantes quanto o mar. Meu devaneio foi interrompido pela voz de Arthur.
- Posso te fazer companhia? -Trazia uma xícara de porcelana com chá em cada uma das mãos.
Ergui os olhos e sorri.
- É claro.
Pousou o chá sobre a pequena mesa com a tampa de azulejo ao meu lado, e se sentou, compartilhando comigo aquele horizonte.
- A noite está linda - ele disse.
- É sempre linda - falei.
- Sempre Bella - ele repetiu calmamente. - você está quieta hoje. O que anda pensando?
- É o aniversário da morte de Fernando.
- Eu não sabia. Sinto muito.
- Eu não - retruquei com tristeza. Olhei para ele. - Fico imaginando o que teria acontecido se ele não tivesse contraído Câncer. Ele teria me contado? Ou meu casamento inteiro seria uma mentira? - Beberiquei o chá, e deixei que mergulhássemos no Silencio. - Minha vida teria sido diferente - falei, subestimando a importância dessa verdade atenuada. Poucos minutos depois, perguntei: - Como você e Luana se conheceram?
Viramo-nos para o mar.
- Nós nos conhecemos na festa de um amigo. Ela estava com alguns de seus amigos. Eu já estava perdido o momento em que pus os olhos nela. Você precisava vê-la. - Sorriu. - Imagino que irá ver.
- Vocês tem um casamento feliz?
Ele hesitou.
- Somo muito felizes. Luana me ensinou a amar. Como disse em nosso primeiro encontro, ela é tudo para mim. Mas vê-la enfrentar um Câncer... - Ele parou. - Foi como ter o meu coração despedaçado, pedaço por pedaço. Ele pousou o chá e se virou para mim. - Tenho medo do futuro, Lu. Preciso voltar, mas eu tenho mais medo do que poderia expressar a você.
- Quando voltaremos? - perguntei.
Deu grande gole no chá, Acompanhando o horizonte dourado com o olhar.
-Saberemos quando o momento chegar - falou. - Você saberá.
                                                    
                                                                                           Continua.....

Um comentário:

  1. E quando o Arthur for embora o que será da,Lua?

    ResponderExcluir