"Certezas" - 34º Capítulo

|


No capítulo anterior…

POV NARRADOR

Ele estava todo molhado, de mochila às costas e tremendo de frio. Seus olhos estavam quase fechados e as suas mãos roxas. Esse louco saiu de casa, pegou vários metros até chegar de novo a Londres, em busca do seu grande amor.

- Você tem de tirar essa roupa. – disse Dona Blanco

Arthur tirou o casaco e deixou a mochila de lado enquanto Dona Blanco fez um chá bem quente para o Arthur. Entretanto, Estrela chegou à cozinha. Ela ia também trabalhar, mas devido ao mau também, já nem ia. Ela se assustou ao ver Arthur tremendo de frio o tempo todo. Seus lábios estavam roxos, murchos, mas mesmo assim, ele sorria.

- Garoto – disse Dona Blanco chegando à sala de novo – Vai logo tirar essa roupa.
- Cadê a Lua? – perguntou ele meio atordoado
- Ela está lá em cima, mas isso agora não importa.
- Você tem de se trocar Arthur – disse Estrela – Quer ajuda?
- Não… eu consigo sozinho. – ele sorriu novamente – Eu… vou no banheiro.
- Eu vou ver o seu chá.
- Como ele chegou aqui mãe? – Estrela foi atrás da Dona Banco para a cozinha enquanto Arthur “ia para o banheiro”

O garoto aproveitou o facto da Dona Blanco e da Estrela irem para a cozinha, para ele, em vez de ir para o banheiro, ir para o andar de cima e ir ver a Lua. Mesmo tremendo, num estado totalmente lastimável, ele abriu a porta do quarto da pequena e entrou. Estava tudo muito calmo. Um silêncio profundo. Ele olhou em volta do quarto e viu Lua deitada sobre a cama, bem abafada com as cobertas, dormindo. 
Ele se aproximou da cama dela, se baixou um pouco, ficando de joelhos no chão, e levou as mãos frias ao rosto dela. Lua se arrepiou e acordou, se assustando ao mesmo tempo. 
Quando ela olhou para ele, nem quis acreditar. 

- Arthur? – a pequena esfregou os olhos e se sentou na cama. Parecia mentira.
- Lua… sou eu. – ele pegou a mão dela e beijou
- Você está gelado…
- Eu estou completamente arrependido de tudo o que eu fiz. Me desculpa. Eu não devia ter ido embora sem nem te ter dado uma explicação… eu agi sem pensar, agi de cabeça quente. Eu pensei que você não me amava… eu te amo mais que tudo nesse mundo. Se algo de pior te acontecesse, eu nunca me iria perdoar. Me desculpa. Me desculpa. – repetiu ele

Arthur estava se esforçando ao máximo para ficar ali em frente a Lua e se desculpar por tudo o que ele tinha feito, porém, ele não se sentia nada bem devido ao frio e chuva que apanhou, do caminho que fez de Manchester até Londres.
Dona Blanco já tinha avisado para ele tirar as roupas molhadas que inha no corpo, mas ele foi mais teimoso. O corpo dele não resistiu ao frio e à febre que consequentemente se transmitiu e acabou desmaiando no chão do quarto de Lua.
A garota ficou aflita, não sabia o que estava acontecendo. Começou a gritar pelo nome dele e foi aí que Dona Blanco e Estrela vieram ver o que se passava.

- Mãe, ajuda ele, por favor, mãe…
- Esse teimoso! – Dona Blanco pegou o rosto dele – Ele está ardendo em febre.
- E agora mãe?
- Ele vai melhorar. Estrela, pega nas pernas dele.

Dona Blanco pegou os braços de Arthur, Estrela nas pernas e assim o levantaram até à cama de Lua, que no caso era a que estava mais perto. Lua se afastou. Estava ainda assustada e confusa. Por quanto tempo tinha dormido? Como tinha Arthur chegado ali? E por que razão desmaiou?

- Vai buscar o termómetro Estrela. Aproveita e trás o chá que eu deixei feito na cozinha.
- Claro! – ela foi
- Lua, vai buscar uma toalha morna. 

Enquanto Lua foi buscar o que a mãe pediu, a mesma tratou de tirar o casaco molhado de Arthur, as luvas, os ténis, ou seja, as roupas mais molhadas para o colocar com outras secas e mais quentes. 
Debaixo das cobertas de Lua, com a toalha morna na testa e com o calor do chá perto do rosto, aos poucos Arthur foi acordando. Ele tinha a cabeça pesada. Provavelmente uma gripe forte vinha a caminho. Dona Blanco lhe deu um remédio para a gripe e o obrigou a tomar o chá.

- Sabe muito mal – ele reclamava
- É o que dá ser teimoso. – As três Blanco estavam de volta de Arthur, que continuava deitado na cama de Lua
- O que eu fiz foi por amor
- Foi muito bonito. – dizia Estrela
- Mas um pouco precipitado. Seus pais sabem dessa loucura?
- Sabem… - respondeu ele
- Não deveriam mesmo te ter deixado sair de casa.
- Mãe, vamos tratar do almoço? – perguntou Estrela puxando a mãe para fora
- Vamos! – Blanco suspirou e saiu junto com a filha mais velha

Arthur olhava para Lua sorrindo. Pensava que agora tudo estava bem entre ele e que tudo ia ser como antes. Porém, Lua o olhava com rosto de dúvida, mágoa e uma certa raiva. Sendo assim, estava, por dentro, toda bobinha com a coragem dele.

- Queria tanto te dar um beijo. Mas acho que não estou nas melhores condições – Arthur riu. Ele sentia a cabeça bem pesada, a garganta a arranhar quando falava e o nariz um pouco tapado
- Mesmo que… você estivesse bem – ela olhou para ele – Eu não sei mesmo se nos íamos beijar.
- Por quê?
- Você ainda pergunta? – Lua se levantou da cama. Colocou as mãos de volta da cintura e começou a andar de um lado para o outro – Você de uma hora para a outra desaparece, sem me dizer nada. Nem uma carta, nem um bilhete ou simplesmente uma ligação… você vai embora como se não devesse explicações para ninguém. E como é que eu fico? À beira da morte! – ela o encarou – Eu quis me cortar, sabia? Eu quis morrer. Eu pensava que você tinha sido uma ilusão. Que a minha vida é uma ilusão! Eu fiz a minha família passar por momentos terríveis e você lá… se divertindo e indo encontrar uma vida melhor.
- E você por acaso se lembra do que fez comigo? – Arthur se levantou da cama, contra às recomendações de Dona Blanco. Lua se surpreendeu e ficou preocupada com ele, pois não queria que ele ficasse pior – Você colocou tudo à minha frente. À nossa frente. Do nosso namoro. Você quis apenas a sua felicidade e pouco se importou com a minha, ou com a nossa. 
- Não dramatiza! Você é que teve culpa. Você é que disse para eu lutar pelos meus sonhos
- Eu queria que lutasse pelos seus sonhos, comigo do seu lado.
- Mas você tem a sua faculdade, os seus estudos e eu tenho os meus!
- Juntos, era tudo mais fácil! – disse Arthur determinado, deixando Lua sem saber o que dizer
- Até poderia ser… mas agora está feito. – Lua virou o rosto
- Eu não quero ficar assim com você. – ele tentou pegar a mão dela
- É melhor você voltar para a cama… - disse Lua sem olhar para ele
- Não sem você.
- Arthur, não torna as coisas mais difíceis. – Lua tentou se fazer de forte mas não conseguiu. O rosto doentinho de Arthur era mais forte – Deixa eu pensar sobre tudo e depois…
- Depois…?
- Depois logo vemos.
- Me diz antes uma coisa…
- O quê? – ela perguntou
- Me diz que não vai ter fim.
- O quê? – ela se fez de desentendida
- Você sabe bem o quê… nós, o nosso namoro. Diz que não vai acabar.
- Por momentos eu pensei que já tivesse acabado…
- Eu fiz horas e horas de comboio, apaguei chuva, vento, fiquei doente… passei por uma tempestade, só por você, e você ainda me diz isso?
- Eu passei bem pior. Eu tive um ataque miocárdio. Eu tenho problemas nos rins. O meu cabelo começou a cair. E olha – Lua deu uma voltinha – Eu não morri ainda.
- Nem vai morrer. – ele finalmente segurou a mão dela – Eu não vou deixar. A partir de agora vai ser diferente. Eu vou cuidar de você. E se você quiser… - ele sorriu safado – Eu te deixo cuidar de mim.

Amanhã tem mais!

16 comentários:

  1. Mais um pf só nais um pf pf

    ResponderExcluir
  2. Ameeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Posta Mais hojeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee pfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpf

    ResponderExcluir
  3. Lindo capitulo, meus parabens!

    ResponderExcluir
  4. Posta só mais um hj pleaseeeee
    ++♥♥++

    ResponderExcluir
  5. web tá maravilhosa !

    ResponderExcluir
  6. muito lindo
    ass Sofia

    ResponderExcluir
  7. posta só + um hj pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf pf

    ResponderExcluir