Foi apenas obra do destino - 30º Capítulo

|


Passados três meses…

POV NARRADOR

Só se passaram três meses e a vida dos adolescentes deu uma volta completa. Muita coisa mudou. Além de mais responsabilidades, existe agora um certo sentimento de culpa e desespero.
Lua havia ficado responsável por cuidar da Isabel, sua irmã mais nova. Tudo parecia correr certo, até que certo dia a garota chega em casa e lança uma bomba. Arthur não estava à espera, e Lua muito menos. Em pior estado ficaram os pais das meninas, quando descobriram que a filha mais nova estava grávida. 
A garota havia arranjado um namoradinho na escola, tiveram a primeira vez e algo correu mal. Isabel queria abortar, mas Lua não deixou ela fazer isso.
Os pais da Lua a culparam pelo sucedido e disseram que estavam cada vez mais desiludidos com ambas as filhas.

Arthur havia frequentado um pequeno curso. Graças a isso, conseguiu subir um pouco na clínica. Ele tinha mais estudos, mais sabedoria e profissionalismo.

POV LUA

A situação na clínica estava me deixando louca. Eu estava cheia de pacientes todos os dias, com queixas do tipo “me dói as costas” ou “estou com uma gripe profunda”, quando tudo não passa de mentiras. O que eles querem mesmo é que eu passe baixa para não trabalharem.
Isso me esgota. Me deita a baixo o facto de eu ser criticada pelos meus próprios funcionários, por acharem que eu sou a culpada da gravidez da minha irmã. Dizem que irmã de uma enfermeira, não devia ficar grávida desse jeito.
Isabel é grandinha, sabe bem o que faz. Se ela está como está, a culpa é dela, não minha.
Além de todos esses problemas, ainda levo com o facto dela estar chata, insuportável mesmo. Para piorar a situação, tenho de aguentar o facto do Arthur ter “crescido profissionalmente” e querer mostrar pra todo o mundo isso.

- Eles disseram que se eu continuar assim como estou, que possivelmente arranjar um trabalho otimo para mim. Seria bom né? Você reclama que estamos sempre juntos e que fica cansada de me ver – ele riu
- Eu digo isso pra brincar com você. – disse bem séria
- Tá, mas mesmo assim… não fica feliz por mim? Eu aos poucos estou sendo aquilo que sempre quis ser: um homem com estudos e bem da vida profissionalmente. – ele continuava com um sorrisão no rosto – Ontem, quando fui visitar os meus pais, a minha mãe falou que estava orgulhosa de mim. Qualquer dia serei um rei das empresas, dizia ela – ele gargalhou
- Arthur, não viaja! – pedi, enquanto arrumava umas roupas – Você apenas passou de moço de recados a secretário. Não é nada de mais. Não se ache por tão pouco!
- E você que não me deitasse a baixo, não é mesmo? – ele me encarou. Jogou os papeis que tinha na mão contra a cama e se levantou – Você pensa o quê? Que ser enfermeira é o melhor emprego? Eu posso nunca chegar a ter um cargo tão importante, mas ao menos não fico parado. Eu luto por aquilo que quero
- Arthur, não é nada disso que eu quis dizer…
- Você é que sabe tudo, não é? Os outros nunca têm razão!
- QUE DROGA! – gritei – A minha vida já está totalmente estragada, você ainda quer contribuir mais pra isso? Vai brigar comigo, quando o que eu preciso mais é do seu abraço?
- Você me tem todas as noites ao seu lado. Embora que rejeite sempre
- Você me procura nas horas que não me apetece. Eu estou cansada! – sentei na cama – Acha o quê? Que ser dona de casa não cansa?
- Mas eu estou aqui pra te ajudar
- Não! Você nos últimos dias só fica agarrado nesses papeis, de um lado para o outro, focando na sua vida. Deixando a nossa vida, para trás
- Mentira…
- Arthur, ok! Você ganhou! – saí do quarto, deixando ele falando sozinho

Desci as escadas e me apercebi que Isabel tinha entrado em casa numa correria, provavelmente por conta dos enjoos. Ela jogou a bolsa para o chão, que se abriu. Lá dentro, vi chocolates, um suco e bolachas. Os seus desejos atacaram fortemente de novo.

- Eu estou farta dessa droga, farta! – ela chorava
- Na hora de fazer, você não dizia isso, né?
- Ahh Lua, quer saber?! Pára de jogar à cara! – reclamou ela – Eu to farta. Não quero ter esse bebé aqui dentro, não quero! 
- Agora vai aguentar. Só faltam sete meses – a encarei – Discuti com o Arthur por sua causa. A vida na clínica vai de mal a pior e os pais não se orgulham de mim. Acha que é fácil? Toda a borrada que você faz, a culpa é directamente minha. A menina faz amor sem proteção e do dia para a noite, fica grávida!
- Até parece que você e o Arthur também não…
- Cala essa boca! – a interrompi – Eu e o Arthur nunca mais tivemos um momento nosso. São problemas de um lado para o outro. Discussões atrás de discussões e tudo culpa sua.
- Ahh, claro. Tinha de ser – ela riu irónica – Ahh Lua, eu queria desaparecer sabe? Desaparecer! – ela gritou
- Ok, fica calma! -  a ajudei a sentar no sofá, sentando ao seu lado – Eu compreendo que seja difícil. Mas você vai ver que vai valer a pena
- Eu só quero que o tempo passe mais rápido Lua, só quero isso. – ela começou a chorar

Os dias eram assim. Confusões atrás de confusões. Para piorar a situação, Arthur tinha mesmo trocado de trabalho. Saiu da minha clínica, para ir para outra, onde ganha duas vezes mais. A “patroa” dele, tem adorado o seu trabalho e o recompensado por isso. 
Substitui o Arthur na minha clínica por um ginecologista. 

- Fica calma. Ele é legal, super simpático
- E jeitoso? – perguntou a minha irmã. Esses meses de gravidez têm a deixado muito safada
- Sim, por acaso ele é bonito – eu ri – Mas você está cá pra ver como está o seu bebé
- Ahh Lua, não fala assim! – ela se sentia incomodada
- Isabel, acorda para a realidade, por favor. – pedi

Júlio, o ginecologista, pediu que a consulta fosse a sós, para ambos terem mais privacidade. Eu fiquei na sala de espera, enquanto lia uma revista de fofocas qualquer.
Arthur havia chegado pouco depois. Ele havia saído mais cedo do trabalho.

- A patroa mandou e eu obedeci – se justificou ele
- Eu não to gostando disso não. – cruzei os braços
- Quié isso Lua? – ele riu – Ciúmes? Ela tem trinta anos!
- E daí? Não sabe que casais de idades super diferentes está na moda?
- Mas eu amo tanto você. – ele me beijou

Arthur aproveitava cada minuto para tentar algo comigo. Eu havia dado a ele uma pequena greve de sexo. Não por estar chateada, mas simplesmente por não me apetecer. Ele começava a ficar irritado. Dizia que eu não gostava mais dele como de antes. O que era mentira. Mas o stress do trabalho, estava me deixando louca.

- Eu juro que se você me der uma nega novamente, eu vou ficar chateado. – disse ele, por cima de mim, depois de me jogar na cama. Estávamos sozinhos em casa. Isabel tinha saído com o namorado.
- Aff, vamos lá então! – mordi o lábio dele

Começar era chato. Mas parar era difícil.
Só a respiração ofegante dele e aquela sua respiração ofegante no meu ouvido, gemendo o meu nome, me deixava com uma vontade louca de tê-lo para mim dia e noite. 
Nesse dia, de frio por acaso, fizemos amor no quarto, no banheiro e quase rolava no sofá. Mas a minha irmã chegou e impediu isso. Arthur estava com saudades de mim e eu confesso que sexo era tudo o que eu precisava.

- Estou com fome amor. – fiz ronha, passando as mãos no peito dele
- Eu também, mas to cansado também
- As minhas pernas estão bambas – eu ri
- Já viu como o sexo faz bem à alma? Você está com um humor otimo! Muito melhor do que nos outros dias
- É… talvez eu precisava disso mesmo. – confessei – Mas estou com muita fome. Vai buscar algo para mim?
- Quer que eu vá assim? – ele ainda estava “animadinho”. Estavamos caídos na cama, lado a lado, com o lençol por cima de nós. – A Isabel está na sala, provavelmente. Com a safadeza que ela anda, ainda dava em cima de mim, ao ver esse volume
- Aff, você não presta – eu ri, o beijando – Não dá para acreditar que ela tá grávida né? Eu sabia que ela era louca. Mas ai engravidar…
- Eu vou ver um tio muito bobo
- Vai? – olhei pra ele
- Muito! Eu adoro crianças. Quero muito ser pai também, viu?
- Por mim, começaríamos agora meu amor! – eu ri – Eu quero também ser mãe
- Então porque não começar, hein? – aquele safado não perdeu a hora por me possuir novamente 

Eu vou fazer uma historia um pouco diferente. Espero que não fiquem revoltadas.
Mas nao quero que esta web fique igual a todas as outras, entendem?

Sexta tenho uma importante prova de Matematica e vou começar já a estudar. Se eu não postar estes dias, vocês já sabem a razão. Eu preciso muito de focar nos estudos, me entendam pfv! :(

7 comentários:

  1. Ameeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Posta Mais hojeeeeeeeeeeeeeeee pfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpfpf

    ResponderExcluir
  2. Ta aii gosteii vc fez uma mescla do que falamos ficou bom =D
    É foco nos estudo ;D
    Bom de maiss a web *-* safadhenhos LuAr eim G.G
    Ass: Dani

    ResponderExcluir
  3. Eu super enterndo mais quando vc puder postar posta Atraido Pelo Destino sou apaixonada pela aquuela fic

    ResponderExcluir