Exchanged For a Game: Capítulo 3

|




“À beira de um precipício só há uma maneira de andar para a frente: é dar um passo atrás.”
-M. de Montaigne

P.O.V s’ Lua Blanco
  O caminho estava em silêncio, só se escutava minhas fungadas causadas pelas lágrimas e o barulho de alguns carros ecoando pela rua deserta. Era um silêncio doloroso que me corroia por dentro.
  Assim que chegamos em casa subi direto para o meu quarto, fechei a porta atrás de mim e deslizei minhas costa por ela no chão gélido e desabei. Deixei as lágrimas rolarem uma atrás da outra, aquilo era o fim para mim, eu estava no meu limite, não aguente mais viver essa vida, na qual eu vivo sem amor, sem carinho e sem atenção, sinto tanta falta da minha mãe. Eu não quero mais viver, o efeito que aquelas palavras causaram sobre mim tá doendo, principalmente lá no fundo, dói muito. Uma dor que nem daqui á um século irá sumir por completa.
  Vi minha loirinha se mexer na cama, virando sua cabeça de um lado para o outro e dizendo constantemente “não”. Julie estava tendo pesadelos. Caminhei até ela e a mexi delicadamente.
-Julie, acorda princesa! A irmã tá aqui meu amor. –Passei a mão em sua testa e a mesma se encontrava suada e ela abriu os olhos lentamente.
  Ela ficava mais linda que o normal quando estava sonolenta.
-Minha anjinha tava tendo pesadelos? –Perguntei secando o restante das lágrimas do meu rosto e me ajeitando ao lado dela na cama.
-Sim. Nele tinha você Lu. –Ela falou com as palavras emboladas e deitando a cabeça no meu peito.
-Então fala pra mim como era seu pesadelo princesa. –Falei alisando seus cabelos loiros levemente bagunçados.
-A sua mamãe vinha te buscar, ai você ia embora e me deixava. Você me deixaria Lu? –Ela perguntou com olhinhos cheios de lágrimas e aquilo me machucou tanto. Eu nunca deixaria Julie, nunca.
-Meu amor eu nunca te deixaria, se um dia eu te deixar é porque eu não tive escolha princesa e se isso acontecer eu estarei pensando em você aonde quer que eu esteja meu amor, eu nunca te deixaria por querer. Eu te amo tá minha loirinha?  
-Eu também te amo Lu. –Ela disse e me abraçou.
-Eu vou tomar banho e volto pra dormir com você, ok? –Perguntei e ela assentiu.
Caminhei até o banheiro, me despi e em seguida fiz um coque alto em meu cabelo encaracolado. O contato da minha pele com a água morna estava me relaxando, tirando a tensão do meu corpo.
Um turbilhão de pensamentos invadiram minha cabeça. Se eu fosse embora, minha pequena sofreria tanto, eu nunca me perdoaria por isso. As lágrimas se misturavam com a água da ducha e os soluços abafados, minha baixinha foi a única coisa que aconteceu na minha vida depois que minha mãe partiu, eu não a deixaria por nada.
  Vesti uma camisola de renda branca e deitei perto da minha pequena.
-Boa noite amorzinho. –Dei um beijo em sua bochecha e ela retribuiu.
-Boa noite Lu.
[...]
Acordei com a claridade invadindo o quarto pela porta da sacada, olhei para Julie e ela dormia serenamente, caminhei até o banheiro e liguei a banheira, fui ao closet pegar a roupa que eu usaria: Biquíni, short branco e blusa verde. Voltei ao banheiro, me despi e deitei na banheira.
Depois daquele banho relaxante, voltei ao quarto e Julie ainda dormia, fui até ela e dei um beijo em sua bochecha rosada.
-Julie acorda pequena, nós vamos á praia meu amor. –Falei passando a mão em seus cabelos.
-Hm... –Ela resmungou sonolenta.
-A gente vai á praia e vamos passar na casa da Cate pra levar ela também, você não quer ir? –Perguntei.
-A Cate vai? –Ela perguntou abrindo os olhos lentamente e sentando rapidamente na cama.
-Ah sua safadinha, então quer dizer que se a Cate for você vai, né? –Fiz cócegas em sua barriga a fazendo soltar gargalhadas gostosas.
-Para Lu, para! –Ela pediu em meio aos risos.
-Vamos logo! Levanta esse bumbum branquelo da cama e já pro banho, senão eu vou pegar você e te fazer cócegas até eu cansar. –Falei arqueando a sobrancelha duas vezes olhando para ela.
-Não, não, não Lu. –Ela disse rindo fraco e correndo em direção ao banheiro.
Fui até o quarto de Julie pegar suas roupas: Biquíni, camiseta branca e short rosa. Voltei para o meu quarto e caminhei até o banheiro para ver o que minha pestinha estava aprontando.
-Julie Cassie Hastings Blanco olhe o que você está fazendo! –Falei baixo e fechando os olhos.
A porta de vidro do box do banheiro estava aberta enquanto Julie pulava, cantarolando e jogando água para cima fazendo molhar o banheiro.
-O que foi Lu? –Ela me olhou com o dedinho na boca, era tanta fofura pra eu dar uma bronca nela.
-Ai meu Deus! Eu não resisto a você, isso não vale.  –Ela soltou uma risadinha sapeca.
  Caminhei até a lavanderia pra pegar um pano para secar o banheiro. Enquanto passava pela sala vi Rachel no telefone, com certeza estava conversando com uma de suas amiguinhas toscas.
  Estava voltando para o quarto quando ouço a voz nojenta de Rachel atrás de mim.
-Hoje vou sair com seu pai, não temos hora pra voltar e queria que você ficasse com Julie.
-Já to acostumada e na verdade, você nunca tem tempo pra ficar com sua filha.
-Não fale assim comigo se não quiser ganhar um castigo do seu pai e faz tempo que você não ganha um castigo não é mesmo Lua? Acho que já está na hora de ganhar um bem rígido e acredite vai ser pior do que você imagina querida Lu. –A bruxa loira pegou sua bolsa vermelha e saiu pela porta.
  Ela acha que me amedrontou com suas palavras de retardada, achou errado, mas acho que as palavras dela vão ficar por um tempo ecoando na minha mente.
  Subi para o quarto, voltando ao banheiro e encontrei Julie enrolada em sua toalha e olhando para um ponto fixo na parede branca.
-Já minha princesa? Deixa eu secar o chão, pra vestir roupa em você. –Falei para ela que me olhou com seus olhinhos grandes e castanhos.
  Esfreguei a toalha que peguei na lavanderia no chão e depois a deixei em um canto do banheiro.
-Vem Julie. –A puxei pela mão a tirando do banheiro e a levando para o quarto.
-Eu vou vestir essa roupa Lu?
-Vai, você que vestir outra?
-Não, é que quase nunca uso esse meu conjuntinho. –Ela deu um sorrisinho de canto.
-Atá, então vem se vestir. –A coloquei em cima da minha cama.
  [...]
Ligação On
-Melanie?
-Oi Lua, por que está me ligando agora?  -Perguntou a voz embargada do outro lado.
-Nós vamos á praia Mel, combinamos ontem.
-Estou na casa do Miguel, Lu.
-Poxa Melanie, tudo bem eu vou sozinha com Julie e Cate, tchau.
-Eu vou, você me espera no início do calçadão, tudo bem?
-Tudo bem.
 Ligação Off
  Desliguei sem me despedir, Melanie sempre esquece de nossos compromissos, eu sempre fico em segundo lugar na sua vida porque em primeiro sempre é seus namoradinhos, isso  irrita.
  -Vem Julie, vamos pegar Cate. –A chamei tirando sua atenção do desenho.
-Oba! –Ela pulou de cima da cama e saiu correndo, batendo palminhas.
  Entramos em meu Audi R8 preto e dirigi até o prédio de Hilary, assim que chegamos caminhamos até a portaria.
-Hilary do apartamento 409 está? –Perguntei para o senhor do outro lado do balcão.
-Só um segundo moça, irei fazer uma ligação para o apartamento dela, qual seu nome?
-Lua.
-Ok!
  Sentei com Julie em um banco próximo do balcão, enquanto o senhor ligava para o apartamento de Hilary.
-Menina Lua pode subir, dona Hilary espera você. –O senhor falou chamando minha atenção.
-Obrigada. –Falei para ele e o mesmo assentiu, e em seguida me direcionei com Julie para o elevador.
  Fomos para o apartamento de Hilary e ela nos esperava com a porta aberta.
-Oi Hilary! –Falei alto chamando sua atenção e a abraçando de surpresa.
-Menina Lua, que saudade. Nunca mais veio me ver. –Ela falou me abraçando forte.
-Não fale isso Hilary, o ballet tem me deixado bastante cansada. –Falei a olhando.
-Entendi. E você dona Julie? Como está? –Ela perguntou olhando para Julie que estava atrás de mim.
-Bem tia Hilary, e a senhora? –Julie perguntou com uma voz fofa.
-Bem princesa. –Ela pegou Julie em seu coloco e lhe deu um beijo na bochecha.
-Nós viemos pegar Cate, para irmos a praia. –Falei para Hilary fechando a porta atrás de mim.
-Cate está lá no quarto, vá lá chamar ela Julie para falar com sua irmã. –Hilary deixou Julie no chão e a mesma saiu correndo em direção ao corredor.
-Venha Lu, vamos até a cozinha. Quer tomar café comigo? –Ela perguntou enquanto íamos em direção á cozinha.
-Não Hilary. Tomei café com Julie antes de sairmos de casa.
-Tudo bem então.  –Ela deu um sorriso de canto. –Tem tido notícias de sua mãe?
-Não Hilary, meu pai nunca me fala nada da minha mãe, tenho pensado em ir falar com a mãe de Melanie, ela e minha mãe eram grandes amigas.
-Verdade querida. Vá na casa de Melanie falar com a mãe dela, quem sabe elas ainda tenham contato.
-Amanhã irei lá.
-Tia Lu! –Escutei a voz de Cate e a mesma corria em minha direção, com Julie correndo atrás dela.
-Oi meu amor, que saudade de você anjo. –A abracei forte e ela retribuiu.
-Você nunca mais veio me ver. –Ela falou fazendo uma carinha triste.
-Oh princesa me desculpa, eu vim pegar você para irmos á praia, ai você dorme na minha casa e amanhã eu levo você e Julie para verem minha apresentação de ballet. O que acha?
-Oba! Mãe eu posso dormir na casa de tia Lu? –Julie perguntou para Hilary que sorria para nós.
-Pode sim meu amor, vamos lá dentro arrumar sua mochila. Já volto Lu.
-Tudo bem Hilary.
-Vou lá com ela, pode Lu? –Julie perguntou para mim.
-Pode anjo, vai lá.
  [...]
-Vamos Lu? –Cate perguntou aparecendo na sala acompanhada de Julie e Hilary.
-Vamos.
-Tchau mãe até amanhã. –Cate falou para Hilary.
-Tchau querida. –Ela beijou a bochecha de sua filha e em seguida a abraçou.
-Tchau tia Hilary. –Julie falou a abraçando.
-Tchau meu amor, mande um abraço para Donna. –Ela disse se referindo a empregada da casa, a qual trabalha lá á anos e já trabalhou com Hilary. –Tchau Lu, venha me ver mais vezes. –Ela me deu um beijo rosto.
-Pode deixar tia Hilary, até mais.
-Até. –Ela disse e abriu a porta para nós.
  Fui com as meninas até a garagem do prédio e entramos em meu carro. Dirigi com elas falando de diversas coisas na parte de trás do carro, quando chegamos no início da praia reparei que Melanie estava lá sentada em um banco.
-Venham meninas. –Falei as fazendo saírem do carro.
-Olha a tia Mel, Lu. –Julie falou e correu em direção ao banco onde Mel estava e Cate a acompanhou, enquanto eu tirava minha bolsa do carro e as acompanhei.
-Oi dona Lua, pensei que não chegaria hoje. –Falou Melanie irônica.
-Passei na casa de Cate para pega-lá.
-Atá, vamos logo para praia, que estou morrendo de calor. –Ela falou fazendo Julie e Cate darem pulinhos.
  [...]
  O tempo passou rápido, já tínhamos almoçado em um restaurante próximo da praia e estávamos voltando para casa, era 16:15 da tarde e Melanie já havia ido para sua casa em seu carro.
  Passamos pela porta da frente e meu pai estava conversando com um homem vestido em um terno preto, ele era alto e moreno, nunca havia visto ele antes, Julie e Cate foram falar com meu pai e eu subi direto para o meu quarto, não queria falar com ele depois de ontem.
  Tomei um banho demorado e quente, queria ir ao cinema faz tanto tempo que não vou e além do mais meu pai irá sair com Rachel, eu ficarei sozinha em casa com as meninas, irei leva-las ao cinema.
  Caminhei até o quarto de Julie e encontrei ela brincando com Cate.
-Querem ir ao cinema? –Perguntei chamando atenção das duas.
-Sim! –Ju gritou.
-Tudo bem, vou me arrumar e já venho arrumar vocês.
-Não demora Lu. –Cate falou.
-Tudo bem princesa. –Falei saindo do quarto.
    [...]
  Saímos de casa, era 17:30. Estávamos na fila do cinema para comprar os ingressos, enquanto as meninas estavam empolgadas para ver Valentine.
P.O.V s’ Arthur Aguiar
  Estava tudo pronto para negociar a princesinha, ela não perde por esperar. Chay pesquisou sobre a família Blanco e me contou que todo sábado seu pai frequenta Bellagio todo sábado as 21:00 horas, se eu ganhasse ele iria me dar como prêmio sua querida Lua, caso ao contrário eu lhe daria 1 milhão de dólares, é exagero apostar tanta quantia de dinheiro, mas com aquela gostosa eu ganharia o dobro, triplo e quem sabe quádruplo porque na minha boate os programas não são nem um pouco baratos, dependendo das mulheres, claro.
    [...]
  Estava a caminho do cassino com Chay ao meu lado, mexendo no celular.
-Olha o que a princesinha postou trinta minutos atrás. –Ele mostrou uma foto de Lua com uma menina loirinha que pela pesquisa que fizemos era sua irmã mais nova e uma garotinha morena, a foto havia sido postada em seu instagram com a legenda : “Saindo do cinema com minhas princesas.”
-Ô doido, você tá seguindo ela? –Perguntei dando uma freada brusca com o carro.
-Não mano, a conta dela não é privada, só tô dando uma olhada nas fotos dela, caralho cara ela é mó gostosa, puta que pariu! –Ele disse voltando a atenção para o celular.
-Eu sei. –Disse fazendo uma cara de tédio.
  Chegamos ao cassino e havia vários homens de terno, claro que eu também estava, afinal eu era sério e não estava ali para brincar. Avistei Billy Blanco sentado em um mesa, com uma mulher loira em um vestido vermelho provocante e batom vermelho realçando seus lábios, suponho que seja sua mulher e estava com um homem alto vestido em um terno cinza e cabelo grisalhos, deveria ser um de seus sócios.
  Pedi para um de meus homens irem até ele e o chamarem, vamos ter uma conversa séria. Sentei em um banco próximo ao balcão e pedi uma dose de Jack Daniel’s.
-A que devo sua honra rapaz? –Billy se sentou em um banco próximo ao meu.
-Quero fazer uma aposta com você. –Falei olhando o Sr. Blanco nos olhos.
-Diga qual é sua proposta. –Falou ele desafiador.
-Se eu ganhar você me dará sua filha mais velha, caso contrários lhe darei 1 milhão de dólares. –Falei olhando em seus olhos e pude perceber que Billy estava pensativo.
-Oh querido, sobre o que está falando com esse belo rapaz? –Falou a loira se aproximando de nós e passando um braço pelo ombro de seu marido.
-Ele quer que eu faça uma aposta com ele, caso ele ganhe, Lua pertencerá a ele, caso eu ganhe vamos ganhar 1 milhão de dólares. –Falou Billy olhando para um ponto fixo da parece atrás de mim e dando um sorriso malicioso.
-Oh bebê, Lua tem nos dado trabalho e vive atrasando sua vida com seus problemas de jovem rebelde, que falta ela nos fará? –Perguntou a vadia, se fosse minha mulher lhe daria um tapa tão bem dado no rosto para ele nunca mais ousar falar da minha filha assim, mas não é, e estou aqui para ganhar Lua e não defende-la.
-Concordo com você Rachel, Lua tem nos atrasado bastante ultimamente, irei ligar para Harvad cancelando a passagem de Lua para lá, além do mais vamos lucrar bastante caso eu ganhe e rapaz como você se chama?
-Arthur Aguiar.
-Arthur Aguiar, nosso trato está feito. –Falou ele me olhando nos olhos e me cumprimentando com um aperto de mão. 


5 comentários:

  1. Ahh que vontade de da um tapa na cara dessa Rachel e desse Billy !
    maaiiis <3

    Amanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas entao.
      A Lu nao pode deixar a Julie para tras.

      Excluir
    2. Somos 3
      Esses dois não valem nada!

      Excluir
    3. somos 4
      tadinha da julie

      Excluir
  2. To super curiosa pelo próximo capitulo!
    Tomare que a Lu leve a Julie junto com ela.
    Dedica o próximo pra mim por favor.
    Ass:Daniela

    ResponderExcluir