Exchanged For a Game: Capitulo 1

|



(Sou péssima com montagens.)
“Ela sonhava com o paraíso, todas as vezes que fechava os olhos.”     
  P.O.V s’ Lua Blanco
   Cansada. É assim que me resumo. Os treinos estão cada vez mais pesados, faço ballet desde os quatro anos de idade, tenho uma enorme paixão pelo ballet. A dor que sinto todos os dias no final sempre vale a pena, porque é gratificante ser aplaudida por várias pessoas diante de um palco, nesses momentos a minha felicidade praticamente não cabe nos meus sorrisos. Meu pai é dono de uma empresa de mobília conhecida pelo mundo e é conhecido e respeitado em Los Angeles, tudo de grave que acontece diante da família Blanco sempre sai no jornal do Estado, vive falando para os amigos dele que sou o seu orgulho e vive se gabando por ter gastado uma fortuna para me inscrever em Harvard, para falar a verdade entrar em Harvard para seguir uma carreira de administradora de empresas nunca foi o meu sonho, meu sonho de verdade seria seguir minha carreira de ballet ou fazer faculdade de moda, porém estou sendo obrigada á fazer esse maldito curso em Harvard. Moro em uma mansão com o meu pai, minha madrasta e minha irmã de quatro anos, Rachel é viciada em compras e vive nos shoppings de Los Angeles, ela nunca tem tempo para a minha irmã, Julie é uma criança, precisa de atenção e carinho, ás vezes tenho pena da minha pequena loirinha, algumas madrugadas em que ela não consegue dormir, ela caminha até o meu quarto e passa suas leves e pequenas mãozinhas me acordando e pedindo para dormir comigo, claro que deixo ela dormir comigo, as vezes ela custa á dormir e só adormece quando conto alguma história para ela, Julie é minha princesa daria minha vida por ela. Rachel é mãe de Julie, meus pais se separaram quando eu tinha seis anos, porque minha mãe descobriu que meu pai a traia com Rachel. Rachel destruiu minha família. Ela vive desprezando Julie ela não merece uma criança como Julie, tão meiga, amável e doce ao mesmo tempo. Rachel merece morrer, ela é um ser humano completamente sem coração. Lembro que quando Julie nasceu, Rachel tinha nojo daquele ser tão pequeno e amável, foi eu quem cuidei de Julie apesar de não ter jeito com crianças dei o meu melhor para minha princesa.
  Meu dia-dia é horrível, viver nessa mansão preta e branca, sem amor é um horror, Rachel e meu pai sempre tentam passar uma imagem de família feliz quando estão diante das câmeras após lançar um novo projeto, mas só eu, Julie e os empregadas dessa casa sabem como é um puro terror a vida por trás das câmeras, Julie não sabe pois é somente uma criança e aos olhos dela tudo é colorido e repleto de felicidade. Eu levo Julie á seus treinos de ballet, sim eu a inscrevi na mesma escola de ballet que frequento desde pequena e Rachel é tão ausente da vida da sua filha que nem sabe de tal fato ocorrido e me corta o coração saber que no final do próximo mês terei que deixar Julie para viajar até Massachusetts para fazer o maldito curso em Harvard, sem mim o que será de Julie? Eu realmente não quero nem pensar o que será da vida da minha anjinha, com certeza será que nem a minha, depois que meus pais me separaram, a metade da minha infância fui criada á base de babás, nas minhas primeiras apresentações de balé minha mãe sempre esteve lá misturada ás inúmeras pessoas na plateia, e depois que meu pai a fez ficar longe de mim foi Hilary, a minha babá que esteve comigo. Meu pai proibiu minha mãe de ir me ver na mansão ou aparecer nas minhas apresentações e me proibiu de encontra-la em outro lugar, caso descobrisse que estive com ela colocaria seguranças para saírem comigo, lembro perfeitamente da nossa despedida.
Flashback On.
-Claudia não demore á falar com ela, quando voltar, quero que você esteja fora daqui. –Meu pai gritou para minha mãe e depois adentrou a enorme mansão, minha mãe estava ajoelhada perto de uma cadeira de sol na qual eu estava sentada com meus olhos cheios de lágrimas e suas malas nos rodeando.
-Mamãe você vai me deixar pra sempre? –Perguntei com os olhos ardendo em lágrimas e as mesmas descendo rapidamente pelo o meu rosto.
-Não meu amor, eu prometo que um dia volto pra te ver. –Ela respondeu, e reparei que ela chorava, mas tentava fazer exatamente ao contrário para passar imagem de ser forte e tentar me confortar.
-Como mamãe? Meu pai disse pra você ficar longe de mim, eu não quero isso. –Abracei ela rapidamente e a mesma correspondeu.
-Nem eu meu anjo, se eu pudesse entraria na justiça para ficar com você, mas a mamãe não tem condições para pagar um bom advogado, olha pra mamãe. –Ela disse partindo o abraço, e me fazendo olha-la nos olhos. –Promete pra mamãe que quando você crescer você vai ser uma grande bailarina e vai me fazer ter orgulho de você? E que mesmo estando longe de você, você sempre vai lembrar de mim? Lembrar dos nossos melhores momentos juntas, lembrar dos nossos inúmeros castelos de areia, nossas tardes nas pracinhas, promete meu amor?  –Ela perguntou com lágrimas nos olhos.
-Eu prometo mamãe, eu sempre vou lembrar de você, dos nossos momentos e quando crescer vou te fazer ter orgulho de mim. –Abracei minha rainha mais uma vez, querendo nunca mais solta-lá.
-Princesa me promete mais uma coisinha? –Minha mãe perguntou cessando o choro e eu assenti.
-Promete pra mim que quando você for uma moça grande, e linda como sempre foi você vai me procurar? Fala pra mamãe que você nunca vai desistir de mim assim como eu nunca desistirei de você.
-Eu prometo mamãe, eu prometo. –Dei um beijo em seu rosto.
-Agora a mamãe tem que ir meu amor, que os anjos te protejam aonde quer que você esteja, e quando você não conseguir dormir, pegue nosso retrato juntas ou aquele colar que dei á você de presente de aniversário e pense em mim, porque eu estarei pensando em você aonde quer que eu esteja minha princesa. Eu te amo meu amor.
-Eu também te amo muito mamãe. –Ela me abraçou e correspondi aquele abraço como se fosse pela última vez.
-Adeus Lu.
-Adeus mamãe.
  Os seguranças a ajudaram levar suas malas até o portão e vi a mulher da minha vida pela última vez entrando naquele táxi.
Flashback Off.
 Todos os dias, sinto falta da minha mãe, queria tanto que ela estivesse aqui e eu pudesse contar como foi o meu dia para ela, como foi meu primeiro beijo aos doze anos. Queria que ela estivesse comigo, mas a vida infelizmente não é uma fábrica de realizações de desejos.
  Rachel despediu Hilary por ter descoberto que ela fazia minhas vontades me dando doces antes do almoço. Rachel disse para o meu pai que Hilary andava me dando doces o que não deixava de ser verdade, mas ela só fez isso para passar imagem de boa mãe já que não se importava comigo. Por trás do meu pai dizia que eu ficaria uma porca e iria ser expulsa da escola de ballet e eu apenas chorava e tentava tampar os ouvidos a fim de não escutar suas grosserias. Tão inocente da minha parte. Quando despediu Hilary, minha vida ficou pior do que nunca, á chamava de bruxa e outros nomes indesejáveis pelo resto da minha infância e quando eu a insultava profundamente ela acabava por me bater. Ela falava que não sabia como eu estava na escola de ballet ainda porque eu parecia uma bolota e até hoje permaneço na Royal Academy of Ballet, sempre que tenho tempo ligo ou visito Hilary, ela é uma pessoa tão doce e amável que me pergunto se nunca teve inimigos e tem uma filha de seis anos adorável, Cate, Julie ama brincar de bonecas com ela, sempre que posso á trago em casa. Royal Academy of Ballet é a melhor escola de dança de Los Angeles. Nos horários vagos do meu dia-dia leio meus livros, levo Julie e Cate para algum lugar para se divertirem ou vou com minha melhor amiga, Melanie até um salão de dança que alugamos para encontrarmos um grupo de amigos para praticarmos street dance, seu pai, André Fronckowiak é um dos sócios do meu pai, Billy Blanco. Crescemos juntas, tínhamos a mesma idade, mas ao contrário do meu pai, seus pais á deixariam e apoiariam Melanie á seguir a carreira dos seus sonhos, medicina. Somos amigas desde pequenas, sua mãe sempre á levava nas aulas de ballet e era muito amiga da minha, ás vezes me pergunto se elas ainda mantém contato, já havíamos feito apresentações juntas, ela é morena dos cabelos levemente encaracolados e tem olhos castanhos tão escuros, que parecem negros. Apesar de sermos apaixonada pelo ballet, também somos pelo street dance, e em todos finais de semana Melanie me arrasta para baladas e sempre formamos uma roda com a galera para duelarmos ou ás vezes vamos para boates apenas dançar como pessoas normais. 
  Era uma sexta-feira á noite, estava deitada no meu quarto escuro, quando ouço meu celular tremer no travesseiro ao lado, ao som de Mariah Carey- We Belong Together, com os olhos embaçados, peguei o aparelho lentamente e pude ver o nome da minha morena.
  -Alô? –Falei com a voz sonolenta.
-E ai delicia? Não acredito que você tava dormindo. –Falou ela berrando do outro lado da linha.
-Tava prestes á dormir, o que você quer? São 22:25 da noite, você devia estar dormindo não acha? –Perguntei.
-Ô querida o que deu em você hoje? Lua Blanco você fumou um baseado mais cedo? Somos Melanie Fronckowiak Nunes e Lua Maria Blanco aquelas que toda sexta-feira estão nas rodinhas de street dance das baladas ou dançando que nem loucas em cima dos balcões das boates, então senhorita Lua eu posso saber o que você ainda está fazendo embaixo do seu querido e amável cobertor? –Perguntou ela dando ênfase em “querido”.
-Hoje eu não to afim Mel, to muito cansada e domingo tenho uma apresentação, tenho que tá bem relaxada até lá. –Falei fazendo drama, na tentativa de convencer ela.
-Lua, mês que vem você vai viajar, a gente vai ficar um bom tempo separadas e temos que aproveitar nossos últimos finais de semanas juntas, e fazermos o que fazemos de melhor, dançar. Vamos Lu, diz que sim. –Pediu Mel fazendo um drama melhor que o meu, ela daria uma ótima atriz e por fim me convencendo.
-Ah tá bom sua chata, qual vai ser a boate dessa noite? –Perguntei fazendo a soltar um gritinho estridente.
-Avalon Nightclub.
-Sério mesmo Mel? Você não acha que é muito longe? Você sabe que na cidade que essa boate fica é muito perigosa e que se seus pais e meu pai descobrem que estamos pra lá estamos literalmente fudidas.  –Falei para ela, ela tem noção do que os meu pai pode fazer comigo se descobrir que estou em uma cidade perigosa, á noite e por fim frequentando uma boate. 
-Lu relaxa, eles não iram descobrir, você não vai desistir, né? O gostoso do Miguel vai, na verdade foi ele quem me chamou e ele vai levar os amiguinhos gostosos dele, vamos! Vai ser só hoje, prometo que da próxima vez marco pra irmos em uma boate mais próxima.
-Tudo bem, me pega ás 23:40 pode ser? –Perguntei sentando e me espreguiçando na cama.
-Ok, beijos GOSTOSA! –Falou ela gritando empolgada.
-Tchau delicia. –Falei bloqueando o celular e o deixando em cima da cabeceira, e por seguida caminhando até o banheiro.
   Entrei embaixo do chuveiro, deixando a água quente molhar meu corpo, aquele banho estava me deixando mais relaxada, devo ter passado no mínimo uns 15 minutos embaixo do chuveiro quando ouço leves batidas na porta do banheiro, sai do box e coloquei meu roupão.
-Quem é? –Perguntei espremendo meu cabelo e o enrolando em uma toalha branca.
-Julie. –Falou a voz doce e chorosa do outro lado da porta.
  Abri a porta devagar e me deparei com a minha princesa em um baby doll branco estampado de ursinhos, casaco fino rosa bebê, pantufas dos minions e abraçada ao seu ursinho que a mesma deu o nome de Teddy. Isso era até irônico.
-Posso saber o que a princesa mais linda desse mundo tá fazendo acordada? Você sabia que princesas dormem cedo pra descansar a beleza?  –Perguntei dando dois beijinhos na sua bochecha macia e a pegando no colo e em seguida colocando Julie sentada em cima da pia.
-Você vai sair Lu? –Julie perguntou ignorando minhas perguntas bobas.
-Vou meu anjo, mas prometo voltar cedo, tudo bem? –Perguntei observando seu rostinho delicado e reparando que seus olhinhos estavam vermelhos e um pouco fechados.
-Tá bom. –Ela falou triste e em seguida me puxou para um abraço de urso que fiquei surpresa, mas logo correspondi.
-Princesa? –Falei partindo o abraço.
-Hm? –Sussurrou Julie com a voz fraquinha.
-Você tava chorando meu anjo? –Perguntei reparando novamente em seus olhos.
-Sim. –Choramingou.
-Por que meu amor? Fala pra irmã. –Falei pegando a no colo e caminhando com ela até minha cama.
-Putê a mamãe me bateu. –Julie responde com os olhinhos cheios de lágrimas novamente, odiava ver minha bonequinha chorando.
-Por que ela bateu em você Julie? –Perguntei me exaltando.
-Putê eu queria dar beijo de boa noite nela e no papai, só que quando eu cheguei lá ela gritou e falou que eu tinha que bater na porta das pessoas antes de entrar no quarto putê ela e o papai estavam fazendo coisas que eu não podia ver, ai ela perguntou se eu não sabia o que era educação e eu falei que ela nunca tinha me mostrado, então ela se estressou e me bateu, e falou que eu era uma menina muito mal criada. –Julie disse gaguejando e choramingando, a vontade de matar Rachel era enorme, como ela pôde falar isso pra uma criança como Julie?
-Isso não vai ficar assim. –Caminhei até a porta do meu quarto, quando estava prestes á abri-la senti as pequenas mãozinhas de Julie segurando minhas pernas.
-Não, não faz nada Lu, ela vai querer bater em você. –Julie disse nervosa e chorando.
-Princesa fica aqui, eu prometo que já volto, ela não vai bater em mim, tudo bem? –Peguei a no colo, dei um beijo em sua testa e a coloquei em uma poltrona próxima da porta.
  Caminhei até o quarto do meu pai e abri vendo aquela cena nojenta. Meu pai sentado embaixo de Rachel enquanto a mesma quicava em cima dele gemendo alto.
-Eu posso saber o que está acontecendo aqui? –Gritei e rapidamente Rachel se cobriu com o fino lençol branco.
-Eu e seu pai estávamos fazendo coisas que crianças como você não podem ver querida Lua. Assim como Julie você não tem educação? Não sabe bater na porta das pessoas?
-Rachel querida, pare de insulta-la. –Meu pai disse para a vagabunda, e tomou vergonha na cara se cobrindo no mesmo cobertor que Rachel.
-Eu vou insultar é a minha mão na cara dessa vadia. –Caminhei até a cama e subi em cima de Rachel e comecei á distribuir tapas no seu rosto. –Isso é pra você nunca mais encostar o dedo em Julie, porque uma criança como ele não merece ter uma mãe bruxa como você, é uma delicia apanhar não é mesmo Rachel? –Perguntei com sarcasmo e finalizando com um tapa forte na sua face delicada.
-Pare agora Lua! Saia do meu quarto se não quiser ficar de castigo por um mês. –Meu pai berrou nu e em pé, com aquele troço que ele chama de pinto pra lá e pra cá.
-Podia pelo menos ter se enrolado na toalha coroa. –Disse e sai do quarto.
  Quando cheguei em meu quarto, Julie estava chorando e tremendo.
-Amor, porque tá chorando? –Me desesperei e a abracei.
-O papai te bateu Lua? Putê ele gritou com você? –Ela perguntou abafando os soluços no meu roupão.
-Não princesa, o papai não me bateu, agora fica calminha. –Dei dois beijos em sua testa. –Julie a irmã vai sair com a Mel, enquanto eu me arrumo você pode jogar no meu celular, você quer? –Perguntei e a mesma assentiu. –Então vou me arrumar, enquanto você fica na minha cama jogando, ai quando eu terminar, eu faço você dormir aqui no meu quarto, ai quando eu chegar vou dormir juntinha com você, ok? –Perguntei e ela assentiu novamente, a coloquei na minha cama, e fui para o banheiro me arrumar.
  Optei por usar uma calça jeans rasgada cintura alta, um top cropped preto, com um casaco quadriculado amarrado na cintura, um colar no pescoço, outro colar que passava pelo meu corpo e por fim um sapato alto preto, essa noite queria me sentir á vontade e não usar um vestido colado que a cada movimento que eu fizer suba. E por fim fiz uma sombra leve e finalizei com um batom vermelho.
  -Amorzinho dá o celular pra irmã, pra eu te fazer dormir. –Perguntei deitando ao lado de Julie.
  Julie devolveu o celular e pude ver que havia uma mensagem de Mel:
  “Eu posso saber onde você está ? Lua Blanco se você não chegar aqui embaixo em 10 minutos eu vou até ai em cima e te puxo pelos cabelos.”
Resolvi responder antes que a louca faça mesmo isso.
  “Calma eu já vou descer, só vou fazer Ju dormir.”
  Deitei na cama e pude ouvir o celular tremer novamente. –Melanie Fronckowiak Nunes estou prestes á virar uma criminosa se você não deixar eu fazer minha irmã dormir. –Pensei.
“Ok, não demora.”
  Pousei meu celular em cima da cabeceira, e me acomodei com Julie no mesmo cobertor.
  -Quer que eu cante ou conte história? –Perguntei pra Julie que estava acomodada nos meus braços.
-Canta aquela música do filme Barbie. –Falou Julie com a voz baixa.
-Tudo bem meu anjo, fecha os olhos.
-Boa noite Lu.
-Boa noite Julie.
  Ela fechou os olhinhos, esperando eu começar á cantar.
- Quando o sol se põe no fim da tarde, vagalumes piscam sem cessar, fique aqui que o sonho te invade, como é bom sonhar. Como é bom te ter bem ao meu lado, venha cá me deixe te abraçar, e assim eu tenho o que preciso como é bom sonhar, sonhar. Com você, posso ver estrelas a brilhar, melodias, tem magias, doces sons no ar. La La La La La.
  Quando terminei pude ver que Julie respirava serenamente, levantei da cama, a ajeitei no cobertor e sentei na poltrona colocando meus sapatos, coloquei meu iPhone dentro da bolsa, caminhei até minha cama e dei mais um beijo em Julie.
  Sai pelo portão e pude ver a BMW m5 de Melanie, caminhei até lá e abri a porta dela.
-Pensei que não iria mais. –Ela falou dando partida com o carro.
-Tive que fazer Julie dormir e dar uns bons tapas na Rachel.
-O que? –Ela gritou parando o carro brutalmente.
  Contei desde o motivo que Julie me contou por ter batido nela até a cena nojenta dela com o meu pai transando nojentamente na cama e os tapas que dei no rosto de Rachel. Porque contar sobre o pinto do meu pai pelado na minha frente seria constrangedor. Melanie como eu esperava ficou completamente chocada.
  Quando chegamos na frente da boate, Melanie me apresentou um grupo de garotos, e o tal Miguel que Mel pegava era bem gostoso, mas os seus amigos não estavam com nada, eram somente filhinhos de papai se achando os mais fodas de Los Angeles. O único que era interessante além de Alex era um tal Fernando, tinhas os cabelos castanhos, seus olhos eram azuis hipnotizantes e tinha seus braços malhados, provavelmente seu corpo também era.
  A fila da boate estava enorme, demoramos para entrar no local, os garotos não paravam de falar sobre as strippers gostosas da boate, estou querendo matar Melanie com a força do meu pensamento por ela ter me trago para uma boate onde há strippers.
  -Eu posso saber que diabos de strippers tem aqui ? –Cochichei no ouvido dela.
-Tem strippers e elas fazem programas, levando os homens para os quartos que ficam aí dentro, mas relaxa tem pista de dança e a gente não vai precisar ficar vendo strippers. –Cochichou de volta.
-Espero que não mesmo. –Sussurrei para ela 
  Quando entramos percebi que o lugar era enorme e luxuoso, Melanie me puxou para a pista de dança, quando percebeu que os garotos ficariam babando nas strippers pelo resto da noite.
  Começamos á dançar rebolando, ganhando assobios e chamando atenção, quando paramos para ir beber alguma coisa percebi que havia se formado uma roda em nossa volta.
    P.O.V s’ Arthur Aguiar
   Estava na área vip da minha boate observando o movimento, quando percebi que havia uma rodinha de homens em volta de uma morena em um vestido preto e uma loira de um corpo escultural que dançava sensualmente. Quando percebi Micael se aproximando de mim, o olhei e voltei minha atenção para a pista de dança onde estava a loira.
  -Ganharíamos uma boa quantia de dinheiro com ela. –Falei para Chaz enquanto apreciava aquele corpo sendo desejado por homens em sua volta.
-Eu sei. Sabe quem é ela? –Perguntou Micael ao meu lado como se a gostosa fosse uma ameaça.
-Quem? –Perguntei para ele, ansioso pela resposta.
-Filha de Billy Blanco, Lua Maria Blanco. –Encarei Micael surpreso. A filha do empresário mais conhecido da Califórnia estava frequentando minha boate.
-Quais locais, Billy frequenta? –Perguntei como se a resposta importasse.
-Os maiores cassinos de Los Angeles. –Micael me encarou com brilho nos olhos.
  Estava com o meu plano em mente. Billy Blanco não perde por esperar. 


  Notas da autora: Espero que gostem da fic, e caso achem alguma troca de nomes me avisem por favor, pois estou adaptando essa fic para LuAr, e troquei o nome de todos personagens e vocês podem ficarem confusas. Lembrando que isso não é plágio, a fic é minha e estou apenas á adaptando para outro casal. Até o próximo, espero receber comentários <3

8 comentários:

  1. Mal começo a web e eu ja odeio essa Rachel e o pai da Lu.
    Ameiii o capitulo,posta mais

    ResponderExcluir
  2. Nossa a Rachel ( não vou dizer animal porque seria uma ofensa... Aos animais) é uma bruaca

    ResponderExcluir
  3. ameiiiii posta mais, perfeitaaaa melhor web depois de meu vizinho insuportavel

    ResponderExcluir