Mini fic - Pretty Woman

|




Arthur Pov.

Estava tomando café da manhã em uma lanchonete para ir a empresa e ouvi um barulho de porta abrindo em seguida daquele barulho de sininho. Olhei para traz, travando logo em seguida, ao ver aquele sorriso brilhante. Não estava do jeito que eu a conheci, estava loira, assim como eu a deixei na suíte, e os olhos, castanhos mel, chamavam atenção. Eu a procurei por tanto tempo, em todos os pontos do Rio de Janeiro. Mas Deus não me ajudou. E durante um ano inteiro me culpei e me arrependi de ter deixado ela no quarto.
Ela nem me notou aqui, estava ocupada sorrindo para aquela homem ao seu lado. Ele puxou a cadeira para ela sentar e ela gargalhou. Terminei de tomar meu café e paguei a conta, me levantando. Fui até a mesa dela e acho que ela me confundiu com um garçom, porque pegou o cardápio.
- Eu vou querer um.. - me olhou. - Arthur? - se assustou.
- Lua, você conhece ele? - perguntou o homem.
- Claro que conheço, ele é o Arthur! - levantou e me abraçou. - Eu tenho tanta coisa pra te contar!
- Arthur? - pareceu surpreso. - Aquele Arthur? 
- É! Aquele Arthur.
- Eu estou um pouco perdido.. - falei.
- Lu, eu sei que está sendo muito emocionante esse momento para você, mas você tá atrasada para a entrevista! 
- Ih caramba! Eu estou mesmo! Toma aqui meu número.. - pegou uma caneta na bolsa e anotou no guardanapo e me entregou. - Por favor, me liga! Eu tenho que te contar muitas coisas! 
- Tudo bem, eu ligo! - ela me abraçou de novo e deu selinho no homem, para depois sair correndo feito louca. 
- Olha, eu to um pouco atrasado também, já vou indo.- me despedi e fui em direção a porta.
- Arthur! - veio até mim. 
- Oi? 
- Por favor, não deixa a Lua sem resposta. Ouça ela, e mesmo que não te agrade, se você deixar ela na mão eu acabo com você! - ameaçou.
- Eu nunca mais vou deixar a Lu na mão. Nunca.. 

Então ela não me quer por perto? Será que não sentiu o mesmo que eu? Será que eu fui apenas mais um de seus clientes? Será que aquele é seu namorado? Será que terei coragem de ligar para ela? Será que eu poderei dizer meus sentimentos para ela? Será? Tantos serás não são respondidos.. Tantos por que's são esquecidos com o tempo? Por que? Tantas perguntas esquecidas e respostas escondidas.. 

Eu gosto da Lua, nunca o ato sexual havia sido tão intenso, com nenhuma mulher. Nem com Giovanna, nem com ela.. Giovanna? 

"- Está com vergonha? 
- Não é só.. 
- Vergonha! 
- Não, é que eu sou apaixonado por uma menina. 
- Acha que ficando comigo vai trair ela.. 
- Quase isso!

Sim, Giovanna era a mulher por qual eu me apaixonara. Mas ao ver que ela não respondia seus sentimentos por mim, me convenci que aquilo, aquele sentimento que eu lhe dava, era apenas uma atração, que apenas foi mais esquecida com a chegada de Lua na minha vida. 
Fui até meu trabalho, ainda pensando nela. Entrei no elevador e todos me encararam, mas já estou acostumado, afinal, sou o dono da empresa.

- Amiga, calma! Eu não posso ir agora.. Por favor! A Mel é mais importante! Ok, cuida da minha bebê pra mim. Já ja estou em casa. Por favor, cuida dela.. Diz que eu a amo. Beijos. - Espera, Mel? O que a Mel tem a ver com isso? E Lua? O que ela está fazendo aqui? Entrevista.. Eu estou contratando, é isso! Ela vai fazer a minha entrevista.

- Mel, passa aquela entrevista para mim..- apontei disfarçadamente para Lua. 
- Mas você tem compromissos. - falou alisando a grande barriga. Mel é minha irmã e minha secretária. Ela está grávida de oito meses, e por isso estamos contratando, preciso de alguém para substituí-la enquanto tira a licença a maternidade. 
- Cancela! Cancela tudo! Eu quero ela na minha sala em cinco minutos! 
- Por que tudo isso? - olhou e riu. - É irmãozinho, ela é linda mesmo! Arthur não estupra a menina! - ri.
- Eu já fiz isso, só que de um jeito gostoso e eu sei que ela gostou bastante. Só que depois ela fugiu de mim. - olhei para ela, parecia ansiosa e com medo.
- Opa, espera aí! Meu irmão, destruidor de corações apaixonado? 
- Não sei, a gente só.. Espera, apaixonado? - ri. - Tá tão na cara assim?
- Uhum. - assentiu. - Vou dar um jeito aqui. 

Andei disfarçadamente até minha sala e quando abri a porta percebi que minha mesa estava bem desarrumada. Coloquei as pastas dentro do armário rapidamente e coloquei as coisas no lugar. Quando bateram na porta, sentei na cadeira de costas para a porta e cruzei as mãos. 

- Com licença! - Lua falou. - Boa tarde. 
- Boa tarde! - me virei.
- Arthur? 

Só deu para postar isso, minha mãe pediu para eu desligar o computador :( Beijooo =* 

11 comentários: