O tempo cura tudo - 24º Capítulo

|




POV NARRADOR

Lua queria esquecer a conversa do dia passado. Queria entender que tudo aquilo fosse dito da boca pra fora de Arthur. Ela queria até esquecer o que ele disse, pois a magoou de mais.

FLASHBACK

- Acho que a nossa relação não vai passar de uma coisa.
- O que?
- Sexo! – disse, fazendo a garota chorar com vontade. Ele foi embora, meio que se arrependendo do que disse e levou a mala junto..

FLASH BACK OFF

Teria ou não sido a raiva a falar mais alto?
Mas bom, deixou isso para trás e seguiu o seu dia. Aproveitou que os três estavam numa casa perto da praia, passando um agradável final de semana para poder mimar um pouco o pai do seu filho. Ela se levantou cedo para arranjar o café da manhã. Perto daquela praia, havia um bar onde conseguiu comprar sucos e um bolo de laranja delicioso. Arranjou tudo muito bem e depois levou até ao quarto onde Arthur dormir. O senhor teimoso dormiu no quarto separado.

- Bom dia. – Lua entrou pelo quarto com a bandeja improvisada na mão. Entrou, colocou a bandeja na beira da cama e foi abrir a janela do quarto. Arthur abriu os olhos, se espreguiçou e levou o seu olhar para as pernas de Lua, descobertas por aquele mini conjunto de pijama.
- Bom dia. – quando ele sentou na cama reparou na bandeja que lá estava. O bolo cheirava bem e o suco de laranja tinha uma otima cor – Pequeno almoço na cama? A que se deve isso? – ele tirou muito rápido uma fatia de bolo
- Queria lhe mimar um pouco por ontem
- Não deveria ser ao contrário? Afinal, você é que saiu chorando
- Eu quero acreditar que aquilo foi erro.
- Acredite no que quiser. – Arthur deu outra dentada no bolo, fingindo que aquele assunto para ele não fosse nada de mais. Lua sentou ao lado dele e pegou também a sua fatia de bolo. Comeu, olhando atenta para Arthur que tentava não cruzar o seu olhar com o dela – Me fala a verdade?
- Sobre…? – perguntou curioso
- Você quis mesmo dizer aquilo?
- Talvez eu não deveria ter dito daquele jeito. Mas a verdade é que eu já não sinto o que sentia por você
- Será que não?
- Eu não sei. Estou confuso.
- Você é que me deixa confusa. – e ficaram de novo calados, sem saber o que dizer um ao outro.
- O Gui?
- Ainda não acordou. Esta noite ele acordou três vezes e por isso agora vai acordar tarde. – sorriu
- Nem ouvi ele chorar. Podia me ter chamado para ajudar a cuida-lo
- Se você dormisse ao meu lado, eu não precisava de te chamar.
- Depois do que aconteceu ontem, eu não conseguia me deitar ao seu lado. Acho que seria cara de pau
- Tem razão. – ela riu, concordando.  Os dois continuaram a comer e por fim beberam o suco. Arthur bebeu tão rápido que acabou se babando no final. Lua riu e limpou o seu lábio com o polegar. Ela olhou nos olhos dele e não perdeu tempo em roubar um beijo de Arthur.

Arthur não reagiu, ou melhor, ele a beijou, correspondeu ao beijo, mas não mexia mais nada além dos lábios. Já Lua, se chegava para mais perto dele, querendo sentar em seu colo e pegar os cabelos que ela tanto insistia em bagunçar.
Arthur é homem e nem morto se ele resistia ver Lua daquele jeito. Ele colocou as mãos sobre as coxas dela e puxou-a para mais perto de si, ou melhor, para o seu colo. Continuaram os dois com aqueles beijos calorosos, com vontade, se tocando por tudo o que era lado até que Arthur toma a iniciativa de tirar a blusa de Lua. Ela pegou logo no cintura das bermuda de Arthur para tirar e ele fez o mesmo com  as calças dela. Ficaram de roupas interiores em pouco tempo. Se deitaram na cama, ficando um por cima do outro. Arthur inverteu as posições e ficou por cima, beijando a barriga de Lua, subindo até seu peito, pescoço, rosto até à sua boca. Fazia isso varias vezes enquanto Lua segurava a cabeça dele para aprofundar os beijos e torna-los mais intensos.
Na hora que Arthur ia colocar a sua camisinha, entre um gemido e outro, ele assegurou Lua do que ia fazer.

- Espero que depois não se iluda… - ele colocava a camisinha enquanto ela beijava o ombro dele
- Me iludir? – ela parou os beijos e o olhos.
- Espero que se lembre do que eu disse… a nossa relação, é só e apenas sexo.

Acabando de colocar, ele deita por cima de Lua mas ela o empurra, chateada, pegando no lençol, enrolando no corpo e saindo da cama. Como é que ele ainda tinha lata de falar uma coisa daquelas?
Lua ficou chateada e chorava ao se lembrar daquele momento. Ela pensou que depois daqueles beijos, daqueles sussurros todos Arthur tinha voltado “ao normal”. Mas parece que não. A ideia dele ainda permanece.
A loirinha pegou no bebé, Guilherme, já acordado e foi passear na praia. Ela o abraça, enquanto o pequeno apenas a olhava com um ar curioso. Ela chorava e limpava de seguida as lágrimas para que Guilherme não visse. Não que ele fosse perceber, mas caso isso acontecesse, ela não queria que ele ficasse preocupado.

Arthur depois de bater com a cabeça na  parede e pensar sobre o que tinha acabado de fazer, foi até um bar de praia. Foi beber um coco enquanto pensava na sua vida. Uma garota simpática, empregada do bar, sentou no banco ao lado dele e ficaram os dois olhando o mar. ela notou que ele estava distante e meteu conversa.

- Você não é daqui, pois não?
- Não… estou aqui de passagem
- Bem me parecia. Pois a sua cara me é estranha. Está com família, amigos?
- Com o meu filho e mãe dele
- não está nem um pouco animado?
- Não…
- Mas aqui é tão lindo. É um otimo lugar para vocês se divertirem. Tem praias otimas, paisagens otimas e belas trilhas por onde andar.
- Eu sei disso. Mas não é por causa disso que estou assim. Acho que é por minha causa.
- Fez asneira?
- Da grossa! – ele concluiu – Eu tenho o dom de desiludir aqueles que mais se preocupam comigo. Mas não que a culpa seja minha… quero dizer, claro que é minha. Mas eu é que faço tudo errado
- O problema são as mulheres?
- É… um bicho terrível. – disse Arthur, fazendo a garota rir
- No fundo, somos umas queridas. Vocês é que eram e deitam a culpa em cima de nós e da nossa timidez ou insegurança.
- Mas agora a insegurança é da minha parte
- Tente se resolver. Veja o que é melhor pra você. Ou melhor, veja o que é que o seu coração quer
- Devo seguir ele?
- Deve.
- Mas o cérebro me influencia
- Por vezes o coração pensa uma coisa e a cabeça outra. Faz assim, segue um pouco dos dois.

E depois daquele conselho, Arthur saiu do bar e foi até à casa de praia. Lua já estava em casa pois viu as sandálias dela na sala. Subiu até ao quarto dela e bateu à porta antes de entrar. Lá estava ela, deitada na cama com o Guilherme deitadinho ao lado. Ele agarrava e puxava o cabelo da mãe enquanto a loirinha fazia festinhas sobre o rosto dele.

- Chorando porquê? – ele sentou na cama, de frente para Lua. ela desta vez nem escondeu as lágrimas que ao ver Arthur insistiram em cair cada vez mais.
- Por você, idiota.
- Sou mesmo. Desculpa, mais uma vez
- Se continuar assim, acabará me perdendo. Mas pelos vistos, é isso mesmo que você quer
- Eu não quero te perder.
- Não? – ela olhou nos olhos dele, pra ver se ele falava a verdade
- Não! Eu quero você próximo de mim, mas não próxima de mais. Eu quero ter a certeza que é ficar com você o mais certo pra mim. Mas pra isso, teremos de nos aproximar aos poucos
- É tudo o que eu mais quero. – ela sorri e se aproxima dele
- Aos poucos Lua… por favor. – ele pede e ela recua.

Ficaram os dois brincando na cama com Guilherme. O bebé tinha falta daqueles mimos todos que os pais faziam nele. Ele precisava de mais momentos assim para se sentir acarinhado pelo dois ao mesmo tempo e soltar aquelas suas gargalhadas gosotosas que tanto ele sabia dar.

Amanhã vou postar mais. Aviso que a Duda que posta "Plano B" está com um problema no computador. a Camila posta quando pode e vocês sabem que eu estou em aulas.
As vagas para ADM estão abertas. mandem um e-mail para o anacristina_bazqet@hotmail.com com os vossos dados pessoais e o que vão fazer aqui. têm de postar uma web obrigatóriamente. avisei no chat se mandaram e-mail ou não

7 comentários:

  1. Que pena que a Duda que posta "Plano B" está com um problema no computador estava a adorar a web que ela escreve. vamos ver se não demora muito estou com curiosidade o que vê a seguir.

    ResponderExcluir
  2. amando demais esta web
    ass Sophia

    ResponderExcluir
  3. espero q eles consigam ser felizes e ultrapassar os problemas juntos como uma familia de verdade

    ResponderExcluir
  4. espero q eles recomecem a história deles e q sejam felizes com a familia linda q eles construíram e são

    Ana

    ResponderExcluir
  5. Só não achei justo depois d tudo q o Arthur fez a Lua ficar correndo a traz dele, mas fora isso a web tá mt boa.

    ResponderExcluir