O tempo cura tudo - 22º Capítulo

|



POV NARRADOR

Se bem se lembram, Lua e Arthur desde o inicio do namoro que têm uma relação difícil. Saíram de debaixo das saias dos pais bem cedo, foram viver juntos para Inglaterra e lá ficaram morando num apê dividindo tarefas um entre o outro. 
Mas tudo piora quando Arthur perde o trabalho e entra na má vida. Ele rouba, trafica droga e mercadoria roubada, fuma, bebe, se droga e ainda bate na namorada. Por duas vezes ele chegou a bater na Lua e ela, como o ama tanto, sempre perdoou. 
Lua ficou grávida e as situações só pioraram. Ela ameaçou várias vezes terminar aquela relação. Arthur errou uma vez e disse que nunca mais iria errar, que ia melhorar e que tudo ia dar certo. Mas à primeira insegurança, ele quase “matou” o psicólogo da namorada, tratou ela mal novamente fazendo ela se sentir mal e o filho do casal nascer prematuro.
Guilherme nasceu com aproximadamente 30 semanas, não chegando a completar e teve alguns problemas respiratórios e problemas em mamar. Mas como passou quase dois meses no hospital, pelo facto de ser prematuro, veio para casa bem melhor. Ele nasceu mais pequeno que o normal, mas felizmente está ficando bem melhor. Depois de todos estes problemas, inseguranças e promessas não cumpridas, Lua terminou com Arthur.

Arthur e Lua tiveram os seus altos e baixos. Aqueles momentos de carência em que trocavam um beijo ou então Arthur deixava o sofá pra ir dormir na cama de Lua e passavam a noite se amando.
Depois que ela voltou do hospital, esses dias continuaram, mas nada de falarem em “voltar a namorar”. Trocam uns beijos, umas discussões, umas noites de muito amor e ai vamos…

No Capitulo anterior 

- A verdade é que não quero mais discutir. – confessou Lua, deitada no peito de Arthur, logo pela manhã.
- Eu nunca quis discutir
- Não vamos mais discutir?
- Não! – assegurou ele
- Promete?
- Prometo! – Arthur beijou o topo da cabeça dela

O Guilherme tinha chorado três vezes durante a noite. Dessas três vezes, Arthur se levantou para trocar a fralda do garoto e na segunda vez a Lua é que foi para lhe dar de mamar.
Dividindo as tarefas tudo parecia mais fácil.

- Me passa a toalha do banho – Arthur passou e Lua secou o Guilherme delicadamente
- Devo passar este creme?
- Claro. – respondeu Lua e Arthur passou o creme no corpinho do Gui – Adoro te ver assim tão entusiasmado e dedicado.
- É o meu filho… só tenho de me dedicar. – sorriu ele – E quanto à festa de dois meses dele?
- Que tal festejarmos só nós?
- E o que fazemos?
- Não podemos gastar muito dinheiro… mas podíamos fazer algo diferente
- Tipo o quê?
- Que tal… - Arthur começou a pensar – Pior que não faço a mínima.
- Eu vou pensar e depois vemos isso.

Terminaram os dois de dar banho ao Guilherme. O garoto adorava ficar no colo da mãe e puxar os cabelos loiros dela. Lua não se incomodava, a menos que ele puxasse demais.

- Ahhh, Guii! – ela riu, para não lhe assustar quando chamou o nome dele – Você tá machucando a mamãe. – Lua fez bico e baixou o rosto 
- Olha o rosto dele. – riu Arthur. Guilherme parecia ter ficado preocupado ao ver a mãe baixar o rosto. Arthur ria vendo a reaçao do pequeno e pegou ele ao colo, jogando-o no ar e fazendo o pequeno sorrir e fechar os olhos – Filhão! – encheu ele de beijos
- Eu tive uma ideia…
- Que ideia?
- Que tal irmos amanhã até uma espécie de casa de praia? Tipo… podíamos ir amanha, sexta, e vir domingo. Ficávamos lá nessa casa e comemorávamos à nossa maneira.
- Mas assim do nada? E Lua… essas casas não são caras? Você sabe que agente não está nadando em dinheiro e…
- Mas não é sempre que fazemos isso. E seria legal o Gui apanhar novos ares.
- E você conhece alguma?
- Conheço – sorriu – Vou ligar pra lá e alugar a casa.

Arthur não estava convencido da ideia de deixar a sua casa três dias para ir para outra de praia. A ideia era original, era legal mudar um pouco, mas o clima não era o melhor. 

- E em quanto fica mesmo? – esperou resposta – Otimo. Como fazemos o pagamento? – perguntou – Está bem. Ainda hoje coloco o dinheiro pela conta. – sorriu ao telefone – Muito bem. Obrigada. Amanhã lá estarei. – desligou a chamada do celular – Está tudo combinado. – Lua andou de novo até Arthur, que brincava com Guilherme. Sentou-se ao lado dele, no sofá e ficou apenas olhando
- Eu não acho que ir para lá vá ser bom
- Porque diz isso?
- Pela questão de ser caro…
- Nem é muito caro. Consegui um bom preço. E vai ser bom para nós.
- Se você diz…
- Não está convincente disso pois não? Quer que eu desmarque tudo?
- Não. Agora está feito. – ele se levantou do sofá – Vamos arrumar as coisas?

Gente, o capítulo não foi nada de mais, mas terça feira como saiu cedo, vou postar um mega capitulo!


4 comentários: