8 Segundos - CAP. 30

|


8 Segundos


Capítulo 30: 


Pov. Lua
— Oi. — Eu me aproximei da cama totalmente excitada. — O que está fazendo?
— Nada de importante. Apenas lendo um artigo sobre choque medular. — respondeu normalmente. Retirou os óculos e os colocou na mesa de cabeceira.
— Você vai conseguir, amor. — Já estava me acostumando a chamar Arthur desse jeito, e acho que ele também.
— Eu vou tentar — disse ele, e eu fechei a cara para o seu comentário. — Ok, eu vou conseguir — consertou, e eu sorri em agradecimento. — Agora, vem aqui. Me sentei ao seu lado na cama. O cheiro dele invadiu minhas narinas e me deixou completamente extasiada. Era inebriante e viciante. Um aroma que me fazia reconhecê-lo mesmo de olhos fechados. Uma mistura de perfume com seu próprio cheiro que o fazia único. Cheiro de Ranger.
— Por que Ranger? — Sempre tive essa curiosidade, mas havia me esquecido de perguntar. Arthur me puxou para os seus braços e eu me aconcheguei em seu peito. Gostava de ficar assim com ele. Perto. Colados. Juntos.
— Você sabe que eu passei um tempo no Texas, certo? — perguntou, enquanto passava as mãos pelo meu cabelo. — Quando voltei, Rodrigo me colocou esse apelido por causa de uma das polícias de lá, conhecida como Texas Ranger. No começo achei idiota, mas sabe como é, “Cristal”: apelidos pegam.
— Disso eu sei — respondi. — Vou tomar um banho e já volto. — avisei e dei um beijo em seus lábios. Antes que eu me afastasse, Arthur aprofundou a língua em minha boca, me invadindo e tomando posse do que era dele. Gemi em resposta, e ele sorriu sem desgrudar os lábios dos meus. Em contrapartida, mordi seu lábio inferior e o puxei. Abri os olhos e vi Arthur com os dele fechados. Saboreei aquela visão. Meu homem entregue a mim. Soltei antes de fazer uma besteira e atacá-lo sem chance de ele se defender. Dei um selinho para indicar que nosso beijo estava no fim e saí em direção ao banheiro.
Embaixo do chuveiro, tentei me acalmar. O dia havia sido o mais turbulento da minha vida. Muita coisa aconteceu. Imagens das fotos, das cartas e dos bilhetes, meu pai, minha mãe e Arthur rodeavam minha cabeça. Fiquei um bom tempo debaixo d’água até criar coragem para sair e encarar Arthur novamente. Com uma toalha enrolada no corpo e outra no cabelo, eu saí do banheiro. Estava pronta para colocar uma camisola e me deitar ao lado de quem me fazia tão bem. Era bom demais dormir com ele e eu queria que durasse para sempre.
— Vem aqui, Potranca. — uma voz grossa me chamou. Todos os pelos do meu corpo se arrepiaram. 
Quando eu me virei, Arthur havia tirado o lençol que antes o cobria e eu fiquei surpresa ao ver seu membro totalmente duro, tentando se libertar da boxer preta. Não pensei duas vezes. Sabia o que ele estava me oferecendo e agarrei a chance. Tirei a toalha do cabelo e, enquanto caminhava até a cama, eu deixei a que cobria meu corpo escorregar. Estava tão louca por ele que meu sexo latejava pela antecipação do prazer que sentiria. Isso era fato. Tinha passado somente uma noite com o Arthur, mas o prazer que senti na ocasião foi indescritível. Ele era um amante maravilhoso.

— Tem certeza? — perguntei, pois, mesmo vendo que seu corpo estava respondendo a mim, eu não queria obrigá-lo a nada.
Quando cheguei mais perto, Arthur puxou minha mão e a colocou no seu pau. Estava com o rosto sério. Tomado pelo mesmo desejo que eu.
— Sinta minha certeza. Estou tão louco por você que quase me arrastei até o banheiro.
— E o que eu posso fazer por você... Perigoso? — sussurrei perto do seu ouvido.
— Primeiro você precisa saber que isso pode ser rápido, e eu não quero deixá-la na mão. Está disposta a tentar? — Eu sabia das possíveis limitações. Tinha conversado com o médico, mas estava disposta a fazer de tudo para ser dele novamente. Minha resposta à sua pergunta foi me deitar ao seu lado e tomar sua boca em um beijo ardente. Como antes, quase nos fundimos um ao outro através de nossos lábios. Alcancei sua ereção com uma das mãos e comecei a acariciá-la.
— Me ajuda a deitar. — ele disse afastando um pouco os lábios. — Gostosa demais... Estremeci com suas palavras e fiz o que ele me pediu. Deitei Arthur na cama com cuidado e, vendo-o tão vulnerável, resolvi ir com calma para que ele não se frustrasse.
— Feche os olhos e confie em mim. — Arthur atendeu ao meu pedido. E eu me empolguei com seu consentimento. Fui até os pés da cama e me ajoelhei no chão. — Sente isso? — questionei ao tocar a sola dos seus pés com os dedos. Arthur gemeu em resposta. Comecei a tocá-lo devagar e com cuidado.
— É uma sensação estranha, mas eu sei que você está tocando meu pé esquerdo. — confirmou onde eu o tocava, e eu sorri. Isso foi bom.
— E agora? — Soltei sua perna e comecei a acariciar a outra, deixando minha mão deslizar pela sua pele até sua coxa.
Lua, eu posso sentir. — sua resposta foi um gemido cheio de desejo. Eu mesma estava totalmente molhada apenas em deixá-lo com tesão. Minha tortura era tão grande que meu ponto sensível pulsava.
— E você também pode sentir isso? — Não dei tempo para que respondesse. Antes que ele pronunciasse uma palavra, eu abaixei a boxer que escondia aquilo que eu desejava. Quando sua ereção saltou, eu a abocanhei, colocando toda a sua extensão em minha boca.
— Puta que pariu! — meu homem gritou. — Meu Deus! Você vai me matar. Eu sinto. Eu sinto. Vire sua boceta para mim, Potranca. — Ele ordenou sério e autoritário. Fiz o que me pediu e fiquei deitada sobre ele, meu rosto de frente para o seu pau. Voltei a acariciá-lo, ficando ainda mais excitada e louca por ele. Eu me assustei quando senti sua mão pesada dar um tapa na minha bunda.
— Potranca safada. — Bateu novamente, mas agora do outro lado. — Está molhada por me chupar, gostosa. — Senti um dedo me invadir e quase urrei de prazer. Voltei a chupá-lo com toda a vontade, enquanto segurava a base do seu pau com uma das mãos e acariciava suas bolas inchadas com a outra. Arthur gemia o tempo todo e também não me dava descanso. Suas mãos abriam a minha bunda e sua língua passava por toda a minha boceta. Quase enlouqueci quando ele parou no meu ânus e começou a me foder com a língua.
— Vou querer isso aqui. — Ele brincava comigo e quase gozei quando ele enfiou o dedo em mim. — Você vai me dar seu cuzinho? — Ele girou o dedo e dessa vez não segurei o grito.
Arthur! — gritei e ouvi sua risada. Várias sensações tomavam conta do meu corpo. E eu já estava a ponto de gozar, mas então Arthur retirou o dedo, me deixando na expectativa. Mas foi por pouco tempo. Com uma das mãos, ele empurrou as minhas costas em direção ao seu pau novamente. Atendi ao seu pedido e o senti inchar ainda mais em minha boca. Sua língua agora distribuía lambidas em meu clitóris.
— Goza, gostosa. — Ele deu um novo tapa. Acelerei os movimentos e Arthur voltou a me penetrar com o dedo. Sua língua me fodia com vontade e eu não conseguiria me segurar por muito tempo.
Arthur, eu não aguento mais.
— Eu também não, meu amor — gemeu próximo à minha entrada. — Goza comigo. Goza e lambuza meu rosto. Vamos juntos. Apertei suas bolas e em resposta Arthur prendeu meu clitóris entre os dentes e chupou violentamente, enquanto seu dedo fazia todo o caminho entrando e saindo da minha bunda.
— Vamos, safada. — Ele bateu no meu traseiro diversas vezes seguidas. — Isso mesmo, minha Potranca, suga minha língua com essa bocetinha apertada! Tão gostosa quando goza... — Então eu gozei. Estremeci com sua língua em meu interior. Quis gritar, mas estava com a boca totalmente preenchida. Acelerei meus movimentos e não demorou muito para sentir o primeiro jato atingir o fundo da minha garganta.
— Toma tudo, gostosa. Ah, que delícia! — Ouvi-lo gemer e saber que eu o satisfazia quase me fez gozar novamente. Lambi até a última gota que saía dele. 
Quando acabou, eu me deitei ao seu lado e sorri ao ver que ele estava realmente lambuzado. Seu rosto estava molhado, e Arthur me dava o olhar mais safado do mundo. Passei a mão pelo seu rosto e, antes que pudesse fazer qualquer coisa, Arthur pegou minha mão e a levou à boca, lambendo tudo, dedo por dedo.

— Você é muito gostosa.
— E você é um depravado.
— Um depravado que você ama.
— Sim... eu amo. — reafirmei o que tinha dito pela manhã. Arthur me olhou e, mais uma vez, não fez nenhum comentário sobre as minhas palavras. Eu me levantei da cama e peguei a toalha que tinha jogado no chão.
— Eu também. — Eu o escutei dizer, mas não entendi.
— Você o quê? — perguntei, ainda de costas para ele.
— Eu também te amo. — Paralisei. Meu coração disparou e lágrimas brotaram em meus olhos. Nunca na vida tinha ficado tão feliz com apenas quatro palavras. Eu me virei e não me importei com as lágrimas que desciam.
— Eu te amo, meu amor. — Dessa vez ele disse olhando em meus olhos e invadindo minha alma. — Minha Lua, minha Cristal, minha Potranca.

N/A: Hello Hello, meninas!!! 
Bom a Milly já explicou ontem o motivo do meu sumiço me desculpem gente, sério. Ainda bem que meu primo conseguiu arrumar tudo pra mim. Espero que vocês não estejam querendo me matar hahaha. 
Sobre a fic, o primeiro "eu te amo" a gente nunca esquece, né? Eai, gostaram? 

Capítulo pequeno pra deixar vocês com gostinho de quero mais, sou má! hahaha

Hoje eu não tenho aula, comemorem ehhhhhh \o/ Querem mais um capítulo? 

COMENTEM!!!

Ps: Casal fogoso mataram o que estavam matando eles, eita fogo! A noite vou postar BC.

15 comentários:

  1. Aeeeeeee até que enfim voltou, que capítulo foda!!! Posta mais

    ResponderExcluir
  2. Eita,que capítulo quente em kkkk,mt bom.Que lindo o primeiro "eu te amo" q ele disse pra ela

    ResponderExcluir
  3. Wwwwoool esses dois não prestao kkk. Bom que voltou Brenda estava com saudades kkkkk.
    Fany

    ResponderExcluir
  4. Tão lindooosss... Ameii cada vez melhor essa web!!!!

    ResponderExcluir
  5. Voltou com tudo com esse hot em Brenda!! Esse " eu te amo" Lua nunca vai esquecer mesmo, nenhum dos dois vão!! Quero maais.
    Helena

    ResponderExcluir
  6. Aaaaaaaa Q perfeito

    ResponderExcluir
  7. Cadê você pra posta mais? To curiosa

    ResponderExcluir
  8. Cadeee essa web perfect.. Não fique mais tanto tempo sem postar pfpfpf

    ResponderExcluir
  9. Q fofos eles se declarando um pro outro ,ameiii ...Anciosa para o Próximo Capítulo
    *--*

    ResponderExcluir