Milagres do Amor - Cap. 64º

|

Milagres do Amor
Abstinência | Parte 2

Pov Narrador

Arthur suspirou e a abraçou calmamente, ela tentou resistir, mas acabou cedendo, deitou sua cabeça em seu ombro. Ele afagou e cheirou seus cabelos para logo depois limpar suas lágrimas com carinho.

– Você sabe que eu nunca trocaria você, você é tudo pra mim.
– Então porque não falou nada com a oferecida? Aquilo não é roupa de trabalho. – perguntou ainda nervosa.
– Lua eu estava pouco me lixando pra ela, pouco me importava com as roupas dela. Mas eu vou falar com ela, satisfeita?
– Vou estar satisfeita quando eu vim vê-la com meus próprios olhos. – disse saindo do seu abraço e lhe dando um selinho rápido. – E o que eu falei antes está de pé. – disse entrando no carro.
– Amor… não faz isso não. – pede.
– Você tem que aprender a não errar mais, isso é muito grave, você pode não ter percebido, mas e seus colegas de trabalho? Acham que eu não passo na porta pelo tamanho do meu chifre.
– Ok. – bufa – Nós não íamos jantar?
– Não quero mais, perdi a fome. – faz uma careta. – Te espero em casa.
– OK... – ele lhe dá um selinho rápido.

Lua coloca os óculos e liga o carro, saindo logo do estacionamento.

Arthur a observa desaparecer e vai para o elevador, falar com Pérola, coisa que deveria ter feito há muito tempo e sabia que ia lhe dar dor de cabeça como estava acontecendo, porém não escutou seu sexto sentido e no final se deu mal. Só não perde por esperar o prazer e a tortura que terá que suportar pelo pequeno erro cometido…

A noite já se fazia presente, as estrelas e a lua iluminavam o céu negro, grilos e cigarras eram tudo que se podia escutar na noite tranquila e fresca. Não para Lua, que não conseguiu dormir de jeito maneira, estava inquieta e o calor que estava sentindo a estava incomodando por completo.

Na verdade, ela estava com vontade de comer algo, porém não sabia o que era. Virou mais uma vez na enorme cama, jogando os lençóis de seda para o lado, seus olhos pousaram em Arthur que dormia tranquilamente, mas com um bico enorme, fazendo-a rir baixinho.

Sabia muito bem o motivo da cara de desgosto do marido, após ele ter chegado do trabalho ficou irado ao encontrar Lua “dormindo” sem ao menos esperá-lo para jantar, deixou passar, comeu um sanduíche frio e foi dormir.

Quando caiu na cama virou para o lado e encontrou Lua com o mínimo de roupa possível, estava com uma camisola que mostrava tudo e com ausência de calcinha, após constatar esse fato tentou tocá-la, mas não passou de uma simples passada de mão em suas coxas, logo ela lhe deu um tapa na mão e lhe avisou que se ele não se comportasse iria expulsa-lo da cama. Ele virou para o lado emburrado e dormiu.

Lua levantou e foi para a sacada, suspirou satisfeita quando sentiu o ar gelado bater em seu rosto, causando uma sensação gostosa em sua pele quente. Lembrou do dia em que contou tudo a Arthur sobre seus pais e ele não a tratou diferente, pelo contrário a amparou e cuido com o máximo de carinho e ainda fez um delicioso café da manhã, com frutas, sucos e bolo de chocolate… Ao pensar no bolo sua boca salivou.

É isso que ela queria, estava com desejo de comer o maravilhoso bolo de chocolate feito por Arthur, voltou para o quarto sorrindo, estalou os dedos nervosamente. Acordar Arthur era uma tarefa simples, mas não sabia como estava seu humor principalmente após ela ter negado sexo pra ele.

Contudo, ela pensou na secretária dada e suas roupas indecentes, o medo passou logo, ele estava tendo muito menos do que merecia. Foi até a cama e ajoelhou ao seu lado, passou os dedos por seus cabelos e sussurrou seu nome. Ele abriu seus olhos, fazendo Lua quase cair para trás, sempre que via seus olhos era como se fosse à primeira vez, uma profunda força a puxava para eles, era quase impossível desviar o olhar da imensidão castanhos brilhante. Mesmo sonolento ele era incrivelmente lindo e charmoso.

Arthur bocejou e fechou os olhos, acostumando-os com a pouca claridade que vinha da janela.

– O que foi? Você está bem? – perguntou alarmado.

Lua se levantou e começou a caminhar pelo quarto nervosamente.

– Estou.
– Então por que me acordou? – perguntou sentando-se na cama e coçando os olhos.

Lua deu um sorriso sapeca, que foi capturado por Arthur, que estreitou os olhos esperando a bomba ser jogada sobre sua cabeça.

– Bem… É que… Lembra daquele bolo de chocolate que você fez pra mim? – falou mordendo os lábios.
– Sim…
– Então eu estou com desejo de comê-lo. – sorriu.

Arthur olhou para o relógio e viu que estava de madrugada ainda, gemeu.

– Amor, são quatro da manhã. – falou deitando de costas na cama.
– Ah Thur, eu estou com desejo. – choramingou. – Quer que sua filha nasça com cara de bolo de chocolate? – pulou em cima dele, ficando em cima de sua barriga.

Arthur suspirou e se levantou colocando Lua em suas costas em um rompante, fazendo-a soltar um gritinho de surpresa.

– Arthur.
– Para a cozinha, amor. – riu, batendo em sua bunda.

Ele desceu as escadas cuidadosamente ao chegar à cozinha, colocou Lua em cima de um balcão, e foi procurar os ingredientes para o bolo.

Conversaram durante o tempo em que ele esteve preparando o bolo, uma conversa agradável e gostosa. Em determinado momento, enquanto ele estava batendo o bolo, com a mão mesmo, pois a observar os músculos de seu braço aparecerem, juntamente com os das costas desnudas, seu cabelo mais revolto que o normal, estava apenas com uma bermuda vermelha deixando a mostra suas pernas torneadas e fortes, seu rosto completamente compenetrado no que estava fazendo.

Era a visão do paraíso, um homem maravilhoso preparando um bolo para a mulher, sempre acontecia o contrário na maioria dos casamentos, mas não no de Lua e Arthur. Qualquer mulher iria querer um homem desses.

Lua suspirou, definitivamente a falta de sexo estava afetando ela também.

Arthur parou o que estava fazendo e riu da careta que Lua estava fazendo enquanto balançava as pernas incansavelmente. Terminou de bater o bolo e o colocou na forma, levando até o forno.

– Você falou que iria me ensinar a cozinhar, mas não ensinou. – fez uma careta.
– Amor, desculpe estou sem tempo. – disse enquanto colocava o chocolate para derreter.
– É, eu sei, você ultimamente está sem tempo para sua esposa. Prefere ficar no escritório vendo a secretária boazona mostrando os peitos. – disse enciumada.
– Amor, você sabe que não é verdade. – disse ficando no meio de suas pernas. – Nenhuma mulher chega aos seus pés. – sussurrou mordendo o lóbulo de sua orelha.
– Vou fingir que eu acredito. – respondeu em um gemido, quando o sentiu trilhando beijos molhados por seu pescoço, causando arrepios.
– Pode acreditar, você tem as coxas mais bonitas... – falou passando as mãos por suas coxas. – seus seios são lindos e verdadeiros... – riu, apertando seu mamilo sensível sobre a camisola de seda, arrancando um gemido sufocado da boca dela. – Seus cabelos, seus olhos, sua boca, tudo em você é perfeito. – disse infiltrando suas mãos pelo seus cabelos, massageando seu coro cabeludo.
– Hum... – Lua ronronou envolvendo seus braços em torno do pescoço dele, passeando suas mãos por seu cabelo. Esquecendo por completo da greve de sexo e qualquer outra coisa que estava em sua cabeça quando sentiu os lábios úmidos e macios dele encostando-se ao seu, em uma caricia deliciosa.

Lua agarrou sua nuca, aprofundando mais o beijo, enroscando sua língua da dele com vontade e fôlego, estremeceu quando o sentiu sugar sua língua com volúpia. Arthur pegou em uma de suas pernas a envolvendo em sua cintura, Lua fez o mesmo com a outra, se agarrando mais a ele.

Ele a tirou da bancada e a imprensou na parede, apertando seu corpo todo, o mesmo fazia Lua, enfiando suas unhas em suas costas, ganhando gemidos guturais dele. Quando o ar se fez necessários separaram suas bocas. Arthur não deixou a pele de Lua, passou a mordiscar seu pescoço, enquanto sua mão se infiltrava pela camisola fina, espalmando uma mão em sua bunda. Lua gemeu alto, o puxando para um beijo avassalador.

Lua estava prestes a levar sua mão à bermuda de Arthur quando um estrondo de algo caindo no chão os interrompe. Foi apenas o quadro que estava sobre suas cabeças, por causa da mão de Arthur ou de Lua foi ao chão. O barulho só serviu para Lua cair em si e empurrar Arthur pelo peito.

Apoiou-se na pia ofegante. Quando sentiu Arthur a agarrando por trás, pressionando sua poderosa ereção em sua bunda, espalmando sua mão em sua barriga a colando mais contra si. Lua mordeu os lábios, abafando seu gemido.

Arthur colocou seus cabelos de lado, tendo livre acesso ao seu pescoço e ouvido, onde ele lambeu e mordeu.

Lua estava tentando manter seus pensamentos coerentes, mas a língua gelada de Arthur em contato com a sua pele, sua ereção enorme em contato com seu corpo e suas mãos a apalpando onde conseguia, estava causando-a sensações alucinógenas. Estava tentando resistir, mas estava cada segundo mais difícil. Arthur sabia muito bem onde tocá-la para deixá-la maluca em ponto de ebulição, é isso que estava fazendo agora. Massageando seus seios sensualmente, que já estavam sensíveis agora pela gravidez estava ainda mais, apenas um toque a acendia por completo.

Gemeram juntos quando Lua rebolou sua bunda em seu membro. Lua já tinha perdido completamente o controle de si mesma, quando o fogão emitiu um som, avisando que o bolo já estava pronto. A salvação de Lua, se afastou rapidamente, indo para o outro lado da cozinha.

– Amor…
– Nada de amor e permaneça onde você está. – disse sem fôlego.
– Esquece isso Lua. – pediu massageando seu membro.

Lua quase perdeu a linha de pensamentos ao olhar o que Arthur estava fazendo, mirou seus olhos em outro ponto menos irresistível, ou seja, tirou seus olhos de Arthur e mirou na maçã que estava em cima da mesa, na fruteira junto com outras frutas.

– Já te falei que só vou esquecer quando eu ver a sua secretária vestida adequadamente. Agora eu preciso de um banho. – disse se abanando, viu Arthur dar um riso malicioso para ela. – Nada disso, você não vai entrar lá. Fique e termine meu bolo. – disse falsamente irritada.

Arthur bufou e se virou, ignorando o incômodo no meio de suas pernas, e começou a terminar de preparar o bolo. Quando estava colocando a calda de chocolate, sentiu o perfume de morango encher o ambiente, se virou e suspirou frustrado. Lua estava com um mini short branco e um top vermelho, deixando sua barriga saliente amostra.

– Você só pode estar querendo me provocar. – gemeu desapontado.
– Não estou querendo te provocar, apenas estou com muito calor. – disse indo para seu lado, enfiou a mão na panela de chocolate e levou o dedo a boca, gemendo de satisfação. – Amor isso está muito bom. – riu a ver o rosto dele contorcido.

Mergulhou o dedo outra vez no resto do chocolate da panela e colocou na boca de Arthur. Ficou na ponta dos pés e colocou a mão em sua nuca, sussurrando em seu ouvido.

Continua...

Se leu, comente! Não custa nada.

Mais um capítulo, como prometido. Não esqueçam de comentar, ok?

Beijos! Depois eu volto... Bye.

16 comentários:

  1. Eita que fogo é esse ,posta mais

    ResponderExcluir
  2. Lua n é boba n em ,posta mais

    ResponderExcluir
  3. Thur tem que tomar jeito em

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus esses dois tem um Fogo em haha...
    Anciosa para o Próximo Capítulo *--*

    ResponderExcluir
  5. Adoreeei kkkkkkk Isso Lua tortura ele, quem manda deixar uma secretaria cachorra dessa na sala dele.
    Ahhh ja quero o proximo *--*

    ResponderExcluir
  6. Como faço pra ler os primeiros capítulos? Não estou conseguindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aperta no link das "Fics em Andamento" que vai aparecer os capítulos antigos. Se conseguiu, avisa. E se não a mesma coisa.

      Excluir
    2. No link das fics em andamento, aperta na opção "Milagres do Amor"***

      Excluir
    3. Só consegui até o 46, não aparece mais nada, :/

      Excluir
  7. +++++++++++++++ por favor

    ResponderExcluir
  8. Hahahaha lua gosta de uma booa provocação !!! Kkkkkkkk

    ResponderExcluir