Little Anie | Capítulo Especial - 1ª Parte

|

Bom, antes de vocês começarem a leitura, eu quero lembrar que esse Capítulo Especial de Natal, de Little Anie (eu sei que já passou o natal, mas ainda é Dezembro) não vai influenciar em nada na fic atual de Little Anie que eu estou postando, ok? É só um capítulo à parte que eu resolvi fazer. E vocês serão surpreendidos com os novos personagens ao longo da histórias. E espero que gostem do que eu preparei com muito carinho para que vocês lessem. Era natal, e eu queria proporcionar um “cena” feliz, com começo, meio e fim, feliz.
Boa leitura!
Beijos...

Little Anie | Especial de Natal
1ª Parte

Pov Narrador

24 de Dezembro, 2016.

Arthur se mexeu na cama, apertando ainda mais o braço envolta da cintura de Lua. A claridade invadiu o quarto, anunciando que mais um dia tinha chegado. Ele apertou os olhos e depois os abriu. A mulher ainda dormia tranquilamente. Aproximou os lábios do pescoço dela, e ali depositou vários beijos. Trilhando depois, um caminho até o lóbulo da orelha dela.

– Bom dia... – Ele sussurrou. Lua se encolheu rindo baixinho.
– Uhm... Bom dia... – Ela disse rouca. Completamente sonolenta.
– Hora de acordar dona Lua.
– Aah não! – Reclamou. – Nada disso... ainda é tão cedo.
– Como sabe, se nem abriu os olhos ainda?
– Eu posso sentir... – Disse e Arthur riu contra o pescoço dela.
– Eu sei o que você deve tá sentindo... – Murmurou ele. Colando ainda mais o corpo ao dela. Lua soltou um suspiro longo.
– Sim... também sinto... isso... – Gemeu.
– Vamos fazer amor, Luh? – Arthur disse ainda baixo. Agora as mãos desciam da cintura de Lua, até a barra da camisola. – Uhm?
– Só se você pedir mais romântico. – Disse. E colocou a mão sobre a dele que estava em sua coxa, e puxou até sua cintura.
– Mas eu fui romântico. – Arthur retrucou.
– Ora, seja mais romântico. – Lua insistiu ainda de olhos fechados. Arthur lhe depositou um beijo no ombro.
– Tá bom, amor... – Aceitou. E subiu a mão até um dos seios da mulher.
– Eu disse, romântico. – Lua o lembrou pausadamente.
– Mas você não sabe o que eu vou fazer. – Ele se defendeu, mordendo levemente o ombro dela.
– Eu sei o que você vai fazer. – Lua afirmou. E abriu os olhos.
– Você gosta. – Arthur sussurrou próximo ao ouvido dela. E começou a massagear o seio que sua mão envolvia. – Sinta. Estou sendo mais romântico, não estou? – Perguntou sem deixar de massagear. Lua voltou a fechar os olhos e assentiu respondendo a pergunta dele. Ele aproximou ainda mais os lábios do ouvido de Lua, para lhe sussurrar seu pedindo – ainda mais – romântico. – Meu anjo – Começou, e depositou um beijo molhado no pescoço da mulher. – Vamos fazer amor, linda? Assim, bem lento, e mais romântico, do jeito que você pediu? – Voltou a pedir em sussurros.

Não tinha como ela dizer, não. Ela não queria dizer não. Lua jogou as mãos para trás, passando pela nuca de Arthur, lhe puxando alguns fios de cabelo. Ele entendeu como um, sim. A atitude dela, e gemeu outra vez com o lábio próximo ao ouvido dela. A puxou para mais perto, como se tivesse ainda mais algum espaço entre eles. Subiu outra vez a mão para um dos seios da mulher, e voltou a massageá-lo como fazia antes. Como ela havia pedido, bem mais romântico do que costumava o fazer. Distribuiu beijos molhados pelo ombro dela, levando junto a alça da camisola, que logo caiu para um dos braços, Arthur parou de beijar a esposa, e sentou-se entre as pernas dela, enquanto a mesma se sentava na cama. Ele se inclinou, beijando-a novamente nos lábios. Subiu a camisola, até tira-la completamente. Ele então a puxou para seu colo, fazendo Lua envolver as pernas ao redor da cintura do mesmo.

– A gente só tem... meia hora... – Lua conseguiu o lembrar. Antes que perdesse a falar por alguns minutos. Gemeu mordendo os lábios logo em seguida. Anie ainda costumava ir ao quarto logo que acordava. E se encontrasse a porta fechada, batia – esmurrava.
– Uhum... – Arthur murmurou entretido demais distribuindo beijos pelo colo, ombro, pescoço e rosto de Lua, para lhe dar uma resposta mais clara.

Ele então a deitou na cama, lenta e cuidadosamente. Como se fosse a primeira vez que iriam fazer aquilo.

Lua estava sensível demais nos últimos dois meses, quando Anie teve a ideia de pedir a eles, um irmão. Ela estava com quatro anos. E em menos de três meses completaria cinco anos. O tempo estava passando tão rápido. Era até um pouco assustador saber que o novo ano, seria seu segundo ano na escola. E que depois, ela logo deixaria de ser uma criança. E Arthur começava a se preocupar, só de imaginar quando ela se tornasse uma adolescente. Era sua única filha. Porque tinha que crescer tão rápido? Sentia falta daquele bebê que chorava alto quando sentia fome, ou quando lhe negavam algo que ela queria muito.

Voltou a beijar os lábios da mulher, até senti-la ofegar e lhe puxar os cabelos. Arthur desceu as mãos pela lateral do corpo de Lua, até chegar no cós da calcinha, onde empurrou devagar para baixo, e foi descendo os beijos também, passando pelo queixo dela, pelo pescoço, no vão entre os seios, na barriga, abaixo do umbigo, mais em baixo... lá, onde as coisas mudavam completamente. Ele lhe tirou a calcinha, e subiu os beijos, passando pelos pés, e fazendo todo o caminho de volta, até encontrar os lábios de Lua novamente.

– Era assim que você queria? – Lhe perguntou mordendo o lábio inferior de Lua, o puxando ao finalizar a pergunta. E logo olha-la nos olhos.
– Sim. Assim, Arthur. – Ela respondeu fechando os olhos, agora recebendo o carinho que ele fazia em seus seios, chupando um, e massageado o outro. Tudo lenta e carinhosamente. Enquanto ela lhe massageava a nuca, e arqueava as costas, toda vez que ele mordia um dos seios. Não chegava a doer. Era excitante demais.

Arthur sorriu ao voltar a olha-la nos olhos. Seus olhos brilhavam, como todas as vezes que faziam amor. Os dela não deviam estar diferentes. Lua sorriu também, lhe acariciando o rosto, sentindo ele afastar suas pernas, e ficar totalmente entre elas, sem dizer nenhuma palavra. Desceu as mãos para a cintura da mesma, e inclinou o rosto, aproximando novamente do pescoço de a Lua, beijando levemente o local, ao mesmo tempo que sentia as unhas dela cravarem em suas costas, no momento em que a penetrava, tão carinhosamente, como ela havia pedido no começo. Mais romântico.

Gemeu baixo, se esforçando o máximo para não fazer um barulho mais alto. E ela logo o seguiu, gemeu tão baixo quanto ele. E mordeu seu ombro, para evitar que um gemido mais alto também escapasse de sua boca. Fazer aquilo tão lento, era tão mais intenso. Que ela não queria que ele parasse de fazer.

Fechou os olhos com mais força, quando sentiu ele marcar mais forte – mas ainda lento – o ritmo. Saindo completamente, e entrando novamente. Não havia outro homem – pra ela – melhor naquilo, do que ele. Seu marido. Sua vista escureceu momentaneamente, quando sentiu ele intensificar o ritmo, mais forte do que antes. E abraça-la pela cintura, apertando-a contra ele, aproximando os lábios do ouvido dela.

– Querida... – Gemeu. – Vou gozar. – Frisou. Fechando os olhos, apertando-a ainda mais. E Lua sentiu quando o corpo de Arthur ficou completamente rígido, e apenas ouvia o barulho da respiração de ambos, e o gemido baixo – e longo – que ele deixou escapar ao chegar ao clímax. Ela o seguiu.

E o céu pareceu bem próximo. Quase podiam tocar as estrelas.

Ele enterrou o rosto no vão do pescoço de Lua, e tentou normalizar a respiração. Seu coração assim, como o dela, batiam rápido demais. Lua relaxou as pernas, e deixou que os braços caíssem ao lado de seu corpo. Arthur logo se mexeu, e saiu – ainda devagar – de dentro dela, lhe dando um selinho. Mas voltou a se deitar sobre a mulher, e lhe acariciar a cintura, levemente.

– A gente precisa fazer isso mais vezes... Assim, desse jeito. – Ele sussurrou, e beijou a bochecha da mesma, que sorriu, tentando se espreguiçar. O que era quase impossível, com Arthur em cima dela. Mas ela não pediu para que ele saísse.
– Uhum... – Murmurou cansada demais parar dar uma outra resposta.
– Uhum... – Ele a imitou. E mordeu o lábio da esposa com um pouco mais de força. – Amo você, linda. – Disse baixo. Lua o mirou.
– Eu também amo você. – Lhe falou também. E olhou para o relógio logo em seguida. – Você tem que vestir uma roupa em 5 minutos. – O lembrou. Arthur bufou, e distribuiu beijos cálidos, seguidos de mordidas por todo colo de Lua. Ela arqueou a costa, gemendo baixo. – Não... Não comece. – Pediu baixinho. Ele riu, e parou com as provocações.
– Vou parar só porque faltam 3 minutos. – Falou saindo de cima dela. – Anie poderia acordar mais tarde, não acha? – Perguntou fazendo uma careta.
– Não. Se não seria quase impossível fazê-la ir pra escola toda manhã. – Lua explicou. E Arthur encontrou a cueca do outro lado da cama, e logo a vestiu.
– Vendo por esse lado. – Ele deu de ombros e voltou a deitar sobre ela, após cobri-la até a cintura com o lençol.
– Pra onde você jogou minha camisola? – Lua perguntou. Arthur passou os lábios pelo pescoço e rosto dela, antes de responder:
– Não lembro, amor... – Beijou uma das bochechas dela. – Provavelmente, deve tá no chão. – Riu.
– Pega pra mim?
– Folgada... – Retrucou. – Você podia ficar assim... – A mirou.
– E o que eu ia responder quando Anie me perguntasse, o porquê de eu estar sem roupas?
– Ora, diz que estava com calor...
– Aham... Muito boa essa resposta. – Disse irônica. – Se toda mulher que sentisse calor, andasse nua por aí... – Arthur a interrompeu.
– Os maridos não perderiam tempo tirando as roupas delas. – Sorriu ao terminar de falar. E beijou os lábios de Lua.
– Arthuuuuur...
– Tá, tá bom. Parei. – Desistiu de provoca-la.
– Então pega minha camisola, amor?
– Vou pegar. – Revirou os olhos se sentando na cama.

Correu os olhos por ali, para ver se encontrava a peça de roupa. A viu ao pé da poltrona, e se levantou, indo até lá. Pegou a roupa e deu para Lua. Que agradeceu lhe jogando um beijo no ar. Pegou a camisola e logo a vestiu. Um minuto depois, a porta foi aberta, e Anie caminhou até a cama dos pais. A menina ficava cada dia mais linda. Era indiscutível os traços cada vez mais vivos de Arthur nela. Os olhos tinham o mesmo brilho que os dele. No fundo era impossível Lua não se sentir enciumada. Sua filha puxara apenas seu gênio, forte – e na maioria das vezes, bipolar. – Quanto mais ela crescia, mais curiosa ficava.

Os cabelos pretos, e lisos, cortado acima da cintura, não tinha nenhum fio fora do lugar, como se ela não tivesse acordado naquele instante. Ela vestia um pijama amarelo, com vários ursinhos dorminhocos, descansando nas nuvens. Sorriu para os pais ao chegar perto da cama. Arthur a ajudou subir na mesma, e ela jogou os braços ao redor do pescoço da mãe, recebendo um beijo carinhoso da mesma. E um carinho nos cabelos, que o pai acabara de fazer.

– Bom dia, meu amor. – Lua disse, lhe enchendo de beijos.
– Bom dia, mamãe. – Respondeu baixo, com o rosto ainda enterrado no pescoço da mãe.
– Eei, e o papai não vai ganhar bom dia, não? – Arthur perguntou cutucando-a. Anie virou o rosto para olha-lo. Lhe deu um sorriso antes de lhe dizer:
– Bom dia, papai. – Falou. E Arthur se inclinou para lhe dar um beijo na bochecha.
– Bom dia, amor. – Ele afastou alguns fios de cabelo que caiam sobre o rosto da garota. – Dormiu bem? – Perguntou e Anie assentiu.
– Mamãe?
– Uhm...
– Quando o papai Noel vai deixar meu presente. – Perguntou ansiosa, olhando fixamente para a mãe.
– Só a noite, amor... Ainda não é natal. – Explicou.
– Vou ver ele?
– Não. Ele só deixa os presentes, quando as crianças dormem. – Arthur respondeu e a menina o olhou.
– Por que, papai?
– Porque sim, filha...
– Mas eu quero ver ele. – Insistiu.

Como explicariam para uma criança, que papai Noel não existe? E que os presentes deixados nos quartos, próximos a cama, eram os próprios pais que compravam e colocavam lá? A magia do natal acabaria.

– Mas se você ficar acordada, o papai Noel não deixará seu presente. – Arthur avisou.
– Mas ele vai deixar, papai?
– Só se você foi uma boa menina durante o ano. Você acha que foi, meu anjo? – Perguntou a ela.

Que com um sorriso sapeca, assentiu. Fazendo os pais rirem. Tinha aprontado todas durante o ano. E Arthur ouviu de Emma:

Que quanto mais os filhos cresciam, mais trabalho davam.

Anie não fazia nenhum esforço para dizer que aquilo não era verdade.

– Então você vai ganhar.
– O que eu pedi na carta?
– Sim, amor... lembra que colocamos na caixinha? Ele veio pegar quando você adormeceu. – Disse. Na verdade, ele tinha pego a carta.

Arthur tinha ajudado a filha com uma carta de natal. E ela havia pedido um urso enorme, branco. Que havia visto no Shopping. Por sorte, ele sabia exatamente qual era. Já tinha comprado, e o presente estava na casa de Sophia. Depois ele daria um jeito de ir até lá, sem a filha saber. E trazer o presente.

Arthur tinha comprado uma bicicleta, presente dele – e não do papai Noel, como Anie acharia que o urso fosse – para a filha, ela já tinha falado o quanto queria uma bicicleta vermelha com rodinhas, porque ela não sabia andar, sem elas ainda. Passou duas semanas repetindo o mesmo pedido.

Lua havia comprado uma coleção de DVD's de vários filmes que a filha amava, junto alguns livros de histórias infantis. A garota amava que os pais lessem histórias para ela. Lua não poderia escolher um presente melhor. Gostava de saber que Anie adorava livros. Embora ainda não soubesse ler.

– Lembro. Tá bom. – Ela sorriu e pulou para o colo do pai. – E eu vou ganhar minha bicicleta, papai? – Perguntou encarando-o.
– Não sei... – Respondeu dando de ombros. – Não tenho tanta certeza que você se comportou bem esse ano. – Disse olhando-a também.
– Me comportei sim. – Ela mesma confirmou. O que o fez rir.
– Então você só vai ficar sabendo quando chegarmos a casa do tio, Harry. – Ele a avisou.

Mesmo relutante – e morrendo de curiosidade, como toda criança daquela idade, e em especial, naquele dia. – Anie concordou com um aceno de cabeça.

Eles passariam a noite de natal, na casa de Harry. Todos eles, inclusive a mãe e o pai de Lua e Sophia. A mãe do Harry. Sophia, Micael e a pequena Lívia, de apenas 7 meses. Mel, Chay e pequeno Ethan, que havia completado 7 meses, quatro dias antes – Sim, ele e a prima haviam nascido no mesmo mês. Ela, uma semana antes dele. – Marie, a atual namorada de Harry, já estavam juntos a 5 meses, e não é que o relacionamento estava durando?! E outros amigos próximos a eles, como John (empresário e produtor da banda) e Grace, sua esposa, junto com as filhas do casal Julia e Katherine.

Carla e Carol haviam ido passar o natal com a mãe, como sempre faziam. Voltariam apenas na segunda semana de janeiro. Já que Lua, Arthur e Anie, passariam ano novo em Sydney, Austrália. Junto com Harry e Marie. Assistiriam ao show pirotécnico da queima de fogos, na baía de Sydney, em um navio e Anie estava eufórica com a novidade. Era a primeira vez que ela viajaria com os pais pra fora de Londres.

– Então vamos tomar um banho agora, amor? – Lua perguntou se sentando na cama, ciente de que estava somente de camisola. E pedia internamente para que a calcinha não estivesse a mostra no chão do quarto. Arthur passou o braço ao redor da cintura da mulher, impedindo que ela se levantasse da cama.
– Não, Luh... Fica aqui mais um pouco. – Pediu baixo, enquanto segurava a filha com o outro braço.
– Nada disso. Você também tem que levantar e ir tomar banho. – Lua disse segurando a risada. – Vamos, Arthur! Me largue! – Ela bateu no braço dele, para que o marido a soltasse.
– Lua, tá frio. Caramba! Muito frio, embora minutos atrás estivesse pegando fogo... – Lua o interrompeu.
– Pode parar! Pode, pode... – Tapou a boca dele com uma das mãos. – Sua filha tá aqui. – Ela bateu nele com a mão livre.
– Ei, ei... – Ele tentou se esquivar. – Eu... Eu não falei nada demais... Lua! – Exclamou rindo.
– Vem filha! – Lua pegou a menina no colo. – Vamos tomar banho. – Completou.
– Tá, eu deixo vocês irem tomar banho primeiro. – Arthur retrucou divertido.
– É claro que a gente vai primeiro! – Lua exclamou óbvia. E lhe lançou um olhar de “E tente provar ao contrário...”
– Pelo visto eu só mando mesmo na hora do vamos ver... – Comentou.
– Nem sempre. – Lua retrucou.
– Ainda tem isso... Nem sempre. – Ele lamentou. O que fez Lua rir.
– Vamos ver o que, papai? – Anie perguntou curiosa, e completamente inocente do sentindo que as palavras do pai soaram em provocações para a mãe.
Ver as estrelas... Eu literalmente vi estrelas. – Falou enterrando o rosto entre as cobertas. Lua balançou a cabeça negando, e Anie riu vendo o pai lançar a elas, um sorriso lindo. – Não demora, amor. Tô com fome. – Reclamou.
– Eu também tô com fome, mamãe. – Anie comentou.
– Vou fazer alguma coisa gostosa pra gente comer, tá linda? – Anie assentiu.
– E que Deus olhe por nós, né filha? – Arthur zoou. Fazendo a filha rir, mas logo abraçar a mãe.

Lua não era boa na cozinha, e disso todos sabiam. Mas ela vinha se esforçando bastante para que pelo menos, a filha não morresse de fome quando Carla viajasse. Havia comprado até uns livros de receita, o que fez Arthur lhe encher o saco, com o tanto de piadas que fez sobre isso. O que sempre acabava com ela extremamente irritada e zangada, e sem fazer receita alguma, na maioria das vezes. E ele lhe pedindo mil desculpas. E prometendo que não zoaria mais. Mas isso durava até ele vê-la com os livros em mãos novamente. E começava tudo de novo.

– Se você começar, vai ficar com fome! – Lua avisou. Arthur segurou o riso, e lhe jogou um beijo.
– Não vou começar, amor. Desculpa. – Pediu sincero. – Mas eu tô com fome. – Ele se levantou. – Vou tomar banho no outro banheiro. – Disse passando por elas, para pegar a toalha. – Não demorem! – Pediu saindo do quarto. E Lua entrou no banheiro com Anie.

*

– Filha? – Lua gritou da cozinha.
– Oi, mamãe. – A menina respondeu. Estava sentada no sofá, assistindo TV. Arthur descia a escada, jogando vários beijos para a filha, que fechou os olhos, como sempre fazia, para logo depois, jogar beijos para o pai também.
– Você quer comer waffle? – Perguntou ao ver que Anie adentrava a cozinha.
– Quero. – Respondeu puxando uma cadeira para se sentar.
– Waffle? Olha só, amor... Tá evoluindo! – Riu se sentando ao lado da filha. – Daqui a pouco tá virando uma chefe de cozinha. – Finalizou dando um leve empurrãozinho na filha. – Né, amor? – A menina assentiu lentamente.
– Não começa. Ou eu não vou fazer mais nada. E vocês vão ficar sem tomar café. Pronto! – Disse indo pegar os ovos e a farinha.
– Você vai fazer isso até com a sua filha? – Arthur perguntou fingindo incredulidade.
– Se ela continuar concordando com você, sim. E tenho certeza que você não deixará ela com fome. – Concluiu fitando os dois.
– Ao contrário de você, não. – Ele abriu um largo sorriso – provocativo.
– Você podia fechar essa boca por um tempo, e vim me ajudar, que tal? – Sugeriu.
– Em que eu poderia ajudá-la, por exemplo?
– Uhm... Podia pegar o leite... – Lua disse entretida misturando os outros ingredientes.
– Isso eu prefiro fazer mais tarde... – A voz carregada da mais pura provocação. E Lua teve vontade de socá-lo. – Só eu, e você. – Finalizou, lhe beijando o ombro.
– Sai. Daqui. – Lua pediu pausadamente. E Arthur riu.
– Parei, Luh. Sério. Tá aqui. – Ele colocou o leite sobre o balcão. – Quer mais alguma coisa?
– Não. Obrigado. – Disse por fim.

Arthur se afastou, indo para a sala. Já tinha começado a irritar a mulher, e era melhor parar, ou iam acabar discutindo. Mas vê-la fazendo uma receita, era bem engraçado. Ela falava e xingava sozinha quando não dava certo. E nessas horas, era melhor ele ficar bem longe mesmo, para a segurança de todos.

Quase 45min. despois Lua chamou os dois para tomarem café, e não é que o waffle, tinha ficado bom. E Arthur foi obrigado a retirar o que disse, e elogiar a mulher.

A manhã passou voando, e Arthur ajudou Lua a preparar o almoço, já que com a véspera de natal, o trânsito não ajudava muito para que saíssem de casa, para almoçar fora. Fizeram um arroz de forno, e Arthur teve que aceitar as piadas da esposa, porque de tanto implicar com ela, acabou esquecendo o arroz no fogo, e quase o deixou queimar. Mas no final, tudo deu certo, e para a surpresa de todos – eles nunca haviam feito um arroz de forno na vida – a comida estava cheirosa, e o mais importante, deliciosa.

*

A tarde tinha chegado. Anie estava com a mãe na sala assistindo a um programa de auditório, que falava sobre o natal, e tinha um papai Noel. Lua sentiu falta de Arthur quando olhou para o outro sofá, e o marido não estava. Talvez ele tivesse ido dormir. Anie seguia rindo das coisas engraçadas que passava na TV. E Lua já sentia suas costas doerem, resultado da posição que se encontrava deitada no sofá.

Era perto das 18h30, quando Lua se levantou do sofá, deixando a filha ainda assistindo o programa. E foi para o quarto, onde Arthur não estava. Entrou no banheiro, e também estava vazio. Desceu os degraus da escada e foi para o escritório, onde o encontrou deitado no sofá, fitando o tento, longe demais para perceber a presença dela ali.

Lua caminhou até o sofá, e se abaixou, levando uma das mãos até o rosto de Arthur, que se espantou ao vê-la ali.

– Aconteceu alguma coisa? – Lua perguntou calma, enquanto contornava o rosto dele com a ponta dos dedos.
– Não. Por que tá e perguntando isso? – Sorriu beijando a mão dela, quando a mesma passou pelos lábios dele. Lua deu de ombros.
– Sei lá... Está quieto, e meio looonge... – Ela continuou com a voz calma, prolongado a última palavra.
– Hey, eu já zoei o que pude, com você hoje. – Ele a lembrou. Lua riu.
– Eu sei, e não é disso que tô sentiu falta não...
– Aah! Pensei que era. – Fingiu lamentar. Recebendo um tapa da mulher.
– Você só gosta de me bater. – Reclamou fazendo bico.
– Coitadinho dele... Ooh... – Lua ironizou.
– Vem aqui... – Ele a chamou, e Lua se apoiou com os joelhos no chão, e inclinou o corpo sobre o do marido. Deixando o rosto próximo ao dele. Arthur levou uma das mãos para a cintura da mulher, e a outra ele subiu para a nuca dela. Lua segurou os braços de Arthur com as mãos, apertando-as cada vez que ele aproximava ainda mais os lábios dos dela. – Daqui a algumas horas é natal. – Sussurrou e Lua assentiu. – Esse ano a gente vai passar junto... – Continuou, agora roçando os lábios nos dela. – Completamente junto... Você me entende? – Perguntou baixo.
– Eu entendo, amor...
– Era nisso que eu estava pensando. Há um ano, achei que tinha perdido tudo. – Ele lhe deu um selinho. – Mas agora você está aqui de novo. – Sorriu. E Lua o beijou. – Vocês. – Corrigiu.
– Estamos. – Lua disse ao ouvir que Anie acabara de entrar no escritório.
– Sim, estão. – Ele jogou um beijo pra filha, que sonolenta, nem retribuiu. Se aproximou da mãe e sentou-se em seu colo, colocando a cabeça sobre o ombro da mesma, que levou as mãos, lhe acariciando os cabelos.
– O que a mamãe falou hein? Eu disse que era pra dormir a tarde. Agora está com sono, e já quase na hora de tomar banho, para se arrumar.
– Quero dormir... – A garotinha bocejou. – Só um pouquinho, mamãe. – Pediu. O que fez Arthur soltar um riso baixinho.
– Vem aqui, meu anjo. – Ele a chamou. Ele se levantou, deitando no sofá junto com o pai. – Durma, ok? Depois a gente te chama. – Ele lhe depositou um beijo na testa da filha.
– E você vai acordar sem manha, tá bom? – Lua disse.
– Tá bom, mamãe.  – Anie concordou. E logo em seguida, fechou os olhos, em menos de 5 minutos, já havia adormecido.
– Não quis dormir de jeito nenhum mais cedo. Falei que ela ficaria com sono mais tarde. – Lua comentou com Arthur, enquanto observava a filha adormecida.
– Ainda é cedo... Da tempo dela tirar um bom cochilo. – Arthur disse baixo. – Luh?
– Uhm...
– Eu ainda nem vi que roupa vou vestir. – Lua o mirou.
– Não acredito, Arthur! – Falou com uma voz de repreensão. – Depois você fala que sou eu quem demoro.
– Você podia escolher.
– Depois não reclame. – O avisou.
– Eu nunca reclamo. Você tem bom gosto. – Respondeu simplesmente. E Lua se levantou.
– Vou lá escolher então...
– Também vou. – Ele disse se levantando devagar, com a filha no colo. E logo chegaram ao quarto. Arthur colocou a menina na cama, ela se ajeitou, fazendo um bico fofo depois de encontrar a posição certa para dormir. Fazendo os pais rirem baixinho. – Esse bico dela é a coisa mais fofa, amor. – Arthur comentou.
– Acho que alguém o faz também... – Lua comentou distraidamente.
– Também acho que alguém o faz. Só que esse alguém não é nada inocente, como a minha filha é. – Arthur pontuou. E abraçou a esposa por trás. Arrancando um riso divertido dela. – E você? Já sabe qual roupa usar?
– Já.
– E qual vai ser?
– Segredo. Mas você vai amar. – Comentou fazendo mistério.
– Eu sempre amo, linda. Você sempre arruma um jeito de me matar um pouco mais do coração, cada vez que fica vestida pra matar. – Frisou. Beijando a mulher no pescoço.
– É?
– É. – Afirmou se afastando dela. Para que Lua escolhesse uma roupa para ele.
– Aah! – Lua exclamou feliz, ao avistar um de seus biquínis, que na visão de Arthur, eram pequenos demais. E na dela, normais. – Mal posso acreditar que depois de Sydney, vamos para o Caribe. – Disse feliz. – Vai ser a melhor viagem que poderíamos fazer, você não acha?  – Ela se virou para olha-lo.
– Claro que sim. Mas... – Ele fez uma careta. E Lua o encarou.
– Mas? Aah, Arthur! Vão ser os melhores três dias de nossas vidas. – Revirou os olhos. – O que pode dar errado?
– Só de pensar em Caribe, me lembro de praia... – Lua o interrompeu.
– Óbvio. E é por isso que estamos indo pra lá. Dãã...
– Como eu ia dizendo – Ele enfatizou. – O que me faz lembrar de seus biquínis... o que me leva a ficar morrendo de ciúmes. Lua! – Exclamou fazendo um bico.
– Aah! Nem começa. Nem. Começa. – Repetiu pausadamente. – Todas as mulheres vão estar de biquínis. E eu duvido que você não vá olhar se uma gostosona passar do teu lado. D-u-v-i-d-o!
– É diferente. Você é minha mulher. E os outros vão olhar. – Reclamou.
– E daí?
– E daí? Lua, e daí que eu não quero, ora...
– Me poupe, Arthur. Acho que vou comprar um biquíni novo. – Comentou.
– Podia comprar um maiô. Eu não me importaria. Ou um biquíni maior. – Sugeriu.
– Pois é, mas eu não vou comprar. Odeio marcas grandes, e você sabe... – O lembrou distraidamente.
– Não diz isso... – Ele fingiu desespero. – Me faz lembrar o quão irresistível você fica. Ainda mais irresistível. – Frisou. Virando-a de frente pra ele. – Não quero que outro homem pense isso ao ver você com um biquíni minúsculo, e fio dental pra completar meu ciúme. – Falou. Fazendo Lua segurar o riso.
– Deixa de ser bobo... Você vai tá lá, e sei que não vai tirar os olhos de mim. – Ela lhe deu um selinho, mordendo o lábio inferior dele depois. – E isso me deixa feliz. E além do mais, eles vão só olhar... e você vai poder tirar o biquíni depois, quando estivermos sozinhos. – Ela sussurrou próximo ao ouvido dele. O que fez Arthur aperta-la contra o corpo dele.
– Vou?
– Aham... E depois vai ver se a marca ficou... uhm... pequena... – Continuou surrando. Fazendo Arthur se arrepiar.
– Aah, Luh! Não faz isso comigo. – Ele gemeu. E Lua soltou um riso baixo.
– Mas agora, você vai se acalmar. Que eu vou procurar uma roupa, e depois tomar um banho. Que 20h30 a gente sai daqui. Ok?
– A gente pode tomar banho junto?
– Não. Porque você não vai querer tomar – Enfatizou – banho. Você poderia tomar logo um. Ouvi dizer que banho frio ajuda. – Comentou
– Não no meu caso. – Ele debochou. – O que me ajuda é você, sem roupa, na cama comigo. Só isso ajuda, amor. – Falou com a voz rouca. Extremamente sexy. Fazendo Lua se arrepiar só com aquelas palavras.
– Que pena então... – Ela tentou se manter firme. E Arthur riu.
– Pra nós dois né? Ou você acha que essa resposta vai me convencer de que você não tá excitada? – Perguntou baixinho.
– Não estou. Pronto.
– Aham... Não mesmo? – Ele se aproximou dela. Vendo seus pêlos se eriçarem. – Acho que você está mentindo. – Murmurou lentamente.
– Hoje você tá impossível! – Exclamou se afastando dele.
– Tô mesmo. Admito. Mas ok, não vou mais provocar você e vou tomar banho e tá?
– Tá.
– Não esquece de ver minha roupa. – A lembrou caminhando para fora do closet.

E Lua voltou a procurar uma roupa para o marido. Arthur não demorou mais de 20min. no banho, e logo apareceu com uma toalha enrolada na cintura, e os cabelos pingado água, jogados para trás. Encontrou a mulher sentada no pequeno sofá que ficava no closet, distraída demais para reparar que ele havia acabado de entrar ali.

– Achou? – Perguntou baixo. Despertando-a de qualquer devaneio que ela estivesse tendo naquele momento.
– Sim. – Ela respondeu. E apontou para a peça de roupa ao lado. Que ele não tinha notado.
– Obrigada. – Ele agradeceu, pegando a roupa logo depois. – Eu gostei. – Comentou, tirando a toalha e vestindo a cueca, Lua o encarou. Sem vergonha. Pensou. E lindo. – O que foi? – Arthur perguntou ao ver que a mulher o olhava fixamente.
– Apenas observando o quão sem vergonha meu marido é... – Ela respondeu sorrindo ao finalizar a resposta.
– E eu deveria ter vergonha por quê? Se você já viu tudo... – Disse distraidamente, vestindo a calça comprida preta, que ela havia escolhido. – Ficou constrangida? – Perguntou divertido.
– Como você mesmo disse, eu já vi tudo. Não, não fiquei constrangida. Isso não tem mais esse efeito em mim. – Se levantou jogando um beijo no ar para o marido. Que soltou uma gargalhada.
– Desdenha mais não vivem sem. – Pontuou se gabando. O que fez Lua rir, parando ao lado da porta e o encarando.
– Eu vivo, mas já você... – Fingiu lamentar, fazendo um bico. – Eu acho que não, né? – Negou com a cabeça. – Isso é lamentável, Aguiar.
– Sim. Bastante lamentável, e não só pra mim, linda. – Disse sério, colocando o cinto. Lua riu alto.
– Você se acha! – Exclamou.
– Eu posso. – Ele deu de ombros.
– Eu vou acordar a minha filha, antes que a gente se atrase.

Lua mudou de assunto, antes que a conversa se intensificasse mais e mais. Arthur assentiu, com um sorriso presunçoso nos lábios. E seguiu Lua de volta para o quarto. Ela andou até a cama, sentou-se na mesma, e se inclinou, beijando levemente a bochecha da filha.

– Amor, acorda. – Falou baixinho. E a menina se mexeu, e abriu lentamente os olhos. – O que a mamãe disse?
– Eu já acordei, mamãe... – Anie murmurou sonolenta. Arthur sorriu sentando na cama, já vestido, faltava apenas calçar os sapatos.
– Hey, dorminhoca! Se você não se espertar, acho que vai ficar... – Cutucou a menina, que se encolheu no colo da mãe.
– Vou não, né mamãe? – Perguntou dengosa, enterrando o rosto no pescoço da mãe.
– Não, filha. A mamãe não vai deixar você. – Afirmou. E a menina se mexeu no colo dela, virando o rosto para o olhar para Arthur. E lhe mostrou língua, logo em seguida. Fazendo todos rirem.
– Eeeei mocinha... – Ele começou a fazer cócegas na filha.
Minha mamãe não vai me deixar. – Ela quase cantarolou, ao mesmo tempo que tenta se livrar das torturantes cócegas que o pai lhe fazia.
– Vai deixar sim... Lá lá lá... Ela tá mentindo pra você. – Ele retrucou implicante, se divertido com o bico zangado que Anie sustentava. – E ela vai comigo e você vai ficar...
– Vai não.
– Vai sim.
– Não!
– Sim!
– Mamãe...
– Seu pai é muito implicante, amor. – Lua falou se levantando com a filha no colo.
– Hey, Anie! – Ele a chamou. A menina se virou para olha-lo. – A sua mamãe – Ele frisou a última palavra – Vai comigo.
– Não dê ouvidos a ele, hoje seu pai tá pior do que uma criança de dois anos, IMPLICANTE! – Gritou.
– EU POSSO GARANTIR QUE MAIS TARDE VOU SER TUDO, QUERIDA. MENOS UMA CRIANÇA, E VOCÊ VAI LITERALMENTE, CALAR A BOCA! – Ele gritou de volta, rindo logo em seguida.

Lua demorou quase 30min. no banheiro, banhando Anie e tomando banho também. Enrolou a filha em uma toalha, e depois pegou uma, se enrolando também. Quando saiu, do banheiro, Arthur estava deitado na cama, assistindo TV. E rindo de alguma bobagem que o apresentador falava.

– Falta menos de 1h, linda. Bem menos. – Arthur lembrou a esposa, mas sem tirar os olhos da TV.
– E você nem calçou os sapatos ainda. – Lua o repreendeu. – Olha a camisa, por que desabotoou?
– Gasto menos de 10min. para abotoar a camisa e calçar os sapatos. – O avisou. – Já você, ainda tem que vestir a Anie, se vestir, arrumar o cabelo da Anie, arrumar o seu cabelo, calçar o sapato dela, calçar o seu. Se maquiar, meu Deus, isso demora, e como demora. – Foi numerando nos dedos enquanto falava. – E ainda tem a audácia de vim dar indireta de que talvez vamos nos atrasar, por minha causa? Oh’ nem vem, Luh. – Ele a encarou com aquele sorriso que a tirava do sério, e não era no bom sentido. Lua mostrou a língua para o mesmo e saiu, indo para o quarto da filha.

O vestido da menina estava em cima da cama, era vermelho, longo, e um pouco rodado, tinha um laço na frente. E Lua riu ao vê-lo. Podia se dizer que era quase raro ver Anie vestida assim, mas o vestido era lindo. Ela não podia negar. Tinham comprado no início do mês, e própria garotinha, tinha o escolhido. Despois de aceitar que não podia usar uma bermuda jeans, camiseta e um all star, na noite de Natal. Quando todos estariam impecavelmente vestidos para um jantar.

A sapatilha era preta, com um laço da mesma cor, na ponta. Sem dúvidas, a menina ficaria – ainda mais – linda vestida com ele. Lua a enxugou, e lhe vestiu a roupa, junto com a meia calça rosa-bebe. Lhe calçou a sapatinha. E penteou os cabelos da filha.

– Vou fazer uma trança, tá meu anjo? – Lua perguntou para a menina, que assentiu balançando freneticamente a cabeça. – Uhm... Que tal uma assim? – Perguntou pegando os cabelos da menina, e colocando para o lado. Mostrando que faria uma trança de lado.
– Mamãe?
– Oi, filha. – Lua virou a menina de frente para ela, e esperou que ela começasse a falar.
– Faz uma igual em você também... – Pediu brincando com os dedos.
– Uma o que, amor?
– Uma trança. – Esclareceu. E Lua sorriu.
– Aaah! Você quer que eu vá com o peteado igual a você é? – Puxou a filha para um abraço. – Hein? Hein? – Cutucou a menina, lhe enchendo de beijos logo depois.
– Paaaaraaaaa, maaaaamãããee... – A menina gritou divertida.
– LUUUH! VEM AQUI, AMOR! – Ouviu Arthur gritar. Ele não tinha nem se dado o trabalho de sair do quarto.
– ESPERA UM POUCO! – Lua gritou de volta. – Vem, meu amor. Deixa eu fazer a trança então. – Ela virou a menina de costas pra ela. – Depois você vai esperar eu e seu pai, sentadinha lá na sala, ok? – Disse e a menina concordou. – Não quero que você amasse esse vestido e muito menos, suje. Quero ele impecável pelo menos até as 23h, ok? – Sofreu só de imaginar que talvez ele não durasse limpo nem até as 21h.
– Tá bom, mamãe.
– Que bom. – Falou terminando a trança, e prendeu com uma liga fina, preta e depois prendeu com um grampinho em formato de coração. – Pronto, amor. Agora vá lá pra sala, que eu me arrumar agora, tá? – Disse e Anie concordou, saindo do quarto com a mãe.










Lua caminhou para o quarto, e Anie desceu a escada indo para a sala, como a mãe havia mandado. Arthur estava sentado na cama, inclinado para a frente, calçando os sapatos.

– O que você queria? – Perguntou fechando a porta do quarto. Arthur levantou a cabeça para olha-la.
– Liguei para a Sophia, vou deixar vocês na casa do Harry, e vou na casa dela. Pego o presente e venho deixar aqui em casa, depois volto para encontrar vocês, tá? – Disse.
– Ok. Mas a Anie vai querer ir, você sabe. – Lua falou tirando a toalha enquanto caminhava para o closet. Abriu uma das gavetas e pegou uma lingerie azul escura. Da cor do vestido longo e sapato de salto, que usaria aquela noite.
– Eu quase perdi a linha de raciocínio aqui, mas ok. – Arthur comentou. – Então, voltando ao assunto... Eu vou dizer que irei buscar os seus pais, o que não deixa de ser verdade. – Deu de ombros e se levantou. Lua voltou para o quarto.
– Fecha aqui, Arthur. – Pediu se virando para ele. Arthur se aproximou da mulher, para fechar o fecho do sutiã.
– Uhm... – Murmurou. – Minha especialidade e abri-lo. – Disse rindo, ao depositar um beijo no ombro nu da esposa.
– No momento, quero que faça esse esforço. – Riu tirando as mãos dele de sua cintura. – Agora eu vou me arrumar. – Lua lhe jogou um beijo no ar.

Continua...

Se leu, comente! Não custa nada.

N/A: Sei que não importa quantas desculpas eu peça aqui, vai fazer vocês não quererem me maaaataaar. Mas sério, eu passei as últimas duas semanas tentando terminar as duas fic’s de natal, a tempo. Só que não funcionou, e eu me enrolei toda. Acabei ficando sem tempo, porque tinha que ajeitar umas coisas aqui (que não tinham nada a ver com fics) E a Brenda, sabe o quanto eu realmente tentei acabar a tempo, e sei que daqui a menos de 23h (para alguns) já é 2016. Mas pra mim, ainda é dia 30. E dezembro ainda não acabou, e a intenção é que importa né?

Eu espero que vocês tenham gostado, como viram, é a 1ª Parte. Sério, foi (e está sendo) escrita com muuuuuito carinho, e eu me diverti muito escrevendo-a e espero que se divirtam também.

O que acharam do look da Little Anie, hein? Eu amei!

Bom, não me abandonem, tá? Eu amo vocês. E espero que 2016 resolva meus problemas com as datas e horas hahaha porque eu sofro com isso.

Me desculpem, mais uma vez. E não esqueça, falta a 2ª Parte. Digam o que acharam dessa primeira.

Beijos...

18 comentários:

  1. Ahhhhh que lindo vaca, ainda não tinha lido algumas partes que tu postou agora. Sério, estou viciada já, ta ficando maravilhosa e um amorzinho <3 Você sabe o quanto, eu amo Little Anie, e ter um capítulo especial assim de natal, eu fico mais apaixonada ainda!!! *-* Vou te matar um dia, por me viciar tanto em suas fics kkkkk brincadeira amiga
    Verdade, eu entendo você e sei o quanto você ficou agarrada, tentando terminar de escrever as fics de Natal. Não se preocupe com isso. A hora que você postar é essa mesmo, mana.
    Enfim, já estou a espera da Segunda Parte. E como você já sabe, eu estou AMANDO!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amiga linda. Vulgo, vaca S2 haha...
      Sei sim, amiga. e o quanto és viciada também haha Mas confesso, amo saber que gostam tanto dessa história assim. (porque eu tô demais apegada da conta com ela, e quando penso no The End, dói o coração. Choremos!)Esse especial tá acabando comigo em todos os sentidos haha eu amo, me emociono, acho mó graça, e (emoji de carinha pervertida nas partes hots e provocações) Deixa em of'

      Oooou, vaca (quem diz tu mesmo) Se me matar, não lerá mais fics minhas, bjs haha E ah! Não tenho culpa haha S2

      Pois é, eu tentei... mas não deu tempo... MAS vou tentar a todo custo postar a segunda hoje! E vou conseguir, amém! \Q/ Aaawn! Que bom, o que importa é vocês gostarem. E a demora valer a pena.

      Beijos...

      Excluir
  2. Amei realmente um capítulo muito especial <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Fico feliz que tenha gostado dessa 1ª Parte, Gaby!

      Beijos...

      Excluir
  3. Little Anie já é apaixonante, vc vem e posta um especial ainda *--*. Entendo que deve ser difícil escrever, tem hora que a criatividade não vem de jeito nenhum.. Já quero a segunda parte :)
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooow, Helena. Muito Obrigada! Eu também estou apaixonada na fic em si, e essa ideia de Capítulo especial só fez eu me apegar ainda mais a essa história.

      Sim, porque nem todos os dias são bons. E a gente tem outras coisas para fazer, para se preocupar. E eu estava escrevendo duas fis ao mesmo tempo, e isso deu uma confusão danada, porque eu me atrapalhei e atrasou tudo.

      Já, já eu posto :D

      Beijos!

      Excluir
  4. Simplesmente perfeito.Muito provocadora a Lua,não?hahahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha os dois amam se provocar, essa é a verdade. Obrigaaadaa!!!

      Beijos!

      Excluir
  5. Lindooooooooooooooo, Arthur e Lua como sempre fofos, e Anie essa fofura em criança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Silvia! :D Arthur e Lua são uns amores <3 Aaah e Anie, nossa as vezes acho que ela quase existe, de tão fofa que é (chego a esquecer que ela é fruto da minha imaginação haha)

      Beijos!

      Excluir
  6. Super perfeito,rsrs,anciosa pra segunda parte,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Anna. Já, já eu posto a 2ª Parte.

      Beijos!

      Excluir
  7. Perfeito milly esse capítulo,as provocações entre eles são as melhores e torna o capítulo engraçado e a Anie é a coisa mais fofa e eu amei o look dela pra falar a verdade eu amo tudo nessa o web,com certeza é a melhor de todas!!!
    Parabéns
    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Carol :D

      Hahaha as provocação, amooo escrevê-las. Ri muito ao decorrer dessa história. Me diverti bastante com esse capítulo. E pelo visto, vocês também, e isso me deixa feliz! Anie é a criança mais fofa, nossa... TÔ a p e g a a a d a a ! Nessa fic demais <3 O look é a coisa mais linda, eu amei também.

      Ooow! Muito obrigada, fico feliz em saber disso.

      Beijos!

      Excluir
  8. Lindossss de maisssssssas!!! Amooo essa web!!anciosa pelo próximo, vai posta o look da lua?

    ResponderExcluir