Uma Linda Mulher - 2ª TEMP. | CAP.82

|


Uma Linda Mulher - 2ª Temporada





Capítulo: 82

Lua estava completamente perdida, amanhã assumiria a presidência da Venturini, as especulações por mais abafadas que eram ainda eram feitas, mais nada disso a abalaria, porque Lua sabia que não era uma prostituta. A porta da sala se abriu e seu coração deu um salto, sentiu o perfume de longe, era Arthur, ela mudou o canal da televisão para um desenho no qual as cores coloridas chamaram a atenção de Linda, que sentou se em seu colo com o olhar fixo na televisão. Arthur sabia que eles já haviam chegado, havia falado com Gabriel e Nelita no meio da tarde, afastou os cabelos dos olhos coçando o cavanhaque, alargou a gravata vermelha de seda que combinava perfeitamente com seu maravilhoso terno azul marinho bem escuro, ele estava irresistível, não que ele soubesse, mais todas sabiam, no último mês, o "imperador" parecia ter adquirido mais alguns anos de experiência, e não havia um único homem ou uma única mulher, que não respeitasse seu nome. Colocou a pasta no chão caminhando até a sala de televisão, e lá estavam elas, abriu um sorriso ao ver Linda, e sentiu vontade de a agarrar com força e jamais soltar, Lua mirava a televisão, mais ele sabia que ela não via realmente nada, seu olhar fixo denunciava que sua cabeça fervilhava em pensamentos.
Lua – Boa noite, Arthur. – se virou o olhando nos olhos e ele retribuiu.
Arthur – Boa noite, Lua... – ela congelou, ele congelou, Arthur se aproximou do colo dela, Linda arregalou os olhos o olhando e logo depois abriu um sorriso que descongelou qualquer reversa que Arthur tinha em seu interior. – Olá, minha criança… – a abraçou, e Linda começou a faladeira e seus gritinhos de excitação movendo os braços e as pernas sem parar. – Quanta animação, tudo bem, eu concordo com você… – franziu a sobrancelhas sorridente a olhando. – Eu também senti saudades… - Lua engoliu seco se levantando, caminhando até a cozinha, abriu a geladeira bebendo um copo de água, debruçou se sobre a pia fechando os olhos.
Arthur colocou a deitada no pequeno chiqueirinho, ao lado do sofá, cheio de bichos de pelúcia e brinquedos fofos, Linda logo se distraiu com algo da cor vermelha, a que mais chamava sua atenção.
Arthur – Ela está maravilhosa… – Lua abriu os olhos de imediato sem se virar.
Lua – Sim, os dois estão, Gabriel quase não dormiu…
Arthur – Sim… – foi tudo o que ele respondeu antes de se virar, desabotoando os botões da camisa subindo as escadas. Caminhou direto para o quarto de Gabriel, sentou se na cama do menino lhe dando um beijo na testa. Gabriel abriu os olhos e assim que viu o pai abriu um sorriso, o abraçando com força e orgulho. Sentia saudades, sentia tantas saudades. – Tudo bem campeão? - Gabriel assentiu, estava meio sonolento. – Que bom, amanhã cedo nos vemos, ok? - O menino voltou a concordar. – Durma com os anjos, amo você.
Gabriel – Eu também te amo… – voltou a se deitar fechando os olhos, e um suspiro adormeceu completamente. Arthur sorriu, fechou a porta, saindo do quarto, viu que a televisão havia sido desligada e que o quarto de Linda estava aberto, entrando no mesmo descobriu que Lua lhe trocava a fralda, e em uma traição seus olhos escorregaram por ela. Pelos cabelos sedosos e com toda certeza com um novo corte, com o corpo já em perfeita forma, vestia uma calça jeans e uma camiseta com alguns botões colada ao corpo, seu rosto era claro e corado, nada daquela palidez, das orelhas fundas e os lábios sem cor, estava normal, e parecia recuperada, mais ela não estava. Havia visto em seus olhos e que Deus permitisse que ela não descobrisse que ele também não estava.
Lua – O que foi? Vai chorar? – perguntou a filha que fazia um bico em quanto a mãe lhe abotoava os botões do macacão quentinho de dormir. – E diga me o porque que você vai chorar? – a pegou no colo – Sabe de uma coisa, o que acha de dormimos? Aqui nós duas coladinha, amanhã é meu grande dia filha, preciso descansar… – sorriu com mais protestos da parte da filha. – Está brigando comigo sua maluca? – Linda abriu um sorriso, Lua havia notado que toda vez que ouviu a palavra maluca Linda largava a sorrir.
Arthur – Pode ir dormir, eu fico com as coisas por aqui... - Ela se virou tomando um baita susto, seu olhar se baixou rapidamente, sabia que ele estava a morrer de saudades dos filhos, nada mais justo do que ela aceitasse.
Lua – Tudo bem… – mirou Linda, a entregando a Arthur, logo depois de um beijo na testa da filha saiu do quarto. – Boa noite… – disse já do corredor e não obteve respostas. A roupa estava perfeitamente separada em cima da poltrona de couro preto, havia estudado a situação da Venturini durante toda a semana. "Se acalme Lua, está tudo sobre controle…"
Deitou se após escovar os dentes, pela primeira vez se separaria de Linda durante um longo período, o combinado seria que ela fizesse uma hora de almoço em casa, para que a pequena não sentisse tanta falta. Gabriel iria para escola de costume, tudo ficaria bem, deitou se tirando o robbie, a camisola preta e curta grudava em seu corpo, todos os quilos que havia emagrecido naquela maldita semana já estavam recuperados e pela primeira vez ela se sentia bem, e completamente vazia. Deitou se na cama com os cabelos presos em um rabo de cavalo alto, e pareceu adormecer, porque tudo estava completamente silencioso quando ouviu o barulho do chuveiro, abriu os olhos rodando confusa a cama, os voltou a fechar se arrumando na cama, então a porta do banheiro se abriu e em menos de cinco minutos Arthur estava na cama ao seu lado, e como se o universo girasse contra a ela o calor de seus corpo entraram em contato e seu corpo formigou completamente. Engoliu a saliva respirando fundo.
Arthur – Amanhã terá uma reunião…
Lua – Eu sei… – Droga, agora ele sabia que ela estava acordada.
Arthur – Que seja, boa noite Lua. – se virou para o lado fechando os olhos.
Lua – Arthur… – seus lábios sussurraram após alguns minutos e ele voltou a abrir os olhos mirando a escuridão. Lua respirou fundo sentindo seus lábios trêmulos, provavelmente ele já estaria dormindo, virou se respirando fundo, acordaria em poucas horas, Linda precisava se alimentar.
Lua voltou a fechar os olhos, mais o sono parecia ter se perdido dela. O relógio deu três da manhã, e antes de se levantar percebeu que Arthur não estava na cama, ouviu pequenas vozes do quarto da filha, ele já havia se levantado, voltou a se deitar levando a mão sobre os olhos, com o coração ainda acelerado voltou a adormecer...
-
Gabriel – Mamãe, você está linda… – Lua sorriu entregando o copo de leite quente para o filho, jogando um beijo para Linda que estava no colo de Nelita tomando sua mamadeira silenciosamente.
Lua – Obrigada, querido. – o beijou na testa – Ok, já conversamos sobre a nossa rotina diária até as 5 da tarde não é? Mamãe não tem com que se preocupar certo filho?
Gabriel – Certo! – Gabriel mais uma vez observou sua fonte mais preciosa de veneração, sua mãe, estava sobre um sapato alto preto de bico fino, um Scapin como as mulheres chamavam, uma calça preta social com vinco perfeito que tinha um caimento estupendo em seu corpo, uma camisa social branca de gola média com uma faixa grossa de cetim preta passava em sua cintura e um cinto perfeitamente confeccionado ligava uma ponta a outra delineando sua cintura, sua pasta preta estava em cima da mesa, seus olhos estavam perfeitamente maquiados e seus cabelos soltos em um liso quase que natural, sua mãe era linda e lhe doía o coração se lembrar dela alguns meses atrás.
Lua – Querido? – Gabriel aspirou o doce perfume de Lua, desconfiava que nenhuma outra mãe possuía o mesmo. – Filho? – estalou os dedos e Gabriel a mirou, sorriram ambos. – Está viajando? – o menino assentiu com a cabeça. – Mamãe precisa ir, Lita, qualquer coisa me ligue, qualquer coisa que Linda precisar ou a escola de Gabriel ligar, ligue para mim…
Nelita – Fique calma minha filha, vai tudo dar certo… – Lua abriu um sorriso, sim iria dar tudo certo, deu outro beijo em Gabriel lhe passando os dedos pelas bochechas tirando a marca do batom, fez o mesmo com Linda, que ergueu a cabeça curiosa para saber a onde sua mãe ia, foi só Lua cruzar a cozinha para a menina abrir o berreiro. – Não ouse aparecer por aqui, vá ande antes que se atrase. – Com o coração na mão Lua pegou seu sobretudo preto até a altura abaixo dos joelhos no mesmo tecido da faixa que se passava em sua cintura, jogou a franja para trás caminhando até seu carro, entrou na Mercedes preta deixando sua pasta no banco de passageiro, era hora de partir.
-
- Olha só, é ela, parece perfeita como sempre…
- Parece mesmo, mais a viu quando deu a entrevista, parecia totalmente derrotada… – comentou a outra mais baixa a amiga que olhava fixamente para Lua.
- Me disseram que é tudo mentira, e que saber eu acredito, olhe só para ela, esse modelo Armani custa meu salário de mais de um ano.
- Que besteira, aliás não é para todas, ela pode, aliás já viu Arthur Aguiar?
- E quem não o viu passando por aquele corredor? Está um espetáculo… – a mais baixa deu um sorriso continuando a percorrer Lua de cima a baixo como todos faziam no grande salão. – Ok, convenhamos, mesmo se ela fosse o que diziam que era, ela sabe como se manter por cima.
- É, com toda certeza, ela sabe…
Ela estava sendo observada por cada par de olhos presentes no salão e Lua sabia disso, o barulho de seus saltos altos apenas contribuía para que mais olhos a mirassem, se sentia completamente nua, mais jamais deixaria transparecer. Pegou seus recados na recepção voltando a caminhar com a postura ereta e o rosto sério, ela estava deslizando, e de certa forma mostrando que ainda era Lua Aguiar. Chegou ao Hall do elevador, jogou os cabelos para trás todos inclinaram a cabeça para continuar a vê la, Lua levantou a sobrancelhas abrindo um pequeno sorriso como de quem dizia. "Olá, é um prazer estar de volta, de qualquer maneira continuem a me devorar viva e especular se eu realmente sou o que dizem que eu sou" , as cabeças voltaram sem graça, e o assunto e os fazeres pareceram tomar o mesmo rumo de antes que ela chegasse, o elevador se fechou, ela fechou os olhos respirando fundo.
XXX – Não se importe, elas estão malucas porque você está vestindo um maravilhoso conjunto Armani que custa um ano do nosso salário... – Lua se virou surpresa, era a primeira pessoa que não diziam lhe um bom dia puxando seu saco e a olhando de cima a baixo.
Lua – Bom dia… – sorriu. – É eu realmente espero que seja isso.
XXX – É isso, e com todo respeito, também o fato de seu marido ter entrado da mesma maneira que senhora entrou, contribui para especulações. Prazer sou Pérola Rodrigues… – estendeu a mão para Lua e a mesma a apertou.

Lua – Prazer, seguindo a etiqueta, Lua Aguiar… – Pérola abriu um sorriso e Lua retribuiu.



Hello Hello :)

Hey meninas, estou de volta \o/
A Milly, vulgo vaca, teve a gentileza de postar a fic para mim, por eu está sem internet. Espero que entendam. 
Me falem o que estão achando dos capítulos.
Respondendo a pergunta: Sim, eles vão demorar um pouco para voltarem a se entender. Não, me responsabilizo pelos próximos capítulos. É isso. 
Com mais 10 comentários, posto o próximo capítulo.

12 comentários:

  1. Um pouco quanto? Pode nos adiantar em q capítulo vai ser?? Por favor.. Posta maisss amandooo

    ResponderExcluir
  2. Ahhh Naum,Q Pena q eles vão demora a se acertarem,Mais espero q seje Logo *---*
    Já quero outro ...

    ResponderExcluir
  3. Meu jesus posta o proximoo

    ResponderExcluir
  4. Ansiedade a mil.. Quando eles irão se acertar em?? Posta maiss
    Web maravilhosa!! Bjosss Vic

    ResponderExcluir
  5. esta me matando ter q ver esses dois assim ,tão afastados . espero q essa perola ñ va da encima do thur . Xx adaline

    ResponderExcluir
  6. Brendaaa por que voce parou de postar??? Essa web é otima, posta mais!!! Volta a postar logo por favooor!
    Ana

    ResponderExcluir