Uma Linda Mulher - 2ª TEMP. | CAP. 89

|


Uma Linda Mulher - 2ª Temporada (Capítulo Bônus)


Capítulo: 89

Arthur – Pérola não tem nada a ver com isso, simplesmente passamos tempo demais juntos nesse projeto, e quando eu dei por mim eu conversa mais com ela em uma hora do que havia conversado com você durante os últimos dois meses… – olhou nos olhos arregalados de Lua, e por um momento pensou que ela iria desmaiar de dor. – Não me olhe assim e nem me culpe quando o erro foi seu Lua, foi seu. Eu procurava alguém para conversar todas as noite e você se levantava ficando mais de duas horas parada nessa porcaria de janela em quanto eu me contorcia de vontade em te dizer, "Vem para a cama, durma comigo e vamos esquecer tudo o que está acontecendo" – ela soluçou levando as mãos aos lábios trêmulos, o olhando com horror e perplexidade. – Eu estava tão fora de mim, que eu não conseguia mais voltar para a casa, encontrar Linda inquieta e Gabriel triste me matava cada vez mais, então vinha você e o seu olhar sobre mim e tudo que degradava violentamente, principalmente o meu coração…
Lua – E o meu coração? – soluçou outra vez negando com a cabeça. – E o meu coração? – voltou a perguntar elevando o tom de voz, Arthur fechou os olhos engolindo o gigante nó que havia formado em sua garganta, sua cabeça latejava seu corpo inteiro reagia sobre pressão. "Está tudo perdido Arthur." Ele dizia a si mesmo mentalmente em quanto se abria a ela. "Está tudo perdido..."
Arthur – Em Madri tudo estava corrido, tentávamos incansavelmente colocar tudo no lugar, eu trabalhava dia e noite, você trabalhava dia e noite, cuidávamos das crianças, não nos tocávamos, não nos olhavamos, se quer nos falávamos Lua. Eu precisava da minha mulher, da minha esposa, melhor amiga. Eu precisava desabafar a alguém que eu não estava mais aguentando, que eu largaria tudo o que tinha para viver 24 horas de paz sem que o mundo inteiro me observasse esperando meus próximos erros. Então Pérola surgiu… – Lua franziu a testa e cambaleou para trás tomando o segundo tapa na cara. – Tão quieta e tão triste todos os dias no trabalho… – Lua apertou os olhos, – Estava tendo problemas com o marido e só quando eu perdi o controle e gritei com ela sobre uma besteira que havia feito errado ela se pôs a chorar e me contou tudo e quando eu percebi estava com mais um copo de vodka na mão contando que meu casamento estava se acabando. E no outro dia as coisas estavam piores, e na próxima semana ainda mais piores. E ela foi se tornando a minha amiga, me dando conselhos quando era você que o deveria estar fazendo… – ele quase lhe gritou e Lua deu outro passo para trás.
Lua – Deixe me dizer uma coisa Arthur, e me escute com atenção… –  ele gelou com o tom de voz de Lua. – Eu sei que nesse casamento eu fui a que mais errou de nós dois, me calei quando deveria falar, me entreguei quando deveria recuar. Você está sofrendo não está? Então deixe te dizer algumas coisas que aconteceram. Eu passei os últimos 6 meses enfiando na minha cabeça que eu não poderia ter mais filhos, quando tudo o que eu desejei para mim era te rodear de vários deles, eu passei os últimos meses, sendo tudo o que uma mulher poderia ser, eu fui mãe, eu fui amiga, eu fui esposa e fui amante. Logo depois o meu maior segredo foi descoberto, e eu não conseguia imaginar outra coisa a não ser quando a cidade inteira descobriu que a minha mãe, a minha linda mãe tinha um caso com outro homem na cidade. Meu pai se matou por ela, e ela logo morreu por ele. Eu não podia imaginar outra coisa a não ser isso, então tinha os nossos filhos que protegeria até depois da minha morte, tinha você no qual eu faria de tudo para que não sofresse, eu fui chamada de prostitua, de suja, de imoral, eu fui acusada de ser paga para estar como você, de ser paga para ser mãe dos seus filhos, eu ouvi as pessoas gritando vagabunda e mães sussurrando que jamais permitiriam que seus filhos andassem com os meus filhos. Eu me entreguei a você no chão da sala como uma prostituta faria em devida a situação, eu sorri na frente de todos aqueles repórteres, dizendo aquele monte de mentiras quando a verdade foi abafada por milhões de reais. Eu vi meu filho assustado chorando porque a televisão estava falando que a mãe dele era um prostitua, eu vi minha filha morrendo de medo, implorando para que eu não a deixasse por algumas horas. E Deus ela é só um bebezinho. Eu vi você descontrolado e assustado movendo o mundo para que ninguém descobrisse que sua mulher era uma prostituta, eu senti você cheirando pura vodka quando eu tentava fazer o impossível para tirar disso, todos que eram ligados a mim. Eu senti meu marido se afastando de mim porque eu me sentia suja e baixa para ser uma mulher para você… – Levou a mão ao coração sentindo que ele lhe era arrancado de forma brusca e dolorosa,  Arthur soluçou, rangendo os dentes sentindo que uma faca era enfiada dentro de si cada vez que ela abria a boca. – Eu me sentia imponente porque nem mais um filho eu poderia lhe dar, e você se afastava e eu recuava, então um mês se passou e eu de certa forma voltei a ser sua prostituta, as festas, o fingimento, os vestidos luxuosos, as demonstrações de posse quando tudo o que queríamos dizer ao mundo é que estava tudo bem, que nós continuávamos radiantes, quando tudo o que acontecia era que você se deitava nessa cama e eu me levantava com horror por não conseguir a compartilhar com você por mais de uma hora. Meu corpo gritava por você, as crianças ficavam sensíveis a cada dia, os trabalhos me consumiam e me faziam sentir viva por alguns instantes. Eu estava perdendo você, minha outra parte do coração… – perdeu a fala por alguns minutos, se se encostou à parede tentando continuar a falar a qualquer custo. – Então teve a discussão de ontem e eu sabia que era o começo de tudo se perder de vez… – levantou os olhos vermelhos e empapados de lágrimas grossas, Arthur sentiu um pedaço de sua alma lhe ser arrancado, contorceu o estomago pondo seu corpo inteiro em alerta, ele tremia, seus lábios tremiam. – Então eu fui sozinha e esperei por você como eu sempre fazia, e você chegou, cheirando a outra mulher… – levou as mãos ao lábios negando com a cabeça. – Eu sinto muito Arthur… – ele suspirou com o rosto pálido e atormentado. – Outra mulher, era a única coisa que você deveria saber que acabaria comigo…
Arthur – Lua, pelo Amor de Deus…
Lua – Outra mulher, seria o mesmo que você renunciar a tudo que você disse que bastasse a mim. Eu me senti fraca, pois ela poderia lhe dar tudo o que eu jamais poderia volta a te dar. Filhos, um coração por inteiro e uma alma em paz. Eu sabia que outro perfume significava em sua roupa, porque nós já havíamos passado por isso, eu sabia que você teria encontrado nela tudo o que todas as coisas que nós passamos havia arrancado de mim. Porque eu perdi tudo Arthur, e agora eu também perdi você. Outra mulher significava que eu jamais iria faze lo feliz de novo. Outra mulher significaria que você jamais voltaria a me dizer "você é minha" ao pé do meu ouvido… – sentiu vontade de gritar de dor, suas pernas lhe faltaram e ela escorregou na parede com as mãos cobrindo os olhos e a boca, segurando os gemidos que sua garganta insistia em liberar. – Porque você foi o homem da minha vida entre tantos, porque você foi meu marido, que se colocava dentro do meu corpo me olhando nos olhos e me dizendo que eu seria sua para sempre, você foi meu amigo, meu melhor amigo, você foi meu primeiro amante de corpo e alma, você foi o pai dos meus filhos, você me segurou quando eu iria cair, curou me dos meus medos e da minha alma tão ferida. E Arthur… – lhe sussurrou como se clamasse que ele se compreendesse. – Pelo resto da minha vida eu vou te amar, desesperadamente eu vou te amar… – ele não aguentou, soluçou e chorou por tudo e por todos, com seu corpo sacudido por soluços altos e fortes. – Me desculpe por não ter sido forte, para segurar nosso conto de fadas. Desculpe-me por não ter sido a mulher que um homem como você merecia ter tido, me desculpe não lhe dizer a todo o minuto que você me fazia feliz. Que só você poderia me fazer feliz. Desculpe me por não te dizer que os filhos que você me deu são a luz do meu caminho, me desculpe por não te dizer que mesmo com luz, é você que é o meu caminho. – Se abraçou sentindo o tremor e o frio da noite, seus cabelos caiam em seu rosto, se grudando com as lágrimas que incessantemente deslizavam por seu rosto. – Você me deu tanto quando eu só tinha fantasmas a te oferecer. E eu te dei tanto quando havia tão pouco em mim a te dar... – ela deixou escapar um gemido e voltou a colocar as mãos sobre o rosto, Arthur se sentou na cama, sem o controle sobre os seus sentimentos mais profundos e intensos. Era o fim, o fim de tudo pelo qual haviam lutado com tanta fúria a prazer. Ele se levantou, se ajoelhando em frente a ela, Lua o mirou e se jogou em seus braços, tão apertado e sofrido, com seus soluços se misturando, e convertendo se em pequenos gritos de socorro. Ela lhe levou as mãos no cabelo, mergulhando nos fios sedosos como sempre fazia quando faziam amor, ele a apertou na cintura, colando seus corpos até que batimentos acelerados de seus corações batessem em uníssono, e tudo pareceu silencioso aquela hora da madrugada, parecia que o universo conspirava por aquele momento. Arthur se soltou, com os olhos vermelhos e inchados e o rosto completamente molhado a mirou.
Arthur – Eu sou um homem desesperado de amor por você… – arregalou os olhos. – Eu sou um homem Lua que jamais se entregou a alguém na vida como eu me entreguei a você, e mesmo que seja o fim, você precisa saber que não há uma única mulher nesse mundo, que vai me fazer sentir tudo o que você me fez sentir, fascinação excitação. Que não há outro corpo que aceite o meu corpo como você aceita, que não há outro coração que bata como o meu como o seu bate… – ela o mirou, levando as mãos ao rosto de Arthur lhe enxugando as lágrimas e passando os dedos pelas marcas vermelhas que sua mão havia deixado. – E não houve uma noite na qual eu consegui dormir sem sentir falta da sua presença e que naturalmente Lua, não teria nenhuma mulher, nem agora e nem depois que você partisse. Porque perfumes há vários, mais o meu natural é o seu, porque está impregnado em mim, desde de a primeira vez que me aceitou como seu, de corpo e de alma. E se tudo termina aqui e agora, se lembre desse perfume, o seu perfume, porque é ele que estará em mim, por todo o sempre… – ela apertou os olhos colando suas testas, chorando silenciosamente.
Lua – Faça amor comigo Arthur… – sua voz foi tremula. – Me toque por inteira e me diga uma mais vez que sou sua… – molhou os lábios trêmulos e vermelhos. – Me olhe nos olhos quando se unir ao meu corpo e permaneça desse forma quando desabarmos naquele abismo iluminado. Faça amor comigo Arthur. Porque eu sei que você sabe, que eu e mais nenhuma, sou a sua mulher…
Arthur – Sim… Nem que seja pela última vez… – ele deslizou os beijos até o ouvido dela, mergulhando suas mãos naqueles cabelos sedosos até alcançar sua nuca para então lhe sussurrar. – Você é minha… É a minha mulher…



Capítulo bônus pra vocês, como prometi.
Será que vem hot por ai?
Fim LuAr?
Preparem os corações :/


Boa Madrugada, beijos.

COMENTEM!!!

9 comentários:

  1. Tô chorando.. como assim "boa madrugada"? Voltaaa e posta maaais

    ResponderExcluir
  2. To quase chorando não pode der fim de Luar como eles vão viver sem um ou outro

    ResponderExcluir
  3. Uaallll q Capítulo, Chorei Rios Aqui,Naum Pode Ser Fim de Luar ):
    Anciosa para o Próximo, Tomarem q eles se Acertam Logo *--*

    ResponderExcluir
  4. Oh meu Deus! To chorando aqui! Quero eles juntos! Posta mais

    ResponderExcluir