Milagres do Amor - 4º e 5º Cap.

|

Milagres do Amor
Ciúmes?
Pov Narrador

O Luke? Quem é Luke? Não definitivamente não, ele não é… Ah, Lua você está ficando louca, só de imaginar essa hipótese. Como um homem viril e lindo, pode ser gay? Não nada disso, sem chance – pensa Lua, fazendo caras e bocas.

Arthur olha em sua direção e logo começa a ri.

– Não Lua, eu não sou gay!
– Eu nem pensei nisso – tenta disfarçar olhando para a janela.

– Ele não precisa saber que eu pensei né? – pensa, mordendo os lábios e fugindo do olhar de Arthur, que logo percebe que ela está mentindo.

– Claro, claro. – fala entre risos.

– Esse novo jeito dela mostrar nervosismo é muito sexy – pensa a observando corar diante de seu olhar – A merda, tenho que aguentar essa tentação. De maneira nenhuma quero machuca-la com minhas grosserias – conclui, abismado com o sentido de seus pensamentos, tratando de calar seu subconsciente irritante.

Arthur entra em um condomínio repleto de casas luxuosas.

Espera o porteiro abrir o portão, impaciente começa a buzinar, não ligando para o horário ou em acordar os vizinhos.

– Saco! Onde está a merda do Micael? – exclama já irritado. (me diz quando ele não está? Hihi)

Lua observa como ele é capaz de ficar mais lindo quando está com raiva. Seu pomo de adão dá saltos, seus suculentos lábios ficam crispados, passa a mão pelos seus cabelos freneticamente. Ela balança a cabeça tentando dissipar os pensamentos nada toleráveis. Arthur sente algo macio como algodão roçando sua mão, não entendendo o motivo disso, já que ela só faz isso quando está com medo ou animada, e agora ele não parece nada disso.

Desvia seu olhar de Lua que caem em Micael, que literalmente baba em cima dela.

A raiva antes branda se intensifica e explode.

– Que porra você pensa que está fazendo? Perdeu alguma coisa aqui? – sai do carro indo em direção a Micael.

– Afinal, Arthur irritado é a mesma coisa que um leão faminto atacando sua presa – pensa.

Ela se aproxima de Arthur mantendo distância dos dois homens ali parados, e toca seu braço. Ele vira e a fuzila com o olhar, ela prende um grunhido de surpresa pelo olhar intenso.

– Como os olhos mais lindos que já vi, pode se transforma em uma coisa tão feroz e assustadores? – pensa.

Porém Lua não se deixa intimidar e o medo rapidamente passa, pois ela tem certeza que ele nunca lhe faria algum mal.

Arthur observa no olhar de Lua, várias emoções ao mesmo tempo.

– Arthur, por favor, vamos para sua casa? Já está tarde. – pergunta com cautela.
– Eu tenho que resolver isso primeiro, espera só um pouco!
–Vem cá! – Lua pega em sua mão e sai puxando-o para fora dos ouvidos e olhos curiosos dos empregados. Eles param frente a frente, ela pega as duas mãos dele apertando contra as suas.
– Talvez ele precise do emprego!

Lua o vê se acalmando pouco a pouco e seus olhos antes escuros voltam a sua tonalidade normal.

– Ele é um incompetente Lua, merece ser punido – diz com a voz mansa.
– Sim ele pode ter errado, mas todos nós erramos e permanecer no erro é burrice, de mais uma chance a ele – pede.

Arthur bufou derrotado. – como ela tinha o poder de fazer isso comigo? – pensa.

– Ok.

Lua abre um sorriso imenso que deslumbra e tira as forças de Arthur, que solta um suspiro e a abraça, não se importando com a plateia que observa atenta e em choque pela amostra de carinho gratuita em público.

Os dois se esquecem do mundo, em sua bolha invisível, um embriagado pelo cheiro do outro. Arthur coloca o queixo na cabeça de Lua e suspira, ele a abraça mais forte, que Lua chega até senti a arma de Arthur encostando em sua barriga, lhe fazendo cócegas.

Ela não se importa com a dor em seus machucados recém adquiridos.

Nenhum dos dois quer quebrar o momento mágico, mas não pode ficar a noite toda ou até para sempre ali, como era da vontade de ambos.



Milagres do Amor
Seu perfume.

Pov Narrador

No curto caminho de sua casa, Arthur tenta entender como ele deu aquele surto de repente com o empregado.

Nunca sentiu tanta raiva na vida, queria torturar de todas as formas possíveis o homem, apenas pelo olha de cobiça e desejo direcionado a Lua.

Ele entra na enorme garagem de sua casa, onde ali se encontra os melhores carros e motos do mercado. Eles saem do carro e vão em direção à porta.

Lua fica encantada com a mansão, ele entra na casa e para na porta dando de cara com o tão esperado Luke.

– Omg!
– Esse é o Luke!
– Por favor, me diz que ele é extremamente dócil, não é?
– Não, ele só costuma arrancar pedaço, nada de mais! – brinca Arthur
– Ah, não.
– Você é muito medrosa, vai ficar parada na porta a noite toda? Eu preciso que você tome um bom banho quente, para cuidar desses machucados.
– Mas ele está me encarando, ele vai me morder? – diz assustada mastigando os lábios.
– Sinceramente não sei. Eu nunca trago ninguém aqui.
– Ele é bravo?
– Sim, afinal eu o treinei, tem um pouco do meu gênio.

– O que, o gênio do dono? haha estou morta então – pensa.

– E você vai ficar aí parado? Vem aqui.
– Pra que? – se diverte.
– Para prender esse cachorro, ué.
– Ah, e se eu não quiser?
– Por favor – Lua se desespera.

Arthur senta no sofá macio e começa a gargalhar.

– Você está adorando, não é? Eu juro que se ele me morder eu mordo você também – se irrita.
– Com essa proposta acho que ele irá te morder então! – ri alto.

Luke começou a farejar e chegar mais perto de Lua, ela fecha os olhos apavorada. Arthur levanta e para de brincadeiras, afinal, o que ele falou de não trazer ninguém aqui é verdade, não sabe como Luke vai reagir com a presença de Lua, fica atento para o caso de prendê-lo.

Luke dá a volta em Lua, cheirando-a. Para surpresa de todos começa a chorar pedindo carinho. Lua abre os olhos e olha para baixo espantada, hesita, mas se abaixa com cuidado e começa a fazer carinho em seus pelos macios.

– Afinal o que ela tem? Enfeitiça todo mundo! – pensa
– Ah, agora eu gostei dele.
– OK, já chega – diz a puxando pela mão subindo as escadas e a levando para o quarto de sua irmã Mel.

– Que merda está acontecendo comigo? – se pergunta, mal sabendo que o ciúme lhe ataca novamente (até do cachorro Thur?)

Lua ri e se deixa ser literalmente arrastada, para o quarto. Eles entram no quarto sendo seguidos por Luke.

– Esse é o quarto da minha irmã Melanie, você vai ficar aqui. Algumas roupas devem te servir.
– Uau, é lindo. 

Lua observa cada canto do quarto enorme e luxuoso da irmã de Arthur. Ele é todo vermelho e branco, na parede tem uma flor enorme branca, a cama king size enorme com almofadas na cor vermelha, uma linda poltrona branca no canto do enorme quarto, e um espelho do tamanho de uma parede, sem falar do closet.

– Sim a Mel é exagerada. – diz com saudades de sua irmã.
– Ela vem muito aqui?
– Não muito. Nunca tenho tempo para visitas.
– Você só tem uma irmã?
– Não, tenho um irmão, o Chay – diz se sentando na cama.
– Eles se parecem com você?  
– Não, Mel é alta, tem os cabelos longos pretos e os olhos são lindos, apesar de sermos irmãos, ela não se parece nada comigo, parece uma fadinha de tão linda que é, Chay é alto e também tem cabelos pretos e olhos castanhos, esse ai é o maior palhaço da família – ri lembrando de anos atrás quando eles ainda se viam frequentemente.

Arthur percebe que está dando informações de mais sobre sua vida e muda de assunto.

– Bom, tudo que você precisar pode ficar a vontade em usar.
– Será que sua irmã não vai se incomodar? Eu posso dormir em outro quarto.
– Que nada, tem coisas aqui que ela nem usou. Adora fazer compras como você.
– Ela sabe o que é bom afinal – ri.
– Toma seu banho e depois bate na porta do meu quarto. É o último do corredor, ok?
– Tudo Bem!

Arthur sai e vai para seu quarto tomar seu banho.

Lua fica encantada com as roupas existentes no enorme closet, encontra peças nunca usadas, como lingeries da Victória Secret, na verdade milhões delas. Pega um par delas, uma calça e blusa simples e vai para o banheiro.

Toma um banho relaxante e quente, lava seu enorme cabelo com xampu de morango que comprara com Arthur, se ensaboa e logo sai do banheiro.

Coloca a Lingerie que cai perfeitamente bem em seu corpo, tenta a calça jeans, essa que não sobe. Se enrola na toalha e sai do banheiro, dando de cara com Arthur.

Ele a observa enrolada em uma toalha azul que vai até o meio de suas coxas. A visão mais linda e sexy que ele já viu, gotículas de água ainda caem de seu braços, pernas e busto expostos. Ele olha para seu rosto e vê o vermelho que aprendeu a gostar esquentando suas bochechas.

– Me desculpe – pigarreia e continua – Eu bati como ninguém atendeu eu entrei, pensei que estava com algum problema.
– OK, demorei um pouco. A calça de sua irmã não me serviu, então eu vim tentar outra.
– Tudo bem. – Arthur sai do quarto desnorteado e maravilhado com a brilhante visão que acabara de ver, suas curvas ainda escondidas pelo pedaço de pano azul.

– Azul fica bem nela – pensa sorrindo sozinho, entra em seu quarto e se senta na cama, tentando tirar da cabeça a imagem de Lua!

Depois de alguns minutos, Lua bate na porta, e entra no quarto.

– Desculpe a demora.
– Não demorou é que a paciência é uma coisa que eu não tenho – dá um sorrisinho. – Sente-se aqui, eu vou pegar a maleta para cuidar dos seus machucados.

Lua obedece e senta na beirada da cama. Arthur sai do quarto, desce e pega na sala de estar as compras feitas e sobe novamente.

Ele se senta na frente de Lua e começa a cuidar de seus ferimentos, com todo cuidado com se ela fosse um cristal prestes a quebrar, mesmo com todo o cuidado e leveza, que ele descobre ter, ganha algumas reclamações e choramingos por parte de Lua.

Depois de terminar, ele se prepara para descer quando Lua o surpreende. Ela pede uma blusa dele pois as da Mel são muito grandes para seu tamanho.

– Sua irmã é realmente alta.
– Sim, mas não fale isso pra ela, só se quiser irrita-la – ri.
– OK!

Ele pega uma blusa de frio preta e a entrega pra ela.

– Aqui está. Vai ficar enorme em você.
– Obrigada.

Lua a veste e dá uma fungada nada discreta na frente de Arthur.

– Humm… Seu cheiro é muito, muito bom – diz corando.
– Oh, obrigado. Mas aqui é mil vezes melhor e mais concentrado. – diz apontando para seu pescoço.
– Tenho certeza que sim… Posso?
– À vontade docinho. – diz sem pensar, ganhando um sorriso deslumbrante em troca.
– Docinho? – Lua pergunta curiosa, Arthur dá de ombros e sorri.
– Gostei.

Lua se aproxima de Arthur, fica na ponta dos pés, coloca suas mãos pequenas em seu ombro e cheira a curva de seu pescoço. Sente um cheiro suave e bom o típico perfume de Homem macho.

– Uau, você tem razão, aqui é bem melhor. – ri suavemente,

Ela levanta a cabeça e ainda na ponta dos pés fica muito próxima de seu rosto másculo. Ele percebe que não foi uma boa ideia sua sugestão.

Os dois não resistem e sem perceber vão se aproximando lentamente suas bocas. Arthur coloca suas mãos grandes e fortes em sua cintura, colando seu corpo ao dela, ela circula seus braços em seu pescoço, se preparando para seu primeiro beijo.


Continua...


Se leu, comente! Não custa nada.

Dois Capítulos para a alegria de todos \o/.

Os capítulos vão ser atualizados de acordo com os comentários. Próximo post. com mais de 10 comentários.

13 comentários:

  1. Querida q web divina. Maravilhosa estou amando. Ansiosa pelo próximo capitulo poste logo. Alasca♊

    ResponderExcluir
  2. vai rolar 1° beijo LuAr,no próximo capítulo???quero mais!!!

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindos, posta maiss

    ResponderExcluir
  4. Adoreiii Primeiro beijo Luar e o primeiro beijo da lua tbm !!! (Que fofo!!!) ... Será que vai ter beijo mesmo ?
    Tomara que ninguém atrapalhe !n ��❤❤������

    ResponderExcluir
  5. Vc escreve muito,to amando já essa história

    ResponderExcluir
  6. Quero mais um capítulo

    ResponderExcluir
  7. Miiilly.. posta mais.. tô adorando sou nova aki bjs.
    Ass: kaw

    ResponderExcluir
  8. Como será que vai ser esse beijo? Ansiosa por mais estou amando sua web muito boa mesmo

    ResponderExcluir
  9. *O* primeiro beijo será que rola!? Hulhu Lua é bem pra frente neh?? Sentindo cheiro no pescoço de Arthur hummm esperta ;) kkkk
    adorannndooooo *----*

    ResponderExcluir