Little Anie - Cap. 37

|

Little Anie

Pov Arthur

Lua saiu para ir ao trabalho, e eu resolvi me deitar novamente. Não que eu fosse dormir, só deitar mesmo. Mas um pequeno ser saltitante e falante, entrou no quarto. Acabando com os meus planos de aproveitar o silêncio.

- Papaaaai! – Anie correu até a cama e eu a ajudei a subir.
- Oi, Anie. Bom dia, filha.
- Bom dia, papai. Hoje tem aula de balé papai, fica lá assistindo, é sim. É sim. – Pediu juntando as mãozinhas. – Tem um monte de mães lá.
- Sou seu pai, lá não fica pai nenhum. Vou pedir a sua mãe para ir lá, vê a nossa futura bailarina. Tá? – Sugeri. Sério que Anie queria mesmo que eu fosse?
- Não papai. É hoje! – Disse.
- Filha... – Eu até poderia mentir, e dizer que ia me ocupar. Na verdade, o que eu iria fazer a manhã toda?
- É sim. Não custa nada. Você vai? – Perguntou.
- Anie, outro dia, quem sabe...
- Não. Hoje. Por favorzinho! É sim. – Ela começou a pular em cima da cama.
- Não pula. Você pode cair. – Avisei e ela parou.
- Você vai.
- Vou. Vou. Vou. Pronto! Agora vai falar pra Carol banhar você, que eu vou tomar o meu banho, ok?
- Tá. – Ela sorriu e me abraçou super apertado.
- Vai lá... – Falei a colocando no chão. E Anie saiu do quarto correndo. Antes que eu pudesse se quer mandar ela não correr. Ela fechou a porta. E eu fui obrigado a levantar e ir tomar banho e me arrumar para ficar uma hora e meia sentado, olhando um monte de crianças se sentindo bailarinas. Ri de meu pensamento. Não era tão ruim assim. Elas eram felizes, e crianças. Era melhor ir logo, antes que me atrasasse.

- Anie? – Falei ao entrar no quarto dela. Carol estava a arrumando. – Vamos logo. Você já tomou café?
- Sim.
- Mesmo? Carol, ela já tomou?
- Já sim, Arthur. – Ela respondeu.
- Uhm... Então vou esperar você lá no estacionamento. Não demora. – Anie assentiu e eu saí.

Uns 10min depois, ela apareceu lá. Toda de rosa. Sim, ela tinha uma roupa de balé rosa e uma branca, hoje ela resolveu ir estilo: Sophia. Fazer o quê?
Abri a porta do carro para ela, e a coloquei na cadeirinha, depois dirigi até a escola. Não é novidade se eu falar que todas aquelas mães, umas quinze, acho. Ficaram me olhando. Qual é, minha filha tem pai.

- Anie?
- Oi papai. – Ela segurou minha mão.
- Sério mesmo que quer que eu fique aqui? Não pode ser outro dia? – Perguntei.
- Não papai, é hoje. Tá?
- Tá né. Fazer o que? – Dei de ombros. E Falei um 'Bom dia' e todos ali responderam, incluindo as crianças. Me senti a 'tia'. Aah esquece.
- Vamos Anie? – A professora a chamou. – Bom, e você pode sentar ali...? – Ela esperou que eu falasse meu nome. Não era a professora do dia anterior, era outra, devia ser a ajudante dela. Ou sei lá, nem sei se ela tem uma ajudante.
- Arthur. – Respondi. Fiquei até surpreso pelo fato dela não saber meu nome. Mas ninguém é obrigado a saber, na verdade.
- Arthur. Sou, Leny. Ajudante da Liz.
- Aah sim. Bom, vou me sentar ali. – Apontei para o lugar onde ela tinha indicado. Tinha uma loira lá. Muito bonita por sinal. Que Lua jamais saiba disso.
- Oie.
- Oi. – Respondi sorrindo educadamente.
- Pai solteiro? – Ela é bem direta. Só pra constatar.
- Aah, não. – Respondi. – Casado. – Levantei a mão lhe mostrando a aliança.
- Ah, sim. Não é comum vim pais, é mais mães mesmo.
- Tô sabendo. Todas me olharam. – Falei e ela riu.
- É. Seu rosto não me é estranho. – Continuou.
- Provavelmente já me viu por aí.
- Realmente. – Ela sorriu. – Mas me lembraria se já tivéssemos nos esbarrado, por aí. -Insinuou. A olhei.
- Não nos esbarramos desse jeito. – Deixei claro. E olhei para frente.
- Minha filha é a loirinha, perto da sua.
- Uhm... Parecida com você. – Comentei. Mas não a olhei.
- Linda né?
- Sua filha? Sim. – Respondi. As crianças fizeram um círculo e se sentaram ao redor da professora, enquanto ela ficava nas pontas dos pés e falava.

                               Anie no Balé











- Nem sei seu nome. – Falou. Essa mulher não sabe ficar calada?
- Nem eu sei o seu. – Respondi.
- Isla. Agora já sabe. E o seu?
- Arthur.
- Uhm... – Sussurrou. – Elas podiam ser amigas né?
- Quem? – A olhei confuso.
- Nossas filhas. – Pra falar a verdade. Eu acho que não. Eu sei que era apenas uma criança, mas que sofria forte influência da mãe. Dava para perceber.
- Talvez. – Respondi. E voltei meu olhar para Anie.

As horas foram passando. E a mulher ao meu lado estava parecendo uma investigadora, com o tanto de pergunta que – ainda – estava me fazendo.

- Você faz o que? – Fiquei tentado a mentir.
- Tenho uma banda. Já deve ter ouvido falar... Acho.
- Qual nome?
- McFly.
- Mentira?! – Só faltava ela dizer que era fã. O que seria uma mentira, já que ela nem sabia o meu nome.
- Por que haveria de ser?
- Como eu não sabia seu nome?
- Não sei.
- Bom, sou secretaria. Mas só trabalho na parte da tarde.
- Uhum...
- Bom, por hoje é só. Vocês estão de parabéns, meus amores. – Ouvimos a professora dizer. E Anie correu até mim, e se jogou em colo.
- Que linda! – Falei lhe dando beijinhos.
- Gostou papai? – Me perguntou sorridente.
- Muito. – Lhe dei mais um beijo.
- Será que a mamãe vai gostar?
- Claro que vai. – Respondi. – Vamos? Hoje vamos almoçar com ela. – Pisquei e Anie sorriu mais ainda. Então eu levantei, ainda carregando Anie. Quando estávamos nos aproximando da saída. Isla, apareceu.
- Tchau, Arthur. – Me virei para olha-la. – Tchau... – Ela esperou que eu falasse o nome de Anie.
- É Anie.
- Tchau, Anie. – Anie encarou a mulher e depois me olhou. E apenas sorriu sem vontade. Ela era a Lua, na versão infantil.
- Essa é a Evie. Minha lindinha. – Falou apresentando a garotinha. Ela era tão loira quanto à mãe, e tinha os olhos bem verdes, provavelmente puxou ao pai, já que a mãe tinha os olhos escuros, e não era loira de nascença.
- Eu sei. – Anie respondeu entediada.
- Oi, Evie. – Disse para a garotinha. – Bom, vou indo.
- Aah, eu também. Tchau, até amanhã. – Ela sorriu.
- Tchau. – Foi só o que eu disse, já que Anie não parava de pedir em meu ouvido "Vamos logo, papai!"

*

- Não gosto daquela garota. Ela tem a voz chata. – Anie disse quando eu estacionei o carro no outro lado da rua, em frente ao restaurante, já era 13h15. Lua já devia estar chegando. Eu tinha ligado para ela.
- Que garota, meu amor? – Perguntei saindo do carro e tirando ela da cadeirinha.
- A Evie, papai. – Ela revirou os olhos percebendo minha falta de atenção em sua conversa.
- Por que filha? O que aconteceu?
- Ela empurrou a Meg, no primeiro dia lá, e ela caiu. Chorou muito. – Explicou.
- E quem é Meg?
- Papai! – Ela exclamou.
- O que filha? Mas eu não sei quem é a menina.
- É a minha coleguinha de lá, papai.
- Aah, ok! – Falei e vi o carro de Lua estacionar logo atrás do meu. – Sua mãe chegou.
- Cadê ela? – Anie levantou os braços, para que eu a carregasse. E foi o que eu fiz. Logo, Lua atravessou a rua.
- Aah! Que amor! – Lua falou quando Anie se jogou nos braços dela. Lua carregou a filha e a apertou, lhe dando vários beijos, e falava algumas palavras que eu não conseguir entender. Depois ela se virou para mim, finalmente notando minha existência. Sorriu ao se aproximar e me deu um selinho.
- Confesso que esperava mais. – Comentei enquanto entrávamos no restaurante, o que fez Lua rir.

*

Quando saímos do restaurante. Só podia ser perseguição. Porque não era possível, em nossa direção vinha Isla. Ela estava sozinha. E sorriu cinicamente ao me olhar.

- Arthur? Duas vezes em menos de cinco horas. – Ela riu, e eu permaneci sério. Lua me encarava com uma sobrancelha erguida. Qual era a dessa mulher? Eu a vi hoje. E ela já queria arruinar a minha vida? O meu casamento?
- Pois é. – Foi o só que eu disse.
- Oi, sou Isla. – Ela estendeu a mão para a Lua, que a olhou com uma expressão de "E eu te perguntei?" Ainda bem que Anie estava sem seu colo, ou Isla ia ficar com a sua mão no ar. Já que Lua não a cumprimentaria. Ela viu que Lua não iria dizer nada, e sorriu sem graça.
- Sou, Lua. Esposa – Ela deu ênfase ao falar a palavra. – Dele.
- Aah, até achei que ele era solteiro.
- Para a sua falta de sorte, ele não é. – Lua comentou.
- Bom, de qualquer forma, vai ser sempre um prazer encontrar você, Arthur. – Ela ignorou Lua totalmente. E eu assenti, pedindo internamente, que ela fosse embora logo. Então ela saiu. Lua me olhou pedindo explicações.
- Quem é ela? De onde saiu essa pu...
- Lua! – Exclamei entes que ela falasse besteira perto de Anie. Ou ela ia acabar perguntando o que era uma puta. Era melhor evitar.
- Esse ser? – Completou.
- Senhor! Lua, nem sei quem é ok?
- Como não? Ela sabe teu nome.
- A filha dela...
- Filha? De onde você conhece a família dela?
- Eu não conheço. Argh!
- Mas você acabou de falar que ela tem uma filha. – Continuou.
- Ela faz balé, oras. Foi lá.
- Desde quando você fica de papo com as mães das alunas de lá? – Me perguntou.
- Não fico de papo. – Revirei os olhos. – Hoje eu assisti a aula, Anie insistiu. Queria que eu fosse. E essa mulher estava lá. Pronto, foi isso. – Finalizei. Lua continuou me olhando.
- Tem certeza?
- Claro. Por que eu mentiria?
- Não sei. Parece que ela conhece você um pouco mais.
- Ela é doida. E me dá a Anie. Quero ir embora. – Falei por fim, já bastante irritado.
- Tchau, meu amor. – Lua lhe deu um beijo.
- Por que vocês estavam brigando? – Nos perguntou baixo.
- Não estávamos brigando. Só esclarecendo umas coisas. – Lua explicou e me olhou.
- Você né? – Perguntei irônico.
- Quem devia estar zangada era eu. – Comentou.
- Mas e quem era que estava duvidando de mim?
- Aah, Arthur! – Disse com desdém. A gente conversa mais tarde. Ela beijou Anie mais uma vez, e depois colocou a menina no chão e foi embora. Voltei pra casa e resolvi tomar um banho.

À tarde, 16h55 - Conversa?

Pov Lua

Ok. Eu admito que duvidei dele. Arthur não é nenhum santo. Mas eu não estava nem a fim de encarar uma DR. E ainda por cima, hoje tenho um compromisso com as meninas. Cheguei em casa, e Anie estava brincando na sala, Arthur estava em casa, porque os carros estavam na garagem. Mas ele não estava na sala. Devia estar no escritório, ou no quarto. Dei um beijo em Anie, e subir. Realmente ele estava lá. Só que estava dormindo. Deixei minha bolsa e a pasta na poltrona, e tirei os sapatos, depois a roupa e fui tomar banho. Quando saí, Arthur já tinha acordado. Ele me olhou e enterrou o rosto no travesseiro. Provavelmente já prevendo que iríamos ter que conversar. O problema era que eu não queria discutir, uma coisa meio impossível se tratando de desconfianças. Fui vestir uma roupa, e depois voltei e Arthur me puxou pelo braço, me fazendo cair em cima dele.

- Nem vem. Fiquei chateada com você. – Me afastei dele e ele bufou.
- Eu só estava tentando evitar uma discussão desnecessária. – Justificou.
- Transando? É só assim que você sabe evitar? – Perguntei.
- Não ia transar. Eu só puxei você.
- Aah ok. O que você conversou com ela?
- Conversei? Nada de interessante.
- Detalhes. Quero detalhes.
- Você tá parecendo à mãe de um adolescente, sabia? – Riu irônico.
- Não falei nada de engraçado. E não sou sua mãe. Sou sua mulher e você não é nenhum adolescente.
- Sério que quer levar isso adiante?
- Estou aqui, não estou?
- Lua, o nome dela é Isla...
- sso eu já sei. – O interrompi.
- Continuando – Ele revirou os olhos. – Ela tem uma filha, Evie, o nome da menina. Isla é secretaria e é só o que eu sei. Pronto.
- Só?
- O que mais você queria que eu soubesse?
- Ela ao menos tem marido? Só pra me preparar caso ela queria roubar o marido alheio. – Falei e ele segurou o riso.
- Não sei. E nem perguntei. E ah, quer saber? Chega dessa conversa idiota. Não quero brigar com você por causa dela. Eu nem a conheço de fato.
- E espero que nunca conheça de fato. – Retruquei.
- Ok Lua! Acabou?
- Por hora sim. E aaaaii de você se ficar de papinho com aquela puta. Que tipo de mãe ela é? Você olhou o tamanho da saia? Não, nem responde. E melhor nem ter olhado para a saia dela. Onde ela trabalha? Em um escritório de vadias?
- Não sei e não me interessa. E no momento, eu só quero parar de falar dessa mulher. Ok?
- Ok. – Me dei por vencida e deixei que ele me abraçasse e logo depois me beijasse e depois ele deitou em cima de mim, ficando entre minhas pernas, sem parar de me beijar.

Continua...


Se leu, comente! Não custa nada.

Bom, está aqui o 3 cap. como prometido. Espero que tenham gostado da pequena maratona. Próxima atualização, só quarta-feira.

Amanhã provavelmente eu atualize a outra web, O Clube. Aguarde!
É isso gente, não esqueçam de deixar um comentário, nesse e nos posts anteriores também.

Obrigada pela paciência.
 Um Beijo, e até a próxima atualização. 

Dêem uma olhadinha lá no meu blog, Nossos Sonhos - Clique aqui. Começamos agora! Bye... Apareçam lá...

15 comentários:

  1. Eitaas arrasou nas atualizações Milly :)
    Besta kkkk doida é quem entra numa briga com Lua kkk mulher desce do salto qnd se trata do homem dela.
    Adoreeei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha Danni, vocês estavam merecendo uma atualização assim, e eu estava devendo né? Depois do breve sumiço da semana passada ;-) que bom que adorou. Beijos...

      Excluir
    2. Aeeee \O/ hihi eu já tava triste :\
      Ahhh demaaais Milly *---* tu é uma ótima escritora viu ;D deixa sempre um quero mais em cada capitulo kkkk nois piraa. Bjus

      Excluir
  2. eu estou amando tudo perfeito

    ResponderExcluir
  3. esta nota mil sua fanfic !!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. ta d+ ansiosa para mais !!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Que mulher chata, achei engraçado a Lua com ciúmes kkk

    ResponderExcluir
  6. Aii meus Deus amei, quarta e estou doida po próximo já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já é quarta-feira, flor. Já vou atualizar.

      Excluir
    2. Aaah, eu sei estou esperando ansiosamente! Posta Milly!

      Excluir