Little Anie - Cap. 9

|

Little Anie

Pov Lua


-Vai sair? -Ouvi Arthur perguntar ao me ver descer as escadas. Dei um super, mega sorriso falso. Eu estava com um vestido de meia. Sim, vestido. Vocês devem imaginar o desconto em vestir uma calça jeans colada. Enfim... O frio estava de rachar. Eu vestia também uma jaqueta jeans, e uma sapatilha preta.
-Sim. Vou à farmácia. -Respondi. Eu tinha que comprar a pílula antes que passasse a hora de tomar.
-Você tá bem? -Ele levantou do sofá e veio até mim. Tive vontade de gargalhar e bater nele ao mesmo tempo. Que ideia ótima! Eu ia relaxar.
-O que você acha? -Perguntei irônica.
-Não me venha com as suas ironias! -Avisou.
-Aah é? Vai fazer o que? -Continuei irônica.
-Lua! –Exclamou. -Eu perguntei se você estava bem. -Suspirou irritado. -O que você vai fazer na farmácia? -Continuou.
-Comprar um bolo! -Respondi dando de ombros. Arthur me penetrou um olhar irritadíssimo. Tive que segurar o riso.
-Pelo visto, você tá ótima! -Retrucou.
-Claro, depois do tratamento que recebi mais cedo. -Comentei simplesmente. Arthur me encarou perplexo.
-Mas eu perguntei se você estava bem. E você concordou, dando a entender que estava bem. Foi o que eu entendi. -Ele disse. E suspirou sem saber o que falar.
-Na maior cara de pau você perguntou. Quantos anos você tem? 17? 18? -Perguntei. Nós falávamos baixo perto da escada. Carol e Anie estavam na sala e Carla na cozinha. Uma discussão civilizada.
-Luh, me desculpe. -Pediu. -Eu fiquei irritado. Você do nada pareceu não está mais ali. Eu tinha te chamado umas três vezes, e você não ouviu. Tive que te sacudi e perguntar se você estava bem. Em quem você estava pensando? -Hesitou antes de fazer a pergunta. O olhei por um instante. Pensei: Numa possível gravidez, já que eu estou sem a pílula e que se você souber, provavelmente vai passar o maior dos sermões. E a gente vai realmente brigar. Suspirei. Balancei a cabeça para esquecer esse pensamento.
-Eu realmente preciso ir à farmácia. -Disse. Arthur ergueu uma sobrancelha.
-Mamãe... -Anie correu até mim. Me abaixei ignorando completamente o incômodo que senti, mas não pude evitar uma careta.
-Oi meu amor... -Lhe dei um beijo.
-Pra onde você vai?
-Vou à farmácia, meu amor. Não demoro. Volte a assistir o desenho. Tá bom? -Ela concordou freneticamente. E me deu um beijo no rosto.
-Luh? Você não vai tomar café? -Carla me perguntou.
-Não, Carla. Eu vou à farmácia. Não demoro. -Respondi. Carla concordou silenciosamente.
-Luh?
-O que foi Arthur? -Perguntei impaciente. Eu tinha que ir logo, antes de perder a hora.
-Me diz o que tá acontecendo? Eu posso ir com você. -Falou. Não. Não pode!
-Não precisa. -Dei de ombros.
-Eu quero!
-Mas eu não!
-Eu não queria machucar, você.
-Percebi... -Sorri irônica. -Tchau!
-Luh, me deixa acompanhar você?
-Não, Arthur. Não. Não quero! -Falei e sai.

Já dentro do carro, respirei fundo e dei partida. Demorei uns 15min até chegar à farmácia, comprei o que procurava. E depois parei em uma cafeteria. Pedi um café e comprei uns biscoitos. Eu os levaria para Anie, ela amava esses biscoitinhos. Tomei o café, ali mesmo, sentada em uma cadeira próxima a saída.

-Luh? -Ouvi a voz de Mel.
-Mel... -Sorri.
-O que você tá fazendo aqui sozinha? -Ela perguntou sentando-se ao meu lado.
-Eu fui à farmácia. -Respondi. -Eu tinha que comprar a pílula. -Completei.
-Aah, claro! -Ela exclamou baixo. -Ou se não... -Ela deixou a frase incompleta. -Ri.
-Sim. Ou se não. -Falei.
-Tá tudo bem? Você parece meio, sei lá... -Deu de ombros.
-Estou sim. -Respondi. -E você? -Perguntei logo em seguida.
-Discuti com, Chay. -Comentou. Fiquei feliz por não ser a única em ter problemas com o marido. Não por minha amiga ter discutido com, Chay.
-O que aconteceu? -Indaguei querendo fugir do meu próprio problema.
-Eles passaram uma semana longe, não tô nem aí se já passaram mais tempo. Eu estava falando da última viagem, e hoje, hoje eu queria ficar com ele. E ele achou melhor ir ensaiar. Luh! Ensaiar! -Desabafou.
-Ensaiar? -Perguntei achando que tinha feito isso baixo.
-O Arthur não foi? -Ela perguntou desconfiada. O que eu ia dizer? Mentir? Aah não. O que o idiota do Chay estava aprontando?
-Quando eu saí de casa, ele ficou lá. -Respondi calmamente, tentando um ar descontraído.
-Ele não comentou com você?
-Aah Mel... Acho que não tem ensaio não. -Falei. -E eu e Arthur não estamos bem também. Mas mesmo assim ele me falaria se fosse sair, ou ensaiar. -Finalizei.
-Chay tá aprontando. O que aconteceu com você e o Arthur?
-Uma não tão longa história. Tudo se resume a essa caixa de pílula. -Balancei a sacola em minha mão.
-Você esqueceu? -Ela perguntou confusa. -Vocês brigaram?
-Quase esqueci. E lembrei em uma hora imprópria, digamos assim. Não acho que brigamos. A gente mal conversou e ele não sabe. -Falei. Mel me olhava atenta. -Eu preciso ir... -Falei novamente. -Eu disse que não demorava. Me acompanha?
-Er, acho que vou... -Ela disse se levantando. -Além do mais, a gente pode conversar né?
-Sim. -Ri. -Apesar de ter a sensação de que a gente já estava fazendo isso. -A olhei irônica e Mel revirou os olhos.
-Aah, sério? Nem tinha percebido! -Falou saindo da cafeteria.
-Tá de carro? -Perguntei.
-Não. Eu tô andando. -Ela deu de ombros. -Eu queria caminhar.
-Tá frio. -Falei.
-Verdade. Mas eu estou coberta. -Ela olhou para o seu próprio corpo. Mel vestia uma calça preta, uma bota um pouco abaixo do joelho, também na cor preta. Uma blusa branca, e um casaco. -Eu não estou com tanto frio assim. Já você. -Ela me olhou. -Por que está de vestido num frio desses? -Perguntou. Ri internamente ao pensar na minha justificativa.
-Não estou com frio... -Pura mentira. Eu iria congelar.
-Mas você acabou de...
-Vamos logo, Mel! -A puxei.

Chegamos em casa e Arthur realmente estava lá. E eu realmente acho que Chay está mentindo e que Arthur sabe de alguma coisa. Afinal, eles são homens e para completar, são amigos. Anie correu até nós e abraçou minhas pernas.

-Mamãe, você está gelada. -Ela reclamou me soltando. Ri alto. Logo Mel a pegou no colo.
-Pra quem disse que não ia demorar. Você demorou. -Arthur comentou. Ele estava sentado no sofá.
-Encontrei com Mel. -Respondi indo para a cozinha. Tomei a pílula e subi as escadas.

Pov Arthur

Mel me lançava olhares estranhos. Será que Lua tinha lhe falado alguma coisa? Não. Não. Acho que ela não falaria o que houve. Mas eu estava com a sensação de que Mel queria me perguntar algo.

-Arthur? -Ela me chamou, acabando com o silêncio que havia ali.
-Oi.
-Eu queria te fazer uma pergunta.
-Eu tinha a sensação que sim. -Respondi e ela mordeu os lábios.
-Er, vocês tinham ensaio hoje? -Perguntou. Ooh eu sabia onde isso iria dar. Chay! Chay! Se eu falasse que sim: Ela iria me questionar o por que de eu não ter ido. E se eu falasse que não: Ela iria questionar Chay por ele ter mentido.
-Por que?
-Porque eu quero saber. Tá difícil falar? Ou tá pensando em alguma desculpa para acoitar o seu amiguinho? -Perguntou nervosa.
-Eeii... Calminha, tá? -Retruquei. -Não sei o que Chay te disse. Não quero me meter em problemas. -Respondi. Lua descia as escadas, e sei que me questionaria sobre esse assunto, mais tarde.
-Problemas? Então temos um problema? -Mel perguntou. Lua havia se sentado ao lado dela no sofá.
-Não. Eu não tenho. Resolva com ele. Pergunta para o Mika. -Eu disse. Mel me encarou com uma cara super irônica.
-Micael é meu irmão, e jamais vai entregar o Chay. O que vocês sabem?
-Eu não sei de nada. Nada! -Respondi fazendo um gesto exagerado.
-Que saco, Arthur! -Ela exclamou.
-É, que saco, Mel! -Sorri forçadamente. Ela revirou os olhos.
-Pensei que você fosse meu amigo... -Murmurou. Chantagem de mulher é golpe baixo.
-E eu sou. Só não vou me meter no assunto de vocês. -Respondi.
-Então você sabe?
-Não. Já disse que não. -Falei novamente. Eu realmente não sabia. -Eu realmente não sei, Mel. -Falei sincero e ela me encarou.
-Tudo bem, Arthur. -Suspirou. Lua não disse nada. Apenas olhava para a amiga.

*

-Vai almoçar com a gente? -Lua perguntou.
-Não sei. Tudo bem se eu ficar? -Ela perguntou baixo.
-Sim, amiga. -Lua respondeu.
-Arthur? -Agora ela perguntava para mim.
-Claro que sim, Mel. E não fique com raiva de mim. Já basta a Luh. -Finalizei.
-Não estou com raiva, só chateada. -Mel explicou.
-Mas eu estou com raiva. Ainda bem que ele tem consciência disso. -Lua comentou. Bufei.

Almoçamos logo depois. Lá pelas 16hrs da tarde, Mel foi embora. Eu, Lua, Anie, Carol e Carla, assistimos a um filme. Umas 18h45min, recebi uma ligação de Harry. Ele, Mika e Chay iam sair, e o mesmo me ligou para fazer o convite. O qual recusei. Esse seria mais um passo para uma discussão com,  Lua. Já que eu tinha acabado de chegar de viagem. Umas 21hrs, fomos todos dormir. Ela nem me deu boa noite, e dormiu virada de costa pra mim.

Continua...


Se leu, comente! Não custa nada.
Lembrando que, o próximo cap. só, quarta-feira.
Beijos...

8 comentários:

  1. cara, maiss mais por favor posta mais 🙏🏻🙏🏻🍃💟

    ResponderExcluir
  2. Poxa, vc poderia postar todos os dias, por que não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque não tem como eu escrever um cap. por dia... Não tenho tempo. E eu não quero escrever qualquer coisa. Por isso um cap. uma dia sim e um dia não. Quem sabe depois eu consiga organizar as coisas, aí sim eu poste diariamente. Mas não momento, não posso. Sorry... Espero que entenda. Bjs!

      Excluir
  3. Acho que ele tinha que ser mais fofo com a anie, mas ta boa a web. Posta mais !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais fofo? O que fez parecer que ele não seja?

      Excluir
  4. A coisa ta feia pro lado do Arthur kkkk pra piorar ainda vem a mel kkkk amando ansiosa por mais

    ResponderExcluir