Treinando a Mamãe 2

|
Capitulo 19

- O que foi isso? - Amy abordou Lua na porta de seu quarto. Lua entrou sem falar nada, chorando de raiva. - Vocês estão malucos? - Incrédula, Amy deixou a porta aberta, virando-se para Lua que logo sentou-se na ponta da cama.
- Você ouviu como ele falou? - Parecia uma criança, chorando.
- Ouvi. - Ficou diante de Lua, com uma as mãos na cintura. - Mas.... Qual o motivo disso tudo Lua? Tudo isso por causa do tênis?
- Seu pai quer impor o que eu tenho que fazer. - Disse nervosa, aos prantos. - Ele.... Ele... Ele quer que eu passe o resto da minha vida dependendo dele, sendo sustentada por ele.
- Calma mãe. - Agachou, amparando-se nas pernas dela. - Não chora vai.
- Eu, que comecei a trabalhar desde os 14 anos de idade. Sempre fui independente, Sempre tive as minhas coisas. E agora, simplesmente eu tenho que ficar dentro de casa, dando uma de ''mãe desastrada.'' - Suspirou fundo, engolindo o choro. - Amy.... - Lua segurou o rosto da filha. - Amy, eu não nasci para depender de ninguém.
- Eu sei mãe. - Lhe olhava, sentida.
- Desde pequena, eu aprendi a ter minhas coisas, a batalhar por elas, a crescer na vida. Com toda a ruindade da minha mãe, foi isso que ela passou para mim!- Abaixou o olhar, largando o roto de Amy. as lágrimas rolavam em seu rosto. - Ai vem o seu pai, e quer simplesmente mandar na minha vida?
Amy se pôs de pé novamente, colocou a mão na cintura, e a outra na testa. Suspirou fundo inquieta naquele quarto. Em seguida olhou para Lua de novo.
- Eu vou conversar com ele.
- Não!- Enxugou o rosto e olhou para ela, orgulhosa. - Deixa ele sabe. Amanhã quando você for pro clube, vou contigo. Vou assinar o contrato com o jack. - Suspirou fundo. - Vou dormir.... Dormir para não morrer de tanta raiva.
Amy ficou boquiaberta e confusa. Lua então largou as pantufas e subiu na cama de Amu deitando-se.
- Dormir, e ai de quem me  incomodar. - Resmungou, cobrindo-se. - Também não quero pedido de desculpas. Não quero! - Disse chorosa. Amy observava tudo, com dó de Lua e ao mesmo tempo, confusa. - Deita aqui comigo filha.
Amy revirou os olhos, e então subiu na cama de joelhos, ficando por cima do edredom, e por cima de Lua também, em um abraço acolhedor.
- Careeeeeente. - Sussurrou, entrando por baixo do edredom, e abraçando-a de conchinha.
Amy se assegurou de que Lua teria dormindo e levantou-se com cuidado da cama. Calçou as pantufas da mãe que estavam o chão diante da cama, e em ponta de pé, pegou o celular na comoda e saiu do quarto. Eram 2 da madrugada, e ela não conseguiu nem ao menos cochilar. Caminhou por todo o corredor, procurando na agenda de contatos, o numero que teria salvo da Géss. Passou a mão pela nuca, e acendeu a luz da sala. O quarto de Lua e Arthur estava com a porta fechada, e o quarto dos gêmeos que era ao lado, tinha a porta encostada, dava para ver a Luz do abajur clareando o quarto.
- Quem morreu? - A voz da Géss estava muito sonolenta.
- Géss, sou eu. - Disse em tom baixo. Sentando-se no braço do sofá. - Amy.
- Cara, vou desistir de ser sua amiga. - Resmungou em tom rouco. - São o que... Oh God..... 2 da madrugada. Amy Lee.... - Reprimiu, ao indagar seu nome.
- Sorry, please! - Mordeu os lábios. - Só precisava conversar.
- Odeio. Ser. Acordada. - Hesitou, atordoada pelo sono. - O que é conversar?
- Géssica. - Reclamou. - Me ouve.
- Fala vai. - Bocejou logo em seguida do outro lado da linha. -Você falou que iria ligar mais cedo. - O tom de voz dela era repressor e bastante sonolento.
Amy suspirou fundo passando a palma da mão pela nuca novamente.
- Meu pai brigou com a Lua.
- Que é sua mãe, certo?
- É... - Revirou os olhos. - E se as coisas continuarem como eu estou imaginando que vão continuar. Vai acabar tudo mal... Bem mal.
- Não consigo raciocinar. - Bocejou mais uma vez. - Sono, muito sono.
Amy revirou os olhos e então um ''quase'' sorriso, surgiu em seus lábios.
- Amanhã conversamos então. - Disse suave. - Tenho muita coisa pra te contar.
- Jura? - Disse num tom de voz carinhoso e exausto ao mesmo tempo. - quero saber.... Tu-do!
- Juro. - Dobrou os lábios. - Volta a dormir, você apenas sonhou comigo te ligando, dorme neném, que a cuca vem pegar....
- Babaca. - riu. - Boa noite.
- Boa noite. - Amy sorriu, inculcada. E em seguida desligou a ligação, batendo com o celular no joelho.

                                                                                        Continua.........

11 comentários:

  1. Lua tem que crescer essa ñ é atitude de uma adulta! Arthur tem que parar de ser pre historico que foi-se o tempo que mulher ficava em casa cuidando de menino.

    ResponderExcluir
  2. Apoio a lua totalmente

    ResponderExcluir
  3. +++++++++++++++++ please!

    ResponderExcluir
  4. Eu apoio a Lua em partes, ela apenas precisa amadurecer.
    Já o Arthur tem que ver que não estamos mas no tempo antigo.
    Affs ele tá muito irritante em certos momentos.

    ResponderExcluir
  5. Amo a amizade da Amy com a Géss <3

    ResponderExcluir
  6. Só eu que as vezes me estresso com as crianças e com a Amy? Kkkkkkkk

    ResponderExcluir