Peça-me o que quiser agora e sempre - 2º temp. - 6º e 7º Capítulo (Adaptada)

|
Capítulo 6:

Esse é um plano maravilhoso. Em outro momento teria parecido perfeito. Mas respondo:

— Não, obrigada. Não posso. Estou enrolada com minha família e além do mais, nesses dias, trabalho à noite e...

— Então trabalha à noite?

— Sim.

— Mas no quê?

— Sou garçonete num pub e...

— Como assim, Lua!? Garçonete?! Arthur não vai achar graça, não. Eu o conheço, não vai gostar nem um pouquinho.

— Que Arthur goste ou não já não é problema meu — esclareço sem querer entrar em detalhes. — Além disso, no sábado tenho uma corrida em Cádiz e...

— Tem uma corrida?

— Hum-hum.

— De quê?

— De motocross.

— Então você corre de motocross?

— Sim.

— Motocross! — grita, surpresa. — Lu, não posso perder essa. Você é minha heroína. Que coisas mais bacanas você faz! Se por acaso eu tiver uma filha, quero que ela seja como você quando crescer.

Ao perceber sua surpresa, rio e digo:

— É uma corrida beneficente, sabe, pra arrecadar fundos pra comprar brinquedos e distribuir pras crianças de famílias pobres.

— Ah, estaremos lá! Onde você disse que é?

— Em Puerto de Santa María.

— A que horas?

— Começa às onze da manhã. Mas olha, Frida... Não diga nada pro Arthur. Ele não gosta nem um pouco dessas corridas. Fica agoniado porque lembra do que aconteceu com a irmã.

— Não dizer ao Arthur? — zomba sem querer me ouvir. — É a primeira coisa que vou fazer quando estiver com ele... Se ele não quiser ir, que não vá, mas é claro que eu vou te ver.

— Eu não quero ver o Arthur, Frida. Estou muito chateada com ele.

— Para com isso, pelo amor de Deus! Agora vai ser mais idiota que ele?! Olha, se amanhã o mundo acaba como dizem os maias, e você nunca mais vê o Arthur... Já pensou?

O comentário me faz rir, embora reconheça que pensei nessa possibilidade.

— Frida, o mundo não vai acabar. E quanto ao Arthur, uma pessoa que desconfia de mim e que se enfurece comigo sem deixar que eu me explique não é o que quero na minha vida. Além disso, já estou cheia dele. É um babaca.

— Minha nossa! Realmente você é pior que ele. Vem cá, vocês são tão idiotas que não veem que foram feitos um pro outro? Bom, enfim... não quer deixar de lado esse teu orgulho desgraçado e dar a vocês a chance que merecem? Ele é um cabeça-dura? Com certeza! Você é uma cabeçuda? Com certeza! Mas, pelo amor de Deus, Lua, você tem que falar! Lembra que ia se mudar logo pra Alemanha? Já esqueceu? — E sem me dar tempo de dizer mais nada, afirma: — Bom, deixa comigo. Até sábado, Lu.

E, com uma estranha dor no estômago pelo que ouvi, me despeço.

Capítulo 7:


A sexta-feira passa — e o mundo não acaba! Os maias não acertaram.

No sábado, acordo muito cedo. Estou exausta por causa do meu trabalho de garçonete, mas é a vida. Olho pela janela.

Não está chovendo!

Beleza!

Saber que Arthur está a poucos quilômetros de mim e que há a possibilidade de nos vermos me deixa ansiosa demais. Não comento nada em casa. Não quero que isso mexa com eles e — quando chegam o Bichão e o Lucena com o reboque meu pai e José ajeitam aet moto nele — sorrio, feliz.

— Vamos, moreninha! — grita meu pai. — Já está tudo preparado.

Minha irmã, minha sobrinha e eu saímos de casa. Estou levando a bolsa com meu macacão de corrida. Ao chegar ao carro, me alegro ao ver Fernando chegando.

— Você vai? — pergunto.

Ele, engraçadinho, faz que sim.

— Me diga quando eu faltei a uma de tuas corridas?

Nos dividimos em dois carros. Meu pai, minha sobrinha, o Bichão e o Lucena vão num, e minha irmã, José, Fernando e eu, no outro.

Em Puerto de Santa María, nos dirigimos ao lugar do evento. Está transbordando de gente, como todos os anos. Depois de entrar na fila para confirmar a inscrição e receber meu número, meu pai volta feliz.

— Você é o número 87, moreninha.

Sorrio e olho em volta em busca de Frida. Não a vejo. Gente demais.

Checo meu celular. Nenhuma mensagem.

Me encaminho com minha irmã para os vestiários improvisados que a organização montou para os participantes. Tiro meu jeans e boto meu macacão de couro, vermelho e branco. Minha irmã me coloca as proteções dos joelhos.

— Qualquer hora dessas, Lua, vai ter que dizer a papai que vai parar com isto — afirma. — Você não pode continuar dando saltos numa moto eternamente.

— E por que não, se eu gosto?

Raquel sorri e me dá um beijo.

— Tem razão, na verdade. No fundo admiro seu lado de guerreira machona.

— Acabou de me chamar de machona?

— Não, fofinha. Quero dizer que essa força que você tem, eu gostaria de ter também.

— Você tem, Raquel... — sorrio com carinho. — Ainda me lembro de quando você participava das corridas.

Minha irmã vira os olhos:

— Mas eu corri duas vezes. Não levo jeito pra isso, por mais que papai adore.

Realmente, ela tem razão. Mesmo que nós tenhamos sido criadas pelo mesmo pai e tenhamos compartilhado os mesmos hobbies, ela e eu somos diferentes em muitas coisas. E o motocross é uma delas. Vivi esse esporte, sempre. Ela sofreu, sempre.

Já de macacão, vou para onde me esperam meu pai e o que se pode chamar minha equipe. Minha sobrinha está feliz e dá pulos de entusiasmo ao me ver. Para ela sou sua super titia! Sorridente, tiro fotos com ela e com todos. Pela primeira vez em vários dias, meu sorriso é franco e conciliador. Estou fazendo uma coisa de que gosto, e dá para ver isso na minha cara.

Passa um homem vendendo bebidas e meu pai compra uma Coca-Cola. Contente, começo a tomá-la quando minha irmã exclama:

— Ihhhh, Lua!

— O quê?

— Acho que tem alguém te paquerando.

Olho-a com uma expressão sacana, e ela, aproximando-se comicamente, cochicha:

— O piloto 66, o da tua direita, não para de te olhar. Não quero dizer nada, mas o cara tá quase babando.

Curiosa, me viro e sorrio ao reconhecer David Guepardo. Ele me pisca o olho, e ambos nos cumprimentamos. Nós nos conhecemos há anos. É de uma cidadezinha perto de Jerez chamada Estrella del Marqués. Somos apaixonados por motocross e costumamos nos encontrar de vez em quando em algumas corridas. Falamos por um instante. David, como sempre, é todo charmoso comigo. Supersimpático. Pego o que ele me entrega, me despeço e volto para minha irmã.

— O que tem aí?

— Ô Raquel, deixe de se meter em tudo — censuro. Mas ao compreender que não vai mesmo me deixar em paz, respondo: — Seu número de telefone, satisfeita?

Primeiro minha irmã tapa a boca e depois solta:

— Aiii, fofa! Quero ser você na outra encarnação.

Desato a rir bem na hora em que ouço:

— Lua!

Me viro e topo com o maravilhoso sorriso de Frida, que corre para mim com os braços abertos. Eu a abraço com alegria e vejo que atrás dela vêm Andrés e Arthur.

11 comentários:

  1. Mais, mais, mais, mais!

    ResponderExcluir
  2. Mds que perfect quero mais posta posta posta

    ResponderExcluir
  3. maaaaaaaaisssssss,,aii que curiosidade

    ResponderExcluir
  4. amooooo essa web, tomare que arthur provoque lua
    -allana <3

    ResponderExcluir
  5. web mais que perfeita <3

    ResponderExcluir
  6. cada vez mais mim apaixono por essa web.
    super anciosa pra ver lua provocando arthur

    ResponderExcluir
  7. parabéns as 2º temporada tá mais que perfeita

    ResponderExcluir
  8. Só quero vê a reação deles.... Muito ansiosaaaaa!!!! Posta mais hoje!! Segunda temporada muito boa a!!

    ResponderExcluir
  9. ARTHUR!!! Ebba ansiosa para ver a reação deles .

    ResponderExcluir
  10. Curiosa estou pra ver a cara de LuAr ! MAISS PELO AMOR DE DEUS ! AAAAA

    ResponderExcluir