Peça-me o que quiser (Adaptada)- Capítulo 3

|
Então solta uma gargalhada super falsa e sussurra: — Claro, Arthur. Te espero às duas na receção pra almoçar.
E, após dizer isso, desliga e olha para mim.
— Marque um horário pra mim no cabeleireiro para dentro de meia hora. Depois, uma reserva pra dois no restaurante da Gemma.
Dito e feito. Cinco minutos mais tarde, ela sai voando do escritório e volta uma hora e meia depois com seu cabelo mais brilhante e bonito e com a maquiagem retocada. Às 13h45, vejo Miguel batendo na sua porta e entrando. Olha isso! Não quero nem pensar no que estarão fazendo. Passados cinco minutos, ouço gargalhadas. Às 13h55, a porta se abre, os dois saem e minha chefe vem falar comigo.
— Lua, você já pode ir almoçar. E lembre-se: estarei com o senhor Aguiar. Se às cinco eu não tiver voltado e você precisar de qualquer coisa, ligue pro meu celular.
Quando a bruxa má e Miguel vão embora, eu enfim respiro aliviada. Solto o cabelo e tiro os óculos. Depois pego minhas coisas e caminho até o elevador. Meu escritório fica no 17º andar. O elevador para em vários andares para pegar outros funcionários, e com isso ele sempre demora a chegar ao térreo. De repente, entre o quinto e o sexto andar, o elevador dá um tranco e para completamente. As luzes de emergência se acendem, e Manuela, do almoxarifado, começa a gritar.
— Ai, minha Nossa Senhora! O que está acontecendo?
— Fique calma — respondo. — Acabou a luz, mas com certeza vai voltar daqui a pouco.
— E vai demorar quanto?
— Não sei, Manuela. Mas, se você ficar nervosa, vai se sentir mal aqui dentro e esse tempo vai parecer uma eternidade. Então respire fundo e você vai ver como a luz volta num piscar de olhos.
Mas, vinte minutos depois, a luz ainda não tinha voltado, e Manuela, com várias meninas da contabilidade, entra em pânico. Percebo que tenho de fazer alguma coisa.
Vejamos. Não gosto nada de estar presa num elevador. Fico agoniada e começo a suar. Se eu entrar em pânico, vai ser pior, então decido buscar soluções. Primeiro, junto o cabelo na nuca e prendo com uma caneta. Depois passo minha garrafinha d’água para Manuela beber e tento brincar com as meninas da contabilidade enquanto distribuo chicletes de morango. Mas meu calor vai aumentando, então tiro um leque da minha bolsa e começo a me abanar. Que calor!
Nesse momento, um dos homens que estavam apoiados num canto do elevador fica mais perto de mim e me segura pelo cotovelo.
— Você está bem?
Sem olhar para ele e sem deixar de me abanar, respondo:
— Uf! Quer que eu minta ou diga a verdade?
— Prefiro a verdade.
Achando graça, me viro em sua direção e, de repente, meu nariz roça contra um casaco cinza. Cheira muito bem. Perfume caro.
Mas o que ele faz tão perto de mim?
Imediatamente dou um passo pra trás e fixo o olhar nele pra ver quem é. Devo logo dizer que é alto — eu chego apenas à altura do nó da gravata. Também tem cabelo castanho, beirando o louro, é jovem e de olhos claros. Não me lembra ninguém, e, ao perceber que ele me observa à espera de uma resposta, eu cochicho para que só ele possa ouvir:
— Cá entre nós, jamais gostei de elevadores e, se as portas não se abrirem logo, vou ter um troço e...
— Um troço?
— Aham.
— O que é “ter um troço”?
— Isso, na minha língua, significa perder a compostura e ficar louca — respondo, sem parar de me abanar. — Pode acreditar. Você não ia gostar de me ver nessa situação.
Inclusive, se eu não tomo cuidado, solto espuma pela boca e minha cabeça gira como a da menina de O exorcista. É um espetáculo e tanto! — Meu nervosismo aumenta e eu lhe pergunto, numa tentativa de me acalmar: — Quer um chiclete de morango?
— Obrigado — responde ele e pega um.
Mas o engraçado é que ele abre e coloca o chiclete na minha boca. Aceito, surpresa, e, sem saber por quê, abro outro chiclete e faço a operação inversa. Ele, divertindo-se, também aceita.
Olho para Manuela e para as outras. Continuam histéricas, suadas e pálidas. Então, decidida a não deixar minha própria histeria aumentar, tento puxar conversa com o desconhecido.
— Você é da empresa?
— Não.
O elevador se move e todas começam a gritar. Eu não fico atrás. Seguro no braço do homem e torço a manga de sua camisa. Quando volto a mim, eu o solto em seguida.
— Perdão... perdão — me desculpo.



Meninas mais um capitulo  :)
Quem será o carinha do elevedor em meninas???
Obrigada a todas que estao a gostar e a comentar <3
Comentem!!!

7 comentários:

  1. Arthuuuur !!
    Posta ++++++++
    Ameeii *--*

    ResponderExcluir
  2. Ahhhhhh acho que é o Arthur u.u
    trocando chiclets uiiiiiiiii
    Jess posta mais mlr *O* por favor

    ResponderExcluir
  3. elevador maldito kkkkkkkk

    ResponderExcluir