Tentação Sem Limites - Capitulo 5

|
Tentação Sem Limites

Lua

Mel paro o carro de Chay no estacionamento do Dairy K. Notei que o pequeno Volkswagen azul da Thais estava lá e decidi ficar no carro. Eu só tinha visto Thais duas vezes desde que voltei e ela estava disposta a arrancar meus olhos. Ela era afim de Igor desde o colegial.  Até eu chegar e estragar qualquer tipo de relação que eles finalmente tinham decidido ter. Não era o que eu queria. Ela poderia ficar com Igor.
Mel começou a sair do carro e eu a agarrei pelo braço. ''Vamos apenas conversar no carro.'' Falei interrompendo-a.
''Mas eu quero um pouco de sorvete com Oreo.'' Ela reclamou.
''Não posso conversar lá dentro. Tem muita gente aí que conheço.'' Expliquei.
Mel suspirou e recostou-se no assento. ''Tudo bem. Minha bunda não precisa de mais sorvete e biscoitos.''
Sorri relaxada, grata pelos vidros escuros. Sabendo que eu não estava em exposição caso as pessoas parassem e me vissem no carro de Chay. Ninguém por aqui olharia para os carros, nem mesmo um como esse.
'' Não vou bater na mesma tecla sobre isso, Lu. Sinto sua falta. Eu nunca tive uma amiga por perto antes. Nunca. Então você veio e depois se foi Odeio você por ter ido embora. O trabalho é um saco sem você por perto. Não tenho ninguém para contar sobre a minha vida Sexual com Chay e quão doce ele está sendo, o que é algo que eu não tivesse te escutado. Sinto muito a sua falta.''
Senti lágrimas arderem nos meus olhos. O fato dela ter sentido minha falta me deixou aliviada. Senti falta dela também. Sei que perdi um monte de coisas.
''Também fiquei com saudades.'' respondi, torcendo para não ficar muito chorosa.
Mel assentiu e um sorriso apareceu em seus lábios. ''Tudo bem. Porque preciso de que você volte e  viva comigo. Chay me deu um apartamento na beira-mar que fica na propriedade do clube. Mas me recuso a deixá-lo pagar por isso. Então, preciso de uma colega de quarto. Por favor, volte. Eu preciso de você. E Fernando disse que você teria o seu emprego de volta imediatamente.''
Voltar para Rosemary? Onde Arthur estava... e Giovanna... e meu pai. Eu não podia voltar. Não podia vê-los. Eles estariam no clube. Será que meu pai chamaria Giovanna para jogar golfe? Eu podia conviver com isso?
Não. Eu não podia. Seria demais para mim.
''Eu não posso.'' Botei pra fora. Eu queria poder. Não sabia para ode eu estava indo depois que descobri que estava grávida, mas eu não poderia voltar para Rosemary e não poderia ficar aqui.
''Por favor, Lu. Ele sente sua falta também. Ele nunca sai de casa. Chay diz que é lamentável.''
A ferida no meu peito ardeu novamente. Saber que Arthur também estava sofrendo foi difícil. Imaginei que ele faria suas festas em casa e seguiria em frente. Não queria que ele ainda estivesse triste. Eu só precisava que nós se guisemos em  frente. Mas talvez eu nunca conseguisse. Sempre me pego lembrando dele.
''Não posso vê-los. Qualquer um deles. Seria muito difícil.'' Fiz uma pausa. Eu não poderia dizer a Mel sobre a minha gravidez. Mal tive tempo para compreende-la. E não estava pronta para contar a ninguém. Nunca poderia contar a ninguém que não fosse Igor. Vou embora daqui em breve. Indo para um lugar que ninguém me conhecesse. Seria um novo começo.
''Seu... hum, pai e Julia não estão lá. Eles foram embora. Giovanna está, mas ela está mais quieta agora. Acho que ficou preocupada com Arthur. Vai ser difícil no começo, mas assim que você encarar tudo de frente, fica mais fácil deixá-los para trás. E tudo será superado. Além disso, a forma como os olhos do Fernando se iluminaram quando mencionei que você iria voltar, você pode se distrair com ele. Ele está mais do que interessado.''
Eu não queria Fernando. E nada poderia me distrair. Além disso, Mel não sabia de tudo. Eu não podia dizer a ela o que realmente aconteceu. Pelo menos, não hoje.
''Por mais que eu queira. Eu simplesmente não posso. Sinto muito.''
Eu estava arrependida. Mudar-se com a Mel e ganhar meu emprego de volta no clube seria a resposta para quase todos os meus problemas. Mel deixou escapar um suspiro de frustração e colocou a cabeça para trás no assento ao fechar os olhos.
''Certo. Eu entendo. Não gosto disso, mas eu te entendo.''
Estendi e apertei sua mão com força. Queria que as coisas fossem diferentes. Se Arthur fosse apenas um cara que eu tinha terminado seria mais fácil. Mas não era. E nunca seria. Ele era mais. Muito mais do que ela poderia entender.
Mel apertou minha mão de volta. ''Vamos deixar isso de lado por hoje. Mas não vou procurar por outra colega de quarto imediatamente. Estou te dando uma semana para pensar, ok?! Aí terei que encontrar alguém para me ajudar a pagas as contas. Então, você pode pensar sobre isso?''
Concordei porque sabia que era o que ela precisava, mesmo sabendo que sua espera fosse inútil.
''Certo. Vou voltar para casa e orar, para ver se Deus ainda se lembra de quem diabos eu sou.'' Ela piscou para mim e, em seguida, estendeu a mão sobre o assento para me abraçar.
''Coma um pouco de comida por mim, tá? Você está ficando muito magra.'' Ela disse.
''Ok.'' Respondi, me perguntado se isso seria possível. Mel se sentou. ''Bem, se você não vai arrumar as malas e voltar para Rosemary comigo, então pelo menos nós vamos sair. Preciso me hospedar antes de pegar a estrada novamente. Podemos encontrar um pouco de diversão em algum lugar e, em seguida, ficar em um hotel.''
Concordei. ''Sim. Isso soa bem. Mas nada de barzinho caipira.'' Jamais poria os pés num lugar desse. Pelos menos não tão cado.
Mel franziu a testa. ''Tudo bem. Mas há outro lugar além desse nesse estado?''
Ela estava certa. ''Podemos dirigir para Birmingham. é a cidade grande mais próxima.''
''Perfeito. Vamos nos divertir.''
Quando paramos na calçada da Vovó Sonia, ela estava sentada do lado de fora da varanda descascando ervilhas. Eu não queria enfrentá-la, mas ela me seu um teto durante três semanas sem contestar. Ela merecia uma explicação. Eu não tinha certeza se Igor disse alguma coisa. A caminhonete dele não estar aqui e fiquei imensamente grata.
''Quer que eu fique no carro?'' Perguntou Mel. Seria mais fácil se ela ficasse, mas Vovó Sonia iria vê-la e, me chamar de rude se eu não deixasse minha amiga entrar.
''Você pode vir comigo.'' Eu disse a ela e abri a porta do carro. Mel caminhou ao redor da frente do carro e apressou os passos até chegar ao meu lado. Vovó Sonia ainda não tinha olhado além de suas ervilhas, mas eu sabia que ela tinha nos ouvido. Provavelmente ela estava pensando sobre o que ia dizer. Igor deve ter dito a ela. Caramba.
                                                                                                         Continua.....

 Cap dedicado especialmente à aniversariante do dia! 
 Parabéns, Dri... muitas felicidades e tudo de bom pra vc. Espero que vc tenha aproveitado muito seu dia. Parabéns ...



8 comentários:

  1. Maaaais! Rola mais um hj manuu? Pff
    By rafa

    ResponderExcluir
  2. Muitooo boom, postaaa maisss.Parabéns Dri Tudo de Bom pra vc

    ResponderExcluir
  3. Lua vai acabar encontrando o thur nessa saida dela com a mel . E tomara q a lua n fique com o fernando nem o igor , thur abre o olho e cuida do q é seu pq ela tem muitos pretendentes posso dizer assim . Xx adaline

    ResponderExcluir
  4. Caramba, pensei que ela fosse aceitar :/ a proposta da Mel.
    Ahaha espero que ela mude de opnião ou que consiga seguir adiante :D

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado Manu ! Foi legal , to adorando a web.:-*:-*
    By:Drielle

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado bela!!

    ResponderExcluir
  7. Ela tem que aceitar o convite da Mel.
    Acho que ela vai acabar encontrando o Arthur nessa saida.

    ResponderExcluir
  8. Mais! Dá um jeito da Lua ir morar com a Mel! Adorei.

    ResponderExcluir