Não foi um erro - 38º Capitulo

|



No capitulo anterior…

Saí do quarto dele e fui até ao meu. Queria contar logo à Yasmin que amanha ela vai poder ver a sua avó. Não sei como ela vai reagir, afinal, nunca falamos sobre isso.
Passei a noite em claro. Não sabia o que pensar e como agir no encontro de amanhã. Mas algo vai surgir, ou então, deixarei apenas acontecer.

POV LUA

Não calculava que o dia seguinte chegasse tão rápido, apesar de eu não ter dormido nada. Eu passei a noite em claro, pensando na melhor maneira de contar a história à Yasmin. Durante 5 anos ela viviu sem a sua avó e agora, do nada, a avó dela aparece na sua vida, assim como o pai apareceu. É de mais para a cabeça pequena dela.

- Bom dia mamãe! – ela acordou primeiro que eu. Ainda tinha aquele rosto de sono. Vinha do banheiro e veio de novo deitar na minha cama
- Bom dia filha. Hoje vai ser um dia diferente e… especial. – sorri pra ela, enquanto colocava o seu cabelo para trás
- Porque? O que vamos fazer?
- Agente vai conhecer uma pessoa. Mas deixa isso pra lá. Depois eu te explico tudo. Vamos antes tomar um banho e comer. Depois vamos sair
- O papai vai?
- Eu acho melhor não. Ele tem de trabalhar e…
- Mas quando vamos sair todos juntos? – ela cruzou os braços – Eu queria sair como uma família.
- Se tudo correr bem, hoje você vai conhecer mais uma pessoa da sua família.
- Serio? Quem? É um primo, ou prima? Um irmão?
- Irmão, mocinha? Claro que não! – eu ri – Tá cedo para isso. Mas depois você vê.

Ela foi tomar o seu banho, enquanto eu sai do quarto. Antes de ir para a cozinha, fui até ao quarto do Arthur dar os bons dias a ele e quem sabe assim ele me de as forças que eu necessito para esse dia.
Bati à porta duas vezes e ele veio abrir. Estava apenas de toalha sobre a cintura. Parecia que tinha acabado de tomar banho.

- E desde quando você precisa de bater à porta?
- Desde que… por causa disso, né? – encarei ele, olhando a sua toalha
- Tolinha, vem! – ele pegou a minha mão e entramos no quarto – Bom dia antes de mais! – agente deu um beijo bem longo
- Bom dia. – sorri, sentando na cama dele, ao seu lado – Eu vou agora ter com a minha mãe
- Tá pronta?
- Acho que sim… passei a noite pensando em possíveis encontros.
- Adiantou de alguma coisa?
- Não mesmo! – suspirei
- Precisa de forças? De apoio?
- Hum hum – assenti
- Isso ajuda? – ele me abraçou forte e deu vários beijos no meu pescoço.
- Ajuda muito… - sorri e fui no mesmo balanço

Eu estava praticamente no seu colo, enquanto ele beijava o meu pescoço. Eu fechava os olhos sentindo a sua boca percorrer o meu pescoço, subindo os beijos até à minha orelha e mordendo. De seguida, passaram para a boca, onde lá a sua língua pediu permissão e eu dei.
Estava se tornando num beijo quente, mas não era hora para aquilo. Senti ele quase me deitar na cama e foi ai que pedi para ele parar…

- é… vamos parar mesmo, porque… - ele começou a respirar ofegante – Eu preciso de ir trabalhar.
- E eu preciso… - eu não parava de olhar para a toalha dele. Eu tocava ali um volume diferente – Ir embora!

Sai do quarto correndo. Não sei, mas se nós não tivéssemos nada para fazer agora, eu super aposto que algo entre agente ia acontecer. Acho que era hoje.
Fiz o café da manhã. Comi junto com a Yasmin que não parava de fazer perguntas. Quando estávamos saindo de casa, o Arthur ia sair à mesma hora que nós.

- Bom dia – ele deu de novo
- Bom dia papai! – Yasmin beijou o rosto dele
- Precisam de boleia para algum lado?
- Não. Vamos de ónibus. Não é longe daqui
- Tá… sendo assim, boa sorte e até logo.
- Até logo – dei e sorri
- Yasmin, me dá outro beijo? – ele pediu, se agachando e ficando do mesmo tamanho que ela
- Claro! – a menina foi até ele, deu outro beijo e um abraço. Arthur a apertou também. Ele parecia muito feliz.
- Bom, até logo – se aproximou o meu rosto do meu, por pouco não demos um selinho, mas eu desviei o rosto e demos um beijo no rosto apenas
- Até… - eu estava envergonhada.

Cada um seguiu o seu destino. Eu e a Lua chegamos um pouco mais cedo ao local que a minha mãe combinou, uma simples esplanada perto da praia. Com o calor que se fazia sentir, o certo, depois disso, era ir mergulhar no mar.

- Quero uma coca-cola
- É de mais para você, além disso, faz mal Yasmin. Um suco de laranja e não se fala mais nisso!
- Ahh, não mamãe!
- Yasmin, é como eu estou dizendo. – dei uma de mãe mandona

Enquanto bebíamos o suco, eu comecei a explicar algumas coisas à Yasmin.

- Filha, uma senhora vem aqui falar com agente.
- Quem? Uma tia? Outra mãe?
- Outra mãe? Tá tolinha agora? – encarei ela
- Uê, se eu tive dois pais, também posso ter duas mães, né?
- Ahh, mas é isso que você quer? – cruzei os braços – Quer me trocar? Não gosta mais de mim é?
- Não mamãe! – ela desceu da cadeira e veio sentar no meu colo – Eu amo você! Você é a melhor mãe do mundo.
- Acho mesmo bom que seja assim! Rhum! – rimos as duas, enquanto ela me abraçava – Mas agora falando serio. A senhora que vem aqui, é a minha mãe.
- A sua mãe? Eu não sabia que você tinha uma mamãe. – droga, ela já estava confusa!
- Eu e ela estivemos afastadas durante um tempo, por causa de uns problemas. Mas agora ela quer te conhecer. Ela vai ser a sua vovó
- Ahh. E ela vai me dar bonecas e chocolates?
- Não. Quem faz isso, é o seu pai
- Ahh. Então ela vai me dar o quê?
- Nada. Acho eu… vamos esperar para ver.

Ao longe, vejo uma cara conhecida. Um pouco diferente, mas mesmo assim reconheci. Ela usava um vestido pelo joelho, um pouco florido e tinha aquele batom claro que sempre usou, desde que a conheço. Trazia a sua pequena bolsa e as unhas pintadas, como sempre. Uma verdadeira madame. Ela me reconheceu ao longe e veio ter à nossa mesma.
Quando ela tirou os óculos escuros de sol, os seus olhos brilharam ao ver a Yasmin. Yasmin se assustou, não sabia o que dizer e quando a senhora colocou a mão sobre o rosto da Yasmin, ela se afastou.

- Lua… sou eu minha filha.
- Eu sei bem quem você é. Deu pra ver ao longe. – apontei para a cadeira em frente – Pode se sentar.
- Claro. – sorriu e sentou na cadeira em frente – Yasmin, você é tão linda.
- É. Todos dizem isso
- Mas é porque é verdade mesmo. Você tem o rostinho de quando a sua mãe era mais pequena. – sorriu ela – Me lembro perfeitamente. Eu sou a sua vovó, sabia?
- Sim. A mamãe disse. – Yasmin virou o rosto para mim – Mamãe, eu quero sorvete.
- Espera… eu te dou dinheiro e você vai lá comprar. Quer?
- Sim! – respondeu à minha mãe.

Dona Maria deu o dinheiro à Yasmin e ela foi comprar. Havia uma fila enorme ao pé da sorveteria devido ao calor que se fazia sentir. Eu não deixava de ter o olhar atento sobre ela.

- Ela está enorme e muito espertinha.
- É. Eduquei ela bem – sorri, meia forçada
- Você está tão crescida, tão grande. Tão diferente. Está feita numa mulherzinha.
- Você não notaria tanta diferença se estivesse comigo sempre
- Aquele dia foi um erro…
- Pois foi. Erro que nunca sairá da minha memória. Vocês foram as pessoas que mais me fizeram sofrer e nem um pedido de desculpas se eu tive
- Eu peço imensas desculpas. O seu pai, ele era ruim, viveu sempre cheio de regras e…
- … e quis fazer a nossa casa numa prisão, só por ser juiz e general. Eu estava farta mãe. Farta! E nem você para ficar do meu lado
- Eu estava sempre do seu lado, mas você sabe como o seu pai era…
- Eu sei bem como pai era e é por saber disso que você deveria me ajudar e não ficar do lado dele.
- Mas agora eu voltei para te ajuda, ficar do seu lado e contar umas coisas pra você… - ela suspirou
- Que coisas?
- O seu pai está mal… está com câncer, numa fase terminal.
- O quê? – eu fiquei chocada
- Olha mamãe, a senhora colocou natas no sorvete e flocos. Não é legal? – Yasmin chegou toda contente com o seu sorvete. Sorria e tinha as barbas cheias dele
- Você gostou linda? – Dona Maria perguntou
- Sim senhora. – respondeu educada – Mamãe, o que você tem?

Hey, capítulo grande né? Quero muitos comentários aqui!
#META: 160 seguidores, rola?

5 comentários:

  1. Posta mais um,curiosa pra saber o que vai acontecer

    ResponderExcluir
  2. Posta mais um pra compensar o de ontem (olha a chantagem psicológica ) kkkkk Beeeeijos. Simplesmente amo essa web. Nathy.

    ResponderExcluir
  3. N deixa o pai da Lua morrer n, faz ele curar e aceitar Lua e a Yasmim
    Pf pf se o pai dela morrer a web vai ficar triste!!!

    ResponderExcluir